As Feiras de Feira de Santana

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

Precisamos louvar o Feira Noise

É preciso louvar com entusiasmo a edição de 10 anos do Feira Noise Festival, que ocorre nesse final de semana em Feira de Santana. Nem precisa gostar de rock ou de qualquer gênero musical, banda ou artista que se apresenta nos palcos do evento para reconhecer a capacidade inacreditável de um grupo de entusiastas de determinada cena cultural em manter de pé, em Feira de Santana, um festival que chama a atenção para além das fronteiras baianas. São mais de 30 atrações, de várias partes do Brasil, distribuídas em três dias no Ária Hall, o mais elegante e bem estruturado

Fartura & Ossos

“Fartura & Ossos” – O novo livro do poeta Silvério Duque

O músico, professor, crítico literário e poeta feirense Silvério Duque acaba de lançar seu novo livro: “Fartura & Ossos”, obra que o autor descreve como sua “lira dos quarent’anos”. O livro, que traz 25 sonetos compostos entre 31 de março de 2018 e 31 de março de 2019, é uma auto-homenagem aos 40 anos de vida do autor. Com desenho de capa do artista plástico Gabriel Ferreira, posfácio de Elpídio Dantas Fonseca e prefácio do próprio autor, com efeito, “Fartura e Ossos”, segundo Elpídio Fonseca, “remete a várias situações descritas em seus sonetos: a superabundância da vida vivida, da qual só

BRT de Feira cada vez mais longe

BRT cada vez mais longe

Com queda no número de passageiros, BRT fica mais longe de ser implantado em Feira Cerca de 10% da frota do transporte público de Feira de Santana deixou de circular, devido à queda no número de passageiros. Trabalhadores do setor também foram demitidos. Associação alertou a pouca demanda de passageiros para a implantação do BRT Em agosto de 2015, a Associação Feirense de Engenheiros (AFENG), apresentou parecer técnico sobre o resultado da análise do “Sistema BRT Feira de Santana” e alertou sobre o volume de passageiros no momento mais crítico do dia, cerca de 5 mil passageiros por hora/sentido. Mas

Banda Calafrio

“Hiato”, o novo single da banda feirense Calafrio

“Um estado de ceticismo quase que total, ausência de sentidos e porquês, um momento de niilismo. O pensamento vagueia pela morte mas em busca de vida”, descreve o guitarrista Pedro Patrocínio, se referindo à letra de “Hiato”, o segundo single de seu novo EP. “A existência dessa canção se dá num momento de reclusão, numa jornada solitária com um pouco de autodestruição e muito de autoconhecimento”, explica o músico. “Hiato” é uma das cinco faixas do EP homônimo que a banda irá lançar até o final deste ano. Em setembro, eles apresentaram ao público o single “Primitivos”, que também ganhou um videoclipe, disponível no

O auxiliar de limpeza feirense que virou artista nacionalmente reconhecido

Idealizado pelo professor Josué Mello em 1995, o Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca) está completando 22 anos em 2017. Com uma arrojada proposta de gestão cultural na Uefs, que alinha preservação de importantes patrimônios de Feira de Santana (conjunto arquitetônico da Conselheiro Franco, e o valoroso acervo artístico sob a guarda do Museu Regional de Arte), a atividades regulares de formação nas diversas áreas e linguagens do campo da arte-educação, além do estímulo às manifestações populares e suas expressões. Tornando-se assim, uma referência regional na promoção da arte e da cultura, tanto para a comunidade acadêmica quanto para a sociedade feirense em geral.

Prova disso, é a história do servidor terceirizado Antônio Pereira. Com 57 anos, “Seu Antônio” cursou até o ensino fundamental, e desde muito jovem trabalha para sustentar a família. “Tonho da Bahia”, como artisticamente é conhecido, é natural de Feira de Santana, e presta serviços na área de apoio e limpeza ao Cuca, local onde também ensaiou suas primeiras pinceladas, e é reconhecido pela presteza e simpatia com que circula por este espaço.

Tonho da Bahia

Há pouco mais de três anos “Tonho da Bahia”, resolveu se integrar às turmas de formação do Cuca, onde cursou aulas de violão, teatro, desenho e pintura. Ele garante que a lida com as tintas sempre despertaram um fascínio e por isso dedicou especial atenção às aulas na OCA (Oficinas de Criação Artística do Cuca), em especial a de desenho, ministrada na época pela professora Avelina Bittencourt, tal como a de pintura, municiada pelo professor Jorge Galeano. Contam os mestres que o desempenho e dedicação do aluno sempre chamou atenção, tal como enfatiza Galeano, que diz: “mesmo após as aulas o aluno continuava a estudar, vejo nele um espontâneo e promissor artista.”

Já são mais de cinqüenta obras pintadas por “Tonho da Bahia” expostas de maneira simples, as quais trazem experiências pessoais, oriundas de sua convivência com o meio. Dentre estas destacamos “Dora”, homenagem à professora do Seminário de Música Doraneide Tosta, docente pela qual o artista tem muito apreço.

Tonho da Bahia

Caracteristicamente figurativa, suas pinturas se encaixam na linguagem Naif, um tipo de arte dotada de liberdade estética e livre de convenções, concebida pelos que pintam com os sentimentos. O ícone da Arte Naif, foi o francês Henri Rousseau, autodidata, que na época em que atuava foi severamente criticado por ignorar princípios básicos de geometria e perspectiva, mas teve o talento posteriormente reconhecido por figuras como Pablo Picasso e Kandinsky.

Com seus traços livres, em Naif, Tonho da Bahia teve sua obra “A Lida Feirense”, submetida à Bienal Internacional de Arte Naïf Totem Cor-Ação em Socorro 2017, através de um edital público, analisada por um grupo de especialistas como Antônio do Nascimento, Augusto Luitgards, Jacques Ardies e Oscar D’Ambrosio. Tal obra fará parte da exposição que terá inicio no dia 29 de setembro e ficará em cartaz até 04 de novembro de 2017, nas dependências do Museu Municipal de Socorro no estado de São Paulo.

Para comparecer ao evento, “Seu Antonio” conta com uma rede de solidariedade, na qual faz parte a produtora cultural Aloma Galeano, que divulgou junto aos meios de comunicação feirense a contemplação na Bienal, assim como Rosângela Politano e Marinilda Bertolete Boulay, coordenadoras da Bienal que junto com a Secretaria de Turismo da cidade de Socorro – SP e do Comtur – Conselho Municipal de Turismo, asseguraram ao artista hospedagem na Pousadas dos Manacás, situada na cidade de Socorro – São Paulo.

Tonho da Bahia

Desde já agradecemos aos administradores deste estabelecimento, pelo incentivo e apoio ao nosso artista. Para tanto, seu Antonio ainda precisa de ajuda para custear gastos com o deslocamento, (aéreo e rodoviário), juntamente com seu acompanhante, assim contamos com a colaboração de todos aqueles que acreditam que a arte não tem fronteiras, nem idade, nem padrão.

Para ajudá-lo, as doações podem ser realizadas através de depósito bancário em nome do artista, no banco Santander na conta corrente de número: 01090256-0, agência: 3682, e/ou diretamente doada ao mesmo, através do Livro de Ouro, que circula no Cuca pelas mãos talentosas de “Seu Antonio”. Outras informações e contatos: mra.cuca@uefs.br.


Sobre o (a) autor (a):