As Feiras de Feira de Santana

Centro de Abastecimento de Feira de Santana

O Centro de Abastecimento vai ser privatizado?

De acordo com o líder do governo na Câmara Municipal, vereador Marcos Lima (Patriota), vários empresários querem administrar o Centro de Abastecimento de Feira de Santana. A informação foi repassada durante a sessão desta terça-feira (13), na Casa da Cidadania, ao responder acusações do vereador Roberto Tourinho.   Abandonado Tourinho disse que a situação do Centro de Abastecimento é de abandono, e elencou os seguintes problemas: lixo, mau cheiro, escuridão, tráfico de drogas, prostituição, lama e até homicídios ocorrem no local. Cheiro de Privatização De acordo com Tourinho, o poder público municipal não faz absolutamente nada, diante de tantos problemas:

Cantoras negras feirenses

Cantoras negras são destaque na música de Feira de Santana

Um olhar cuidadoso sobre as expressões musicais em Feira de Santana torna obrigatório reconhecer o fundamental protagonismo das mulheres em nossa música. Para começar, Feira de Santana é uma das poucas cidades do Brasil que tem seu hino composto por uma mulher: Georgina Erismann, no início do século XX, fez o “Hino a Feira”, numa época em que a mulher sequer tinha direito a voto. Uma das mais tradicionais expressões culturais de Feira de Santana, reconhecida internacionalmente, é capitaneada por uma mulher: Dona Chica do Pandeiro é a matriarca da Quixabeira da Matinha, exercendo um papel de liderança que remonta

OzÉbrios

Grupo feirense OzÉbrios estreia no projeto “Samba da Tarde”

Feira de Santana ganha, a partir deste sábado (10) mais um espaço de apreciação do samba: o Container Mall, com o projeto “Samba da Tarde”. Promovido pela Cervejaria Sertões, a iniciativa apresentará o grupo de samba OzÉbrios, comandado pelo cantor e compositor Rafael Damasceno. O projeto visar ocupar as tardes de sábado do Container Mall com o mais puro ritmo do samba raiz. O grupo OzÉbrios receberá convidados celebrando a junção do melhor do samba, dos sabores (dos petiscos) e das cervejas (artesanais), como elementos de entretenimento e opção de lazer na cidade. Além da Cervejaria Sertões, e o Container

Amanda Magalhães - The Voice - Feira

Amanda Magalhães, a feirense que está no The Voice Brasil 2019

Feira de Santana está mais uma vez no The Voice Brasil. Após o sucesso da feirense Paula Sanffer, que participou do programa global em 2015, e hoje é vocalista da Timbalada, é a vez da cantora Amanda Magalhães, que foi selecionada para o time da cantora IZA. Além de cantora, Amanda Magalhães é atriz (atuou no filme feirense “Porque eu te amei“), e desde cedo se dedicou ao serviço na Igreja por meio das artes. Participante do elenco de uma companhia de teatro musical cristã, a jovem de 25 anos se descobriu como cantora através dos personagens que interpretou ao

A Nova Lei feirense sobre apreensão de veículos

A Câmara Municipal de Feira de Santana promulgou nesta terça-feira, 06, a Lei Nº 346/2019, de autoria do vereador  Marcos Antonio dos Santos Lima, que dispõe sobre a apreensão de veículos automotores de duas e quatro rodas nas sextas-feiras, sábados, domingos, feriados e no último dia útil que anteceder a feriados em Feira de Santana. Nestes dias, a diária do pátio terá início no primeiro dia útil subsequente. Retirada de itens pessoais A lei ainda dispõe que ao proprietário(a) do veículo automotor comprovado com documento de identificação oficial com foto será permitido retirar os itens pessoais a qualquer momento após

Chuvas garantiram fartura nos festejos juninos

Quem se aventurou pelo Centro de Abastecimento nos dias que antecederam os festejos juninos pôde notar uma significativa diferença em relação ao ano passado: a oferta de produtos se ampliou, inclusive com expressiva redução de preços em relação a 2016. Tudo por conta das chuvas que começaram a cair nos primeiros dias de abril e que se estenderam até aqui, meados do mês de junho. Embora o semiárido siga carecendo de mais chuva, sobretudo para reforçar os reservatórios, o inverno sertanejo representou uma trégua feliz na rotina de secas dos últimos anos.

Foi visível a fartura do amendoim, do milho e da laranja, três dos mais típicos produtos dos festejos juninos. Os ingredientes para os bolos da época, como o aipim, também estavam disponíveis com preços mais em conta. A inesperada deflação foi um alento nesse longo interregno de recessão econômica combinada com inflação.

“Em cenários do gênero, ganha o produtor rural – sobretudo os agricultores familiares – que plantam, colhem e têm o que vender”

Em cenários do gênero, ganha o produtor rural – sobretudo os agricultores familiares – que plantam, colhem e têm o que vender; e ganham os consumidores dos centros urbanos que, com a oferta mais ampla, compram a preços mais acessíveis. É a típica situação em que todos os acabam sendo beneficiados.

Situações assim se tornaram raras nos últimos anos. Desde o início da década que sucessivas e implacáveis estiagens arruinaram safras e dizimaram rebanhos, desarticulando a frágil economia do semiárido. As chuvas recentes atenuaram a situação, embora sirvam para amenizar parte das perdas. Mas são importantes, sobretudo em função dos três anos de recessão que penalizam os brasileiros.

Perspectivas

No primeiro trimestre o clima era desanimador no Centro de Abastecimento. As esperadas trovoadas que deveriam cair no período não chegaram à região da Feira de Santana. No mítico 19 de março – data consagrada a São José – sequer chuviscou. No entreposto, as habituais rodas de conversa dos tabaréus perderam a vitalidade, o vigor. Afinal – reza a crença popular – restava esperar, mais uma vez, as trovoadas do final de ano.

Pela zona rural feirense são visíveis as plantações de milho e de feijão, que hoje emprestam vida às campinas antes castigadas pela estiagem. É visível também que algum pasto se recompõe e que os animais já não definham como há alguns meses. Manhãs e tardes não são mais marcadas pela claridade estonteante: vem sendo comum os dias começarem com uma garoa tímida, que dilui o horizonte numa cortina d’água.

“Lá adiante, é inevitável que novas estiagens ocorram, resgatando o ciclo secular de fartura e escassez que caracteriza a região”

Trata-se, conforme se percebe, de uma trégua no cotidiano do sertanejo. Muito bem-vinda em função dos revezes dos últimos anos, mas apenas uma trégua: lá adiante, é inevitável que novas estiagens ocorram, resgatando o ciclo secular de fartura e escassez que caracteriza a região. Intervenções governamentais bem planejadas é que podem favorecer o convívio mais harmônico com esses fenômenos.

O problema é que o País está de pernas para o ar e questões do gênero sequer figuram nos debates recentes. Economicamente estagnado e politicamente convulsionado, o Brasil, hoje, padece sem rumo. Com ambiente tão funesto talvez seja melhor seguir a sabedoria sertaneja e aproveitar esses dias de bonança. Pensar no futuro é antecipar problemas. E a fartura modesta propiciada pelo inverno sertanejo tem que ser bem vivida…


Sobre o (a) autor (a):