As Feiras de Feira de Santana

Marcas de Feira

Marcas de Feira

Um dia desses, meu colega de faculdade apareceu com uma tatuagem nova lá na sala e a gente começou a viajar no desenho. Os traços eram estranhamente familiares. Mas nada de absurdo uma tattoo ser repetida por aí. A questão é que a tatuagem trazia uma sensação de pertencimento. Como se a visse diariamente em lugares muito próximos. Então percebi de onde vinha a sensação. Do Viaduto da João Durval. Mais especificamente de um grafite feito por um artista da terra: Kbça. O grafiteiro e tatuador reproduziu seus traços expostos nas ruas de Feira na pele do meu colega, e

Santini & Trio

Grupo feirense Santini & Trio se apresentará em Portugal

Os artistas de Feira de Santana continuam viajando pelo mundo para levar nossa música para outros continentes, depois do grupo Quixabeira da Matinha, Africania, Dionorina e da dupla Don Guto e Ícaro Oliveira, agora é a vez do grupo Santini & Trio embarcar para apresentações no exterior. O guitarrista e compositor Rony Santini, o contrabaixista Anderson Silva, o multi-instrumentista Rogério Ferrer e o baterista Flaviano Gallo estarão em Portugal de 30 de junho a 10 de julho mostrando o melhor da nossa música instrumental, juntamente com a produtora cultural Micheline Castro. Vencedores em 2017 do Prêmio Caymmi, um dos mais

Porque eu te amei

O que ‘Porque eu te amei’ tem a falar sobre Feira?

Já passado alguns meses do lançamento do filme feirense de Tiago Rocha, que gerou assunto durante um bom tempo e lotou praticamente todas as sessões enquanto esteve em exibição, o longa, embora já fora dos cinemas, ainda tem muito que falar. E não me refiro exclusivamente aos temas abordados no enredo. Como violência doméstica, abuso, estupro etc. Mas, também, sobre o nosso olhar sobre Feira. Porque eu te amei é uma espécie de grito da classe artística feirense. Uma produção independente, envolvendo profissionais e entusiastas da cidade, lançada por aqui de maneira honrada e reconhecida – principalmente por quem duvidou.

Irving São Paulo

O ator feirense Irving São Paulo

Provavelmente você conhece o rosto do ator Irving São Paulo, filho de um histórico cineasta brasileiro, Olney São Paulo. Irving, nascido em Feira de Santana, estrelou grandes novelas brasileiras, a exemplo de “Bebê a bordo”, “Mulheres de Areia”, “A Viagem” e “Torre de Babel”. Irving nasceu em 26 de outubro de 1964, em Feira, onde iniciou a atuar em peças de teatro. Faleceu precocemente, aos 41 anos de idade, vítima de pancreatite necro-hemorrágica. Recentemente o Vídeo Show dedicou uma edição do quadro “Memória Nacional” ao ator feirense, mostrando sua trajetória e múltiplos talentos (em especial a música):   A seguir,

Jogo de Nonô

O jogo de Nonô

“Tira a mão do ovo, Nonô!”, protesta Toinho Cabeção quando o coroa de 86 anos chega para almoçar. É assim todo início de mês: Nonô chega na lanchonete do Centro Mandacaru apoiando uma mão na bengala e a outra oscilando entre o bolso e algumas coçadinhas no meio da calça. Ele não terceiriza o saque da aposentadoria, tanto por vigilância orçamentária quanto por deleite ritualístico: após ir ao banco, compra os remédios do mês, apara o cabelo que lhe resta e arrisca tornar-se milionário nos seis números da mega. “Jogar na mega pra onde, Nonô? Vai gastar esse milhão com

Cantora feirense Maryzélia é destaque no Jornal O Globo

Maryzélia é uma das referências do samba em Feira de Santana, e vem se destacando pelo trabalho que vem desenvolvendo, junto com o cavaquinista, violonista e bandolinista Rodrigo Pirikito no Rio de Janeiro. Juntos, eles participam do projeto Criolice, que tem como premissa a valorização da cultura de matriz africana, e consiste na implementação de várias atividades sócio-culturais através de uma viagem ao mundo do samba.

A novidade é que a feirense, e o Criolice, foram destacados no caderno “Zona Norte” do Jornal O Globo, que falou sobre as rodas de samba que estão sendo realizadas no Parque Madureira, com a participação de Maryzélia:

Maryzélia no Jornal O Globo

Maryzélia no Trem do Samba

Maryzélia no Trem do Samba

A feirense Maryzélia no “Trem do Samba”. Foto: Divulgação/Criolice

Maryzélia teve participação especial no Trem do Samba, evento criado há 21 anos pelo compositor portelense Marquinhos de Oswaldo Cruz (compositor de “Geografia Popular“, cantada por Beth Carvalho). O Globo fez uma matéria extensa sobre o evento, que contou com o apoio de figuras como Nelson Sargento e Dona Ivone Lara:

Grande sucesso do paulista Adoniran Barbosa, o samba “Trem das onze”, composto em 1964, é considerado um dos maiores clássicos da música brasileira. Duas décadas depois, por trilhos semelhantes, o rock polifônico do baiano Raul Seixas consagrou o “Trem das sete”. Faltava uma versão musical carioca. O problema foi resolvido em 1995 pelo cantor e compositor portelense Marquinhos de Oswaldo Cruz. Ao melhor estilo da cidade, ele não criou uma canção, mas uma festa: o Trem do Samba. A edição deste ano, sexta-feira e sábado da semana que vem, vai celebrar o centenário deste gênero musical, que tem como marco a canção “Pelo telefone”, de Donga.

 O evento chega à 21ª edição consagrado: já está no calendário da cidade e é esperado com ansiedade pelo carioca. Em 2015, atraiu mais de cem mil pessoas. Este ano, a expectativa é ainda maior por causa da data simbólica. Apesar dos indicadores positivos, o idealizador não se permite relaxar: está preocupado com a preservação do samba e a renovação dos artistas. Para isso, quer resgatar uma vertente que considera esquecida, e na qual enxerga maior poder de sedução perante a juventude: o partido alto.
Vida longa à carreira dos feirenses Maryzélia e Rodrigo Pirikito!

Sobre o (a) autor (a):