Rio Jacuípe

Porque eu te amei

O que ‘Porque eu te amei’ tem a falar sobre Feira?

Já passado alguns meses do lançamento do filme feirense de Tiago Rocha, que gerou assunto durante um bom tempo e lotou praticamente todas as sessões enquanto esteve em exibição, o longa, embora já fora dos cinemas, ainda tem muito que falar. E não me refiro exclusivamente aos temas abordados no enredo. Como violência doméstica, abuso, estupro etc. Mas, também, sobre o nosso olhar sobre Feira. Porque eu te amei é uma espécie de grito da classe artística feirense. Uma produção independente, envolvendo profissionais e entusiastas da cidade, lançada por aqui de maneira honrada e reconhecida – principalmente por quem duvidou.

Irving São Paulo

O ator feirense Irving São Paulo

Provavelmente você conhece o rosto do ator Irving São Paulo, filho de um histórico cineasta brasileiro, Olney São Paulo. Irving, nascido em Feira de Santana, estrelou grandes novelas brasileiras, a exemplo de “Bebê a bordo”, “Mulheres de Areia”, “A Viagem” e “Torre de Babel”. Irving nasceu em 26 de outubro de 1964, em Feira, onde iniciou a atuar em peças de teatro. Faleceu precocemente, aos 41 anos de idade, vítima de pancreatite necro-hemorrágica. Recentemente o Vídeo Show dedicou uma edição do quadro “Memória Nacional” ao ator feirense, mostrando sua trajetória e múltiplos talentos (em especial a música):   A seguir,

Jogo de Nonô

O jogo de Nonô

“Tira a mão do ovo, Nonô!”, protesta Toinho Cabeção quando o coroa de 86 anos chega para almoçar. É assim todo início de mês: Nonô chega na lanchonete do Centro Mandacaru apoiando uma mão na bengala e a outra oscilando entre o bolso e algumas coçadinhas no meio da calça. Ele não terceiriza o saque da aposentadoria, tanto por vigilância orçamentária quanto por deleite ritualístico: após ir ao banco, compra os remédios do mês, apara o cabelo que lhe resta e arrisca tornar-se milionário nos seis números da mega. “Jogar na mega pra onde, Nonô? Vai gastar esse milhão com

Colbert e Targino

Targino e Colbert trocam farpas

Sem informação Após a população do Conjunto Viveiros realizar uma manifestação por conta da falta de médico no Posto de Saúde da localidade, o prefeito Colbert Martins disse o seguinte: “não tinha informação que o posto médico do Viveiros estava tanto tempo (cerca de sete meses) sem médico”. Targino cobra afastamento da Secretária de Saúde e do Procurador do município O Deputado Estadual Targino Machado (DEM), durante pronunciamento na tribuna da Assembleia Legislativa da Bahia, nesta terça-feira, 21, cobrou do prefeito de Feira de Santana, o afastamento da Secretária Municipal de Saúde, Denise Mascarenhas, e do Procurador do município, Cleudson

Roberto Mendes

Roberto Mendes faz show na Cidade da Cultura

Um dos maiores artistas que a Bahia produziu estará em Feira de Santana na próxima quinta-feira: o cantor, compositor e ativista santamarense Roberto Mendes faz show na Cidade da Cultura, um dos principais espaços culturais de Feira de Santana. Mendes apresentará um show com tema caro a Feira de Santana: “A chula do Recôncavo com o Canto do Sertão”. Situada entre o Recôncavo e o Sertão, Feira tem a oportunidade de se reconhecer na apresentação de um notável defensor do Samba da Bahia, e do Samba antes do Samba, como ele diz, se referindo à Chula. Ele caracteriza a Chula

Edith Mendes da Gama e Abreu, a primeira feminista feirense

Nunca se ouviu falar tanto em feminismo como nos últimos tempos. O tema, no entanto, é antigo, você sabe. Talvez o que você não saiba é que entre as mulheres que influenciaram e engajaram a luta pelos direitos femininos no Brasil está uma feirense. Edith Mendes da Gama e Abreu. Grave este nome. Ele aparece ao lado de outros igualmente importantes para o feminismo brasileiro, como os de Bertha Lutz (parceira direta da feirense) e Patrícia Galvão, a Pagu (sim, a que inspira esta música de Rita Lee e Zélia Duncan, também muito cantada por Maria Rita).

Nascida em 13 de outubro de 1903, Edith Gama era filha de Maria Augusta Falcão Mendes da Costa e de João Mendes da Costa, ex-prefeito de Feira de Santana (1931-1933). Feminista e conferencista nata, fez seu primeiro pronunciamento no Grêmio Rio Branco, em Feira de Santana, com o título “A Mulher”. Era o início da sua bravura. E seguiu:

  • foi diretora do Departamento de Ação Cultural da Federação Brasileira pelo Progresso Feminino (FBPF);
  • foi membro do Conselho de Educação e Cultura do Estado da Bahia;
  • presidiu a Sociedade Baiana de Combate à Lepra;
  • presidiu a Pró-Mater da Bahia;
  • foi conselheira do Abrigo de Salvador;
  • e mais, bem mais.

Sua vida política é marcada por grandes feitos em prol das mulheres baianas. Apesar de opositora do então governador baiano Juraci Magalhães, Edith Gama conseguiu convencê-lo a vetar o projeto de lei do general Goes Monteiro, que dava à mulher o direito ao cargo público apenas se ela tivesse, assim como o homem, a carteira de reservista. Além disso, o anteprojeto do Código Eleitoral, naquela altura, apresentava restrições ao voto feminino. Restrições essas que foram dissolvidas, dada a argumentação da feirense perante o deputado e relator João Cabral. Após a redemocratização do Brasil, em 1945, e depois de algumas frustrações políticas, passou a se dedicar inteiramente às atividades literárias, jornalísticas e educacionais.

Edith Gama foi a mulher mais representativa da Bahia entre os anos 1930 e 1940. Sua obra “Problemas do Coração”, publicada em 1930, colocou-a em seu lugar de escritora ensaísta e profundamente tocada pelas questões femininas. A obra em questão trata de um assunto delicado: o diálogo (ou a falta dele) entre casamento, educação e feminismo na vida conjugal. A educação masculina marcadamente diferente e os problemas enfrentados pelas mulheres. O contexto histórico trazia ressaltada a discussão a respeito da modernização, higienização e urbanização. Acompanhando essas e outras transformações, também se modificava o comportamento feminino, de modo mais acelerado ou mais lento, a depender da classe, meio e profissão das mulheres. Modificavam-se também as relações entre homens e mulheres, que se acusavam reciprocamente como os responsáveis pela quebra dos costumes.

Problemas do Coração

 

“Problemas do Coração” põe lenha na fogueira desse debate, sobretudo na capital baiana, que recebeu, um ano depois, uma filial da Federação Brasileira pelo Progresso Feminino. Na obra, Edith Gama fala aos homens, confere relevância aos diferentes tratamentos dados aos meninos e meninas no processo educacional, aponta a mulher como superior em sentimentos e o homem como “Retardatário do aperfeiçoamento moral, tem instinctos ancestraes mal refreados a par de inclinações elevadíssimas”. A educação, para a feminista, é a veia determinante da desigualdade entre os sexos. Ambos são “egualmente passiveis do mesmo aperfeiçoamento”. No entanto, o tratamento dispensado aos diferentes gêneros torna homem e mulher absurdamente estereotipados e desiguais: “Indubitavelmente elle ama menos e odeia mais que ella. E é a falta de amor ao cumulo de odio que se estende a immensa cadeia de delictos […] as futilidades e as nevroses, adquirem-n’as ellas no ambiente de uma educação mal-sã”. Critica os pais por tal educação dispensada aos filhos e aponta o casamento como o ambiente onde essas diferenças entrarão em conflito.

Edith Gama, em suma, aponta a sociedade como a grande vilã, cheia de códigos de conduta, regras e princípios. As discussões hoje vistas e ouvidas por um sem fim de atuais feministas (as famosas e as anônimas) são as mesmas da época de Edith e de outras tantas mulheres: liberdade para a mulher; igualdade entre os gêneros; conciliação entre tarefas do lar, maternidade e trabalho e outras.

A defesa às mulheres e as críticas mordazes de Edith Gama a destacaram na militância feminista, levando-a a ocupar a presidência da Federação Bahiana pelo Progresso Feminino. Em 1938, oito anos após a publicação do “Problemas do Coração”, a feirense ocupou uma cadeira na Academia de Letras da Bahia (ABL), a primeira mulher a assumir tal posto.

Rodeada de homens: Edith Gama na Academia Baiana de Letras

Rodeada de homens: Edith Gama na Academia Baiana de Letras

 

Em sua infância, Edith estudou, inicialmente, com preceptores em sua própria casa, como era o costume daquela época entre as famílias abastadas. Em seguida, estudou no Colégio Nossa Senhora de Lourdes e na Escola Complementar da Profª Estefânia Mena, em Feira de Santana. Em Salvador, integrou o quadro de alunos do Educandário dos Perdões, atual Educandário Sagrado Coração de Jesus. Mais tarde, entre Europa e Brasil, especializou-se em Filosofia, Literatura Geral, Brasileira e Francesa, Ciências Sociais e Canto. Foi casada com Jaime Cunha da Gama e Abreu. O casal não teve filhos. Ele faleceu em 1974. Ela, em 1982.

Curiosidades

  • Em Feira de Santana, no bairro Brasília, um colégio estadual recebe o nome da feminista.
  • Em Salvador, no Itaigara, encontra-se a Rua Edith Mendes da Gama e Abreu.

Para saber mais sobre o Feminismo

 

Fontes: Bahia com História, Academia de Educação de Feira, Catálogo Mulheres Cientistas da Bahia e Portal Escritoras Baianas (UFBA).

 


Sobre o (a) autor (a):