As Feiras de Feira de Santana

Venezuelanos em Feira de Santana

A história de dois Venezuelanos em Feira de Santana

Quem tem andado pelas ruas de Feira de Santana nos últimos anos nota o aumento da quantidade de pedintes e vendedores informais nas sinaleiras da cidade – consequência óbvia do deserto econômico por que passa o país. Peregrinando entre os carros, na esperança de que um vidro se abra e uma mão se estenda, essas pessoas buscam o sustento básico da família, a ajuda para a compra de um remédio ou a fralda para um filho. Na cidade-entroncamento, não é de espantar que muitos desses habitantes das encruzilhadas sejam de fora do município, do estado e do país. É o

Casarão dos Olhos D'Água

Casarão Olhos D’Água será reformado

A Prefeitura Municipal de Feira de Santana irá reformar o Casarão Olhos D’Água, situado na Rua Dr. Araújo Pinho. O valor da reforma foi orçado em R$ 331.657,38 e a empresa contratada, através de dispensa de licitação, foi a CLAP Construtora Ltda (Diário Oficial de 17 de julho). Recomendação do MP-BA O Ministério Público Estadual, por meio da promotora de Justiça Luciana Machado dos Santos Maia, expediu em dezembro do ano passado, recomendação ao diretor-presidente da Fundação Municipal de Tecnologia, Telecomunicações e Cultura Egberto Tavares Costa (Funtitec), Antonio Carlos Daltro Coelho, para que promovesse as medidas emergenciais necessárias à manutenção,

Feira Hippie dos Olhos D'Água

UEFS receberá a II Feira Hippie dos Olhos D’Água

Criada em 2016, a Feira Hippie dos Olhos D’Água aconteceu pela primeira vez durante a Semana Nacional do Livro e da Biblioteca, realizada anualmente no mês outubro, na Biblioteca Central Julieta Carteado, no Campus da UEFS. Na ocasião, o evento principal tinha como tema Sustentabilidade e Meio Ambiente, e a Feira Hippie, idealizada por Paulo Fabrício Reis e Raquel Kuwer, surgiu como um adendo, estabelecendo uma relação direta com a temática, uma vez que foram priorizados expositores com trabalhos artesanais, ou que trabalhavam com esse enfoque. O nome da Feira Hippie é uma homenagem à cidade de Feira de Santana,

O pintor feirense Cesar Romero

O pintor feirense Cesar Romero

Quem acompanha o cenário das artes plásticas da Bahia certamente já ouviu falar ou já se deparou com alguma obra do pintor Cesar Romero. O que nem todos sabem é que o artista plástico autor das “Faixas Emblemáticas” é feirense, nascido em 1950. “Dois fatos foram determinados em minha formação de artista plástico: a convivência com as feiras livres, sempre às segundas-feiras, em companhia do meu pai, e a criação do Museu Regional de Feira de Santana. Se eu tivesse nascido em outra cidade, muito provavelmente não haveria o artista que sou, nem esta obstinada escolha de brasilidade. Feira de

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira de Santana?

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira?

A Câmara de Vereadores é uma instituição importantíssima para qualquer município. Suas cadeiras são ocupadas pelos representantes políticos mais próximos à comunidade: os vereadores, eleitos principalmente pela capacidade de interlocução e liderança em determinados bairros e comunidades. Além de levar demandas da comunidade ao Poder Executivo, mantendo diálogo permanente com secretários, superintendentes e outros gestores, o vereador deve cumprir o papel fiscalizador das ações e decisões emanadas do Prefeito. Sem falar no papel de legislador e promotor de debates sobre temas de interesse da comunidade, fazendo com que os munícipes tenham participação ativa nas políticas públicas. Quanto mais os vereadores

As brincadeiras do meu tempo em Feira

Faço parte de uma geração de certo modo privilegiada – aquela nascida entre o início e o meio da década de oitenta. Vivemos uma cultura infantil mais tradicional, com brinquedos e brincadeiras concretas, não virtuais, e alcançamos ainda bem jovens o alvorecer dos brinquedos digitais, videogames, mídias sociais e afins.

Não era incomum ver colegas descalços batendo um baba na frente da locadora de videogame, no meio da rua. Hoje, o baba no meio da rua já não se vê, as locadoras de videogame perderam espaço para os smartphones com jogos acessíveis a qualquer momento.

Mas, como dizia, vivi um momento rico de brincadeiras, e só tinha disponível duas ou três ruas do bairro Eucaliptos para isso, permitidas pelos meus pais à época.

Curioso era que tínhamos, eu e meus amigos de infância, temporadas de brincadeiras. Elas se davam em épocas não exatamente definidas em calendário, de modo que podíamos ter aprofundamento e especialização em cada uma (o baba era o único que não parava e permanecia intocável em qualquer tempo).

Vou falar um pouco das principais temporadas de brincadeira que marcaram minha infância.

Gude

Gude em Feira de Santana

O tempo de gude (berlinde, para o pessoal do Sul) além de ser muito divertido é uma experiência econômica muito interessante.

Disputávamos o capital (gudes) que tínhamos em relação aos demais. Fazíamos trocas, convencíamos nossos pais a comprar mais algumas na venda da esquina, jogávamos, perdíamos e ganhávamos.

Importante dizer que nem sempre ter pais com capacidade de bancar as gudes do filho era motivo de destaque. Primeiro que gudes novas não tinham muito valor de mercado (são mais escorregadias para jogar). Segundo que havia maior valor agregado na gude ganhada no jogo em relação à gude comprada.

“Gude carambola denunciava que foi comprada no supermercado Paes Mendonça ou nas lojas Brasileiras”

Havia toda uma ciência de escolha da boa gude. Para jogar, ela precisava ser perfeitamente redonda – o que era medido colocando a gude contra o sol e analisando com um dos olhos fechados.

Gude de leite (toda branca ou cinza-azulada e opaca) era difícil de achar. Gude carambola denunciava que foi comprada no supermercado Paes Mendonça ou nas lojas Brasileiras. Gude de metal (tirada de rolamentos de caminhão) eram proibidas porque quebravam as outras no jogo – e eram pesadas para jogar.

Pipa

Pipa em Feira de Santana

Das brincadeiras de antigamente, a mais artesanal delas era empinar pipa. Cortar o papel de seda (ou simplesmente uma folha de caderno), retirar as taliscas da palha de côco, colar as taliscas no papel, fazer a chave com a linha, procurar e cortar a rabada, enrolar a linha na lata. Amarrar tudo e só então buscar o vento.

Às vezes, o processo de confecção era mais prazeroso que o próprio ato de por a pipa no ar. Mas também era bom ser engenheiro de uma aeronave que funcionasse, e, se possível, resistisse a investidas dos concorrentes, que tentavam cortar a linha das outras pipas que estivessem no ar.

Era bonito de ver as várias pipas fazendo piruetas no céu.

Peixe

Peixe Guppy em Feira de Santana

A responsabilidade de lidar com vidas começou a aparecer quando aderi à temporada de criação de peixes. Reservar a água até que o cloro saísse, cuidar da temperatura da água, garantir alimentação diária, retirar filhotes para que os peixes maiores não os devorassem.

Era fascinante ser criador e manipular a reprodução entre os peixes. Os guppys, com caldas extensas e coloridas, eram os preferidos para reprodução, pela surpresa que trazida com as possibilidades de cruzamento. Diferentemente dos peixes espada e das molinésias, quase sempre com um padrão definido.

Quem não tinha acesso a peixes de raça, criava piaba mesmo. A experiência era parecida.

Pião

Pião

Jogar pião também era muito divertido. Andávamos pra cima e pra baixo com o brinquedo que exigia técnica e coordenação motora, seja para lançar da maneira correta, seja para fazer manobras que chamassem a atenção.

Pegar o pião na mão e fazer ele deslizar pelo braço era uma arte. Um pouco dolorida, é verdade, mas prazeirosa.

Colecionismo

Colecionismo em Feira de Santana

Outro dia fiquei muito feliz ao ver em uma pequena venda (próxima aos Correios da João Durval) alguns daqueles prêmios dados por quem acha figurinhas premiadas de álbuns temáticos. É verdade que os prêmios são de valor material bem ínfimo (geralmente brinquedos de plástico como bolas, bonecas, dominós etc), mas causam um furor muito grande entre os pequenos colecionadores.

Também há as coleções de figurinhas da Copa do Mundo (na foto acima, a de 1994), que não dão prêmio, mas mobilizam, ainda hoje, muita gente ansiosa para completar a coleção.

Outras coleções legais: cartão telefônico, prêmios de salgadinho, maços de cigarro vazio e tampinhas de garrafa.

Assim como ocorria com as gudes, o colecionismo é responsável por uma boa educação econômica, ensinando com muita facilidade a lei da oferta e da procura.

Concluindo…

Incontáveis outras brincadeiras fizeram parte da infância da minha geração, cada uma com um valor específico, a maioria delas nos dando uma boa dose de sociabilidade e interação.

Também vivemos muitas brincadeiras virtuais/digitais que acrescentaram bastante, de modo distinto, nosso crescimento. Mas isso já é assunto para outro artigo.


Sobre o (a) autor (a):