Rio Jacuípe

Roberto Mendes

Roberto Mendes faz show na Cidade da Cultura

Um dos maiores artistas que a Bahia produziu estará em Feira de Santana na próxima quinta-feira: o cantor, compositor e ativista santamarense Roberto Mendes faz show na Cidade da Cultura, um dos principais espaços culturais de Feira de Santana. Mendes apresentará um show com tema caro a Feira de Santana: “A chula do Recôncavo com o Canto do Sertão”. Situada entre o Recôncavo e o Sertão, Feira tem a oportunidade de se reconhecer na apresentação de um notável defensor do Samba da Bahia, e do Samba antes do Samba, como ele diz, se referindo à Chula. Ele caracteriza a Chula

Os protestos em Feira de Santana

Os protestos em Feira de Santana

Os protestos em Feira de Santana Milhares de manifestantes foram às ruas do centro de Feira de Santana, protestar contra os cortes de verbas da educação, anunciados pelo MEC. Bolsonaro, Rui Costa e Colbert também foram alvos das críticas. Os três chefes do executivo estavam em viagem oficial Bolsonaro nos Estados Unidos, Rui, na China e Colbert, novamente, em Brasília, para tratar de diversos assuntos, dentre os quais o Hospital da Mulher, onde em menos de uma semana 03 bebês morreram devido à grande demanda e a falta de leitos nas maternidades do município. Professores da UEFS contra os cortes

Desemprego em Feira

Emprego formal se reduz no primeiro trimestre em Feira

No primeiro trimestre de 2019 o desemprego voltou a mostrar as suas garras aqui na Feira de Santana. Foram, no saldo, 480 empregos a menos, no saldo entre admissões (8,7 mil) e demissões (9,1 mil). Os mais penalizados foram os comerciários: no saldo, enxugaram-se 162 oportunidades para esses profissionais. Alguém mais otimista pode enxergar, aí, aquele movimento natural de dispensa do excedente que foi contratado para as festas de final de ano. O preocupante, porém, é que a redução de empregos alcançou atividades que não se relacionam diretamente ao vaivém natural do comércio. É o caso da construção civil, que

Crise na Saúde de Feira de Santana

Crise na Saúde em Feira

Mães encontram dificuldades para dar à luz nos hospitais públicos de Feira de Santana No último domingo, foi comemorado o dia das mães. Porém, nem todas tiveram a razão de comemorar esse dia tão especial em Feira de Santana. Em menos de uma semana 03 bebês morreram no Hospital da Mulher, devido à grande demanda e a falta de leitos nas maternidades do município. Hospital da Mulher atende 20% acima da sua capacidade A presidente da Fundação Hospitalar de Feira de Santana, Gilberte Lucas, informou que “é inadmissível uma Maternidade Municipal que está atendendo com mais de 20% de sua

O imperdível Festival Beba a Cidade

Feira de Santana vai receber uma importante iniciativa para os apreciadores de cervejas artesanais: o Festival Beba a Cidade, organizado pela feirense Cervejaria Sertões em parceria com o Hotel Ibis/Feira. O evento contará com a presença de 7 cervejarias artesanais, a maioria delas, locais (Brassaria de Vidro, Zartchmann Bier, Dragórnia, Cervejaria Aguste, Bressy Beer, Cervejaria Sméra e Cervejaria Sertões). Além disso, haverá uma palestra sobre mercado cervejeiro (promovida por um colaborador do SEBRAE-BA), atrações musicais, lançamento de cerveja, cardápio gourmet exclusivo do Hotel Ibis, brassagem coletiva (produção de cerveja) e um #TapWall com 8 estilos de cervejas a serem comercializadas

A energia das mulheres do Beco

Nos últimos dias uma novidade tem chamado muito a atenção das pessoas em Feira de Santana, especialmente quem passa entre as Ruas Marechal Deodoro, Rua Conselheiro Franco e Beco do Mocó. É o colorido e a movimentação do Beco da Energia, um dos becos mais antigos e famosos da cidade, que fica no centro comercial e abriga diversos comerciantes, feirantes e alguns dos prostíbulos mais antigos de Feira. O Beco tem esse nome curioso não pela energia positiva de quem trabalha, passa e mora nele, mas devido a uma antiga estação de distribuição elétrica da Coelba que funcionou ali durante muitos anos.

Embora já tenha sido bastante frequentado, nas últimas décadas ele sofreu um esvaziamento, e resistiram ali seis prostíbulos dos muitos que já funcionaram. Além de explorar esse tradicional espaço de Feira de Santana, lançando um olhar sobre as cores que foram dadas às suas paredes, resolvemos descobrir as pessoas que lá transitam e habitam, e o que estão achando desse novo momento do lugar. Usaremos nomes fictícios para evitar exposições desnecessários das entrevistadas.

As mulheres do Beco da Energia

As mulheres do Beco da Energia

Mulheres no Beco da Energia. Foto: Val Silva

Dona Wanda lidera uma das casas de prostituição há mais de 15 anos, e foi parar no Beco devido às dificuldades de arrumar emprego. “Me vi com mais de 40 anos, sem conseguir emprego, aí uma colega me chamou e eu vim. Aí decidi ficar por aqui e tomar conta da casa. Aqui a gente vive, faz amizade, tem muita história. Ninguém mexe com a gente, porque se mexer com uma, mexe com todas”, diz.

Muito enfeitada e bem maquiada, Sônia Silva é de Juazeiro e está no Beco já faz mais de 10 anos. Ela começou a trabalhar em um dos prostíbulos junto com sua mãe. Mãe de nove filhos, agora espera um bebê de quatro meses. “Meus filhos, só tem uma comigo. O resto está tudo pelo mundo. É assim, a vida difícil. As vezes venho aqui no Beco ver como é que está, o que é que tem”, diz com um sorriso tímido no rosto.

Outra proprietária de uma das casas, Dona Norma, de 78 anos, disse que gostava de viver ali, e que não se preocupava sequer em pagar aposentadoria, pois tinha consciência e vontade de morrer no beco mesmo. Já Dona Wanda, diz: “quero mesmo é ir embora, meus filhos já estão criados, já tenho muito tempo aqui. Estou só esperando ajeitar a minha aposentadoria. Tenho minha casa, quero fazer outras coisas”.

A intervenção artística no Beco

O colorido do Beco partiu da ideia do artista feirense Márcio Punk. Tatuador, músico, grafiteiro, ator, produtor e púlverógrafo (produção de arte através do reaproveitamento do lixo), ele trabalha há muitos anos nas proximidades do lugar e nesse vai-e-vem diário percebeu a necessidade de revitalizar o espaço, proporcionando mais cor e melhorias. Punk, junto com outros artistas feirenses, entre eles KBÇA, Don Guto, Charles, Ivan Coelho e Gabriel Ferreira estão trazendo para o Beco diversas intervenções artísticas com o objetivo de transformá-lo em uma galeria de arte a céu aberto.

As mulheres do Beco da Energia

Mulheres no Beco da Energia. Foto: Val Silva

“Sempre tive vontade de fechar o Beco. Ele estava muito sujo e abandonado e a ideia foi realmente revitalizar esse espaço que é coração da cidade. Não tinha nem lata de lixo e já conseguimos, assim como estamos buscando a construção de um banheiro e outras melhorias”, disse Punk ao Feirenses.

As mulheres que vivem no Beco acharam muito positivas as intervenções artísticas. Dona Norma nos disse que todos os dias muita gente passa por lá querendo ver como o espaço ficou bonito. “Eu mesma estou adorando, está lindo”.

Dona Marlene, que há cinco anos vende quentinhas no lugar, relata contente que o movimento até aumentou. “Todo mundo fica curioso, vem conhecer e acha bonito. Estou achando maravilhoso”.

Para o grafiteiro KBÇA, essa transformação do Beco além de evidenciar a arte e a cultura, proporciona relações interpessoais entre os artistas e todo mundo que está ali no Beco. “A gente chega, já faz amizade, conversa. Isso é a arte fazendo as relações e as trocas entre as pessoas acontecerem. É a arte unindo tudo”.

A necessidade de apoio

Beco da Energia

Beco da Energia. Foto: Val Silva

O trabalho desenvolvido pelos artistas pretende ser expandido para outros lugares da cidade, preenchendo o máximo de “espaço em branco” possível. Diversos outros artistas, além dos que ouvimos, estão se somando a esse projeto com a proposta de que cada um deixe sua arte e sua marca no espaço urbano de Feira de Santana. Vale lembrar que todo esse trabalho é independente, fruto da boa vontade e dos esforços de cada um, e de pequenas doações de comerciantes locais. Márcio Punk reivindica: “Precisamos de apoio financeiro para comprar o material e as tintas para pintar, fazer nossa arte e revitalizar o Beco e outros espaços de Feira de Santana”.


Sobre o (a) autor (a):