As Feiras de Feira de Santana

3 Peças de Teatro em setembro

3 peças teatrais imperdíveis que estarão em Feira em setembro

A cena teatral em Feira de Santana é intensa e fértil, com a produção de muitos espetáculos de repercussão e visibilidade nacional, além da recepção de peças de outras partes do país que encontram na cidade acolhimento para suas apresentações. Só para tomar um exemplo, em Feira ocorre um dos maiores festivais de teatro infantil do Brasil – o FENATIFS, que já está organizando sua 12ª edição para 2019. Nesse mês de setembro de 2019, o feirense terá a oportunidade de preencher sua programação com três espetáculos de muita qualidade, abordando a vida de figuras de relevância histórica: a pintora

Augusto Aras e Feira de Santana

A relação do Procurador de Bolsonaro com Feira de Santana

Quem acompanha o noticiário político nacional tem visto o debate em torno da indicação de Antônio Augusto Brandão de Aras para o cargo de Procurador Geral da República, feita pelo presidente Jair Bolsonaro. O que poucos feirenses sabem, entretanto, é que Augusto Aras tem íntima relação com Feira de Santana. Augusto é filho do ex-vereador Roque Aras, que exerceu o mandato na Câmara Municipal feirense entre 1971 e 1975 pelo MDB – partido que fazia oposição ao Regime Militar à época. Roque Aras foi também Deputado Estadual (1975-1979) e Deputado Federal (1979-1983). De acordo com o jornalista Dimas Oliveira, Augusto

Podcast para quem merece

O irreverente “Podcast para quem merece”

É crescente a quantidade de pessoas que consome conteúdo em áudio, no Brasil e no exterior. Dos áudiolivros aos podcasts, muitos usuários aproveitam os momentos de ócio em filas, no transporte ou mesmo nas tarefas domésticas para ouvir notícias, debates, aulas etc. A Rede Globo, por exemplo, percebeu a tendência, e lançou recentemente vários podcasts para sua audiência. Um podcast é como se fosse um programa de rádio, mas não é: em vez de ter uma hora certa para ir ao ar, pode ser ouvido quando e onde o usuário quiser. E em vez de sintonizar numa estação de rádio,

Escola Municipal Maria Andiara Silva Souza

A (falta de) estrutura de uma escola em Jaguara

A diretora da APLB/Feira, professora Marlede Oliveira, visitou na última quarta-feira (4), a Escola Municipal Maria Andiara Silva Souza que fica localizada no Povoado da Barra no Distrito de Jaguara. Na escola foi constatado que: A Escola funciona com apenas duas salas de aula e uma professora para lecionar Infantil, 1° ano, 2° ano, 3° ano, 4º ano e o 5° ano; A professora não tem Reserva de 1/3 da Carga Horária; A Escola não tem Internet nem Coordenador Pedagógico. Metas do IDEB Desde 2011, Feira não atinge as metas do Ideb para os anos iniciais do Ensino Fundamental. O

“não é pressa, é saudade dela”

“Não é pressa, é saudade dela”

No auge da minha adolescência – nem faz muito tempo assim – eu tinha uma vontade: viajar por aí de caminhão. Pegar umas caronas com os caminhoneiros e partir sem um rumo certo. Apenas vivendo um momento de cada vez, em cada rodovia e estrada desse nosso tão grande país. Mas a vida adulta chega trazendo responsabilidades e os anseios por aventuras adormecem um pouco. Enquanto lembrava disso, percebi que a figura do caminhoneiro é um tanto fascinante… Observe que todos os meus anseios da adolescência é algo rotineiro para eles. Os caras não param, vivem o momento seja lá

As brincadeiras do meu tempo em Feira

Faço parte de uma geração de certo modo privilegiada – aquela nascida entre o início e o meio da década de oitenta. Vivemos uma cultura infantil mais tradicional, com brinquedos e brincadeiras concretas, não virtuais, e alcançamos ainda bem jovens o alvorecer dos brinquedos digitais, videogames, mídias sociais e afins.

Não era incomum ver colegas descalços batendo um baba na frente da locadora de videogame, no meio da rua. Hoje, o baba no meio da rua já não se vê, as locadoras de videogame perderam espaço para os smartphones com jogos acessíveis a qualquer momento.

Mas, como dizia, vivi um momento rico de brincadeiras, e só tinha disponível duas ou três ruas do bairro Eucaliptos para isso, permitidas pelos meus pais à época.

Curioso era que tínhamos, eu e meus amigos de infância, temporadas de brincadeiras. Elas se davam em épocas não exatamente definidas em calendário, de modo que podíamos ter aprofundamento e especialização em cada uma (o baba era o único que não parava e permanecia intocável em qualquer tempo).

Vou falar um pouco das principais temporadas de brincadeira que marcaram minha infância.

Gude

Gude em Feira de Santana

O tempo de gude (berlinde, para o pessoal do Sul) além de ser muito divertido é uma experiência econômica muito interessante.

Disputávamos o capital (gudes) que tínhamos em relação aos demais. Fazíamos trocas, convencíamos nossos pais a comprar mais algumas na venda da esquina, jogávamos, perdíamos e ganhávamos.

Importante dizer que nem sempre ter pais com capacidade de bancar as gudes do filho era motivo de destaque. Primeiro que gudes novas não tinham muito valor de mercado (são mais escorregadias para jogar). Segundo que havia maior valor agregado na gude ganhada no jogo em relação à gude comprada.

“Gude carambola denunciava que foi comprada no supermercado Paes Mendonça ou nas lojas Brasileiras”

Havia toda uma ciência de escolha da boa gude. Para jogar, ela precisava ser perfeitamente redonda – o que era medido colocando a gude contra o sol e analisando com um dos olhos fechados.

Gude de leite (toda branca ou cinza-azulada e opaca) era difícil de achar. Gude carambola denunciava que foi comprada no supermercado Paes Mendonça ou nas lojas Brasileiras. Gude de metal (tirada de rolamentos de caminhão) eram proibidas porque quebravam as outras no jogo – e eram pesadas para jogar.

Pipa

Pipa em Feira de Santana

Das brincadeiras de antigamente, a mais artesanal delas era empinar pipa. Cortar o papel de seda (ou simplesmente uma folha de caderno), retirar as taliscas da palha de côco, colar as taliscas no papel, fazer a chave com a linha, procurar e cortar a rabada, enrolar a linha na lata. Amarrar tudo e só então buscar o vento.

Às vezes, o processo de confecção era mais prazeroso que o próprio ato de por a pipa no ar. Mas também era bom ser engenheiro de uma aeronave que funcionasse, e, se possível, resistisse a investidas dos concorrentes, que tentavam cortar a linha das outras pipas que estivessem no ar.

Era bonito de ver as várias pipas fazendo piruetas no céu.

Peixe

Peixe Guppy em Feira de Santana

A responsabilidade de lidar com vidas começou a aparecer quando aderi à temporada de criação de peixes. Reservar a água até que o cloro saísse, cuidar da temperatura da água, garantir alimentação diária, retirar filhotes para que os peixes maiores não os devorassem.

Era fascinante ser criador e manipular a reprodução entre os peixes. Os guppys, com caldas extensas e coloridas, eram os preferidos para reprodução, pela surpresa que trazida com as possibilidades de cruzamento. Diferentemente dos peixes espada e das molinésias, quase sempre com um padrão definido.

Quem não tinha acesso a peixes de raça, criava piaba mesmo. A experiência era parecida.

Pião

Pião

Jogar pião também era muito divertido. Andávamos pra cima e pra baixo com o brinquedo que exigia técnica e coordenação motora, seja para lançar da maneira correta, seja para fazer manobras que chamassem a atenção.

Pegar o pião na mão e fazer ele deslizar pelo braço era uma arte. Um pouco dolorida, é verdade, mas prazeirosa.

Colecionismo

Colecionismo em Feira de Santana

Outro dia fiquei muito feliz ao ver em uma pequena venda (próxima aos Correios da João Durval) alguns daqueles prêmios dados por quem acha figurinhas premiadas de álbuns temáticos. É verdade que os prêmios são de valor material bem ínfimo (geralmente brinquedos de plástico como bolas, bonecas, dominós etc), mas causam um furor muito grande entre os pequenos colecionadores.

Também há as coleções de figurinhas da Copa do Mundo (na foto acima, a de 1994), que não dão prêmio, mas mobilizam, ainda hoje, muita gente ansiosa para completar a coleção.

Outras coleções legais: cartão telefônico, prêmios de salgadinho, maços de cigarro vazio e tampinhas de garrafa.

Assim como ocorria com as gudes, o colecionismo é responsável por uma boa educação econômica, ensinando com muita facilidade a lei da oferta e da procura.

Concluindo…

Incontáveis outras brincadeiras fizeram parte da infância da minha geração, cada uma com um valor específico, a maioria delas nos dando uma boa dose de sociabilidade e interação.

Também vivemos muitas brincadeiras virtuais/digitais que acrescentaram bastante, de modo distinto, nosso crescimento. Mas isso já é assunto para outro artigo.


Sobre o (a) autor (a):