As Feiras de Feira de Santana

Roça Sound

Roça Sound expõe a Feira de Santana clandestina

Saiu o novo clipe do Roça Sound, uma interpretação audiovisual apurada da música “Verde e Cinza”, que compõe o álbum “Tabaréu Moderno”, o mais recente do grupo. A música e o clipe integram uma das mais importantes obras contemporâneas de interpretação de Feira de Santana e sua cultura. “Verde e Cinza”, já no título, denuncia essa cidade contraditória, que vive entre uma tradição rural, feirante, e uma sanha modernizante expressa nas obras cheias de concreto e vazias de humanidade. Mas não para por aí, afinal, Clóvis Ramaiana já notou e denunciou isso há muito. A canção expõe a visceral clandestinidade

Cooperativas em Feira de Santana

Cooperativas com os dias contados em Feira de Santana

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) exigiram que a Prefeitura Municipal de Feira de Santana não faça mais contratações de servidores através de cooperativas. Novas Contratações Colbert Martins disse ao Acorda Cidade que as contratações só poderão ocorrer via Organização Social (OS), seleção pública (Reda) ou concurso público. Ao atender essa recomendação, é provável que aumente o número de processos seletivos para contrações temporárias. Fim das indicações políticas Infelizmente, com o fim das contratações via cooperativas, não é certo de que acabem também as indicações políticas. A contratação de Organização Social permite

Vai ter Feira Noise Festival em 2020

O Feira Coletivo Cultural e a Banana Atômica realizaram no último final de semana, em Feira de Santana (BA), uma edição histórica em comemoração aos 10 anos de existência do Feira Noise Festival. O evento aconteceu entre os dias 22 a 24, no Ária Hall, reforçando sua importância para a consolidação da cena local, além de manter Feira de Santana na rota de circulação de bandas e artistas independentes. Ao todo, 33 atrações se revezaram entre os palcos Banana Atômica e Budweiser, sendo 13 delas de Feira de Santana. Importantes nomes da música brasileira contemporânea como Supercombo, Francisco El Hombre, Black Pantera, Potyguara Bardo,

O fenômeno flamenguista em Feira de Santana

Na manhã dessa segunda-feira, a Praça da Bandeira foi a arena onde se discutiu sobre o mais importante e popular time de futebol brasileiro. — É óbvio que o Bahia é de mais importância. O Brasil nasceu onde? Se é aqui o início do Brasil, o Bahia é o time do nosso povo, defendia Papinho, torcedor patológico do Bahia. — O Flamengo, companheiro, é o time das massas, o time rubro, castanho, caboclo, representando os índios, e negro, quilombola, africano, representando o povo escravizado, proclamava Seu Teófilo, tomando caldo de cana para curar a ressaca da comemoração dos dois títulos

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

O colégio que formou 8 prefeitos de Feira

Em boa parte dos levantamentos históricos sobre Feira de Santana, o Colégio Santanópolis aparece como um grande marco na educação do município. Localizado no quarteirão por onde passam a Avenida Getúlio Vargas e a Rua JJ Seabra, na região do atual Estacionamento do Karoá, o Santanópolis nasceu em agosto de 1932, e funcionou até o ano de 1985.

O Santanópolis foi o primeiro colégio ginasial do interior da Bahia, dando a Feira de Santana o status de referência educacional. Para receber alunos de outras regiões do estado, tinha um internato localizado na Avenida Senhor dos Passos. O vídeo abaixo mostra algumas imagens do colégio:

 

O fundador do Santanópolis

Quem fundou o colégio Santanópolis foi Áureo de Oliveira Filho (que aparece no vídeo acima). Áureo era dentista e político, sendo vereador e depois deputado estadual por três legislaturas.

Na biografia resumida de Áureo Filho no site da Academia de Educação de Feira de Santana, é apontado não só como fundador do Santanópolis, mas também como participante do processo de criação da Universidade Estadual de Feira de Santana e do Observatório Astronômico Antares. A tão conhecida praça do bairro Tomba recebe o nome dele.

Quem estudou no Santanópolis

Um dos alunos do Colégio Santanópolis foi ninguém menos que Joselito Falcão de Amorim, que assumiu a prefeitura no lugar de Francisco Pinto, deposto pela Ditadura Militar em 1964 (em 2014 a Câmara de Vereadores devolveu simbolicamente o mandato de Chico Pinto). Veja o histórico escolar de Joselito Amorim no Santanópolis (que à época ensinava latim e francês a seus alunos):

GInásio Santanópolis

Mas Joselito Amorim não foi o único ex-prefeito de Feira de Santana estudou no Colégio Santanópolis. Outros 7 governantes da cidade passaram pelo colégio: João Durval Carneiro, Newton da Costa Falcão, José Falcão da Silva, Colbert Martins da Silva, José Raimundo Pereira de Azevedo, e o atual prefeito, José Ronaldo de Carvalho.

Um colégio das elites

Alunos do Colégio Santanópolis

Alunos do Colégio Santanópolis. Foto: Blog Santanópolis

Em sua tese de Doutorado, a pesquisadora Sandra Nivia Soares de Oliveira aponta o Colégio Santanópolis como o reduto escolar das elites de Feira de Santana:

“Atingindo as elites de Feira, através do Secundário e da Escola Técnica de Comércio; às moças de família, através do Curso Pedagógico e outras camadas da sociedade – por meio de Cursos profissionalizantes de curta duração e dos aqui intitulados de cursos livres –, o Colégio Santanópolis garantiu durante anos uma capilaridade em diversos setores da sociedade feirense que impacta Feira de Santana ainda hoje, uma vez que muitos dos seus egressos ocupam lugares de prestígio em vários setores da sociedade”.

No estudo, Sandra mostra que o Santanópolis tinha como proposta “um ensino para as elites de caráter propedêutico, que formaria os futuros dirigentes da nação”. Ela destaca como os egressos do Santanópolis tiveram protagonismo no ensino superior que seria instalado em Feira de Santana:

“Quando da implantação do ensino superior em Feira de Santana, a presença de egressos do Santanópolis, professores e estudantes, foi significativa a começar pelo Dr. Áureo Filho que fazia parte de um grupo juntamente com João Durval Carneiro, Geraldo Leite e Hugo Navarro (SANTOS, 2011) quando iniciaram a discussão e as articulações em torno do projeto que objetivava, inicialmente, a implantação de uma faculdade de medicina, o que não ocorreu. Maria Cristina Oliveira de Menezes – a Marinita, filha de Dr. Áureo – foi a primeira coordenadora do Curso de Ciências de Feira de Santana”.

O Estado Santanópolis

Mesa com "autoridades" do Estado Santanópolis

Mesa com “autoridades” do Estado Santanópolis. Foto: Blog Ginásio Santanópolis

O blog dos ex-alunos do Colégio Santanópolis narra uma interessante experiência realizada pelo colégio, que atesta a orientação educacional do estabelecimento de ensino. Trata-se do “Estado Santanópolis”, que era composto de um governo eleito pelo voto direto de todos os estudantes para os seguintes cargos:

  • Governador;
  • Deputados;
  • Prefeito do Curso Noturno;
  • Vereadores do Curso Noturno;
  • Prefeito do Curso Diurno;
  • Vereadores do Curso Diurno.

A campanha eleitoral, a eleição e a apuração era semelhante à vigente na época. Havia título de eleitor e até urnas cedidas pelos juízes eleitorais da cidade.

O Estado Santanópolis tinha secretarias: Econômico/Financeira, Indústria e Comércio, Justiça e Segurança, Esporte e Lazer. Também havia o Banco Santanópolis: “crianças de infantil pagavam despesas na cantina com cheques”.

A Memória do Santanópolis

Ainda hoje ex-alunos do Colégio Santanópolis se encontram, chegando a reunir mais de 500 pessoas entre ex-funcionários, ex-professores e ex-alunos.

Quem quiser mais detalhes sobre a memória do Colégio, é imprescindível ler a tese de Sandra Nivia Soares (UFBA), “Um modelar estabelecimento de ensino: o Colégio Santanópolis na cidade de Feira de Santana“. Além disso, muitas imagens, histórias e informações são encontradas nos blog Santanópolis e Ginásio Santanópolis.

 


Sobre o (a) autor (a):