As Feiras de Feira de Santana

Venezuelanos em Feira de Santana

A história de dois Venezuelanos em Feira de Santana

Quem tem andado pelas ruas de Feira de Santana nos últimos anos nota o aumento da quantidade de pedintes e vendedores informais nas sinaleiras da cidade – consequência óbvia do deserto econômico por que passa o país. Peregrinando entre os carros, na esperança de que um vidro se abra e uma mão se estenda, essas pessoas buscam o sustento básico da família, a ajuda para a compra de um remédio ou a fralda para um filho. Na cidade-entroncamento, não é de espantar que muitos desses habitantes das encruzilhadas sejam de fora do município, do estado e do país. É o

Casarão dos Olhos D'Água

Casarão Olhos D’Água será reformado

A Prefeitura Municipal de Feira de Santana irá reformar o Casarão Olhos D’Água, situado na Rua Dr. Araújo Pinho. O valor da reforma foi orçado em R$ 331.657,38 e a empresa contratada, através de dispensa de licitação, foi a CLAP Construtora Ltda (Diário Oficial de 17 de julho). Recomendação do MP-BA O Ministério Público Estadual, por meio da promotora de Justiça Luciana Machado dos Santos Maia, expediu em dezembro do ano passado, recomendação ao diretor-presidente da Fundação Municipal de Tecnologia, Telecomunicações e Cultura Egberto Tavares Costa (Funtitec), Antonio Carlos Daltro Coelho, para que promovesse as medidas emergenciais necessárias à manutenção,

Feira Hippie dos Olhos D'Água

UEFS receberá a II Feira Hippie dos Olhos D’Água

Criada em 2016, a Feira Hippie dos Olhos D’Água aconteceu pela primeira vez durante a Semana Nacional do Livro e da Biblioteca, realizada anualmente no mês outubro, na Biblioteca Central Julieta Carteado, no Campus da UEFS. Na ocasião, o evento principal tinha como tema Sustentabilidade e Meio Ambiente, e a Feira Hippie, idealizada por Paulo Fabrício Reis e Raquel Kuwer, surgiu como um adendo, estabelecendo uma relação direta com a temática, uma vez que foram priorizados expositores com trabalhos artesanais, ou que trabalhavam com esse enfoque. O nome da Feira Hippie é uma homenagem à cidade de Feira de Santana,

O pintor feirense Cesar Romero

O pintor feirense Cesar Romero

Quem acompanha o cenário das artes plásticas da Bahia certamente já ouviu falar ou já se deparou com alguma obra do pintor Cesar Romero. O que nem todos sabem é que o artista plástico autor das “Faixas Emblemáticas” é feirense, nascido em 1950. “Dois fatos foram determinados em minha formação de artista plástico: a convivência com as feiras livres, sempre às segundas-feiras, em companhia do meu pai, e a criação do Museu Regional de Feira de Santana. Se eu tivesse nascido em outra cidade, muito provavelmente não haveria o artista que sou, nem esta obstinada escolha de brasilidade. Feira de

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira de Santana?

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira?

A Câmara de Vereadores é uma instituição importantíssima para qualquer município. Suas cadeiras são ocupadas pelos representantes políticos mais próximos à comunidade: os vereadores, eleitos principalmente pela capacidade de interlocução e liderança em determinados bairros e comunidades. Além de levar demandas da comunidade ao Poder Executivo, mantendo diálogo permanente com secretários, superintendentes e outros gestores, o vereador deve cumprir o papel fiscalizador das ações e decisões emanadas do Prefeito. Sem falar no papel de legislador e promotor de debates sobre temas de interesse da comunidade, fazendo com que os munícipes tenham participação ativa nas políticas públicas. Quanto mais os vereadores

Lembranças da infância em Feira: chupar geladinho

Há alguns anos, em Feira, era muito fácil encontrar pelo menos uma casa por rua com uma plaquinha pendurada no portão, com os dizeres: “Vende-se geladinho”. O geladinho, que é uma espécie de picolé feito a partir de suco ensacado e congelado, é elemento da cultura de feira livre, e durante muito tempo foi uma das sobremesas mais consumidas nos bairros populares.

Geralmente era vendido por aquela vizinha dona de casa, para garantir uma grana extra. Às vezes comprar o geladinho já era uma aventura, como quando a vendedora tinha um cachorro rabugento, que geralmente com um nome bem fofo, e tentava morder os clientes através da grade do portão. Também acontecia dela ficar de mau humor por brigar com o marido, e o comprador, ao chamar para pedir um geladinho, facilmente levava a porta na cara.

Os sabores do geladinho

Sabores de Geladinho

Havia uma infinidade de sabores, que podem ser divididos em quatro categorias:

  1. Suco de fruta: geralmente os mais procurados pelos adultos, pelo fato de serem naturais e mais consistentes. Dentre eles estão os de côco, amendoim, tamarindo, umbu e manga;
  2. Cremosos: os mais exóticos e com apenas dois sabores. Chocolate e morango. Eram à base de chocolate em pó ou de morango cremoso, feito com a bebida em pó sabor morango, conhecida também como “quik”;
  3. Com leite: aqui era basicamente uma variedade da categoria 1, porém, levava leite, em vez de água. Vale ressaltar que nem todas as frutas eram combinadas com o leite, pois a superstição dos mais velhos não permitiam que, por exemplo, suco de manga fosse misturado com leite, sob pena de fazer mal.
  4. Artificiais: Aqui o público-alvo era a criançada que adorava os sabores exóticos de groselha e uva, feitos à base de suco em pó, também conhecido como “ki-suco”.

Como consumir o geladinho

Geladinho feirense

O tipo de geladinho também influenciava em sua forma de consumo. Aqui existem duas maneiras – começar por baixo ou por cima:

  • Começar por cima: dava-se uma mordiscada em uma das pontas da parte superior do saquinho, e sugava-se o conteúdo aos poucos, e à medida que o gelo derretia se transformava em suco. Maneira indicada para os geladinhos cremosos e com leite, pois aos poucos ia-se derretendo e ficava um suco consistente e com bastante sabor ao final.
  • Começar por baixo: mordia-se o nó da parte inferior e comia-se por baixo, com bocadas grandes de forma que o gelo vinha aos pedaços na boca. Essa maneira era indicada para os geladinhos artificiais, pois se fossem sugados pela parte de cima, no final, o que restava era só um pedaço de gelo sem sabor.

O tamanho do geladinho também era parâmetro da situação econômica da região. Quando a situação financeira estava boa, o nó do saquinho era feito próximo ao fim, e o geladinho ficava quase todo cheio de suco, quase sem sobrar espaço pro nó, e, à medida que a situação ficava mais difícil, o nó ia subindo um pouco mais, até chegar quase na metade do saco. Essa manobra era feita para que o preço se mantivesse o mesmo, mantendo assim a freguesia e a palavra perante a vizinhança.

Nos dias de hoje, com o fenômeno da gourmetização, há variedade enorme de geladinhos, como os de laranja com manjericão, limão siciliano com alecrim, mate com pêssego, caipirinha e até geladinho “detox”, mas, seguramente, nenhum deles ofusca o brilho daquele geladinho de groselha de 20 centavos, comprado na casa de Dona Nina, que no finalzinho do gelo tinha aquele sabor de uma boa infância.


Sobre o (a) autor (a):