Rio Jacuípe

Cooperativa de Badameiros de Feira de Santana

A Cooperativa de Badameiros feirense, comandada por mulheres

Em 1777, o grande químico francês Antoine Lavoisier enunciou a Lei da Conservação das Massas, que tornou conhecida a célebre frase: “Na Natureza, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”. De fato, o Planeta Terra tem uma capacidade própria (Biocapacidade) de renovar e transformar seus recursos naturais para que sejam novamente reutilizados pelos seres humanos. Dessa forma, a Natureza se torna fonte primária (por isso, o nome matéria prima) de extração de recursos para os seres humanos produzirem seus alimentos, ferramentas, máquinas, carros, casa, móveis, computadores, livros etc. O grande problema ocorre quando os materiais gerados por conta

Dito Leopardo

Dito Leopardo: artista, boêmio e humano

Ao homem, é imperativo decidir o lugar que quer ocupar no mundo. Deixar de escolher não é uma alternativa. Fora da caixa, de riso frouxo e deboche contumaz, Dito Leopardo é um artista feirense que você deveria conhecer. Nascido em 1952, na cidade de Serrinha, Expedito Francisco Rocha, ou melhor, Dito, erradicou-se em Feira de Santana e aqui construiu, junto ao grupo musical Os Leopardos, uma intensa e memorável carreira como cantor. Nos tempos da brilhantina e dos bailes realizados em clubes sociais, era Dito quem orquestrava noites dançantes e proporcionava galanteios desvairados. Fez do Feira Tênis Clube e da

Futebol para cegos em Feira de Santana

Time feirense de futebol para cegos é destaque nacional

O futebol de Feira de Santana não é representado apenas pelo Fluminense de Feira e pelo Bahia de Feira, clubes locais que mobilizam os apaixonados pelo esporte na cidade. Por aqui há uma equipe que disputará o Campeonato Brasileiro da série A na sua categoria – além de ser finalista do Campeonato do Nordeste. O desempenho invejável é da equipe de Futebol de 5 da União Baiana de Cegos, a UBC, de Feira de Santana, que desde 2011 participa de competições oficiais na Bahia e fora do estado. A equipe é composta por pessoas cegas, que se orientam no campo

As feiras de Feira de Santana

As feiras de Feira de Santana

A palavra “organização” vem do grego “organon”, que significa “organismo” ou “instrumento” de trabalho. Assim, o filósofo grego Aristóteles tem o conjunto de suas obras lógicas chamadas de Órganon, já que, para a Filosofia, a Lógica é o instrumento crucial de seu funcionamento. Nesse sentido, as feiras também são o Órganon de Feira de Santana: o instrumento de trabalho e sobrevivência de milhares de feirenses e regionais, que transitam pelas feiras da cidade comercializando seus frutos, verduras, raízes, roupas, sucata e o que mais for possível. Mas, como o leitor deve saber, as feiras desse entroncamento não obedecem ao rigor lógico

O Feirenses vai voltar!

O Feirenses vai voltar!

Desde quando iniciamos, em maio de 2015, sabíamos que fazer o Feirenses seria desafiador. Uma iniciativa completamente independente, sem vínculos com quaisquer organizações (públicas ou privadas) e ambiciosa: criatividade, inovação, profundidade, originalidade, democracia e coletividade foram algumas palavras-chave que os/as fundadores/as entusiasticamente pronunciavam em cada conversa pré e pós-produção dos conteúdos. Três anos após a primeira publicação, podemos dizer com orgulho que contribuímos para o ambiente de publicações em Feira de Santana, e que tudo estaria bem se continuássemos hibernando – como ocorre há quase um ano. Importante dizer que essa suspensão das atividades do Feirenses deu-se pela própria natureza

Entrevista com a Vereadora Eremita Mota

A vereadora Eremita Mota, reeleita no último pleito eleitoral (2016) para o seu quarto mandato consecutivo, é a mulher feirense que mais tempo passou em mandato eletivo na história de Feira de Santana. Natural de Castro Alves-BA, veio para Feira de Santana no final da adolescência, com o intuito de cursar a Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) no início da década de 80, morando com duas primas.

À época, Eremita tinha conseguido uma carta do prefeito de Castro Alves indicando-a ao prefeito de Feira para ocupação de algum cargo no município. Ao tempo em que conseguiu ser indicada para trabalhar como professora no Governo do Estado, Eremita passou a se dedicar a angariar apoio político ao prefeito, iniciando assim seu contato com o mundo da política partidária.

Eremita considera a vocação para lidar com pessoas um dos principais traços do seu talento político: “Desde cedo vi as pessoas me procurando… ‘Procura Eremita, ela é professora, ela tem uma facilidade de conseguir votos’… E fui!”.

Inicialmente, Eremita teve limitações familiares para tornar-se política com mandato: “Eu já estava casada, já tinha dois filhos pequenos, e eu não podia sair candidata porque meu esposo não deixou. Tive a vontade de sair vereadora, mas sempre o machismo pairou na família. Então eu tive esse problema”.

A solução foi sugerir ao marido, funcionário público, que fosse candidato apenas com o intuito de obter uma licença maior no trabalho, já que na época eles trabalhavam com um curso de inglês que precisava de maior atenção. “Fui buscar os votos escondida dele, e deu certo. Ele ganhou, foi o terceiro da coligação em 1992!”. O marido de Eremita se reelegeu em 1996, mas o casamento deles acabou em 1998.

“Em 2000 eu já estava separada, tentei sozinha e fiquei como primeira suplente. Em 2004 fui candidata e fui eleita: fiquei com 4 mil votos”. Daí em diante Eremita não perdeu mais uma eleição, tendo ficado com 5.253 votos no último pleito. Em todas as candidaturas, inclusive a atual, fez/faz parte da base do Governo Municipal na Câmara (8 anos do Prefeito José Ronaldo e 4 anos do Prefeito Tarcízio Pimenta).

A Câmara de Vereadores

Segundo Eremita, um dos desafios para o novo mandato é trazer ao cidadão a crença na política, já que os escândalos que tomam conta dos noticiários têm feito as pessoas a se afastarem até mesmo das decisões que afetam suas vidas. “As pessoas precisam abrir os olhos pra não votar em uma pessoa por causa de dinheiro, por causa de uma cesta básica”, diz ela, considerando que o problema passa pelo não reconhecimento da importância da política.  Além disso, ela pontua a necessidade de atenção às mulheres: “as mulheres são muito maltratadas e discriminadas. Eu pretendo agora discutir muito isso!”.

Perguntada sobre a frequente crítica em relação à qualidade da última legislatura na Câmara de Vereadores (crítica que já vem sendo estendida à atual), ela diz: “acho que isso se deve, principalmente, pela maneira de escolher os candidatos, essa maneira por partido e coligação. O correto seria mudar essa legislação e colocar os 21 vereadores mais votados. Teve candidatos com mais de 4 mil votos e não entraram! Não desconsiderando individualmente a qualidade de quem teve menos votos e se elegeu, que pode fazer um bom mandato, mas essa questão muitas vezes conta muito”.

Recentemente, Eremita, junto com o vereador Roberto Tourinho, foram destaque nos noticiários por não votarem a favor do atual presidente da Câmara, o vereador Ronny Miranda, para manter-se na presidência da Casa. Eremita comentou essa e outras questões na entrevista exclusiva concedida ao Feirenses:

 

 

 


Sobre o (a) autor (a):