Finalmente começou a chover na Feira de Santana. Ontem (29), pela tarde, caiu uma trovoada intensa. Durante a madrugada, chuviscou, umedecendo o solo que foi castigado pelo sol inclemente durante meses infindáveis. Pela manhã, a cidade foi recoberta por uma extensa camada cinza de nuvens, despejando uma garoa que, em alguns instantes, ameaçou encorpar, assumir feição de trovoada. Mas ficou nisso e, aos poucos, o chuvisco foi cedendo, apesar das nuvens escuras permaneceram cobrindo o céu.

Ontem, a chuva da tarde foi tão intensa que a afamada serra de São José, no distrito de Maria Quitéria, se diluiu na cortina d’água. Sequer a silhueta esbranquiçada era visível a partir da BR 116 Norte. A trovoada encurtou os horizontes. Até os longilíneos coqueiros das cercanias da estrada diluíram-se, balançando sob o vento que reforçava o temporal.

“A tarde caiu com uma densidade plúmbea dominando seus recortes. Coisa rara nos últimos tempos.”

Quem sempre transita por ali estava acostumado às manhãs e tardes incandescentes, que produziam tons diferentes sobre a serra de São José. A princípio, a luminosidade realçava o verde da vegetação que foi se rarefazendo com a escassez de chuvas; também se insinuavam tons azulados, minerais, sobretudo com sol intenso e céu limpo; por fim, via-se a terra nua, marrom, devastada.

Não foram raros os focos de incêndio, inclusive no cume da serra. De lá se desprendia uma fumaça escura, diáfana, que se diluía no céu azul. Mas, ontem, mudou o tempo e a trovoada envolveu a silhueta da serra de São José. A tarde caiu com uma densidade plúmbea dominando seus recortes. Coisa rara nos últimos tempos.

Efeitos

A chuva em Feira de Santana

As chuvas de hoje tornaram o asfalto escorregadio, reduziram a velocidade dos veículos e forçaram os motoristas a circular com faróis acesos. As compridas ruas do Parque Ipê e do Campo Limpo acumularam água, o que também sempre acontece no centro da cidade. Não faltaram internautas compartilhando fotos das torrentes barrentas que escorriam ontem à tarde.

A previsão do tempo indica que a chuva pode persistir pelos próximos dias. Seria ótimo para umedecer o solo, vicejar alguma vegetação, reforçar reservas, talvez animar o trabalhador rural a lançar alguma semente à terra para, quem sabe, ser recompensado com uma feliz colheita lá adiante. Mas, por enquanto, tudo não passa de esperança tênue. Afinal, a época das trovoadas finda e chuvas mais intensas só em meados do ano.

Contrariando a sabedoria sertaneja, pelo menos por aqui, a chuva não veio até o 19 de março, data consagrada a São José no calendário católico. De qualquer forma, permanece a esperança de que as chuvas continuem e, a

Publicado por André Pomponet

Atua no jornalismo desde 1995. Começou no extinto jornal Feira Hoje e foi chefe de redação na Câmara Municipal de Feira de Santana. É economista (Uefs) e mestre em Administração (Ufba) e há 10 anos escreve sobre economia e política na imprensa feirense.