As Feiras de Feira de Santana

Venezuelanos em Feira de Santana

A história de dois Venezuelanos em Feira de Santana

Quem tem andado pelas ruas de Feira de Santana nos últimos anos nota o aumento da quantidade de pedintes e vendedores informais nas sinaleiras da cidade – consequência óbvia do deserto econômico por que passa o país. Peregrinando entre os carros, na esperança de que um vidro se abra e uma mão se estenda, essas pessoas buscam o sustento básico da família, a ajuda para a compra de um remédio ou a fralda para um filho. Na cidade-entroncamento, não é de espantar que muitos desses habitantes das encruzilhadas sejam de fora do município, do estado e do país. É o

Casarão dos Olhos D'Água

Casarão Olhos D’Água será reformado

A Prefeitura Municipal de Feira de Santana irá reformar o Casarão Olhos D’Água, situado na Rua Dr. Araújo Pinho. O valor da reforma foi orçado em R$ 331.657,38 e a empresa contratada, através de dispensa de licitação, foi a CLAP Construtora Ltda (Diário Oficial de 17 de julho). Recomendação do MP-BA O Ministério Público Estadual, por meio da promotora de Justiça Luciana Machado dos Santos Maia, expediu em dezembro do ano passado, recomendação ao diretor-presidente da Fundação Municipal de Tecnologia, Telecomunicações e Cultura Egberto Tavares Costa (Funtitec), Antonio Carlos Daltro Coelho, para que promovesse as medidas emergenciais necessárias à manutenção,

Feira Hippie dos Olhos D'Água

UEFS receberá a II Feira Hippie dos Olhos D’Água

Criada em 2016, a Feira Hippie dos Olhos D’Água aconteceu pela primeira vez durante a Semana Nacional do Livro e da Biblioteca, realizada anualmente no mês outubro, na Biblioteca Central Julieta Carteado, no Campus da UEFS. Na ocasião, o evento principal tinha como tema Sustentabilidade e Meio Ambiente, e a Feira Hippie, idealizada por Paulo Fabrício Reis e Raquel Kuwer, surgiu como um adendo, estabelecendo uma relação direta com a temática, uma vez que foram priorizados expositores com trabalhos artesanais, ou que trabalhavam com esse enfoque. O nome da Feira Hippie é uma homenagem à cidade de Feira de Santana,

O pintor feirense Cesar Romero

O pintor feirense Cesar Romero

Quem acompanha o cenário das artes plásticas da Bahia certamente já ouviu falar ou já se deparou com alguma obra do pintor Cesar Romero. O que nem todos sabem é que o artista plástico autor das “Faixas Emblemáticas” é feirense, nascido em 1950. “Dois fatos foram determinados em minha formação de artista plástico: a convivência com as feiras livres, sempre às segundas-feiras, em companhia do meu pai, e a criação do Museu Regional de Feira de Santana. Se eu tivesse nascido em outra cidade, muito provavelmente não haveria o artista que sou, nem esta obstinada escolha de brasilidade. Feira de

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira de Santana?

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira?

A Câmara de Vereadores é uma instituição importantíssima para qualquer município. Suas cadeiras são ocupadas pelos representantes políticos mais próximos à comunidade: os vereadores, eleitos principalmente pela capacidade de interlocução e liderança em determinados bairros e comunidades. Além de levar demandas da comunidade ao Poder Executivo, mantendo diálogo permanente com secretários, superintendentes e outros gestores, o vereador deve cumprir o papel fiscalizador das ações e decisões emanadas do Prefeito. Sem falar no papel de legislador e promotor de debates sobre temas de interesse da comunidade, fazendo com que os munícipes tenham participação ativa nas políticas públicas. Quanto mais os vereadores

A energia das mulheres do Beco

Nos últimos dias uma novidade tem chamado muito a atenção das pessoas em Feira de Santana, especialmente quem passa entre as Ruas Marechal Deodoro, Rua Conselheiro Franco e Beco do Mocó. É o colorido e a movimentação do Beco da Energia, um dos becos mais antigos e famosos da cidade, que fica no centro comercial e abriga diversos comerciantes, feirantes e alguns dos prostíbulos mais antigos de Feira. O Beco tem esse nome curioso não pela energia positiva de quem trabalha, passa e mora nele, mas devido a uma antiga estação de distribuição elétrica da Coelba que funcionou ali durante muitos anos.

Embora já tenha sido bastante frequentado, nas últimas décadas ele sofreu um esvaziamento, e resistiram ali seis prostíbulos dos muitos que já funcionaram. Além de explorar esse tradicional espaço de Feira de Santana, lançando um olhar sobre as cores que foram dadas às suas paredes, resolvemos descobrir as pessoas que lá transitam e habitam, e o que estão achando desse novo momento do lugar. Usaremos nomes fictícios para evitar exposições desnecessários das entrevistadas.

As mulheres do Beco da Energia

As mulheres do Beco da Energia

Mulheres no Beco da Energia. Foto: Val Silva

Dona Wanda lidera uma das casas de prostituição há mais de 15 anos, e foi parar no Beco devido às dificuldades de arrumar emprego. “Me vi com mais de 40 anos, sem conseguir emprego, aí uma colega me chamou e eu vim. Aí decidi ficar por aqui e tomar conta da casa. Aqui a gente vive, faz amizade, tem muita história. Ninguém mexe com a gente, porque se mexer com uma, mexe com todas”, diz.

Muito enfeitada e bem maquiada, Sônia Silva é de Juazeiro e está no Beco já faz mais de 10 anos. Ela começou a trabalhar em um dos prostíbulos junto com sua mãe. Mãe de nove filhos, agora espera um bebê de quatro meses. “Meus filhos, só tem uma comigo. O resto está tudo pelo mundo. É assim, a vida difícil. As vezes venho aqui no Beco ver como é que está, o que é que tem”, diz com um sorriso tímido no rosto.

Outra proprietária de uma das casas, Dona Norma, de 78 anos, disse que gostava de viver ali, e que não se preocupava sequer em pagar aposentadoria, pois tinha consciência e vontade de morrer no beco mesmo. Já Dona Wanda, diz: “quero mesmo é ir embora, meus filhos já estão criados, já tenho muito tempo aqui. Estou só esperando ajeitar a minha aposentadoria. Tenho minha casa, quero fazer outras coisas”.

A intervenção artística no Beco

O colorido do Beco partiu da ideia do artista feirense Márcio Punk. Tatuador, músico, grafiteiro, ator, produtor e púlverógrafo (produção de arte através do reaproveitamento do lixo), ele trabalha há muitos anos nas proximidades do lugar e nesse vai-e-vem diário percebeu a necessidade de revitalizar o espaço, proporcionando mais cor e melhorias. Punk, junto com outros artistas feirenses, entre eles KBÇA, Don Guto, Charles, Ivan Coelho e Gabriel Ferreira estão trazendo para o Beco diversas intervenções artísticas com o objetivo de transformá-lo em uma galeria de arte a céu aberto.

As mulheres do Beco da Energia

Mulheres no Beco da Energia. Foto: Val Silva

“Sempre tive vontade de fechar o Beco. Ele estava muito sujo e abandonado e a ideia foi realmente revitalizar esse espaço que é coração da cidade. Não tinha nem lata de lixo e já conseguimos, assim como estamos buscando a construção de um banheiro e outras melhorias”, disse Punk ao Feirenses.

As mulheres que vivem no Beco acharam muito positivas as intervenções artísticas. Dona Norma nos disse que todos os dias muita gente passa por lá querendo ver como o espaço ficou bonito. “Eu mesma estou adorando, está lindo”.

Dona Marlene, que há cinco anos vende quentinhas no lugar, relata contente que o movimento até aumentou. “Todo mundo fica curioso, vem conhecer e acha bonito. Estou achando maravilhoso”.

Para o grafiteiro KBÇA, essa transformação do Beco além de evidenciar a arte e a cultura, proporciona relações interpessoais entre os artistas e todo mundo que está ali no Beco. “A gente chega, já faz amizade, conversa. Isso é a arte fazendo as relações e as trocas entre as pessoas acontecerem. É a arte unindo tudo”.

A necessidade de apoio

Beco da Energia

Beco da Energia. Foto: Val Silva

O trabalho desenvolvido pelos artistas pretende ser expandido para outros lugares da cidade, preenchendo o máximo de “espaço em branco” possível. Diversos outros artistas, além dos que ouvimos, estão se somando a esse projeto com a proposta de que cada um deixe sua arte e sua marca no espaço urbano de Feira de Santana. Vale lembrar que todo esse trabalho é independente, fruto da boa vontade e dos esforços de cada um, e de pequenas doações de comerciantes locais. Márcio Punk reivindica: “Precisamos de apoio financeiro para comprar o material e as tintas para pintar, fazer nossa arte e revitalizar o Beco e outros espaços de Feira de Santana”.


Sobre o (a) autor (a):