As Feiras de Feira de Santana

Cooperativas em Feira de Santana

Cooperativas com os dias contados em Feira de Santana

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) exigiram que a Prefeitura Municipal de Feira de Santana não faça mais contratações de servidores através de cooperativas. Novas Contratações Colbert Martins disse ao Acorda Cidade que as contratações só poderão ocorrer via Organização Social (OS), seleção pública (Reda) ou concurso público. Ao atender essa recomendação, é provável que aumente o número de processos seletivos para contrações temporárias. Fim das indicações políticas Infelizmente, com o fim das contratações via cooperativas, não é certo de que acabem também as indicações políticas. A contratação de Organização Social permite

Vai ter Feira Noise Festival em 2020

O Feira Coletivo Cultural e a Banana Atômica realizaram no último final de semana, em Feira de Santana (BA), uma edição histórica em comemoração aos 10 anos de existência do Feira Noise Festival. O evento aconteceu entre os dias 22 a 24, no Ária Hall, reforçando sua importância para a consolidação da cena local, além de manter Feira de Santana na rota de circulação de bandas e artistas independentes. Ao todo, 33 atrações se revezaram entre os palcos Banana Atômica e Budweiser, sendo 13 delas de Feira de Santana. Importantes nomes da música brasileira contemporânea como Supercombo, Francisco El Hombre, Black Pantera, Potyguara Bardo,

O fenômeno flamenguista em Feira de Santana

Na manhã dessa segunda-feira, a Praça da Bandeira foi a arena onde se discutiu sobre o mais importante e popular time de futebol brasileiro. — É óbvio que o Bahia é de mais importância. O Brasil nasceu onde? Se é aqui o início do Brasil, o Bahia é o time do nosso povo, defendia Papinho, torcedor patológico do Bahia. — O Flamengo, companheiro, é o time das massas, o time rubro, castanho, caboclo, representando os índios, e negro, quilombola, africano, representando o povo escravizado, proclamava Seu Teófilo, tomando caldo de cana para curar a ressaca da comemoração dos dois títulos

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

Precisamos louvar o Feira Noise

É preciso louvar com entusiasmo a edição de 10 anos do Feira Noise Festival, que ocorre nesse final de semana em Feira de Santana. Nem precisa gostar de rock ou de qualquer gênero musical, banda ou artista que se apresenta nos palcos do evento para reconhecer a capacidade inacreditável de um grupo de entusiastas de determinada cena cultural em manter de pé, em Feira de Santana, um festival que chama a atenção para além das fronteiras baianas. São mais de 30 atrações, de várias partes do Brasil, distribuídas em três dias no Ária Hall, o mais elegante e bem estruturado

O pintor feirense Cesar Romero

Quem acompanha o cenário das artes plásticas da Bahia certamente já ouviu falar ou já se deparou com alguma obra do pintor Cesar Romero. O que nem todos sabem é que o artista plástico autor das “Faixas Emblemáticas” é feirense, nascido em 1950.

“Dois fatos foram determinados em minha formação de artista plástico: a convivência com as feiras livres, sempre às segundas-feiras, em companhia do meu pai, e a criação do Museu Regional de Feira de Santana. Se eu tivesse nascido em outra cidade, muito provavelmente não haveria o artista que sou, nem esta obstinada escolha de brasilidade. Feira de Santana fixou meu destino em forma, linha e cor”, diz ele sobre sua origem.

Faixas emblemáticas - Cesar Romero

Faixas emblemáticas – Cesar Romero

Faixas emblemáticas - Cesar Romero

Faixas emblemáticas – Cesar Romero

Faixas emblemáticas - Cesar Romero

Faixas emblemáticas – Cesar Romero

Romero, que também é médico psiquiatra, tem extensa produção artística, chegando a participar, no Brasil, de mais de 400 exposições coletivas e 39 individuais. No exterior, foram mais de 50 exposições coletivas e 8 individuais – em países como Espanha, Estados Unidos, França e Argentina. Possui trabalhos em 45 museus brasileiros e estrangeiros.

Depois de ser marcado por Feira de Santana, Cesar Romero foi morar em Salvador: “Vim para Salvador povoado de lembranças da caatinga e do sertão. Em 1967, tive minha primeira exposição e meu primeiro prêmio. Salvador me legou os símbolos afro-brasileiros e as festas de largo. Somações de influências que resultaram no produto final do meu trabalho”.

No livro “A Brasilidade na Pintura de Cesar Romero“, Mirian de Carvalho descreve da seguinte forma a obra do artista feirense:

Pintura de Cesar Romero

Obra de Cesar Romero

“No universo das cores moventes, César Romero inscreve a vida e a memória do povo visitando manifestações do sagrado e do profano em terras da Bahia. Na apreensão da fé popular, além das referências ao Candomblé, o pintor festeja os santos e outras imagens do Catolicismo. Comemorando a paisagem interiorana, ele destaca os casarios e a igreja do povoado. Contempla as arraias empinadas pelos meninos de céu aberto. Comemora as bandeiras, os banquinhos e as barracas das Festas de Largo e do mercado. Exalta o Carnaval. As festas juninas. Os folguedos. O circo. Colore as fachadas das casas do interior. Em seu trabalho, ganham espaço altar e santo. Em sua arte, matizam-se costumes e fazeres. Coisas do homem. Coisas da divindade. Sinais do povo dando voz à cultura regional como uma das nossas identidades hoje”.

O crítico de arte Jacob Klintowitz enaltece o trabalho de Romero: “A característica mais notável no trabalho de César Romero é sua capacidade de incorporar os símbolos da religiosidade e da criatividade popular, do fluxo inconsciente do povo brasileiro, e transformá-los numa partitura pictórica erudita, onde as formas adquirem uma estrutura de vasta informação, e a gama cromática surge lentamente, sutil, por transparência e pelo ritmo da pincelada.”

Crítico de Arte

César Romero

Não bastasse a reconhecida trajetória como pintor, Cesar Romero também é membro da Associação Brasileira dos Críticos de Arte. Iniciou-se na grande imprensa em 1975 escrevendo no Jornal da Bahia, até 1979. Neste mesmo ano, inicia sua coluna de artes visuais no Correio da Bahia.

Exposição Bramante - Salvador

Publicou mais de novecentos artigos sobre arte e artistas. Prefaciou aproximadamente duzentos e cinquenta catálogos de exposição, e é autor de livros de arte como “Bahia – Negras Raízes” (2006), “Carl Brussel – Um artista da forma e da cor” (2006), “Grafite: Sinais Urbanos” (2011) e “Antonio Maia – Ex – Voto, Alma e Raiz” (2015).

***

Em 2001, Cesar Romero disse sobre sua própria obra: “Busco uma pintura como quem busca um Hino Nacional. Sou baiano, nordestino, brasileiro e universal”. Um feirense que merece ser referenciado, reconhecido e lembrado pela extensa obra que construiu – e segue construindo.

Conheça mais sobre Cesar Romero e sua obra em seu site oficial.


Sobre o (a) autor (a):