Rio Jacuípe

Avenida Presidente Dutra - Feira de Santana

Avenida Presidente Dutra em Feira: origens e modificações históricas

Existe um argumento de autoridade nas cidades brasileiras que sempre é evocado por pessoas que foram as primeiras a povoar determinada localidade. É comum encontrarmos pessoas que normalmente soltam um bom: “quando eu cheguei aqui era tudo mato!”. A frase mais do que nos mostrar que estamos diante de uma pessoa que acompanhou o desenvolvimento daquela rua, avenida, bairro, cidade desde os primórdios. Serve também para nos lembrar que o espaço urbano está em constante modificação: seja pela construção de novas edificações ou pela derrubada de prédios antigos, instalação de iluminação pública, construção de túneis, passarelas, viadutos etc. Sob qualquer

Casarão Froes da Mota

Casarão da Fróes da Motta tem inspiração alemã

Daquilo que ainda resta do rico patrimônio arquitetônico da Feira de Santana se destaca o casarão do intendente Eduardo Fróes da Motta. O imóvel fica na rua General Câmara, aquela que liga as praças Fróes da Motta e Nordestino, no centro da cidade. A construção é antiga e imponente: quem transita ali, pela rua estreita, não deixa de se impressionar com o porte, com os detalhes caprichados, com o padrão difícil de se ver no município, mesmo na primeira metade do século passado. Não é para menos: quem teve a iniciativa da construção foi Agostinho Fróes da Motta, em 1902.

Larissa Rodrigues

Entrevista com Larissa Rodrigues [Feirenses TV]

O debate sobre a representatividade das mulheres vem crescendo em diversos setores da sociedade, principalmente naqueles onde o homem manteve-se hegemônico ao longo da história (notadamente lugares de poder). Na política, por exemplo, o Brasil ostenta a marca de ter apenas 10,5% de mulheres no Congresso Nacional, mesmo tendo uma população 51% feminina. Nas artes o cenário não é diferente: segundo a professora de literatura e feminista feirense Larissa Rodrigues, de um total de publicações no mercado editorial brasileiro, apenas 30% obras são de autoras mulheres. É nesse contexto que surge o projeto “Leia Mulheres”, um projeto que tem como

Três anúncios para um crime

Cine Debate em Feira sobre “Três anúncios para um crime”

No próximo dia 15 de setembro os cinéfilos feirenses terão a oportunidade de participar de um Cine Debate sobre um dos filmes mais prestigiados do ano: “Três anúncios para um crime”, que conta a história de Mildred Hayes (Frances McDormand), que inconformada com a ineficácia da polícia em encontrar o culpado pelo brutal assassinato de sua filha decide chamar atenção para o caso não solucionado alugando três outdoors em uma estrada raramente usada. Veja o trailer do filme:   No Cine Debate, a discussão gira em torno de uma sociedade na qual as relações mostram-se cada vez mais fragilizadas pela vida acelerada, e explana sobre

Fervura Feira Noise

Fervura Feira Noise antecipa o maior Festival de Artes Integradas da Bahia

O Feira Noise – Festival de Artes Integradas, anunciou oficialmente as datas da sua oitava edição, que acontece entre os dias 23 a 25 de novembro, no Centro de Cultura Amélio Amorim, aqui em Feira. Apesar da programação do festival ainda não ter sido divulgada, o Feira Coletivo Cultural, produtora que assina o evento, realiza no próximo dia 7 de setembro a primeira edição do Fervura Feira Noise 2018, com a apresentação de grandes atrações a partir das 21h, no Jhonnie Club (Rua São Domingos). A banda feirense Sofie Jell se junta ao cantor e compositor Balaio, de Vitória da

A escola que ensina o amor a Feira de Santana

Desde que iniciamos o Feirenses, em 2015, nos dedicamos à investigação sobre quais são os elementos culturais de relevância para Feira de Santana. A ideia sempre foi superar o aqui e agora (que já tem seu lugar em diversos veículos de comunicação na cidade), para alcançar reflexões sobre o que fomos, o que somos e o que seremos ou podemos ser. Não tem sido fácil, nem podemos dizer que nossos objetivos estão sendo alcançados, mas a busca por esse espaço tem sido muito prazerosa.

Entre as descobertas que tivemos, destaco o orgulho adormecido que nós, feirenses, nascidos ou não em Feira, temos da cidade. É verdade que não possuímos o ufanismo que o carioca tem da “Cidade Maravilhosa”, ou que Dorival Caymmi expressa ao falar da sua “São Salvador”, mas há um sentimento recluso, pronto para se manifestar tão logo descobrimos feitos positivos, elementos históricos relevantes ou perspectivas de mudanças virtuosas em Feira. Nosso sentimento de pertencimento ainda é difuso e pouco exaltado.

Não é difícil de compreender algumas causas desse impasse: somos uma cidade de estrangeiros, da gente que passa e vai; ou fica. Muitos não criam raízes, outros criam raízes nômades, que precisam ser replantadas em outras terras, a depender das circunstâncias da vida. Além disso, vivemos o dilema de estar entre o rural e o urbano. Cidade grande, que planta e vende mandioca nas suas principais avenidas. Cidade rural de São José das Itapororocas, Jaíba e demais distritos, mas que ostenta veículos de luxo cobiçados em todo o mundo.

Por fim, não esqueçamos as implicações de estar apenas a 100 quilômetros de Salvador, a capital do estado. Primeira capital do Brasil, pólo artístico e turístico internacional, uma gigante econômica, Salvador é sempre uma referência de comparação para os feirenses. A Micareta de Feira é bastante comparada com o Carnaval de Salvador. Lamentamos frequentemente os shows e apresentações que passam por lá, e não por aqui. E o cinema? Por que não sai um de lá e vem pra cá? Nesse passo vamos diminuindo e esquecendo o que somos, com a ânsia de ser uma cópia improvisada da capital que nunca seremos. Nem precisamos ser!

“Uma das experiências mais emocionantes que já vivi”

É nesse contexto reflexivo sobre nossa identidade que brota meu entusiasmo por uma iniciativa da Escola João Paulo I, o projeto “Vivendo Feira”, que incentiva alunos do Ensino Fundamental a conhecer a história de Feira de Santana, reconhecer as personalidades que contribuem com a cidade na atualidade e a pensarem criticamente sobre o futuro do município. Se é na infância que temos grande abertura para compreender nosso papel em meio à comunidade, e quando construímos nossa identidade, é importantíssimo que o amor pelo espaço de origem seja plantado, para que a colheita, no futuro, seja de cidadania crítica e consciente a favor da comunidade em que se vive.

No encerramento do projeto, ocorrido na última sexta (1/12), fui um dos homenageados pelos alunos da Escola, após ter sido biografado pelos alunos do 3º ano do Ensino Fundamental. Uma das experiências mais emocionantes que já vivi, não só pelo reconhecimento ao trabalho realizado, principalmente aqui no Feirenses, que tem servido de fonte de pesquisa pelos alunos, mas por ter sido aluno do João Paulo da primeira à quarta série do primário (2º ao 5º anos atualmente).

Professoras Enedite, Cássia e Judinara

Professoras Enedite, Cássia e Judinara: três lideranças da Escola João Paulo I

No meu tempo, a escola era localizada na Kalilândia, e já possuía, nos anos 90, práticas muito criativas e marcantes para todos nós que lá estudamos. Foi lá que tive o primeiro jantar à luz de velas, com minha mãe, em uma homenagem feita no dia das mães. Através da Escola conheci o Observatório Antares e o Museu Casa do Sertão. Nos finais de ano, aprendíamos na prática que as ruas não serviam apenas para carros, pois desfilávamos celebrando o Natal para toda a cidade ver.

Lembro também das atividades no pátio da escola, onde ouvíamos instruções sempre antes da aula. Era comum termos as visitas cuidadosas das professoras Enedite, Cássia e Judinara às salas de aula, mulheres que persistem com o mesmo trabalho artesanal de formar seres humanos amplos em Feira de Santana. A todas elas, agradeço a oportunidade de devolver o que me entregaram, e parabenizo-as pela crença em Feira de Santana, e pelo brilhante trabalho de plantar em nossas crianças a semente de uma cidade melhor. Muito obrigado!

OBS: Um agradecimento especial à professora Suzete e sua turma, que me escolheram como homenageado e tiveram grande carinho em todos os encontros que tivemos.

 

Fotos de capa: Alexandre/JPI


Sobre o (a) autor (a):