As Feiras de Feira de Santana

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

Precisamos louvar o Feira Noise

É preciso louvar com entusiasmo a edição de 10 anos do Feira Noise Festival, que ocorre nesse final de semana em Feira de Santana. Nem precisa gostar de rock ou de qualquer gênero musical, banda ou artista que se apresenta nos palcos do evento para reconhecer a capacidade inacreditável de um grupo de entusiastas de determinada cena cultural em manter de pé, em Feira de Santana, um festival que chama a atenção para além das fronteiras baianas. São mais de 30 atrações, de várias partes do Brasil, distribuídas em três dias no Ária Hall, o mais elegante e bem estruturado

Fartura & Ossos

“Fartura & Ossos” – O novo livro do poeta Silvério Duque

O músico, professor, crítico literário e poeta feirense Silvério Duque acaba de lançar seu novo livro: “Fartura & Ossos”, obra que o autor descreve como sua “lira dos quarent’anos”. O livro, que traz 25 sonetos compostos entre 31 de março de 2018 e 31 de março de 2019, é uma auto-homenagem aos 40 anos de vida do autor. Com desenho de capa do artista plástico Gabriel Ferreira, posfácio de Elpídio Dantas Fonseca e prefácio do próprio autor, com efeito, “Fartura e Ossos”, segundo Elpídio Fonseca, “remete a várias situações descritas em seus sonetos: a superabundância da vida vivida, da qual só

BRT de Feira cada vez mais longe

BRT cada vez mais longe

Com queda no número de passageiros, BRT fica mais longe de ser implantado em Feira Cerca de 10% da frota do transporte público de Feira de Santana deixou de circular, devido à queda no número de passageiros. Trabalhadores do setor também foram demitidos. Associação alertou a pouca demanda de passageiros para a implantação do BRT Em agosto de 2015, a Associação Feirense de Engenheiros (AFENG), apresentou parecer técnico sobre o resultado da análise do “Sistema BRT Feira de Santana” e alertou sobre o volume de passageiros no momento mais crítico do dia, cerca de 5 mil passageiros por hora/sentido. Mas

Banda Calafrio

“Hiato”, o novo single da banda feirense Calafrio

“Um estado de ceticismo quase que total, ausência de sentidos e porquês, um momento de niilismo. O pensamento vagueia pela morte mas em busca de vida”, descreve o guitarrista Pedro Patrocínio, se referindo à letra de “Hiato”, o segundo single de seu novo EP. “A existência dessa canção se dá num momento de reclusão, numa jornada solitária com um pouco de autodestruição e muito de autoconhecimento”, explica o músico. “Hiato” é uma das cinco faixas do EP homônimo que a banda irá lançar até o final deste ano. Em setembro, eles apresentaram ao público o single “Primitivos”, que também ganhou um videoclipe, disponível no

Onde ficam os Conjuntos Feira I, Feira II, Feira III e Feira VIII?

Quem atenta para o nome dos tradicionais conjuntos habitacionais de Feira de Santana, como o grande Feira X ou o acadêmico Feira VI, percebe a ausência de uma sequência na numeração: conhecemos o Feira IV, Feira V, Feira VI, Feira VII, Feira IX e Feira X, mas não temos notícia dos conjuntos Feira I, II, III e VIII. Por que há essa falha na sequência numérica?

Os conjuntos habitacionais feirenses foram construídos pela antiga companhia baiana de habitação, URBIS (Habitação e Urbanização da Bahia S.A.), responsável pelo provimento de moradia para a população com renda entre 1 e 5 salários mínimos em todo o Estado da Bahia.

Em 1998 a URBIS foi liquidada e as políticas governamentais responsáveis pelos conjuntos habitacionais e expansão urbana na Bahia foram transferidas à CONDER, que passou a ser chamada de Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia, seu atual nome.

Em vários municípios baianos é comum ver conjuntos com o nome “URBIS” e sua sequência numérica (URBIS I, II, III…). Em Feira, o nome “URBIS” foi substituído por “Feira”, identificando os conjuntos que conhecemos atualmente (em Salvador alguns conjuntos receberam o nome “Cajazeiras”, bairro onde foram instalados).

Os conjuntos Feira I e Feira II formam o que hoje conhecemos como bairro Cidade Nova. A separação entre os dois conjuntos pode ser percebida na nomeação das ruas: as ruas do Feira I são nomeadas por letras e números, enquanto as do Feira II receberam nomes de jogadores de futebol e cidades do interior baiano.  O Feira III, por sua vez, é conhecido como Jomafa, uma homenagem ao ex-prefeito João Marinho Falcão.

Não encontramos referência ao que pode ser o Conjunto “Feira VIII”. Caso o leitor saiba o porquê da ausência, favor esclarecer nos comentários, para completarmos nosso post. Desde já agradecemos!


Sobre o (a) autor (a):