Rio Jacuípe

Alcina Dantas

Alcina Gomes Dantas: a primeira mulher radialista de Feira

É indiscutível a tradição do radiojornalismo em Feira de Santana, que há décadas leva entretenimento, informação e cultura aos feirenses através das diversas emissoras na cidade. Na história do rádio feirense, é fundamental destacar a importância de Alcina Gomes Dutra, a primeira mulher radialista de Feira de Santana. Nascida em Itaberaba, em 30 de setembro de 1895, Alcina aprendeu música e canto com o pai, Roberto Lídio Dantas. Tocava piano, violino e violão. Com sua veia artística, fundou o programa radiofônico “Brasil de Amanhã”, na Rádio Cultura, que objetivava descobrir talentos musicais adultos e infantis. A escritora Neuza de Brito

Feira Noise Festival 2018

A programação completa do Feira Noise Festival 2018

O Feira Noise Festival divulgou as atrações que se apresentarão em sua oitava edição. O evento acontece entre os dias 23 a 25 de novembro, no Centro de Cultura Amélio Amorim, em Feira de Santana (BA). Mais de 30 bandas e artistas estão confirmados, entre eles importantes nomes da música brasileira contemporânea como Attoxxa, Boogarins, Drik Barbosa, Eddie, Letrux e Scalene. Da cena local, se destacam nomes como Iorigun, Roça Sound e Clube de Patifes. “O Feira Noise é um sonho que a gente realiza por etapas, ano a ano vamos trazendo atrações que tem uma história mais longa na

Quixabeira da Matinha em Portugal

Quixabeira da Matinha realizará apresentação em Lisboa

O grupo cultural Quixabeira da Matinha estará entre os dias 25 e 27 de outubro, em Oeiras, divisão administrativa de Lisboa, Portugal, realizando apresentações no evento “Semana Cultural da Bahia”, organizado pela Associação Luso Afro Cultural Brasileira Muxima. Dentre as atividades previstas estão o show temático “Quilombo, luta e resistência”, a ser apresentado com cerca de 2 horas de duração, com repertório próprio e homenageando outros artistas da cultura popular. Além disso, os integrantes também realizarão oficinas de samba de roda e de percussão a fim de popularizar ao público português a identidade musical do samba rural. A Quixabeira da

O golpista da Kalilândia

O golpista da Kalilândia

Era noite de 8 de maio de 1964 em Feira de Santana, sexta-feira. Num dia comum, àquela hora, quase meia-noite, Raimundo já teria vestido o pijama listrado e colocado cuidadosamente os chinelos no centro da lateral direita da cama – parte do rigoroso método que cumpria antes de dormir. Naquela sexta, o entusiasmo permitia-lhe descumprir o costume e sentir o fervor da vitória, um passo veemente de Feira rumo à civilização. A comemoração de Raimundo consistia em limpar cuidadosamente o Smith & Wesson herdado do avô. Um ato fora de hora, extraordinário, já que o fazia diariamente pela manhã, antes do

Coreto da Praça Froes da Motta

Coreto da Froes da Motta vai completar 100 anos

Depois de construir o casarão que hoje abriga a Fundação Cultural Egberto Costa, em 1902, o intendente Agostinho Froes da Motta determinou, em 1919, a construção do coreto na atual praça Froes da Motta. Até hoje a construção subsiste, contracenando com as palmeiras imperiais que vão, aos poucos, morrendo, e com os oitizeiros frondosos que abrigam incontáveis pardais que chilreiam de maneira incessante nos inícios de manhã e fins de tarde. Ano que vem – vale ressaltar – o coreto completa um século. A descrição do equipamento está em publicação do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia, o

Mercearias e empórios feirenses – Casa do Guerreiro

Empórios e mercearias são oásis para quem aprecia a cultura das feiras. Ali encontra-se de tudo um pouco: alimentos, ferramentas, bebidas, artigos de costura e remendos, prataria e tudo mais que o dono do estabelecimento achar que deve oferecer. Às vezes, nem ele mesmo lembra o que está à venda, e eis que surge um artigo estocado há anos, que precisa ter seu preço inventado ao cliente ocasional que surge.

Esses lugares são memoriais, quase museus, guardando produtos em embalagens empoeiradas que testemunham as necessidades e estilo de uma época. Recepcionam todo tipo de gente: as crianças interessadas na bola de gude, a senhora que compra folhas para o chá e o homem que vai conferir o jogo do bicho.

Leia: Pelas Mercearias

Pela importância cultural dos empórios e mercearias para uma cidade-feira, resolvemos criar uma série de publicações chamada “Mercearias e empórios feirenses”, que vai mostrar um pouco do universo desses estabelecimentos, cada um com seus estilos e peculiaridades.

Vamos lá…

Casa do Guerreiro

Casa do Guerreiro - Feira de Santana

A Casa do Guerreiro é um dos maiores empórios de Feira de Santana. Não só por causa da estrutura do prédio em que está instalado, mas principalmente pela ampla variedade de insumos que são oferecidos no lugar.

“Você já ouviu falar em picão preto, porangaba, confrei, centelha asiática, jambolão e cana do brejo?”

A casa tem em suas prateleiras grãos, sementes, raízes, frutas secas, linhas, cordões, óleos, incensos, ferragens e vários outros itens. Você já ouviu falar em picão preto, porangaba, confrei, centelha asiática, jambolão e cana do brejo? São algumas das ervas encontradas na Casa do Guerreiro.

Casa do Guerreiro - Feira de Santana

Empório Guerreiro

Pela quantidade de vegetais aromáticos no estoque, a experiência olfativa no lugar é bem interessante. Cada canto possui um cheiro característico. Todas essas ervas vêm de lugares diversos – além da Bahia, há itens de São Paulo, Minas Gerais e até de fora do Brasil. A visita é indispensável para quem gosta de chás e bebidas em infusão.

Mercearia Casa do Guerreiro

Há também grande variedade de rações para cães, gatos e pássaros. Caso o freguês queira comprar a ração dada ao canário de plumagem vermelha, encontra-se na Casa do Guerreiro. Num canto mais empoeirado, há taxinhas em embalagem estilosa vendida em caixas, além de ferramentas e ferragens diversas.

Guerreiro

O empório já tem 22 anos de existência (fundado em 1995), e conta com cerca de 16 funcionários. Segundo a gerente, Priscila, foi o primeiro estabelecimento em Feira de Santana a comercializar alimentos naturais.

Localização

Casa Guerreiro

A Casa do Guerreiro fica na Rua Recife (popularmente conhecida como Ladeira do Centro), nº 68.


Sobre o (a) autor (a):