Rio Jacuípe

Porque eu te amei

O que ‘Porque eu te amei’ tem a falar sobre Feira?

Já passado alguns meses do lançamento do filme feirense de Tiago Rocha, que gerou assunto durante um bom tempo e lotou praticamente todas as sessões enquanto esteve em exibição, o longa, embora já fora dos cinemas, ainda tem muito que falar. E não me refiro exclusivamente aos temas abordados no enredo. Como violência doméstica, abuso, estupro etc. Mas, também, sobre o nosso olhar sobre Feira. Porque eu te amei é uma espécie de grito da classe artística feirense. Uma produção independente, envolvendo profissionais e entusiastas da cidade, lançada por aqui de maneira honrada e reconhecida – principalmente por quem duvidou.

Irving São Paulo

O ator feirense Irving São Paulo

Provavelmente você conhece o rosto do ator Irving São Paulo, filho de um histórico cineasta brasileiro, Olney São Paulo. Irving, nascido em Feira de Santana, estrelou grandes novelas brasileiras, a exemplo de “Bebê a bordo”, “Mulheres de Areia”, “A Viagem” e “Torre de Babel”. Irving nasceu em 26 de outubro de 1964, em Feira, onde iniciou a atuar em peças de teatro. Faleceu precocemente, aos 41 anos de idade, vítima de pancreatite necro-hemorrágica. Recentemente o Vídeo Show dedicou uma edição do quadro “Memória Nacional” ao ator feirense, mostrando sua trajetória e múltiplos talentos (em especial a música):   A seguir,

Jogo de Nonô

O jogo de Nonô

“Tira a mão do ovo, Nonô!”, protesta Toinho Cabeção quando o coroa de 86 anos chega para almoçar. É assim todo início de mês: Nonô chega na lanchonete do Centro Mandacaru apoiando uma mão na bengala e a outra oscilando entre o bolso e algumas coçadinhas no meio da calça. Ele não terceiriza o saque da aposentadoria, tanto por vigilância orçamentária quanto por deleite ritualístico: após ir ao banco, compra os remédios do mês, apara o cabelo que lhe resta e arrisca tornar-se milionário nos seis números da mega. “Jogar na mega pra onde, Nonô? Vai gastar esse milhão com

Colbert e Targino

Targino e Colbert trocam farpas

Sem informação Após a população do Conjunto Viveiros realizar uma manifestação por conta da falta de médico no Posto de Saúde da localidade, o prefeito Colbert Martins disse o seguinte: “não tinha informação que o posto médico do Viveiros estava tanto tempo (cerca de sete meses) sem médico”. Targino cobra afastamento da Secretária de Saúde e do Procurador do município O Deputado Estadual Targino Machado (DEM), durante pronunciamento na tribuna da Assembleia Legislativa da Bahia, nesta terça-feira, 21, cobrou do prefeito de Feira de Santana, o afastamento da Secretária Municipal de Saúde, Denise Mascarenhas, e do Procurador do município, Cleudson

Roberto Mendes

Roberto Mendes faz show na Cidade da Cultura

Um dos maiores artistas que a Bahia produziu estará em Feira de Santana na próxima quinta-feira: o cantor, compositor e ativista santamarense Roberto Mendes faz show na Cidade da Cultura, um dos principais espaços culturais de Feira de Santana. Mendes apresentará um show com tema caro a Feira de Santana: “A chula do Recôncavo com o Canto do Sertão”. Situada entre o Recôncavo e o Sertão, Feira tem a oportunidade de se reconhecer na apresentação de um notável defensor do Samba da Bahia, e do Samba antes do Samba, como ele diz, se referindo à Chula. Ele caracteriza a Chula

A escola que ensina o amor a Feira de Santana

Desde que iniciamos o Feirenses, em 2015, nos dedicamos à investigação sobre quais são os elementos culturais de relevância para Feira de Santana. A ideia sempre foi superar o aqui e agora (que já tem seu lugar em diversos veículos de comunicação na cidade), para alcançar reflexões sobre o que fomos, o que somos e o que seremos ou podemos ser. Não tem sido fácil, nem podemos dizer que nossos objetivos estão sendo alcançados, mas a busca por esse espaço tem sido muito prazerosa.

Entre as descobertas que tivemos, destaco o orgulho adormecido que nós, feirenses, nascidos ou não em Feira, temos da cidade. É verdade que não possuímos o ufanismo que o carioca tem da “Cidade Maravilhosa”, ou que Dorival Caymmi expressa ao falar da sua “São Salvador”, mas há um sentimento recluso, pronto para se manifestar tão logo descobrimos feitos positivos, elementos históricos relevantes ou perspectivas de mudanças virtuosas em Feira. Nosso sentimento de pertencimento ainda é difuso e pouco exaltado.

Não é difícil de compreender algumas causas desse impasse: somos uma cidade de estrangeiros, da gente que passa e vai; ou fica. Muitos não criam raízes, outros criam raízes nômades, que precisam ser replantadas em outras terras, a depender das circunstâncias da vida. Além disso, vivemos o dilema de estar entre o rural e o urbano. Cidade grande, que planta e vende mandioca nas suas principais avenidas. Cidade rural de São José das Itapororocas, Jaíba e demais distritos, mas que ostenta veículos de luxo cobiçados em todo o mundo.

Por fim, não esqueçamos as implicações de estar apenas a 100 quilômetros de Salvador, a capital do estado. Primeira capital do Brasil, pólo artístico e turístico internacional, uma gigante econômica, Salvador é sempre uma referência de comparação para os feirenses. A Micareta de Feira é bastante comparada com o Carnaval de Salvador. Lamentamos frequentemente os shows e apresentações que passam por lá, e não por aqui. E o cinema? Por que não sai um de lá e vem pra cá? Nesse passo vamos diminuindo e esquecendo o que somos, com a ânsia de ser uma cópia improvisada da capital que nunca seremos. Nem precisamos ser!

“Uma das experiências mais emocionantes que já vivi”

É nesse contexto reflexivo sobre nossa identidade que brota meu entusiasmo por uma iniciativa da Escola João Paulo I, o projeto “Vivendo Feira”, que incentiva alunos do Ensino Fundamental a conhecer a história de Feira de Santana, reconhecer as personalidades que contribuem com a cidade na atualidade e a pensarem criticamente sobre o futuro do município. Se é na infância que temos grande abertura para compreender nosso papel em meio à comunidade, e quando construímos nossa identidade, é importantíssimo que o amor pelo espaço de origem seja plantado, para que a colheita, no futuro, seja de cidadania crítica e consciente a favor da comunidade em que se vive.

No encerramento do projeto, ocorrido na última sexta (1/12), fui um dos homenageados pelos alunos da Escola, após ter sido biografado pelos alunos do 3º ano do Ensino Fundamental. Uma das experiências mais emocionantes que já vivi, não só pelo reconhecimento ao trabalho realizado, principalmente aqui no Feirenses, que tem servido de fonte de pesquisa pelos alunos, mas por ter sido aluno do João Paulo da primeira à quarta série do primário (2º ao 5º anos atualmente).

Professoras Enedite, Cássia e Judinara

Professoras Enedite, Cássia e Judinara: três lideranças da Escola João Paulo I

No meu tempo, a escola era localizada na Kalilândia, e já possuía, nos anos 90, práticas muito criativas e marcantes para todos nós que lá estudamos. Foi lá que tive o primeiro jantar à luz de velas, com minha mãe, em uma homenagem feita no dia das mães. Através da Escola conheci o Observatório Antares e o Museu Casa do Sertão. Nos finais de ano, aprendíamos na prática que as ruas não serviam apenas para carros, pois desfilávamos celebrando o Natal para toda a cidade ver.

Lembro também das atividades no pátio da escola, onde ouvíamos instruções sempre antes da aula. Era comum termos as visitas cuidadosas das professoras Enedite, Cássia e Judinara às salas de aula, mulheres que persistem com o mesmo trabalho artesanal de formar seres humanos amplos em Feira de Santana. A todas elas, agradeço a oportunidade de devolver o que me entregaram, e parabenizo-as pela crença em Feira de Santana, e pelo brilhante trabalho de plantar em nossas crianças a semente de uma cidade melhor. Muito obrigado!

OBS: Um agradecimento especial à professora Suzete e sua turma, que me escolheram como homenageado e tiveram grande carinho em todos os encontros que tivemos.

 

Fotos de capa: Alexandre/JPI


Sobre o (a) autor (a):