Rio Jacuípe

Porque eu te amei

O que ‘Porque eu te amei’ tem a falar sobre Feira?

Já passado alguns meses do lançamento do filme feirense de Tiago Rocha, que gerou assunto durante um bom tempo e lotou praticamente todas as sessões enquanto esteve em exibição, o longa, embora já fora dos cinemas, ainda tem muito que falar. E não me refiro exclusivamente aos temas abordados no enredo. Como violência doméstica, abuso, estupro etc. Mas, também, sobre o nosso olhar sobre Feira. Porque eu te amei é uma espécie de grito da classe artística feirense. Uma produção independente, envolvendo profissionais e entusiastas da cidade, lançada por aqui de maneira honrada e reconhecida – principalmente por quem duvidou.

Irving São Paulo

O ator feirense Irving São Paulo

Provavelmente você conhece o rosto do ator Irving São Paulo, filho de um histórico cineasta brasileiro, Olney São Paulo. Irving, nascido em Feira de Santana, estrelou grandes novelas brasileiras, a exemplo de “Bebê a bordo”, “Mulheres de Areia”, “A Viagem” e “Torre de Babel”. Irving nasceu em 26 de outubro de 1964, em Feira, onde iniciou a atuar em peças de teatro. Faleceu precocemente, aos 41 anos de idade, vítima de pancreatite necro-hemorrágica. Recentemente o Vídeo Show dedicou uma edição do quadro “Memória Nacional” ao ator feirense, mostrando sua trajetória e múltiplos talentos (em especial a música):   A seguir,

Jogo de Nonô

O jogo de Nonô

“Tira a mão do ovo, Nonô!”, protesta Toinho Cabeção quando o coroa de 86 anos chega para almoçar. É assim todo início de mês: Nonô chega na lanchonete do Centro Mandacaru apoiando uma mão na bengala e a outra oscilando entre o bolso e algumas coçadinhas no meio da calça. Ele não terceiriza o saque da aposentadoria, tanto por vigilância orçamentária quanto por deleite ritualístico: após ir ao banco, compra os remédios do mês, apara o cabelo que lhe resta e arrisca tornar-se milionário nos seis números da mega. “Jogar na mega pra onde, Nonô? Vai gastar esse milhão com

Colbert e Targino

Targino e Colbert trocam farpas

Sem informação Após a população do Conjunto Viveiros realizar uma manifestação por conta da falta de médico no Posto de Saúde da localidade, o prefeito Colbert Martins disse o seguinte: “não tinha informação que o posto médico do Viveiros estava tanto tempo (cerca de sete meses) sem médico”. Targino cobra afastamento da Secretária de Saúde e do Procurador do município O Deputado Estadual Targino Machado (DEM), durante pronunciamento na tribuna da Assembleia Legislativa da Bahia, nesta terça-feira, 21, cobrou do prefeito de Feira de Santana, o afastamento da Secretária Municipal de Saúde, Denise Mascarenhas, e do Procurador do município, Cleudson

Roberto Mendes

Roberto Mendes faz show na Cidade da Cultura

Um dos maiores artistas que a Bahia produziu estará em Feira de Santana na próxima quinta-feira: o cantor, compositor e ativista santamarense Roberto Mendes faz show na Cidade da Cultura, um dos principais espaços culturais de Feira de Santana. Mendes apresentará um show com tema caro a Feira de Santana: “A chula do Recôncavo com o Canto do Sertão”. Situada entre o Recôncavo e o Sertão, Feira tem a oportunidade de se reconhecer na apresentação de um notável defensor do Samba da Bahia, e do Samba antes do Samba, como ele diz, se referindo à Chula. Ele caracteriza a Chula

O colégio que formou 8 prefeitos de Feira

Em boa parte dos levantamentos históricos sobre Feira de Santana, o Colégio Santanópolis aparece como um grande marco na educação do município. Localizado no quarteirão por onde passam a Avenida Getúlio Vargas e a Rua JJ Seabra, na região do atual Estacionamento do Karoá, o Santanópolis nasceu em agosto de 1932, e funcionou até o ano de 1985.

O Santanópolis foi o primeiro colégio ginasial do interior da Bahia, dando a Feira de Santana o status de referência educacional. Para receber alunos de outras regiões do estado, tinha um internato localizado na Avenida Senhor dos Passos. O vídeo abaixo mostra algumas imagens do colégio:

 

O fundador do Santanópolis

Quem fundou o colégio Santanópolis foi Áureo de Oliveira Filho (que aparece no vídeo acima). Áureo era dentista e político, sendo vereador e depois deputado estadual por três legislaturas.

Na biografia resumida de Áureo Filho no site da Academia de Educação de Feira de Santana, é apontado não só como fundador do Santanópolis, mas também como participante do processo de criação da Universidade Estadual de Feira de Santana e do Observatório Astronômico Antares. A tão conhecida praça do bairro Tomba recebe o nome dele.

Quem estudou no Santanópolis

Um dos alunos do Colégio Santanópolis foi ninguém menos que Joselito Falcão de Amorim, que assumiu a prefeitura no lugar de Francisco Pinto, deposto pela Ditadura Militar em 1964 (em 2014 a Câmara de Vereadores devolveu simbolicamente o mandato de Chico Pinto). Veja o histórico escolar de Joselito Amorim no Santanópolis (que à época ensinava latim e francês a seus alunos):

GInásio Santanópolis

Mas Joselito Amorim não foi o único ex-prefeito de Feira de Santana estudou no Colégio Santanópolis. Outros 7 governantes da cidade passaram pelo colégio: João Durval Carneiro, Newton da Costa Falcão, José Falcão da Silva, Colbert Martins da Silva, José Raimundo Pereira de Azevedo, e o atual prefeito, José Ronaldo de Carvalho.

Um colégio das elites

Alunos do Colégio Santanópolis

Alunos do Colégio Santanópolis. Foto: Blog Santanópolis

Em sua tese de Doutorado, a pesquisadora Sandra Nivia Soares de Oliveira aponta o Colégio Santanópolis como o reduto escolar das elites de Feira de Santana:

“Atingindo as elites de Feira, através do Secundário e da Escola Técnica de Comércio; às moças de família, através do Curso Pedagógico e outras camadas da sociedade – por meio de Cursos profissionalizantes de curta duração e dos aqui intitulados de cursos livres –, o Colégio Santanópolis garantiu durante anos uma capilaridade em diversos setores da sociedade feirense que impacta Feira de Santana ainda hoje, uma vez que muitos dos seus egressos ocupam lugares de prestígio em vários setores da sociedade”.

No estudo, Sandra mostra que o Santanópolis tinha como proposta “um ensino para as elites de caráter propedêutico, que formaria os futuros dirigentes da nação”. Ela destaca como os egressos do Santanópolis tiveram protagonismo no ensino superior que seria instalado em Feira de Santana:

“Quando da implantação do ensino superior em Feira de Santana, a presença de egressos do Santanópolis, professores e estudantes, foi significativa a começar pelo Dr. Áureo Filho que fazia parte de um grupo juntamente com João Durval Carneiro, Geraldo Leite e Hugo Navarro (SANTOS, 2011) quando iniciaram a discussão e as articulações em torno do projeto que objetivava, inicialmente, a implantação de uma faculdade de medicina, o que não ocorreu. Maria Cristina Oliveira de Menezes – a Marinita, filha de Dr. Áureo – foi a primeira coordenadora do Curso de Ciências de Feira de Santana”.

O Estado Santanópolis

Mesa com "autoridades" do Estado Santanópolis

Mesa com “autoridades” do Estado Santanópolis. Foto: Blog Ginásio Santanópolis

O blog dos ex-alunos do Colégio Santanópolis narra uma interessante experiência realizada pelo colégio, que atesta a orientação educacional do estabelecimento de ensino. Trata-se do “Estado Santanópolis”, que era composto de um governo eleito pelo voto direto de todos os estudantes para os seguintes cargos:

  • Governador;
  • Deputados;
  • Prefeito do Curso Noturno;
  • Vereadores do Curso Noturno;
  • Prefeito do Curso Diurno;
  • Vereadores do Curso Diurno.

A campanha eleitoral, a eleição e a apuração era semelhante à vigente na época. Havia título de eleitor e até urnas cedidas pelos juízes eleitorais da cidade.

O Estado Santanópolis tinha secretarias: Econômico/Financeira, Indústria e Comércio, Justiça e Segurança, Esporte e Lazer. Também havia o Banco Santanópolis: “crianças de infantil pagavam despesas na cantina com cheques”.

A Memória do Santanópolis

Ainda hoje ex-alunos do Colégio Santanópolis se encontram, chegando a reunir mais de 500 pessoas entre ex-funcionários, ex-professores e ex-alunos.

Quem quiser mais detalhes sobre a memória do Colégio, é imprescindível ler a tese de Sandra Nivia Soares (UFBA), “Um modelar estabelecimento de ensino: o Colégio Santanópolis na cidade de Feira de Santana“. Além disso, muitas imagens, histórias e informações são encontradas nos blog Santanópolis e Ginásio Santanópolis.

 


Sobre o (a) autor (a):