Rio Jacuípe

Avenida Presidente Dutra - Feira de Santana

Avenida Presidente Dutra em Feira: origens e modificações históricas

Existe um argumento de autoridade nas cidades brasileiras que sempre é evocado por pessoas que foram as primeiras a povoar determinada localidade. É comum encontrarmos pessoas que normalmente soltam um bom: “quando eu cheguei aqui era tudo mato!”. A frase mais do que nos mostrar que estamos diante de uma pessoa que acompanhou o desenvolvimento daquela rua, avenida, bairro, cidade desde os primórdios. Serve também para nos lembrar que o espaço urbano está em constante modificação: seja pela construção de novas edificações ou pela derrubada de prédios antigos, instalação de iluminação pública, construção de túneis, passarelas, viadutos etc. Sob qualquer

Casarão Froes da Mota

Casarão da Fróes da Motta tem inspiração alemã

Daquilo que ainda resta do rico patrimônio arquitetônico da Feira de Santana se destaca o casarão do intendente Eduardo Fróes da Motta. O imóvel fica na rua General Câmara, aquela que liga as praças Fróes da Motta e Nordestino, no centro da cidade. A construção é antiga e imponente: quem transita ali, pela rua estreita, não deixa de se impressionar com o porte, com os detalhes caprichados, com o padrão difícil de se ver no município, mesmo na primeira metade do século passado. Não é para menos: quem teve a iniciativa da construção foi Agostinho Fróes da Motta, em 1902.

Larissa Rodrigues

Entrevista com Larissa Rodrigues [Feirenses TV]

O debate sobre a representatividade das mulheres vem crescendo em diversos setores da sociedade, principalmente naqueles onde o homem manteve-se hegemônico ao longo da história (notadamente lugares de poder). Na política, por exemplo, o Brasil ostenta a marca de ter apenas 10,5% de mulheres no Congresso Nacional, mesmo tendo uma população 51% feminina. Nas artes o cenário não é diferente: segundo a professora de literatura e feminista feirense Larissa Rodrigues, de um total de publicações no mercado editorial brasileiro, apenas 30% obras são de autoras mulheres. É nesse contexto que surge o projeto “Leia Mulheres”, um projeto que tem como

Três anúncios para um crime

Cine Debate em Feira sobre “Três anúncios para um crime”

No próximo dia 15 de setembro os cinéfilos feirenses terão a oportunidade de participar de um Cine Debate sobre um dos filmes mais prestigiados do ano: “Três anúncios para um crime”, que conta a história de Mildred Hayes (Frances McDormand), que inconformada com a ineficácia da polícia em encontrar o culpado pelo brutal assassinato de sua filha decide chamar atenção para o caso não solucionado alugando três outdoors em uma estrada raramente usada. Veja o trailer do filme:   No Cine Debate, a discussão gira em torno de uma sociedade na qual as relações mostram-se cada vez mais fragilizadas pela vida acelerada, e explana sobre

Fervura Feira Noise

Fervura Feira Noise antecipa o maior Festival de Artes Integradas da Bahia

O Feira Noise – Festival de Artes Integradas, anunciou oficialmente as datas da sua oitava edição, que acontece entre os dias 23 a 25 de novembro, no Centro de Cultura Amélio Amorim, aqui em Feira. Apesar da programação do festival ainda não ter sido divulgada, o Feira Coletivo Cultural, produtora que assina o evento, realiza no próximo dia 7 de setembro a primeira edição do Fervura Feira Noise 2018, com a apresentação de grandes atrações a partir das 21h, no Jhonnie Club (Rua São Domingos). A banda feirense Sofie Jell se junta ao cantor e compositor Balaio, de Vitória da

Entrevista com o deputado Angelo Almeida

Angelo Mario Cerqueira de Almeida passou a compor, em 2017, o conjunto de deputados estaduais que representam Feira de Santana na Assembleia Legislativa da Bahia. Angelo Almeida assumiu o mandato, na condição de suplente, pelos 35.519 votos conquistados na eleição de 2014.

Assumir a suplência foi uma espécie de renascimento político para Angelo, que, junto com a oposição em Feira de Santana, amargou o avassalador resultado das últimas eleições para a Prefeitura de Feira de Santana, em 2016, quando o Prefeito José Ronaldo (DEM), se reelegeu com mais de 70% dos votos na cidade. Angelo Almeida teve apenas 1% dos votos (2.673 no total).

Formado em Odontologia, ele tem um histórico político ligado à esquerda, tendo militado em partidos como o PDT, o PT, pelo qual elegeu-se vereador em 2008 e, mais recentemente, o Partido Socialista Brasileiro (PSB), liderado pela Senadora Lídice da Mata na Bahia.

“Eu lia jornal todo dia, desde criança. Com 15 anos saí de Feira para estudar em Salvador, mas acompanhava de lá tudo da política de Feira. Ia para a rodoviária toda semana comprar o jornal que tinha as notícias da cidade”, diz ele sobre o seu despertar para a política. Nesse sentido, seu pai foi uma grande referência, por ter sido funcionário do Banco do Brasil e vereador eleito em 1982 em Feira de Santana. “Quando meu pai anunciou para os filhos que ia se candidatar, eu caí de cabeça na candidatura dele”, lembra.

A candidatura tardia

Angelo Almeida

O deputado estadual Angelo Almeida. Foto: Luciano Macêdo

Uma história interessante explica a razão de Angelo Almeida ter sido candidato a um cargo eletivo apenas aos 40 anos de idade. Embora tenha iniciado a militância e acompanhasse a política desde cedo, ele só se candidatou quando cumpriu uma promessa com a esposa.

Sobrinha de dois políticos de relevância na Bahia, a então namorada de Angelo Almeida resistiu a sair de Salvador e vir morar em Feira de Santana, pois sabia que o companheiro pretendia lançar-se na política. Ela tinha visto um dos tios perder o mandato de Deputado Estadual por causa da Ditadura, em 1962: o Deputado Hamilton Cohin assistia televisão quando viu o anúncio da cassação do seu mandato à época do famigerado AI-5.

Um outro tio, Carlos Barbosa Romeu, engenheiro de sucesso, tornou-se presidente da Câmara de Vereadores de Salvador, mas morreu pobre, por causa do seu envolvimento com a política. Esses exemplos foram traumáticos para a família da esposa de Angelo Almeida. “Por isso ela não queria que ele fosse político”, diz ele.

Para vencer a resistência da mulher, que estava grávida, Angelo prometeu: “eu vou pra Feira, lá é minha cidade, e não entro na política enquanto o filho que está na sua barriga não estiver na faculdade”. A promessa foi cumprida, e 18 anos depois, ele candidatou-se pela primeira vez a vereador de Feira de Santana.

Em entrevista concedida com exclusividade ao Feirenses, Angelo falou sobre seu futuro político, sobre erros e acertos da oposição e da situação em Feira de Santana e analisou o cenário político da cidade. Confira:

 


Sobre o (a) autor (a):