Rio Jacuípe

A Procissão de Nossa Senhora da Boa Morte em Cachoeira

A Procissão de Nossa Senhora da Boa Morte em Cachoeira

Ontem (14) aconteceu a procissão de Nossa Senhora da Boa Morte, em Cachoeira, um dos pontos altos das celebrações que se estendem por uma semana. Até a sexta-feira (17) o município vai continuar mobilizado pelos festejos seculares, que harmonizam a ancestral cultura religiosa de matriz africana com os ritos católicos legados pelos colonizadores portugueses. Transbordante de cultura, densa em História, palco de memoráveis mobilizações nas jornadas da Independência da Bahia, dotada de rico patrimônio arquitetônico, Cachoeira vive no mês de agosto uma das suas mais intensas semanas. Uma chuva miúda – uma quase imperceptível garoa – ameaçou encorpar, mas se

Cooperativa de Badameiros de Feira de Santana

A Cooperativa de Badameiros feirense, comandada por mulheres

Em 1777, o grande químico francês Antoine Lavoisier enunciou a Lei da Conservação das Massas, que tornou conhecida a célebre frase: “Na Natureza, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”. De fato, o Planeta Terra tem uma capacidade própria (Biocapacidade) de renovar e transformar seus recursos naturais para que sejam novamente reutilizados pelos seres humanos. Dessa forma, a Natureza se torna fonte primária (por isso, o nome matéria prima) de extração de recursos para os seres humanos produzirem seus alimentos, ferramentas, máquinas, carros, casa, móveis, computadores, livros etc. O grande problema ocorre quando os materiais gerados por conta

Dito Leopardo

Dito Leopardo: artista, boêmio e humano

Ao homem, é imperativo decidir o lugar que quer ocupar no mundo. Deixar de escolher não é uma alternativa. Fora da caixa, de riso frouxo e deboche contumaz, Dito Leopardo é um artista feirense que você deveria conhecer. Nascido em 1952, na cidade de Serrinha, Expedito Francisco Rocha, ou melhor, Dito, erradicou-se em Feira de Santana e aqui construiu, junto ao grupo musical Os Leopardos, uma intensa e memorável carreira como cantor. Nos tempos da brilhantina e dos bailes realizados em clubes sociais, era Dito quem orquestrava noites dançantes e proporcionava galanteios desvairados. Fez do Feira Tênis Clube e da

Futebol para cegos em Feira de Santana

Time feirense de futebol para cegos é destaque nacional

O futebol de Feira de Santana não é representado apenas pelo Fluminense de Feira e pelo Bahia de Feira, clubes locais que mobilizam os apaixonados pelo esporte na cidade. Por aqui há uma equipe que disputará o Campeonato Brasileiro da série A na sua categoria – além de ser finalista do Campeonato do Nordeste. O desempenho invejável é da equipe de Futebol de 5 da União Baiana de Cegos, a UBC, de Feira de Santana, que desde 2011 participa de competições oficiais na Bahia e fora do estado. A equipe é composta por pessoas cegas, que se orientam no campo

As feiras de Feira de Santana

As feiras de Feira de Santana

A palavra “organização” vem do grego “organon”, que significa “organismo” ou “instrumento” de trabalho. Assim, o filósofo grego Aristóteles tem o conjunto de suas obras lógicas chamadas de Órganon, já que, para a Filosofia, a Lógica é o instrumento crucial de seu funcionamento. Nesse sentido, as feiras também são o Órganon de Feira de Santana: o instrumento de trabalho e sobrevivência de milhares de feirenses e regionais, que transitam pelas feiras da cidade comercializando seus frutos, verduras, raízes, roupas, sucata e o que mais for possível. Mas, como o leitor deve saber, as feiras desse entroncamento não obedecem ao rigor lógico

As brincadeiras do meu tempo em Feira

Faço parte de uma geração de certo modo privilegiada – aquela nascida entre o início e o meio da década de oitenta. Vivemos uma cultura infantil mais tradicional, com brinquedos e brincadeiras concretas, não virtuais, e alcançamos ainda bem jovens o alvorecer dos brinquedos digitais, videogames, mídias sociais e afins.

Não era incomum ver colegas descalços batendo um baba na frente da locadora de videogame, no meio da rua. Hoje, o baba no meio da rua já não se vê, as locadoras de videogame perderam espaço para os smartphones com jogos acessíveis a qualquer momento.

Mas, como dizia, vivi um momento rico de brincadeiras, e só tinha disponível duas ou três ruas do bairro Eucaliptos para isso, permitidas pelos meus pais à época.

Curioso era que tínhamos, eu e meus amigos de infância, temporadas de brincadeiras. Elas se davam em épocas não exatamente definidas em calendário, de modo que podíamos ter aprofundamento e especialização em cada uma (o baba era o único que não parava e permanecia intocável em qualquer tempo).

Vou falar um pouco das principais temporadas de brincadeira que marcaram minha infância.

Gude

Gude em Feira de Santana

O tempo de gude (berlinde, para o pessoal do Sul) além de ser muito divertido é uma experiência econômica muito interessante.

Disputávamos o capital (gudes) que tínhamos em relação aos demais. Fazíamos trocas, convencíamos nossos pais a comprar mais algumas na venda da esquina, jogávamos, perdíamos e ganhávamos.

Importante dizer que nem sempre ter pais com capacidade de bancar as gudes do filho era motivo de destaque. Primeiro que gudes novas não tinham muito valor de mercado (são mais escorregadias para jogar). Segundo que havia maior valor agregado na gude ganhada no jogo em relação à gude comprada.

“Gude carambola denunciava que foi comprada no supermercado Paes Mendonça ou nas lojas Brasileiras”

Havia toda uma ciência de escolha da boa gude. Para jogar, ela precisava ser perfeitamente redonda – o que era medido colocando a gude contra o sol e analisando com um dos olhos fechados.

Gude de leite (toda branca ou cinza-azulada e opaca) era difícil de achar. Gude carambola denunciava que foi comprada no supermercado Paes Mendonça ou nas lojas Brasileiras. Gude de metal (tirada de rolamentos de caminhão) eram proibidas porque quebravam as outras no jogo – e eram pesadas para jogar.

Pipa

Pipa em Feira de Santana

Das brincadeiras de antigamente, a mais artesanal delas era empinar pipa. Cortar o papel de seda (ou simplesmente uma folha de caderno), retirar as taliscas da palha de côco, colar as taliscas no papel, fazer a chave com a linha, procurar e cortar a rabada, enrolar a linha na lata. Amarrar tudo e só então buscar o vento.

Às vezes, o processo de confecção era mais prazeroso que o próprio ato de por a pipa no ar. Mas também era bom ser engenheiro de uma aeronave que funcionasse, e, se possível, resistisse a investidas dos concorrentes, que tentavam cortar a linha das outras pipas que estivessem no ar.

Era bonito de ver as várias pipas fazendo piruetas no céu.

Peixe

Peixe Guppy em Feira de Santana

A responsabilidade de lidar com vidas começou a aparecer quando aderi à temporada de criação de peixes. Reservar a água até que o cloro saísse, cuidar da temperatura da água, garantir alimentação diária, retirar filhotes para que os peixes maiores não os devorassem.

Era fascinante ser criador e manipular a reprodução entre os peixes. Os guppys, com caldas extensas e coloridas, eram os preferidos para reprodução, pela surpresa que trazida com as possibilidades de cruzamento. Diferentemente dos peixes espada e das molinésias, quase sempre com um padrão definido.

Quem não tinha acesso a peixes de raça, criava piaba mesmo. A experiência era parecida.

Pião

Pião

Jogar pião também era muito divertido. Andávamos pra cima e pra baixo com o brinquedo que exigia técnica e coordenação motora, seja para lançar da maneira correta, seja para fazer manobras que chamassem a atenção.

Pegar o pião na mão e fazer ele deslizar pelo braço era uma arte. Um pouco dolorida, é verdade, mas prazeirosa.

Colecionismo

Colecionismo em Feira de Santana

Outro dia fiquei muito feliz ao ver em uma pequena venda (próxima aos Correios da João Durval) alguns daqueles prêmios dados por quem acha figurinhas premiadas de álbuns temáticos. É verdade que os prêmios são de valor material bem ínfimo (geralmente brinquedos de plástico como bolas, bonecas, dominós etc), mas causam um furor muito grande entre os pequenos colecionadores.

Também há as coleções de figurinhas da Copa do Mundo (na foto acima, a de 1994), que não dão prêmio, mas mobilizam, ainda hoje, muita gente ansiosa para completar a coleção.

Outras coleções legais: cartão telefônico, prêmios de salgadinho, maços de cigarro vazio e tampinhas de garrafa.

Assim como ocorria com as gudes, o colecionismo é responsável por uma boa educação econômica, ensinando com muita facilidade a lei da oferta e da procura.

Concluindo…

Incontáveis outras brincadeiras fizeram parte da infância da minha geração, cada uma com um valor específico, a maioria delas nos dando uma boa dose de sociabilidade e interação.

Também vivemos muitas brincadeiras virtuais/digitais que acrescentaram bastante, de modo distinto, nosso crescimento. Mas isso já é assunto para outro artigo.


Sobre o (a) autor (a):