As Feiras de Feira de Santana

Cooperativas em Feira de Santana

Cooperativas com os dias contados em Feira de Santana

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) exigiram que a Prefeitura Municipal de Feira de Santana não faça mais contratações de servidores através de cooperativas. Novas Contratações Colbert Martins disse ao Acorda Cidade que as contratações só poderão ocorrer via Organização Social (OS), seleção pública (Reda) ou concurso público. Ao atender essa recomendação, é provável que aumente o número de processos seletivos para contrações temporárias. Fim das indicações políticas Infelizmente, com o fim das contratações via cooperativas, não é certo de que acabem também as indicações políticas. A contratação de Organização Social permite

Vai ter Feira Noise Festival em 2020

O Feira Coletivo Cultural e a Banana Atômica realizaram no último final de semana, em Feira de Santana (BA), uma edição histórica em comemoração aos 10 anos de existência do Feira Noise Festival. O evento aconteceu entre os dias 22 a 24, no Ária Hall, reforçando sua importância para a consolidação da cena local, além de manter Feira de Santana na rota de circulação de bandas e artistas independentes. Ao todo, 33 atrações se revezaram entre os palcos Banana Atômica e Budweiser, sendo 13 delas de Feira de Santana. Importantes nomes da música brasileira contemporânea como Supercombo, Francisco El Hombre, Black Pantera, Potyguara Bardo,

O fenômeno flamenguista em Feira de Santana

Na manhã dessa segunda-feira, a Praça da Bandeira foi a arena onde se discutiu sobre o mais importante e popular time de futebol brasileiro. — É óbvio que o Bahia é de mais importância. O Brasil nasceu onde? Se é aqui o início do Brasil, o Bahia é o time do nosso povo, defendia Papinho, torcedor patológico do Bahia. — O Flamengo, companheiro, é o time das massas, o time rubro, castanho, caboclo, representando os índios, e negro, quilombola, africano, representando o povo escravizado, proclamava Seu Teófilo, tomando caldo de cana para curar a ressaca da comemoração dos dois títulos

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

Precisamos louvar o Feira Noise

É preciso louvar com entusiasmo a edição de 10 anos do Feira Noise Festival, que ocorre nesse final de semana em Feira de Santana. Nem precisa gostar de rock ou de qualquer gênero musical, banda ou artista que se apresenta nos palcos do evento para reconhecer a capacidade inacreditável de um grupo de entusiastas de determinada cena cultural em manter de pé, em Feira de Santana, um festival que chama a atenção para além das fronteiras baianas. São mais de 30 atrações, de várias partes do Brasil, distribuídas em três dias no Ária Hall, o mais elegante e bem estruturado

A cena Drag Queen em Feira de Santana

O termo drag queen vem do inglês dressing resembling a girl (vestir-se como uma menina), e como o próprio nome diz, intitula um movimento artístico onde garotos se vestem de garotas e que, independentemente da sexualidade, permite dar asas à liberdade. Embora a cultura drag tenha surgido na década de 70, nos EUA, popularizou-se pelo mundo a partir de um reality show, o RuPaul’s Drag Race, que atualmente está na sua 8ª temporada.

Em Feira de Santana não foi diferente, a cultura drag queen surgiu de forma tímida e se expandiu através de nomes como: Ariel Nebraska, Maldita Satine, Donatella Valentino, Eva Valonni e Lindsay Chanel, que animam e se divertem em festas eletrônicas pela noite feirense com suas maquiagens pesadas, seus nomes irreverentes e seus saltos altos.

Drag Queens em Feira de Santana

Nossa equipe entrou em contato com Leandro Freitas, Guilherme Sena e Heike Velame, alguns dos performers que encaram os desafios e o glamour da cena drag, eles deixaram seus depoimentos e contaram um pouco mais sobre a sua realidade.

Leandro é um santoamarense radicado em Feira, tem 19 anos, é DJ, produtor de festas e estuda Ciências Econômicas na UEFS. Se inspira em Lady Gaga, Christina Aguilera, Ariana Grande e Satine (do musical Moulin Rouge) para montar seu alter ego, a Maldita Satine. Entrevistado por nós, ele disse: “Satine é a minha versão feminina, quando estou montado é onde eu posso fazer tudo que sempre tive vontade de fazer e não fazia com medo dos julgamentos das pessoas, mas Satine também me abriu portas, e hoje eu não tenho mais medo das críticas e mesmo sem estar montado eu continuo com meu lado feminino, sem forçar nada. A minha drag é inspirada no lado feminino, então quanto mais feminino melhor, Maldita Satine Mawu, é basicamente uma it girl, que adora holofotes, músicas indie e pop”.

Drag Queens em Feira de Santana

Guilherme tem 18 anos e recebe o apoio da família em tudo o que faz, é dançarino, ator, fotógrafo e maquiador. É estudante de dança e planeja se formar na área. Quando perguntado sobre seu personagem e inspirações ele ri e diz: “Ariel Nebraska é uma boneca de voodoo e sereia nas horas vagas, ela ama princesas e filmes de terror, ela adora ser diferente e andrógina, nunca está no parâmetro do comum. Eu me inspiro muito em drags brasileiras, como Lamona Divine, Nina Codorna, Biancca Banks e Duda Dello Russo, além de cantoras pop e personagens de terror”. Também aconselha quem pensa em encarar tal arte e finaliza falando sobre o retorno financeiro: “Meu conselho para quem quer ser drag é, humildade acima de tudo, porque ninguém começa sabendo tudo. E o principal: saiba criar sua identidade, não fique só copiando os outros, crie seu personagem. Dá para ganhar dinheiro sendo drag sim, mas não aqui na Bahia, muito menos em Feira. Feira de Santana tem uma cena drag muito pequena e que ainda não é valorizada, Salvador tem alguns bares e pontos onde as drags se apresentam com cachê, mas não é algo que dê para se sustentar”.

Heike tem 18 anos, é estudante do ensino médio, almeja uma carreira no mundo da moda e performa sob o codinome de Lindsay Chanel. O personagem foi criado há alguns meses e como ele mesmo diz, “é uma junção de todas as personagens e famosas que admira muito, o significado do nome se baseia na Lindsay Lohan e na Chanel, a grife internacional”, ele confessa que por diversas vezes suas personalidades se confundem. Na sua opinião, “drag é a uma forma de expressar sua própria arte, seja na make, na roupa ou na performance”. Ele diz que tem uma boa aceitação da família, que o apoia e ajudam sempre que podem.

Tags:

Sobre o (a) autor (a):