As Feiras de Feira de Santana

Cooperativas em Feira de Santana

Cooperativas com os dias contados em Feira de Santana

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) exigiram que a Prefeitura Municipal de Feira de Santana não faça mais contratações de servidores através de cooperativas. Novas Contratações Colbert Martins disse ao Acorda Cidade que as contratações só poderão ocorrer via Organização Social (OS), seleção pública (Reda) ou concurso público. Ao atender essa recomendação, é provável que aumente o número de processos seletivos para contrações temporárias. Fim das indicações políticas Infelizmente, com o fim das contratações via cooperativas, não é certo de que acabem também as indicações políticas. A contratação de Organização Social permite

Vai ter Feira Noise Festival em 2020

O Feira Coletivo Cultural e a Banana Atômica realizaram no último final de semana, em Feira de Santana (BA), uma edição histórica em comemoração aos 10 anos de existência do Feira Noise Festival. O evento aconteceu entre os dias 22 a 24, no Ária Hall, reforçando sua importância para a consolidação da cena local, além de manter Feira de Santana na rota de circulação de bandas e artistas independentes. Ao todo, 33 atrações se revezaram entre os palcos Banana Atômica e Budweiser, sendo 13 delas de Feira de Santana. Importantes nomes da música brasileira contemporânea como Supercombo, Francisco El Hombre, Black Pantera, Potyguara Bardo,

O fenômeno flamenguista em Feira de Santana

Na manhã dessa segunda-feira, a Praça da Bandeira foi a arena onde se discutiu sobre o mais importante e popular time de futebol brasileiro. — É óbvio que o Bahia é de mais importância. O Brasil nasceu onde? Se é aqui o início do Brasil, o Bahia é o time do nosso povo, defendia Papinho, torcedor patológico do Bahia. — O Flamengo, companheiro, é o time das massas, o time rubro, castanho, caboclo, representando os índios, e negro, quilombola, africano, representando o povo escravizado, proclamava Seu Teófilo, tomando caldo de cana para curar a ressaca da comemoração dos dois títulos

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

Precisamos louvar o Feira Noise

É preciso louvar com entusiasmo a edição de 10 anos do Feira Noise Festival, que ocorre nesse final de semana em Feira de Santana. Nem precisa gostar de rock ou de qualquer gênero musical, banda ou artista que se apresenta nos palcos do evento para reconhecer a capacidade inacreditável de um grupo de entusiastas de determinada cena cultural em manter de pé, em Feira de Santana, um festival que chama a atenção para além das fronteiras baianas. São mais de 30 atrações, de várias partes do Brasil, distribuídas em três dias no Ária Hall, o mais elegante e bem estruturado

Como era “bater o baba” no meio da rua em Feira

Desde que a Seleção Brasileira de Futebol passou pelo histórico vexame de perder por 7 a 1 para a Seleção Alemã durante a Copa do Mundo aqui realizada, entrou na moda falar da “crise no futebol brasileiro”. Outro dia, assistia um desses programas de debates esportivos, e um dos comentaristas afirmou que uma das fontes da crise seria a falta de produção de bons jogadores. Para ele, Neymar era o único jogador brasileiro da atualidade que possui o nível da tradição do nosso futebol.

No mesmo debate, um ex-jogador disse que o problema é que no Brasil se reduziu bastante a quantidade de “peladas” de rua, os jogos de futebol informais que antigamente eram comuns em várias ruas nos bairros das cidades brasileiras. Limitados pela insegurança e atraídos pelos entretenimentos eletrônico-virtuais, praticar futebol passou a ser algo que necessita de mais organização (pelo menos uma quadra ou campo) e logística.

Por não entender de futebol, embora seja torcedor, prefiro não me aprofundar nas entranhas da tal crise. Mas como frequentador assíduo dos “babas” de rua em Feira de Santana, resolvi relembrar alguns detalhes só conhecidos por quem integrava essa brincadeira:

Traves de pedra

Nos babas de rua pedras faziam a função de traves. O detalhe é que o tipo de pedra usada influenciava na possibilidade de ter gols não marcados, por causa da altura ou peso da pedra. A bola podia bater na “trave” e voltar, se fosse uma pedra pesada, ou podia simplesmente lançar a pedra bem distante, entrando pela metade no gol (sempre gerava polêmica quando isso ocorria).

Os carros

A consequência natural de jogar bola na rua é a divisão do espaço com os veículos. Sempre que passava um carro tinha que parar o jogo. Geralmente alguém ia correndo tirar as pedras para o carro não destruir a trave. Um problema muito sério era quando o carro estacionava no meio do campo, exigindo a escolha de um novo lugar para o baba.

As varandas

A probabilidade da bola cair na varanda de alguma casa era muito grande. Janelas eram quebradas e plantas eram assassinadas. Por causa disso, muitas boas vizinhas ou vizinhos furavam as bolas quando tinham oportunidade, para evitar a depredação do patrimônio de suas casas com nosso futebol.

“Quem era grosso, como eu, frequentemente chutava o paralelepípedo em vez da bola”

Chuteira?

Sim, jogávamos descalços. A probabilidade de ter o dedão do pé ferido por uma topada era grande (quem era grosso, como eu, frequentemente chutava o paralelepípedo em vez da bola). Quando não era isso, ocorria de chegar em casa com os pés sujos, e a mãe reclamar bastante por ter entrado sujando o chão da casa.

Um detalhe sórdido

Por falar em sujeira, vale lembrar que rede de esgoto é algo relativamente recente aqui em Feira, e acontecia muito da bola cair justamente na água suja que escorria nos cantos das ruas. Aliás, as bolas pareciam ter algum imã para locais impróprios: grampos em cima de muros muitas vezes acabavam com a brincadeira.

As bolas

Se não havia muita exigência para o tipo de campo, também não éramos muito criteriosos com a bola. Usávamos a melhor que havia, e geralmente não tinha tantas opções. Ruim eram aquelas bolas que, após o chute, eram levadas pelo vento para uma direção inversa da que interessava ao jogador.

As regras

O baba de rua tinha regras simples, mas frequentemente gerava briga entre os jogadores. Era lateral quando a bola passava da linha do meio-fio. Não tinha impedimento, e muita gente decidia ficar “na banheira” pra fazer gol com facilidade. Sem juiz, para marcar a falta bastava o jogador gritar “parou!” (e muitas discordâncias eram manifestadas nesse caso).

Geralmente jogava-se com limite de tempo (quando havia relógio para marcar) ou limite de gols (dois ou três). Quem perdesse dava a vez para outro time. As equipes eram definidas no “par ou ímpar”, para evitar as panelinhas.

***

Você também bateu baba na rua? Deixe um comentário falando sobre sua experiência.

 

Texto em homenagem aos bons de bola: Juninho, Seu Pam e Pipe.

Tags:

Sobre o (a) autor (a):