As Feiras de Feira de Santana

Roça Sound

Roça Sound expõe a Feira de Santana clandestina

Saiu o novo clipe do Roça Sound, uma interpretação audiovisual apurada da música “Verde e Cinza”, que compõe o álbum “Tabaréu Moderno”, o mais recente do grupo. A música e o clipe integram uma das mais importantes obras contemporâneas de interpretação de Feira de Santana e sua cultura. “Verde e Cinza”, já no título, denuncia essa cidade contraditória, que vive entre uma tradição rural, feirante, e uma sanha modernizante expressa nas obras cheias de concreto e vazias de humanidade. Mas não para por aí, afinal, Clóvis Ramaiana já notou e denunciou isso há muito. A canção expõe a visceral clandestinidade

Cooperativas em Feira de Santana

Cooperativas com os dias contados em Feira de Santana

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) exigiram que a Prefeitura Municipal de Feira de Santana não faça mais contratações de servidores através de cooperativas. Novas Contratações Colbert Martins disse ao Acorda Cidade que as contratações só poderão ocorrer via Organização Social (OS), seleção pública (Reda) ou concurso público. Ao atender essa recomendação, é provável que aumente o número de processos seletivos para contrações temporárias. Fim das indicações políticas Infelizmente, com o fim das contratações via cooperativas, não é certo de que acabem também as indicações políticas. A contratação de Organização Social permite

Vai ter Feira Noise Festival em 2020

O Feira Coletivo Cultural e a Banana Atômica realizaram no último final de semana, em Feira de Santana (BA), uma edição histórica em comemoração aos 10 anos de existência do Feira Noise Festival. O evento aconteceu entre os dias 22 a 24, no Ária Hall, reforçando sua importância para a consolidação da cena local, além de manter Feira de Santana na rota de circulação de bandas e artistas independentes. Ao todo, 33 atrações se revezaram entre os palcos Banana Atômica e Budweiser, sendo 13 delas de Feira de Santana. Importantes nomes da música brasileira contemporânea como Supercombo, Francisco El Hombre, Black Pantera, Potyguara Bardo,

O fenômeno flamenguista em Feira de Santana

Na manhã dessa segunda-feira, a Praça da Bandeira foi a arena onde se discutiu sobre o mais importante e popular time de futebol brasileiro. — É óbvio que o Bahia é de mais importância. O Brasil nasceu onde? Se é aqui o início do Brasil, o Bahia é o time do nosso povo, defendia Papinho, torcedor patológico do Bahia. — O Flamengo, companheiro, é o time das massas, o time rubro, castanho, caboclo, representando os índios, e negro, quilombola, africano, representando o povo escravizado, proclamava Seu Teófilo, tomando caldo de cana para curar a ressaca da comemoração dos dois títulos

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

O centenário coreto da Praça Bernardino Bahia

O primeiro coreto construído na Feira de Santana é aquele que fica localizado na praça Bernardino Bahia, a arena fervilhante do comércio feirense, mais conhecida como Praça do “Lambe-Lambe”, por causa dos fotógrafos que, ainda hoje, oferecem seus serviços por ali. A construção data de 1915, no mandato do então intendente Coronel Bernardino Bahia, que hoje dá nome à praça. Há outros dois coretos no centro da cidade, nas praças Padre Ovídio e Froes da Motta, todos construídos nas primeiras décadas do século XX.

Há poucas referências às intervenções realizadas no coreto ao longo de mais de um século de existência. O que se sabe – de acordo com registro do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultura da Bahia, o IPAC – é que a escada da edificação foi alterada, sem informações exatas sobre quando foi construída.

Coreto - Bernadino Bahia em Feira de Santana

O único registro efetivo refere-se à reforma que foi realizada na praça no já distante ano 2000. Nela, ocorreu a substituição das pedras portuguesas que recobriam a Praça Bernardino Bahia por placas de concreto que permanecem até os dias atuais. Vale ressaltar que diversas artérias das cercanias permanecem calçadas com pedras portuguesas até hoje.

As apresentações das filarmônicas 25 de Março, Vitória e Euterpe Feirense motivaram a construção dos coretos, pelo que se deduz. É que os coretos são “uma espécie de coro, construído ao ar livre, para concertos musicais”.  Naquela época, essas exibições eram muito frequentes – e muito concorridas – o que explica o investimento realizado na construção de coretos.

Características

Coreto da praça Bernadino Bahia

Segundo o IPAC, os coretos são “normalmente posicionados nos centros das praças, em sua maioria apresentam planta em formato octogonal e construção elevada do solo”. Aqueles que foram construídos em Feira de Santana apresentam características comuns: “Os coretos de Feira apresentam ainda em comum a cobertura metálica, aumentada por lambrequins, elementos decorativos originados da Europa”.

O relatório do IPAC descreve mais o coreto da Bernardino Bahia: “Coreto de forma octogonal, prejudicado pela substituição de sua primitiva escada por outra, em concreto armado, modificando a volumetria do monumento”, cuja área construída é de 77,5 metros quadrados. O instituto informa, também, que o tombamento do coreto é de caráter municipal.

“É visível que o equipamento precisa, com urgência, de manutenção.”

Há mais descrição: “Sua construção é elevada do solo, permitindo uma espécie de porão alto. Sua estrutura apoia-se numa estrutura em forma de ‘teia-de-aranha’ que, por sua vez, é sustentada em suportes verticais. Todos os elementos são metálicos, incluindo as bicas e o lambrequim que arrematam o conjunto”.

No porão elevado mencionado no relatório funcionam, desde sempre, bares e restaurantes. Não há a possibilidade, inclusive, do visitante acessar a parte superior do coreto, que permanece fechada, funcionando como depósito. É visível que o equipamento precisa, com urgência, de manutenção. A situação é semelhante àquela do coreto da Praça Froes da Mota. São dois tristes capítulos daquilo que sobrevive como patrimônio arquitetônico da Feira de Santana.


Sobre o (a) autor (a):