As Feiras de Feira de Santana

Fluminense de Feira - 1969

Touro era campeão baiano há 50 anos

Está passando meio despercebido, mas outubro marca os 50 anos do último título de campeão baiano do Fluminense de Feira. Poucos que acompanharam – como testemunhas – aquelas memoráveis jornadas ainda estão vivos. Notícias da época apontam o Touro do Sertão como protagonista de uma campanha brilhante, sob a inspirada condução do atacante Freitas, que marcou o gol do título do tricolor feirense. Vice-campeão no ano anterior, o Fluminense atropelou Bahia e Vitória e se sagrou vencedor por antecipação. No dia 5 de outubro de 1969 houve rodada dupla na Fonte Nova: o Touro encarou o Vitória e o Bahia,

Desemprego em Feira de Santana

Desemprego permanece assombrando Feira

Nos oito primeiros meses de 2019 a Feira de Santana continuou perdendo postos formais de trabalho. Isso quando se considera o saldo entre contratações e dispensas. No intervalo entre janeiro e agosto houve 23.221 admissões e 23.573 demissões. No saldo, esfumaçaram-se mais 352 postos. Os dados são oficiais, do Ministério da Economia. Não dá, portanto, para contestarem a veracidade das informações, conforme virou moda nos últimos meses. A construção civil segue reduzindo seu estoque de mão-de-obra. No período, foram dispensados, no saldo, 134 serventes, o popular ajudante de pedreiro. Os pedreiros propriamente ditos foram um pouco menos afetados: perderam, também

Shopping da Cidade, em Teresina

O fulgurante Shopping da Cidade em Teresina

Em Teresina existe um imponente Shopping da Cidade. É um centro de comércio popular no qual se mercadeja, sobretudo, produtos importados da China. Dispõe de três pisos, praças, dezenas de corredores e quase dois mil boxes que abrigam uma variedade ampla de produtos. Fica muito bem localizado, na Praça da Bandeira, que abriga um terminal de ônibus e uma estação de trem. Basta atravessar a avenida Maranhão para se alcançar a orla do rio Parnaíba, encoberto por uma vegetação densa. Caso pretenda visitar o entreposto, o turista desatento não vai enfrentar dificuldade: qualquer cidadão indica – com a amabilidade habitual

4 rodas de samba em Feira

O final de semana do Samba em Feira de Santana

Feira de Santana tem vocação histórica para o samba, seja através das várias quixabeiras na Zona Rural da cidade, seja através das rodas de samba organizadas no espaço urbano do município. O final de semana que vai desta sexta (04 de outubro) até o domingo (06 de outubro) está recheado de eventos onde o samba é protagonista. Selecionamos pelo menos 4 sambas que ocorrerão na cidade neste período, para você se programar e curtir esse gênero musical genuinamente baiano, diretamente ligado às nossas ancestralidades. Confira: Sexta (04) – Samba Anchos O grupo feirense Audácia Pura vai se apresentar no Anchos

PDT - Feira de Santana

PDT feirense recebe três vereadores e um secretário municipal

Os vereadores Ron do Povo, Isaías de Diogo e Neinha Bastos, além do Secretário de Desenvolvimento Social e vereador licenciado, Pablo Roberto, filiaram-se ao PDT (Partido Democrático Trabalhista), na noite do dia 30. Pois é… O perfil do Instagram do PDT/Feira de Santana disponibiliza o link para o abaixo-assinado pela redução do subsídio do prefeito, vice e vereadores de Feira de Santana. A petição conta com 1.242 assinaturas. Será que os novos filiados assinaram ou são contra? Tem que ter serviços prestados! O ex-vereador Marialvo Barreto vai acionar o Ministério Público do Estado (MP-BA) para tentar invalidar a entrega dos

Bando Anunciador: uma folia iniciada há 155 anos

Não dá pra falar do Bando Anunciador sem antes dar uma “pincelada” sobre o começo de Feira de Santana, esta cidade nascida em uma fazenda, no início do século XVIII. O casal Domingos Barbosa e Ana Brandoa, descendentes de portugueses, comprou a Fazenda Olhos D’água das mãos do sesmeiro João Peixoto Viegas. Fazenda de Santa Anna dos Olhos D’água, assim foi rebatizada. Domingos e Ana eram muito católicos, devotos de São Domingos e Sant’Ana, e doaram à Igreja uma parte de suas terras para a construção de uma capela, que hoje é a Igreja Matriz Nossa Senhora Santana.

Naquela época (1732), a construção da capela beneficiou o surgimento de uma feira logo ao lado, que virou ponto obrigatório dos tropeiros e viajantes que passavam do sertão e de outros Estados em direção ao porto de Cachoeira. E assim começou o próspero comércio de gado.

Após 49 anos da construção da capela, ou seja, lá em 1781, o então arcebispo da Bahia autorizou a celebração da Festa de Santana, que era organizada por uma irmandade ou por comissão previamente escolhida para organizar os festejos, geralmente pessoas da elite feirense, em especial os comerciantes.

Nascimento e consolidação do Bando Anunciador

O Bando Anunciador só veio em 1860. Era um grupo de pessoas que saía bem cedo pelas ruas do centro da cidade (assim como hoje), anunciando o início da Festa de Sant’Ana. A diferença é que isso acontecia com dois meses de antecedência, e não uma semana (como hoje). Nesse primeiro momento, o bando era composto por homens. As mulheres rezavam, ornamentavam a Igreja, promoviam o evento e encaminhavam as novas gerações para as práticas católicas. Aos escravos cabiam as atividades braçais do festejo, como a lavagem da Igreja.

Ao longo das décadas, o Bando foi mudando seus contornos. Em 1930, já com 70 anos de rua, ele já se dividia em vários bandos dentro do Bando Anunciador e ocorria (como hoje) uma semana antes da procissão de Santana. O cortejo era o momento mais disputado da Festa. As “mulheres de família” já participavam. E com gosto: em automóveis ornamentados com temas específicos, lá estavam elas, fantasiadas e dançando ao ritmo de samba e orquestra, distribuindo poesias e folhetos com a programação da Festa de Santana. Mesmo com a sociedade fortemente patriarcal, as mulheres conseguiram minimizar a barreira de gênero e dividir com os homens esse momento dos festejos. As pessoas menos abastadas só poderiam participar do Bando se estivessem adequadas ao padrão do desfile: com luxo e pompa. “É o poder, é o poder, é o poder da ostentação”. Brincadeiras à parte, rs, a hierarquia social seguia com força.

Estudiosos e arquivos de jornais da cidade, como o antigo Jornal Feira Hoje, apontam que a comissão organizadora era formada por 50 ou 60 pessoas financeiramente relevantes e que eram responsáveis por arrecadar fundos para os festejos. Entre os que desfilavam no Bando estavam a comissão, a agremiação feirenses dos festejos de momo e os blocos carnavalescos, como “As Melindrosas” – bloco de mulheres, em sua maioria filhas de lavadeiras do Tanque da Nação.

Na década de 40, o candomblé, que compreendia Nossa Senhora Sant’Ana como Nanã, uniu-se à festa, realizando seu culto na tradicional lavagem do adro (área externa) da Igreja, num rito de purificação que preparava o templo para os louvores da festa desde os tempos da escravidão. Além da lavagem do adro da Matriz, era feita também a levagem da lenha. Levagem era o carrego de lenha para iluminar a festa, em tempos em que não havia energia elétrica na cidade. A levagem era realizada pela população.

Bando Anunciador

Bando Anunciador. Foto: Juraci Dórea

Já na década de 50, o Bando arrecadava fundos para a Igreja e o desfile através de doações da população e de fiéis. Entre 50 e 70, percebe-se novas mudanças, como a diminuição do luxo e da pompa, alteração no conteúdo das músicas, mais pornográficos, menos conservadores, com temas polêmicos que envolviam pessoas ilustres da cidade. Em 79, o Bando, que já enfrentava problemas financeiros devido à baixa arrecadação junto aos fiéis, passou a ser inteiramente financiado pela Prefeitura Municipal de Feira de Santana, através da Secretaria de Turismo, Recreação e Cultura – SETUR.

Bando Anunciador

Bando Anunciador. Foto: Juraci Dórea

Um “tchau” ao Bando Anunciador

Enfim, em 1980, começaram os descontentamentos da Igreja Católica com relação às festas de largo, a qual alegava a descaracterização da festa de Sant’Ana e a perda dos fiéis por conta da interferência da prefeitura municipal com incentivos financeiros ao cortejo, introdução de trios elétricos provocando uma carnavalização da festa, aumento da violência, concorrência de som alto dos barraqueiros próximos à igreja com as atividades religiosas e, por fim, espaço físico e estrutura insuficientes para a demanda crescente da população festeira. Os historiadores percebem, neste momento, uma provável intenção de delimitar o segmento social participante da Festa de Santana, visto que, ao longo das décadas, a elite passou a ser minoria e as massas populares tomaram as ruas. Como percebeu-se que não havia como voltar aos tempos do luxo nem retirar os economicamente carentes das ruas, decidiu-se pôr fim às festas de largo. Assim, em 1987, apesar dos protestos da população, a Igreja Católica, por meio do bispo Dom Silvério Albuquerque, vetou as festas de largo em homenagem à Nossa Senhora Sant’Anna e lá se foi o Bando Anunciador.

Ressurge o Bando

O Bando Anunciador foi resgatado em 2007, pela Universidade Estadual de Feira de Santana, através do Centro Universitário de Cultura e Arte – CUCA, e ocorre sempre uma semana antes da Festa de Santana (26 de julho).

Bando Anunciador

Bando Anunciador. Foto: Wilker Calmon

O cortejo percorre as ruas centrais da cidade. A concentração se inicia em frente ao CUCA, às 7h da manhã. De lá, o desfile segue para a Praça da Bandeira, passa pela Marechal Deodoro, Beco do Mocó, Praça da Matriz e retorna ao CUCA. Por conta do Novenário de Senhora Santana, este ano o desfile não vai ser finalizado no pátio da Catedral de Santana, como ocorreu nos anos anteriores.

O Bando Anunciador será no próximo domingo, dia 19 de julho, às 7h da manhã. Mas cabe lembrar que já tem programação festiva, cultural, aberta e gratuita bem antes do domingo: dia 16 (quinta), no CUCA, a partir das 19h30, ocorrerá uma mesa-redonda sobre o tema “A cultura e os meios de comunicação”. Para discutir o assunto, estarão à mesa os jornalistas Adilson Simas, Dilton Coutinho, Elsimar Pondé e Marcílio Costa. Em seguida, haverá o desfile e escolha da Rainha do Bando. A noite prevê ainda o lançamento da “Exposição Fotográfica do Bando Anunciador”, através das lentes de Aldo Lima, Ângelo Pinto, Beto Souza, George Lima, Luiz Tito e Reginaldo Pereira Tracajá, além de membros do Clube da Fotografia de Feira de Santana.

Bando Anunciador

Bando Anunciador. Foto: Wilker Calmon

Então, feirenses, tomem nota:

Dia 16 (quinta-feira), 19h30, no CUCA

– Mesa-redonda “A cultura e os meios de comunicação”

– Desfile e escolha da Rainha do Bando Anunciador

– “Exposição Fotográfica do Bando Anunciador”

Dia 19 (domingo), 7h da manhã, em frente ao CUCA

– Desfile do Bando Anunciador

Bando Anunciador

Qualquer pessoa pode participar do Bando! 😉

Ah! No meio do cortejo, você poderá ver outros bandos, assim como na década de 30. Entre os bandos já consolidados desde o reinício, estão o “Bando de Lucas” (você poderá ser pintado de carvão por eles!) e o “Bando dos Olhos D’Água”.

Bando de Lucas

Integrante do “Bando de Lucas” – Foto: Wilker Calmon

Mais informações sobre o Bando Anunciador:

CUCA

Ligue para (75) 3221-9744 ou 3221-9766 ou vá até a Rua Conselheiro Franco, nº 66, no centro de Feira, pertinho da Igreja Matriz.

Foto da Capa: Wilker Calmon

REFERÊNCIAS:

Blog Origem de Feira de Santana

O Campo Religioso Feirense (artigo)

Bando Anunciador na Festa de Sant’Ana (artigo)

Blog Terra de Lucas

Acorda Cidade

Blog Feira Minha Terra

Agência de Notícias UPB

Raimundo de Oliveira: um místico entre modernos (artigo)


Sobre o (a) autor (a):