Rio Jacuípe

Baile Surrealista

Baile Surrealista tem sétima edição em Feira

O Teatro Arena do Centro de Cultura Amélio Amorim recebe neste sábado, 23, a sétima edição do Baile Surrealista. O Roça Sound e a banda Iorigun estão entre as atrações confirmadas na programação, que começa às 15h. O Baile Surrealista é uma releitura de uma festa francesa que reunia artistas e membros de sociedades secretas na década de 70 e pretende discutir as relações entre arte e esoterismo através da música, dança, artes visuais, tatuagem e oficinas. Nessa edição haverá o lançamento da primeira edição da Revista Subterrânea, um mapa musical da cena alternativa de feira de Santana entre os

Pablo Roberto

Pablo na Oposição?

Pablo na Oposição? O Secretário Municipal de Prevenção à Violência, Pablo Roberto, criticou a Prefeitura Municipal através de suas redes sociais – pela não contratação de algumas bandas locais para a Micareta. “Entendo as questões burocráticas, mas defendo sempre o diálogo. O corte de artistas da terra, que sempre divulgam a nossa festa e a nossa cidade por onde passam, deixa a nossa Micareta com menos identidade e menos brilho”, declarou o secretário. Saudades da Câmara No dia 14 de março, Pablo Roberto publicou em suas redes sociais uma foto dele na Tribuna da Câmara Municipal com a seguinte legenda:

São José

Apesar da expectativa, não choveu no dia de São José

O dia amanheceu com o céu muito limpo na Feira de Santana. Sem nuvens, a luminosidade estava esplendorosa. É que a luz já vai perdendo aquele tom metálico característico do verão e assumindo as cores suavemente alaranjadas do outono. Mais tarde, lá pela metade da manhã, começaram a surgir fiapos de nuvens, muito alvos, na orla que céu. Depois foram avançando aos poucos, encorpando-se, até, às vezes, encobrir o sol por alguns instantes. O cenário passaria despercebido se não fosse pela data: 19 de março é dia de São José, padroeiro da agricultura familiar e das boas colheitas no semiárido

Roça Sound

“Bota o Teu”, o novo Single do Roça Sound

O grupo feirense Roça Sound lançou na última sexta-feira (15) seu novo single, “Bota o teu”. A música traz a sonoridade do funk, com letra de NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e produção do DJ Lerry. Este é mais um single do novo álbum “Tabaréu Moderno”, com previsão de lançamento ainda este ano. Em 2018, o grupo já havia divulgado a faixa “Envolve e não se envolve”, gravada com a Orquestra Reggae de Cachoeira. O lançamento conta ainda com a identidade desenvolvida pelo premiado artista visual Gilmar Machado, conhecido como o “Cartunista das Cavernas”. Até o lançamento do álbum, o Roça

Duquesa

O Clipe “Futurista”, da Rapper Feirense Duquesa

A Rapper Feirense Duquesa acaba de lançar seu novo videoclipe, “Futurista”, produzido pela também feirense Live Filmes. A letra do Rap é da própria Duquesa, que toca de maneira incisiva em questões como machismo e racismo, mostrando os desafios enfrentados por mulheres jovens e negras para se afirmarem na sociedade contemporânea. Antes de assistir ao clipe, vale ler a poesia: Futurista Letra: Duquesa Catastrófica aparição Vejo tudo na minha mão Lutando contra minha ambição Vaidade que cega canção Muito bendita quando incomodo racista, sempre irritando machista Maldita por ser tão bem vista Gero ódio mas comemoro a conquista. Brigo comigo

A energia das mulheres do Beco

Nos últimos dias uma novidade tem chamado muito a atenção das pessoas em Feira de Santana, especialmente quem passa entre as Ruas Marechal Deodoro, Rua Conselheiro Franco e Beco do Mocó. É o colorido e a movimentação do Beco da Energia, um dos becos mais antigos e famosos da cidade, que fica no centro comercial e abriga diversos comerciantes, feirantes e alguns dos prostíbulos mais antigos de Feira. O Beco tem esse nome curioso não pela energia positiva de quem trabalha, passa e mora nele, mas devido a uma antiga estação de distribuição elétrica da Coelba que funcionou ali durante muitos anos.

Embora já tenha sido bastante frequentado, nas últimas décadas ele sofreu um esvaziamento, e resistiram ali seis prostíbulos dos muitos que já funcionaram. Além de explorar esse tradicional espaço de Feira de Santana, lançando um olhar sobre as cores que foram dadas às suas paredes, resolvemos descobrir as pessoas que lá transitam e habitam, e o que estão achando desse novo momento do lugar. Usaremos nomes fictícios para evitar exposições desnecessários das entrevistadas.

As mulheres do Beco da Energia

As mulheres do Beco da Energia

Mulheres no Beco da Energia. Foto: Val Silva

Dona Wanda lidera uma das casas de prostituição há mais de 15 anos, e foi parar no Beco devido às dificuldades de arrumar emprego. “Me vi com mais de 40 anos, sem conseguir emprego, aí uma colega me chamou e eu vim. Aí decidi ficar por aqui e tomar conta da casa. Aqui a gente vive, faz amizade, tem muita história. Ninguém mexe com a gente, porque se mexer com uma, mexe com todas”, diz.

Muito enfeitada e bem maquiada, Sônia Silva é de Juazeiro e está no Beco já faz mais de 10 anos. Ela começou a trabalhar em um dos prostíbulos junto com sua mãe. Mãe de nove filhos, agora espera um bebê de quatro meses. “Meus filhos, só tem uma comigo. O resto está tudo pelo mundo. É assim, a vida difícil. As vezes venho aqui no Beco ver como é que está, o que é que tem”, diz com um sorriso tímido no rosto.

Outra proprietária de uma das casas, Dona Norma, de 78 anos, disse que gostava de viver ali, e que não se preocupava sequer em pagar aposentadoria, pois tinha consciência e vontade de morrer no beco mesmo. Já Dona Wanda, diz: “quero mesmo é ir embora, meus filhos já estão criados, já tenho muito tempo aqui. Estou só esperando ajeitar a minha aposentadoria. Tenho minha casa, quero fazer outras coisas”.

A intervenção artística no Beco

O colorido do Beco partiu da ideia do artista feirense Márcio Punk. Tatuador, músico, grafiteiro, ator, produtor e púlverógrafo (produção de arte através do reaproveitamento do lixo), ele trabalha há muitos anos nas proximidades do lugar e nesse vai-e-vem diário percebeu a necessidade de revitalizar o espaço, proporcionando mais cor e melhorias. Punk, junto com outros artistas feirenses, entre eles KBÇA, Don Guto, Charles, Ivan Coelho e Gabriel Ferreira estão trazendo para o Beco diversas intervenções artísticas com o objetivo de transformá-lo em uma galeria de arte a céu aberto.

As mulheres do Beco da Energia

Mulheres no Beco da Energia. Foto: Val Silva

“Sempre tive vontade de fechar o Beco. Ele estava muito sujo e abandonado e a ideia foi realmente revitalizar esse espaço que é coração da cidade. Não tinha nem lata de lixo e já conseguimos, assim como estamos buscando a construção de um banheiro e outras melhorias”, disse Punk ao Feirenses.

As mulheres que vivem no Beco acharam muito positivas as intervenções artísticas. Dona Norma nos disse que todos os dias muita gente passa por lá querendo ver como o espaço ficou bonito. “Eu mesma estou adorando, está lindo”.

Dona Marlene, que há cinco anos vende quentinhas no lugar, relata contente que o movimento até aumentou. “Todo mundo fica curioso, vem conhecer e acha bonito. Estou achando maravilhoso”.

Para o grafiteiro KBÇA, essa transformação do Beco além de evidenciar a arte e a cultura, proporciona relações interpessoais entre os artistas e todo mundo que está ali no Beco. “A gente chega, já faz amizade, conversa. Isso é a arte fazendo as relações e as trocas entre as pessoas acontecerem. É a arte unindo tudo”.

A necessidade de apoio

Beco da Energia

Beco da Energia. Foto: Val Silva

O trabalho desenvolvido pelos artistas pretende ser expandido para outros lugares da cidade, preenchendo o máximo de “espaço em branco” possível. Diversos outros artistas, além dos que ouvimos, estão se somando a esse projeto com a proposta de que cada um deixe sua arte e sua marca no espaço urbano de Feira de Santana. Vale lembrar que todo esse trabalho é independente, fruto da boa vontade e dos esforços de cada um, e de pequenas doações de comerciantes locais. Márcio Punk reivindica: “Precisamos de apoio financeiro para comprar o material e as tintas para pintar, fazer nossa arte e revitalizar o Beco e outros espaços de Feira de Santana”.


Sobre o (a) autor (a):