Rio Jacuípe

Porque eu te amei

O que ‘Porque eu te amei’ tem a falar sobre Feira?

Já passado alguns meses do lançamento do filme feirense de Tiago Rocha, que gerou assunto durante um bom tempo e lotou praticamente todas as sessões enquanto esteve em exibição, o longa, embora já fora dos cinemas, ainda tem muito que falar. E não me refiro exclusivamente aos temas abordados no enredo. Como violência doméstica, abuso, estupro etc. Mas, também, sobre o nosso olhar sobre Feira. Porque eu te amei é uma espécie de grito da classe artística feirense. Uma produção independente, envolvendo profissionais e entusiastas da cidade, lançada por aqui de maneira honrada e reconhecida – principalmente por quem duvidou.

Irving São Paulo

O ator feirense Irving São Paulo

Provavelmente você conhece o rosto do ator Irving São Paulo, filho de um histórico cineasta brasileiro, Olney São Paulo. Irving, nascido em Feira de Santana, estrelou grandes novelas brasileiras, a exemplo de “Bebê a bordo”, “Mulheres de Areia”, “A Viagem” e “Torre de Babel”. Irving nasceu em 26 de outubro de 1964, em Feira, onde iniciou a atuar em peças de teatro. Faleceu precocemente, aos 41 anos de idade, vítima de pancreatite necro-hemorrágica. Recentemente o Vídeo Show dedicou uma edição do quadro “Memória Nacional” ao ator feirense, mostrando sua trajetória e múltiplos talentos (em especial a música):   A seguir,

Jogo de Nonô

O jogo de Nonô

“Tira a mão do ovo, Nonô!”, protesta Toinho Cabeção quando o coroa de 86 anos chega para almoçar. É assim todo início de mês: Nonô chega na lanchonete do Centro Mandacaru apoiando uma mão na bengala e a outra oscilando entre o bolso e algumas coçadinhas no meio da calça. Ele não terceiriza o saque da aposentadoria, tanto por vigilância orçamentária quanto por deleite ritualístico: após ir ao banco, compra os remédios do mês, apara o cabelo que lhe resta e arrisca tornar-se milionário nos seis números da mega. “Jogar na mega pra onde, Nonô? Vai gastar esse milhão com

Colbert e Targino

Targino e Colbert trocam farpas

Sem informação Após a população do Conjunto Viveiros realizar uma manifestação por conta da falta de médico no Posto de Saúde da localidade, o prefeito Colbert Martins disse o seguinte: “não tinha informação que o posto médico do Viveiros estava tanto tempo (cerca de sete meses) sem médico”. Targino cobra afastamento da Secretária de Saúde e do Procurador do município O Deputado Estadual Targino Machado (DEM), durante pronunciamento na tribuna da Assembleia Legislativa da Bahia, nesta terça-feira, 21, cobrou do prefeito de Feira de Santana, o afastamento da Secretária Municipal de Saúde, Denise Mascarenhas, e do Procurador do município, Cleudson

Roberto Mendes

Roberto Mendes faz show na Cidade da Cultura

Um dos maiores artistas que a Bahia produziu estará em Feira de Santana na próxima quinta-feira: o cantor, compositor e ativista santamarense Roberto Mendes faz show na Cidade da Cultura, um dos principais espaços culturais de Feira de Santana. Mendes apresentará um show com tema caro a Feira de Santana: “A chula do Recôncavo com o Canto do Sertão”. Situada entre o Recôncavo e o Sertão, Feira tem a oportunidade de se reconhecer na apresentação de um notável defensor do Samba da Bahia, e do Samba antes do Samba, como ele diz, se referindo à Chula. Ele caracteriza a Chula

De arrepiar! O novo clipe da banda feirense Calafrio

A banda feirense Calafrio acaba de lançar seu novo clipe, “A mão Pesada do Destino”, uma produção cinematográfica de primeiríssima qualidade, que pode ser comparada a clipes produzidos para o mercado nacional – mesmo sendo uma produção independente.

A Calafrio é uma banda com 11 anos de estrada e três discos lançados (“Ácido Céu”, “Para Ambos os Lábios” e “Bater de Frente”). Após algumas mudanças em sua composição hoje conta com Pedro Patrocínio (Guitarra e Vocal), Siddhartha Gautama (Vocal e Guitarra), Robson Sousa (Bateria) e Bruno Mendes (Baixo).

O clipe foi gravado em um dos mais tradicionais redutos da boemia feirense, o Bar Jeca Total. De acordo com Siddhartha Gautama, um dos autores do roteiro do videoclipe, a escolha do Jeca como cenário não era a ideia inicial, que tinha um conceito mais clássico, mas o Jeca acabou surgindo como possibilidade para um cenário mais informal.

Além disso, a presença de personagens relevantes para a cultura feirense (como Joilson Santos, Jorge e Aloma Galeano, Rogério Ferrer, entre outros), faz parte de uma tentativa de valorizar a cena local.

Segundo Eduardo Quintela, diretor do clipe e sócio da produtora Live Filmes, responsável pelo projeto, a escolha pela gravação em plano contínuo (sem interrupção na gravação, em uma única câmera) ocorreu principalmente para valorizar a expressão corporal dos dançarinos. “Além disso, as pessoas que participaram da gravação eram convidadas, e não atores. Foi uma forma de filmar sem precisar que ninguém fizesse expressões mais elaboradas nem ficasse algo caricato. É um tipo de produção que tem um charme muito maior em relação ao tradicional”.

Um dos desafios na filmagem do clipe, revela Eduardo, foi a montagem do palco para a banda tocar no final do clipe, já que os músicos aparecem como atores e o espaço do palco é mostrado inicialmente vazio.

Siddhartha, autor da música, fala um pouco sobre a composição: “A música é baseada em fatos reais, pra falar a verdade. Tem trechos que aconteceram de fato. A composição ocorreu num momento em que a banda estava com um movimento consistente depois de muito tempo. Compus muito rápido, foi a primeira do EP ‘Bater de Frente‘”.

Um destaque à parte é o cartaz de divulgação do clipe, ilustrado pelo próprio Siddharta:

"Bater de Frente", banda Calafrio

 

Assista o brilhante clipe de “A mão Pesada do Destino”:

 

Link do Youtube

A banda Calafrio está no Facebook!


Sobre o (a) autor (a):