Rio Jacuípe

Improbidade Administrativa

Ex-Prefeito, Secretária e Procurador são acionados por Improbidade Administrativa

Ex-prefeito José Ronaldo é acionado pelo MP por improbidade administrativa O ex-prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo de Carvalho; a secretária de Saúde, Denise Lima Mascarenhas; o ex-subprocurador do Município, Cleudson Santos Almeida; e o então presidente da comissão de licitação no Município, Antônio Rosa de Assis, foram acionados pelo Ministério Público estadual por dispensa indevida de licitação realizada no ano de 2013, quando José Ronaldo era prefeito. Suspensão dos direitos políticos De acordo com o MP, o ato de improbidade causou ao erário um dano de R$ 6.379.495,62. Na ação, o promotor de Justiça Tiago de Almeida Quadros

Roberto Tourinho

Roberto Tourinho na Oposição

Tourinho na Oposição Em entrevista ao programa Acorda Cidade, nesta terça-feira (05), o prefeito Colbert Martins, comentou que Roberto Tourinho se tornou um vereador de oposição, após cobrança para afastar envolvidos no caso da Coofsaúde e propor uma CPI. A quem responder? Em pronunciamento, na sessão ordinária da última quarta-feira (06), na Câmara Municipal de Feira de Santana, o vereador comentou sobre a entrevista do prefeito e disparou que estava em dúvida a quem deveria responder, se “ao prefeito que governa ou o do Pilão, que despacha na Pousada Acalanto e no Hotel Atmosfera”. “Se ao prefeito ou ao chefe”.

Fila no CADH de Feira

Fila longa para marcar consulta no CADH, em Feira – Feira (A)notada

Fila longa, demora no atendimento e lotação no CADH Uma longa fila foi observada na manhã da última terça-feira, 05, na Rua Boticário Moncorvo, Centro da cidade. Tratava-se de pacientes do Centro de Atendimento ao Diabético e Hipertenso (CADH), esperando a vez para marcar uma consulta com médicos especialistas. O interior da unidade estava completamente lotado e o sistema de marcação toda hora saía do ar, enquanto as pessoas com diabetes e hipertensão permaneciam na fila. Somente quatro vereadores assinaram pedido de CPI O pedido para a formação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que pretende averiguar denúncias de irregularidades na

PSOL pede CPI na Câmara

PSOL protocola pedido de CPI na Câmara – Feira (A)notada

PSOL protocola pedido de CPI na Câmara Na manhã da última sexta-feira, 1º de fevereiro, no retorno das atividades na Câmara Municipal, o PSOL de Feira de Santana protocolou na Casa o pedido de CPI das fraudes na saúde do município, envolvendo contratos com as falsas cooperativas. O pedido foi entregue por Jhonatas Monteiro, ex-candidato a prefeito pelo partido, em mãos ao presidente da Câmara, vereador José Carneiro, que se comprometeu em apreciar o pedido no Plenário já na próxima segunda-feira, dia 4. Aprovados em concurso também querem CPI das cooperativas Trabalhadores da área de saúde, aprovados no concurso de

Novidades na Câmara Municipal

Novidades na Câmara Municipal de Feira de Santana – Feira (A)notada

Câmara reabre trabalhos legislativos A Câmara Municipal de Feira de Santana retomou as atividades na manhã desta sexta-feira (01). Em rito ordinário, foi realizada a leitura da ata da sessão anterior devidamente aprovada pelos edis presentes. O prefeito de Feira de Santana Colbert Martins da Silva Filho fez o pronunciamento e desejou bom retorno aos trabalhos. Estiveram presentes ainda o Procurador Geral do Município, Cleudson Almeida, secretários municipais, autoridades, representantes da sociedade civil e imprensa. Neinha deixa de ser suplente e assume a vaga deixada por Tom A vereadora Neinha (PTB), que estava no mandato como suplente, assume a vaga deixada

A trajetória do prédio do Centro Universitário de Cultura e Arte

O prédio do Centro Universitário de Cultura e Arte, o CUCA, é uma das edificações mais impressionantes da Feira de Santana. Fica situado na rua Conselheiro Franco – nas imediações da Praça da Catedral – e é vinculado à Universidade Estadual de Feira de Santana, a Uefs. O espaço foi construído especialmente para funcionar como escola, o que era raro aqui na região, conforme observa publicação do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia, o IPAC.

O início da construção do grupo escolar foi há mais de 100 anos: data de 1912, quando Agostinho Froes da Mota era intendente. Foi entregue, finalmente, em 1916, ofertando o ensino fundamental. Apenas em 1927 é que começou a funcionar como Escola Normal, em data que os historiadores registraram com apuro: 1º de junho. Dedicou-se, nas quatro décadas seguintes, à formação de professores.

Centro Universitário de Cultura e Arte - CUCA

Em 1968 aconteceu a segunda mudança: tornou-se Faculdade de Educação, criada por decreto estadual daquele mesmo ano. Em 1976 o prédio imponente passou a servir para um novo uso: seminário de música, centro de estudos feirenses e, até mesmo, abrigou repartições da prefeitura.

A partir de 1994 o CUCA começou a ganhar a configuração atual. Inicialmente, a Uefs assumiu o imóvel, que se tornou Museu Regional de Feira. Depois veio a restauração, no ano seguinte – o prédio estava em deplorável estado de conservação – e o museu foi rebatizado, tornando-se Museu Regional de Arte. Hoje, inúmeras atividades culturais são desenvolvidas naquele espaço.

Intervenções

A primeira grande reforma no CUCA aconteceu em 1968, quando foi ampliado para se tornar Faculdade de Educação. Mais adiante, já em 1994, foi realizada a restauração, que manteve suas características originais. Data dessa época, também, a construção do anexo, nos fundos, que inclui o teatro, próximo à antiga rua de Aurora. Note-se que essas intervenções aconteceram sob a supervisão do IPAC.

A construção possui algumas peculiaridades, conforme registra o próprio IPAC: “A disposição dos três módulos cria uma espécie de pátio central”, o que é algo inusitado: “Essa tipologia bastante utilizada nos conventos e, com menor frequência, em hospitais, é rara em edifícios com outros tipos de uso”.

Mais adiante, o documento classifica a construção: “Destaca-se em planta a composição simétrica que foi utilizada no edifício que pode ser classificado como eclético classicizante, estilo de uso frequente no estado no início do século XX”. A antiga Escola Normal somou-se aos diversos prédios públicos que foram sendo construídos nas três primeiras décadas do século passado na cidade.

Antiga Escola Normal (1957), no prédio onde hoje é o CUCA

Antiga Escola Normal (1957), no prédio onde hoje é o CUCA

A área construída é de 631 metros quadrados. Segundo descreve o IPAC, o CUCA é “edifício de relevante interesse arquitetônico construído sobre porão alto e desenvolvido em um único pavimento”. Os três blocos independentes propiciam a formação de dois pátios laterais na frente e um, central, ao fundo, conforme a descrição.

Há detalhes também sobre a estrutura: “O bloco principal tem o corpo central recuado, precedido de escadaria que dá acesso ao saguão, com pé direito duplo. Esse bloco é recoberto por uma abóboda de aresta, enquanto que os demais, por telhados de quatro águas”. É o que confere imponência à entrada principal.

“As fachadas possuem rica modenatura, trabalhada em massa nas pilastras, cunhais, moldura das janelas, platibanda, etc”, prossegue a descrição. A Conselheiro Franco – antiga rua Direita – é um dos primeiros arruamentos da Feira de Santana, como registra o IPAC. Ao longo dos anos sobrados e casarões foram sendo substituídos por prédios comerciais, que caracterizam a artéria nos dias atuais.


Sobre o (a) autor (a):