As Feiras de Feira de Santana

O pintor feirense Cesar Romero

O pintor feirense Cesar Romero

Quem acompanha o cenário das artes plásticas da Bahia certamente já ouviu falar ou já se deparou com alguma obra do pintor Cesar Romero. O que nem todos sabem é que o artista plástico autor das “Faixas Emblemáticas” é feirense, nascido em 1950. “Dois fatos foram determinados em minha formação de artista plástico: a convivência com as feiras livres, sempre às segundas-feiras, em companhia do meu pai, e a criação do Museu Regional de Feira de Santana. Se eu tivesse nascido em outra cidade, muito provavelmente não haveria o artista que sou, nem esta obstinada escolha de brasilidade. Feira de

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira de Santana?

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira?

A Câmara de Vereadores é uma instituição importantíssima para qualquer município. Suas cadeiras são ocupadas pelos representantes políticos mais próximos à comunidade: os vereadores, eleitos principalmente pela capacidade de interlocução e liderança em determinados bairros e comunidades. Além de levar demandas da comunidade ao Poder Executivo, mantendo diálogo permanente com secretários, superintendentes e outros gestores, o vereador deve cumprir o papel fiscalizador das ações e decisões emanadas do Prefeito. Sem falar no papel de legislador e promotor de debates sobre temas de interesse da comunidade, fazendo com que os munícipes tenham participação ativa nas políticas públicas. Quanto mais os vereadores

Colbert proíbe atividades extraescolares

Colbert proíbe atividade extraescolar nas escolas de Feira

O Prefeito Colbert Martins, desde o final de outubro de 2018, resolveu cancelar todas as atividades externas com os alunos da rede municipal de ensino. A medida foi tomada em virtude da morte do estudante que se afogou durante um passeio escolar, em um sítio localizado no bairro Conceição. O passeio fazia parte de uma atividade em comemoração ao Dia das Crianças. Datas importantes Com a medida os estudantes ficaram de fora do Natal Encantado 2018 e do desfile do dia 2 de julho no distrito de Maria Quitéria. E neste segundo semestre não vão participar (se a proibição permanecer), de

Feira na próxima década

A Feira que se deseja para a próxima década (III)

Não é de hoje que a mudança do Terminal Rodoviário da Feira de Santana é tema nas conversas de muitos feirenses. Desde o início do século, nas campanhas eleitorais, candidatos a prefeito anunciam a intenção de transferir o equipamento. Até hoje nenhum passo foi dado. Mas tudo indica que, ano que vem, mais uma vez, nas eleições municipais, a questão vai ser abordada, sobretudo nos debates em emissoras de rádio e tevê, cujo clima é adequado aos anúncios bombásticos. Há um charme transformador, futurista, visionário, ao se tratar do tema. Os candidatos a prefeito em 2020 já devem estar de

João Gilberto

Bar feirense faz homenagem a João Gilberto

No último dia 6 de julho, morreu um dos ícones da Música Popular Brasileira, o baiano e juazeirense João Gilberto. Considerado o “pai da Bossa Nova”, João foi um dos mais reconhecidos artistas brasileiros em todo o mundo. Em 2017, a revista Rolling Stones resumiu bem a inventividade de João Gilberto: “Antes de João Gilberto, o violão era o complemento para o voz. Na música do mestre da bossa, voz e violão se tornam uma única entidade. Aparentemente simples, na verdade a técnica de João exibe uma precisão matemática.”   Em uma das raras entrevistas que concedeu, na década de

Entrevista com a Vereadora Eremita Mota

A vereadora Eremita Mota, reeleita no último pleito eleitoral (2016) para o seu quarto mandato consecutivo, é a mulher feirense que mais tempo passou em mandato eletivo na história de Feira de Santana. Natural de Castro Alves-BA, veio para Feira de Santana no final da adolescência, com o intuito de cursar a Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) no início da década de 80, morando com duas primas.

À época, Eremita tinha conseguido uma carta do prefeito de Castro Alves indicando-a ao prefeito de Feira para ocupação de algum cargo no município. Ao tempo em que conseguiu ser indicada para trabalhar como professora no Governo do Estado, Eremita passou a se dedicar a angariar apoio político ao prefeito, iniciando assim seu contato com o mundo da política partidária.

Eremita considera a vocação para lidar com pessoas um dos principais traços do seu talento político: “Desde cedo vi as pessoas me procurando… ‘Procura Eremita, ela é professora, ela tem uma facilidade de conseguir votos’… E fui!”.

Inicialmente, Eremita teve limitações familiares para tornar-se política com mandato: “Eu já estava casada, já tinha dois filhos pequenos, e eu não podia sair candidata porque meu esposo não deixou. Tive a vontade de sair vereadora, mas sempre o machismo pairou na família. Então eu tive esse problema”.

A solução foi sugerir ao marido, funcionário público, que fosse candidato apenas com o intuito de obter uma licença maior no trabalho, já que na época eles trabalhavam com um curso de inglês que precisava de maior atenção. “Fui buscar os votos escondida dele, e deu certo. Ele ganhou, foi o terceiro da coligação em 1992!”. O marido de Eremita se reelegeu em 1996, mas o casamento deles acabou em 1998.

“Em 2000 eu já estava separada, tentei sozinha e fiquei como primeira suplente. Em 2004 fui candidata e fui eleita: fiquei com 4 mil votos”. Daí em diante Eremita não perdeu mais uma eleição, tendo ficado com 5.253 votos no último pleito. Em todas as candidaturas, inclusive a atual, fez/faz parte da base do Governo Municipal na Câmara (8 anos do Prefeito José Ronaldo e 4 anos do Prefeito Tarcízio Pimenta).

A Câmara de Vereadores

Segundo Eremita, um dos desafios para o novo mandato é trazer ao cidadão a crença na política, já que os escândalos que tomam conta dos noticiários têm feito as pessoas a se afastarem até mesmo das decisões que afetam suas vidas. “As pessoas precisam abrir os olhos pra não votar em uma pessoa por causa de dinheiro, por causa de uma cesta básica”, diz ela, considerando que o problema passa pelo não reconhecimento da importância da política.  Além disso, ela pontua a necessidade de atenção às mulheres: “as mulheres são muito maltratadas e discriminadas. Eu pretendo agora discutir muito isso!”.

Perguntada sobre a frequente crítica em relação à qualidade da última legislatura na Câmara de Vereadores (crítica que já vem sendo estendida à atual), ela diz: “acho que isso se deve, principalmente, pela maneira de escolher os candidatos, essa maneira por partido e coligação. O correto seria mudar essa legislação e colocar os 21 vereadores mais votados. Teve candidatos com mais de 4 mil votos e não entraram! Não desconsiderando individualmente a qualidade de quem teve menos votos e se elegeu, que pode fazer um bom mandato, mas essa questão muitas vezes conta muito”.

Recentemente, Eremita, junto com o vereador Roberto Tourinho, foram destaque nos noticiários por não votarem a favor do atual presidente da Câmara, o vereador Ronny Miranda, para manter-se na presidência da Casa. Eremita comentou essa e outras questões na entrevista exclusiva concedida ao Feirenses:

 

 

 


Sobre o (a) autor (a):