Rio Jacuípe

Porque eu te amei

O que ‘Porque eu te amei’ tem a falar sobre Feira?

Já passado alguns meses do lançamento do filme feirense de Tiago Rocha, que gerou assunto durante um bom tempo e lotou praticamente todas as sessões enquanto esteve em exibição, o longa, embora já fora dos cinemas, ainda tem muito que falar. E não me refiro exclusivamente aos temas abordados no enredo. Como violência doméstica, abuso, estupro etc. Mas, também, sobre o nosso olhar sobre Feira. Porque eu te amei é uma espécie de grito da classe artística feirense. Uma produção independente, envolvendo profissionais e entusiastas da cidade, lançada por aqui de maneira honrada e reconhecida – principalmente por quem duvidou.

Irving São Paulo

O ator feirense Irving São Paulo

Provavelmente você conhece o rosto do ator Irving São Paulo, filho de um histórico cineasta brasileiro, Olney São Paulo. Irving, nascido em Feira de Santana, estrelou grandes novelas brasileiras, a exemplo de “Bebê a bordo”, “Mulheres de Areia”, “A Viagem” e “Torre de Babel”. Irving nasceu em 26 de outubro de 1964, em Feira, onde iniciou a atuar em peças de teatro. Faleceu precocemente, aos 41 anos de idade, vítima de pancreatite necro-hemorrágica. Recentemente o Vídeo Show dedicou uma edição do quadro “Memória Nacional” ao ator feirense, mostrando sua trajetória e múltiplos talentos (em especial a música):   A seguir,

Jogo de Nonô

O jogo de Nonô

“Tira a mão do ovo, Nonô!”, protesta Toinho Cabeção quando o coroa de 86 anos chega para almoçar. É assim todo início de mês: Nonô chega na lanchonete do Centro Mandacaru apoiando uma mão na bengala e a outra oscilando entre o bolso e algumas coçadinhas no meio da calça. Ele não terceiriza o saque da aposentadoria, tanto por vigilância orçamentária quanto por deleite ritualístico: após ir ao banco, compra os remédios do mês, apara o cabelo que lhe resta e arrisca tornar-se milionário nos seis números da mega. “Jogar na mega pra onde, Nonô? Vai gastar esse milhão com

Colbert e Targino

Targino e Colbert trocam farpas

Sem informação Após a população do Conjunto Viveiros realizar uma manifestação por conta da falta de médico no Posto de Saúde da localidade, o prefeito Colbert Martins disse o seguinte: “não tinha informação que o posto médico do Viveiros estava tanto tempo (cerca de sete meses) sem médico”. Targino cobra afastamento da Secretária de Saúde e do Procurador do município O Deputado Estadual Targino Machado (DEM), durante pronunciamento na tribuna da Assembleia Legislativa da Bahia, nesta terça-feira, 21, cobrou do prefeito de Feira de Santana, o afastamento da Secretária Municipal de Saúde, Denise Mascarenhas, e do Procurador do município, Cleudson

Roberto Mendes

Roberto Mendes faz show na Cidade da Cultura

Um dos maiores artistas que a Bahia produziu estará em Feira de Santana na próxima quinta-feira: o cantor, compositor e ativista santamarense Roberto Mendes faz show na Cidade da Cultura, um dos principais espaços culturais de Feira de Santana. Mendes apresentará um show com tema caro a Feira de Santana: “A chula do Recôncavo com o Canto do Sertão”. Situada entre o Recôncavo e o Sertão, Feira tem a oportunidade de se reconhecer na apresentação de um notável defensor do Samba da Bahia, e do Samba antes do Samba, como ele diz, se referindo à Chula. Ele caracteriza a Chula

Duas destacadas cervejarias artesanais feirenses

Em outras cidades brasileiras já é bastante comum encontrar em bares e restaurantes alternativas às populares cervejas pilsen, conhecidas no Brasil através de marcas como Brahma, Skol, Schin, Itaipava e semelhantes. Em Feira, sabem os frequentadores da “boêmia” feirense, esse é um fenômeno recente, onde ainda poucos lugares oferecem alternativas às líderes de mercado.

A boa notícia é que há cervejeiros feirenses dedicados a expandir a produção, comercialização e consequente degustação de cervejas artesanais/especiais. Há espaço não só para aquelas que despontam no cenário nacional e internacional, mas também para brejas com a certidão de nascimento de Feira de Santana.

Nesse sentido, duas cervejarias artesanais se destacam, semeando em Feira de Santana uma cultura ascendente de apreciação de boas cervejas: a Cervejaria Sméra e a Cervejaria Sertões. Vamos conhecer um pouco mais sobre ambas neste artigo.

Cervejaria Sméra

Cervejaria Sméra

A Cervejaria Sméra foi fundada por Luiz Sméra, feirense de 25 anos, que conta como teve seu primeiro contato com cervejas especiais: “Um dia fui fazer um risoto e no mercado só tinham vinhos brancos secos muito caros (bastante mesmo), e eu só precisava de uma xícara. Comecei a procurar na internet alguma bebida seca, e vi que cervejas do tipo Witbier tem essa característica. Resultado: comprei uma Hoegardden. Quando cheguei em casa, fiz o risoto, não ficou nada bom, assumo, mas provei a cerveja, natural mesmo, e vi que era muito diferente das comerciais que tinha o costume de consumir. Digo consumir pois só comecei a beber cervejas a partir daí, dia que vi que existiam sabores diferentes”.

A partir dessa experiência Luiz passou a ler sobre cervejas, até descobrir que era possível criar sua própria bebida. “Corri atrás de cursos online, vídeos na internet, livros, e fiz a Pequenina, a primeira cerveja que ‘deu certo'”, diz ele. Daí em diante buscou mais aprofundamento, até realizar um curso na Cervejaria Bodebrown, em Curitiba. “Comecei a produzir minhas cervejas e criar receitas baseadas nos meus estudos sobre os insumos (água, malte, lúpulo e levedura), mas logo de cara fiz a Pancada, minha Pale Ale com rapadura que foi muito bem aceita por quem provou, o que me incentivou a comercializar e ir atrás de mais conhecimento”.

Luiz Sméra

Luiz Sméra: 19 rótulos produzidos.

Desde então Luiz Sméra produziu diversas cervejas – “contadas e registradas, são 19” – com destaque para a Pancada, a Uí Révi, Bode Véio e Nuclear (que já recebeu até maturação em barril de cachaça). Luiz voltou à Bodebrown com algumas cervejas produzidas, e recebeu elogios de Samuel Cavalcanti, mestre cervejeiro curitibano, e um dos maiores nomes no Brasil e no mundo.

Sméra lembra que a cena cervejeira em Feira de Santana ainda é muito jovem, e ainda tem muito a crescer: “desconheço algum feirense que faz cerveja há mais de 2 anos”.

Para entrar em contato com a Cervejaria Sméra, acesse a página do Facebook, Instagram ou ligue para (75) 9-9131-9184.

Cervejaria Sertões

Cervejaria Sertões

Matheus Barros é um dos fundadores da Cervejaria Sertões, que, junto com a Sméra, tem ganhado destaque entre os apreciadores de cervejas especiais em Feira de Santana. “Quando tomei a iniciativa de produzir cervejas artesanais, já conhecia um pouco do universo cervejeiro como degustador. Nos papos informais, e nos momentos etílicos, fomos amadurecendo a ideia. Diante dessa realidade, a brincadeira foi ficando mais séria. Eu, Thiago e Rico decidimos produzir com mais freqüência, alugamos um local mais apropriado e investimos em materiais que pudessem dar maior eficiência para o processo. Hoje temos a capacidade mensal de produzir 400 litros de cerveja”, diz Matheus.

Sociólogo, Matheus diz que no período de nascimento da Cervejaria estava lendo “Grande Sertão: Veredas”, de Guimarães Rosa: “Fiquei apaixonado! Paralelamente a esse processo, estava concentrado, também, na historiografia feirense. O nome Cassino Irajá, nossa primeira cerveja, foi pensado a partir da leitura do texto de Clóvis Ramaiana. Queria associar o nova forma de consumo – de cervejas especiais – com um elemento histórico que remetesse a um hábito ‘moderno’. Por conta disso, associei o nome da cerveja ao antigo cassino da cidade”.

Matheus, Tiago e Rico, os fundadores da Cervejaria Sertões

Matheus, Tiago e Rico, os fundadores da Cervejaria Sertões

Ele afirma a conexão entre a cervejaria e os elemento culturais da cidade: “Conforme toda essa perspectiva, a Sertões abre veredas por essas bandas. Mexendo com a memória do nosso povo, pretendemos, mesmo que de forma “amistosa”, continuar brincando com signos de nossa cidade. Tudo isso, é claro, regado de muita cerveja”.

Para entrar em contato com a Cervejaria Sertões acesse o Facebook, Instagram ou ligue para (75)9-8172-7999.


Sobre o (a) autor (a):