As Feiras de Feira de Santana

Venezuelanos em Feira de Santana

A história de dois Venezuelanos em Feira de Santana

Quem tem andado pelas ruas de Feira de Santana nos últimos anos nota o aumento da quantidade de pedintes e vendedores informais nas sinaleiras da cidade – consequência óbvia do deserto econômico por que passa o país. Peregrinando entre os carros, na esperança de que um vidro se abra e uma mão se estenda, essas pessoas buscam o sustento básico da família, a ajuda para a compra de um remédio ou a fralda para um filho. Na cidade-entroncamento, não é de espantar que muitos desses habitantes das encruzilhadas sejam de fora do município, do estado e do país. É o

Casarão dos Olhos D'Água

Casarão Olhos D’Água será reformado

A Prefeitura Municipal de Feira de Santana irá reformar o Casarão Olhos D’Água, situado na Rua Dr. Araújo Pinho. O valor da reforma foi orçado em R$ 331.657,38 e a empresa contratada, através de dispensa de licitação, foi a CLAP Construtora Ltda (Diário Oficial de 17 de julho). Recomendação do MP-BA O Ministério Público Estadual, por meio da promotora de Justiça Luciana Machado dos Santos Maia, expediu em dezembro do ano passado, recomendação ao diretor-presidente da Fundação Municipal de Tecnologia, Telecomunicações e Cultura Egberto Tavares Costa (Funtitec), Antonio Carlos Daltro Coelho, para que promovesse as medidas emergenciais necessárias à manutenção,

Feira Hippie dos Olhos D'Água

UEFS receberá a II Feira Hippie dos Olhos D’Água

Criada em 2016, a Feira Hippie dos Olhos D’Água aconteceu pela primeira vez durante a Semana Nacional do Livro e da Biblioteca, realizada anualmente no mês outubro, na Biblioteca Central Julieta Carteado, no Campus da UEFS. Na ocasião, o evento principal tinha como tema Sustentabilidade e Meio Ambiente, e a Feira Hippie, idealizada por Paulo Fabrício Reis e Raquel Kuwer, surgiu como um adendo, estabelecendo uma relação direta com a temática, uma vez que foram priorizados expositores com trabalhos artesanais, ou que trabalhavam com esse enfoque. O nome da Feira Hippie é uma homenagem à cidade de Feira de Santana,

O pintor feirense Cesar Romero

O pintor feirense Cesar Romero

Quem acompanha o cenário das artes plásticas da Bahia certamente já ouviu falar ou já se deparou com alguma obra do pintor Cesar Romero. O que nem todos sabem é que o artista plástico autor das “Faixas Emblemáticas” é feirense, nascido em 1950. “Dois fatos foram determinados em minha formação de artista plástico: a convivência com as feiras livres, sempre às segundas-feiras, em companhia do meu pai, e a criação do Museu Regional de Feira de Santana. Se eu tivesse nascido em outra cidade, muito provavelmente não haveria o artista que sou, nem esta obstinada escolha de brasilidade. Feira de

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira de Santana?

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira?

A Câmara de Vereadores é uma instituição importantíssima para qualquer município. Suas cadeiras são ocupadas pelos representantes políticos mais próximos à comunidade: os vereadores, eleitos principalmente pela capacidade de interlocução e liderança em determinados bairros e comunidades. Além de levar demandas da comunidade ao Poder Executivo, mantendo diálogo permanente com secretários, superintendentes e outros gestores, o vereador deve cumprir o papel fiscalizador das ações e decisões emanadas do Prefeito. Sem falar no papel de legislador e promotor de debates sobre temas de interesse da comunidade, fazendo com que os munícipes tenham participação ativa nas políticas públicas. Quanto mais os vereadores

Sambistas feirenses doam mais de 1 tonelada de alimentos

O Coletivo Unidos pelo Samba, que reúne músicos, empresários, ativistas e outros admiradores do samba em Feira de Santana, realizou na última quarta-feira (28) a doação de mais de 1 tonelada de alimentos a quatro instituições beneficentes de Feira de Santana:

  • Orfanato Evangélico de Feira de Santana (Panorama)
  • ONG Cromossomos 21 (Santa Mônica)
  • Associação de Apoio à Pessoa com Câncer (Cel José Pinto)
  • Associação Pedra de Jacó (Parque Ipê)

Os alimentos (arroz, feijão, macarrão, biscoito e leite em pó) foram arrecadados em apresentações de samba no Bar Point Universitário, com a participação de músicos que integram o Coletivo. Em vez de pagar para assistir aos shows, o público tem doado os alimentos.

Doação de alimentos Unidos pelo Samba

“O samba não é só um gênero musical. O samba também é irmandade, fraternidade e união. Essa ação mostra nosso poder de mobilização e a capacidade que o samba tem para promover ações positivas para a cidade”, diz Jules Rimer, integrante do Coletivo e administrador do Point Universitário.

“A música encanta e transforma. Dificilmente conseguiríamos essas doações se não fosse através da música, do samba”.

Alessandro Simpatia, percussionista do grupo Trio Quase Preto, destacou o entusiasmo dos beneficiados com a doação: “essa doação é uma ajuda para pessoas com Síndrome de Down, crianças com câncer, órfãs e outros tipos de vulnerabilidade. Com muito pouco, já sentimos a alegria e o agradecimento dessas pessoas. Elas precisam de atenção e cuidado”.

Doação de alimentos Unidos pelo Samba

O flautista Wellington Neri, que participa de projetos de iniciação musical com crianças carentes, acredita no poder da música como meio de transformação dos indivíduos. “A música encanta e transforma. Dificilmente conseguiríamos essas doações se não fosse através da música, do samba. O coletivo Unidos pelo Samba acredita nesse potencial e irá investir cada vez mais nele”.

Doação de alimentos Unidos pelo Samba

Mais de 1.500 pessoas fizeram parte das doações, que foram arrecadadas em pouco mais de um mês. André Lopes, líder do grupo Sem Mais nem Menos, com 15 anos de samba, fez projeções para o futuro: “como a gente costuma dizer nas rodas de samba, ‘tem mais coisa aí!’. O coletivo está iniciando a caminhada, reunindo a força do povo que faz e curte samba em Feira. Muitas novidades estão por vir”.

 

(Com informações da Assessoria de Comunicação Unidos pelo Samba – Fotos: Igor Freitas)


Sobre o (a) autor (a):