As Feiras de Feira de Santana

Cooperativas em Feira de Santana

Cooperativas com os dias contados em Feira de Santana

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) exigiram que a Prefeitura Municipal de Feira de Santana não faça mais contratações de servidores através de cooperativas. Novas Contratações Colbert Martins disse ao Acorda Cidade que as contratações só poderão ocorrer via Organização Social (OS), seleção pública (Reda) ou concurso público. Ao atender essa recomendação, é provável que aumente o número de processos seletivos para contrações temporárias. Fim das indicações políticas Infelizmente, com o fim das contratações via cooperativas, não é certo de que acabem também as indicações políticas. A contratação de Organização Social permite

Vai ter Feira Noise Festival em 2020

O Feira Coletivo Cultural e a Banana Atômica realizaram no último final de semana, em Feira de Santana (BA), uma edição histórica em comemoração aos 10 anos de existência do Feira Noise Festival. O evento aconteceu entre os dias 22 a 24, no Ária Hall, reforçando sua importância para a consolidação da cena local, além de manter Feira de Santana na rota de circulação de bandas e artistas independentes. Ao todo, 33 atrações se revezaram entre os palcos Banana Atômica e Budweiser, sendo 13 delas de Feira de Santana. Importantes nomes da música brasileira contemporânea como Supercombo, Francisco El Hombre, Black Pantera, Potyguara Bardo,

O fenômeno flamenguista em Feira de Santana

Na manhã dessa segunda-feira, a Praça da Bandeira foi a arena onde se discutiu sobre o mais importante e popular time de futebol brasileiro. — É óbvio que o Bahia é de mais importância. O Brasil nasceu onde? Se é aqui o início do Brasil, o Bahia é o time do nosso povo, defendia Papinho, torcedor patológico do Bahia. — O Flamengo, companheiro, é o time das massas, o time rubro, castanho, caboclo, representando os índios, e negro, quilombola, africano, representando o povo escravizado, proclamava Seu Teófilo, tomando caldo de cana para curar a ressaca da comemoração dos dois títulos

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

Precisamos louvar o Feira Noise

É preciso louvar com entusiasmo a edição de 10 anos do Feira Noise Festival, que ocorre nesse final de semana em Feira de Santana. Nem precisa gostar de rock ou de qualquer gênero musical, banda ou artista que se apresenta nos palcos do evento para reconhecer a capacidade inacreditável de um grupo de entusiastas de determinada cena cultural em manter de pé, em Feira de Santana, um festival que chama a atenção para além das fronteiras baianas. São mais de 30 atrações, de várias partes do Brasil, distribuídas em três dias no Ária Hall, o mais elegante e bem estruturado

Designer feirense é destaque na Casa Cor, homenageando Catarina Paraguaçú

Está aberta a Edição Especial da Casa Cor Bahia 2015, a maior mostra de decoração da América Latina, que seleciona e apresenta conceitos de arquitetura, decoração e paisagismo nas principais cidades do país. Neste o ano o evento acontece no Solar das Rosas, em Salvador, sede das Voluntárias Sociais da Bahia. São 32 profissionais das áreas de arquitetura, design de interiores e paisagismo, projetando 22 ambientes com o tema nacional da mostra: Brasilidade – O Brasil visto por dentro.

A feirense e designer de interiores Lydi Siqueira é uma das selecionadas, e assina um Lavabo Público inspirado na índia Catarina Paraguaçu – considerada, por alguns “a mãe do Brasil“.

Feirense na Casa Cor

De origem Tupinambá, Catarina Paraguaçu casou-se com o europeu Diogo Álvares Côrrea, para os índios, “Caramuru – Deus do Fogo”, que se inseriu entre os nativos após um naufrágio e se tornou uma espécie de “cacique branco”. Dizem que Diogo conseguiu impor-se perante os indígenas desde que disparou para o ar uma arma de fogo, desconhecida dos índios, os quais, muito assustados, se prostraram a seus pés, chamando-o desde então, de “Caramuru”.

Muitos consideram o casamento de Paraguaçu com Diogo o marco de formação da primeira família cristã no Brasil, já que Catarina (nome que adquiriu na França, em viagem com o marido), aderiu ao cristianismo, a ponto de ter sido responsável pela construção da capela que deu origem à Igreja da Graça, área doada por ela ao Mosteiro de São Bento, parte da vasta terra que pertencia à família, que envolvia, inclusive, a região do Campo Grande onde acontece a Casa Cor Bahia 2015.

O Lavabo Público

O lavabo de Catarina Paraguaçú

Composto de uma ante-sala e área privativa, no ambiente monocromático predomina o tom de vermelho do urucum e pau-brasil, usado pelos índios para pintar o corpo. Essa e outras referências se reúnem em um cenário que retrata o possível “toilette” de Catarina Paraguaçu durante sua estadia na França, após o casamento, por volta de 1530.

Lydi Siqueira explica o trabalho: “Culturalmente, os franceses possuem uma relação diferente com o banheiro. O ambiente é decorado e deve refletir a personalidade do dono da casa, já que todos visitantes possuem acesso livre a ele. Então, a minha ideia foi recriar o banheiro de Catarina Paraguaçu através de uma viagem no tempo. Quem entra no toilette encontra boiserie, rosetas e elementos da arquitetura francesa da época decorados aos olhos de uma índia brasileira que imprimiu nele sua cor, seu ouro e sua madeira – evidenciando que muito do luxo com os quais os europeus eram agraciados vinham, na verdade, do seu Brasil”.

A arquitetura das principais igrejas de Salvador se transformam em telas através do traço do artista plástico Uby Maia. O conjunto de nove quadros evidenciam a devoção de Catarina pelo cristianismo, já os espelhos fazem simbologia ao artefato que ajudou a tornar amistosa a relação entre índios e europeus. Uma tela do também artista plástico e arquiteto, Fred Andrade, se destaca no espaço como um cartão postal pintado com tinta natural. A obra é levada ao ambiente para representar a mistura de lembranças de Catarina que formam uma ave em metamorfose insinuando também as mudanças que a própria índia vivenciava. “Diferente do usual, onde trazemos a influência francesa ao Brasil, a proposta do ambiente é levar as referências brasileiras através da perspectiva da índia que descobriu a Europa”, diz Lydi.


 

Para conferir o trabalho da feirense Lydi Siqueira visite a Casa Cor:

O quê: Casa Cor Bahia 2015.

Onde: Salvador-BA (Solar das Rosas, Campo Grande)

Quando: Até o dia 08 de dezembro.


Sobre o (a) autor (a):