As Feiras de Feira de Santana

Fotógrafas feirenses

3 mulheres fotógrafas feirenses que você precisa conhecer

O Brasil é o país onde uma mulher é vítima de estupro a cada 9 minutos. A cada 2 minutos uma mulher registra um caso de agressão tipificado na Lei Maria da Penha. Na política, a representatividade das mulheres brasileiras é ínfima: apenas 11,2% dos cargos parlamentares são ocupados por mulheres. No Afeganistão, a taxa é de 27,4%. Apenas esses dados são suficientes para afirmar que vivemos em uma sociedade machista, que reserva às mulheres um lugar marginal em seus diversos setores. Se considerarmos os estereótipos e as construções simbólicas em torno da mulher, e de seu corpo, teremos uma

O melodrama do BRT de Feira

O melodrama do BRT de Feira

Em discurso na Câmara Municipal de Feira de Santana, na manhã da última terça-feira (20), o vereador Roberto Tourinho (PV), disse que o BRT ganhou mais um novo capítulo. “O capítulo do melodrama BRT, que mais se parece com novelas mexicanas que se começa mais não sabe-se como termina”. Recuperação Judicial A Via Engenharia, responsável pelas obras do BRT, entrou com pedido de recuperação judicial em agosto de 2019. Mas não é apenas a Via que entrou com esse pedido. A empresa de ônibus São João, uma das empresas que vai operar o Sistema, já havia entrado com o pedido

10 bares com música ao vivo em Feira de Santana

10 bares para curtir música ao vivo em Feira de Santana

Em Feira de Santana circula o mito de que “não há nada para fazer” na cidade. Por isso costumamos trazer dicas e sugestões de atividades artístico-culturais que demonstram justamente o contrário: Feira é uma cidade intensa, com variada agenda cultural, principalmente nos finais de semana. Neste post trazemos a sugestão de 10 bares com música ao vivo em Feira de Santana, uma lista introdutória, que está muito longe de demarcar todas as possibilidades e opções musicais da cidade. Num levantamento modesto, podemos afirmar que Feira de Santana tem mais de 50 shows musicais por semana. Selecionamos apenas os bares que

Centro de Abastecimento de Feira de Santana

O Centro de Abastecimento vai ser privatizado?

De acordo com o líder do governo na Câmara Municipal, vereador Marcos Lima (Patriota), vários empresários querem administrar o Centro de Abastecimento de Feira de Santana. A informação foi repassada durante a sessão desta terça-feira (13), na Casa da Cidadania, ao responder acusações do vereador Roberto Tourinho.   Abandonado Tourinho disse que a situação do Centro de Abastecimento é de abandono, e elencou os seguintes problemas: lixo, mau cheiro, escuridão, tráfico de drogas, prostituição, lama e até homicídios ocorrem no local. Cheiro de Privatização De acordo com Tourinho, o poder público municipal não faz absolutamente nada, diante de tantos problemas:

Cantoras negras feirenses

Cantoras negras são destaque na música de Feira de Santana

Um olhar cuidadoso sobre as expressões musicais em Feira de Santana torna obrigatório reconhecer o fundamental protagonismo das mulheres em nossa música. Para começar, Feira de Santana é uma das poucas cidades do Brasil que tem seu hino composto por uma mulher: Georgina Erismann, no início do século XX, fez o “Hino a Feira”, numa época em que a mulher sequer tinha direito a voto. Uma das mais tradicionais expressões culturais de Feira de Santana, reconhecida internacionalmente, é capitaneada por uma mulher: Dona Chica do Pandeiro é a matriarca da Quixabeira da Matinha, exercendo um papel de liderança que remonta

Povo da Feira #4: a artesã Patrícia Assunção

Sob a sombra de um Flamboyant da praça Padre Ovídio (Praça da Matriz), Patrícia manipula atentamente os fios de uma pulseira que está criando. Serena, parece não se envolver com o que ocorre além das tranças que surgem a partir da perícia dos seus dedos. Os carros passam na rua, a roda de capoeira ocorre a alguns metros, a brisa balança as folhas da árvore, e Patrícia constrói com convicção o enfeite que vestirá o pulso de alguém.

Patrícia Assunção dos Santos é feirense, com 42 anos, e encontrou no artesanato não só uma forma de trabalho e sustento, mas também uma filosofia de vida. Todos os elementos que utiliza nas peças que produz são de origem natural (pedras, penas, sementes), uma expressão das convicções ambientais e econômicas que possui.

Patrícia Assunção

Ela chegou a cursar Letras na Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), mas abandonou o curso ainda no 2º semestre, dedicando-se definitivamente ao artesanato. Embora ainda atue como professora (principalmente em trabalhos freelancer), essa é uma atividade secundária, que parece não empolgá-la. Fazer a família e amigos entenderem a escolha por um ofício independente gerou controvérsias no início, mas parecem já superadas: “Eu fui mostrando que é meu trabalho, minha vocação, e aos poucos fui rompendo essas barreiras, com muito diálogo”.

No Litoral Norte da Bahia Patrícia conheceu Carlos Alberto Minion, também artesão, com quem mantém um relacionamento de cerca de 10 anos. Juntos, durante 8 anos, viajaram por vários países da América Latina, experiência determinante para Patrícia ratificar seu entusiasmo pelo artesanato, muito valorizado em outros países.

Após a viagem, Patrícia conta ter se assustado: “Retornar a Feira me chocou bastante, porque a cidade cresceu, mas sem uma estrutura legal. O que eu vejo é uma cidade inchada, grande, porém, sem cultura, sem valorização do artesanato, da música local, dos espaços, das praças”.

Patrícia Assunção

Patrícia e Carlos Alberto

Além de técnicas e matéria prima para o seu trabalho, ela trouxe consigo uma cadela, que encontrou na Patagônia Argentina, apenas um dos animais que recebem seus cuidados através de um trabalho social de acolhimento de animais abandonados. “Quando a gente veio aqui pra Feira resolvemos adotar um gato. Aí nos apaixonamos e hoje temos dez!”.

Patrícia dialoga com facilidade sobre urbanismo, educação, relações de trabalho, ambientalismo e cultura, sempre mostrando visões críticas e aprofundadas sobre esses temas. Ela costuma vender suas peças, feitas na técnica macramé, na praça em frente ao Mercado de Arte Popular (quando a encontramos, ela participava de um evento que levou algumas iniciativas e práticas para a Praça da Matriz).

Vale a pena conhecer o trabalho de Patrícia, e sua peculiar visão de mundo, apurada em outros lugares, mas aplicada em nossa Feira de Santana.


Sobre o (a) autor (a):