As Feiras de Feira de Santana

O pintor feirense Cesar Romero

O pintor feirense Cesar Romero

Quem acompanha o cenário das artes plásticas da Bahia certamente já ouviu falar ou já se deparou com alguma obra do pintor Cesar Romero. O que nem todos sabem é que o artista plástico autor das “Faixas Emblemáticas” é feirense, nascido em 1950. “Dois fatos foram determinados em minha formação de artista plástico: a convivência com as feiras livres, sempre às segundas-feiras, em companhia do meu pai, e a criação do Museu Regional de Feira de Santana. Se eu tivesse nascido em outra cidade, muito provavelmente não haveria o artista que sou, nem esta obstinada escolha de brasilidade. Feira de

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira de Santana?

Quanto custa a Câmara de Vereadores de Feira?

A Câmara de Vereadores é uma instituição importantíssima para qualquer município. Suas cadeiras são ocupadas pelos representantes políticos mais próximos à comunidade: os vereadores, eleitos principalmente pela capacidade de interlocução e liderança em determinados bairros e comunidades. Além de levar demandas da comunidade ao Poder Executivo, mantendo diálogo permanente com secretários, superintendentes e outros gestores, o vereador deve cumprir o papel fiscalizador das ações e decisões emanadas do Prefeito. Sem falar no papel de legislador e promotor de debates sobre temas de interesse da comunidade, fazendo com que os munícipes tenham participação ativa nas políticas públicas. Quanto mais os vereadores

Colbert proíbe atividades extraescolares

Colbert proíbe atividade extraescolar nas escolas de Feira

O Prefeito Colbert Martins, desde o final de outubro de 2018, resolveu cancelar todas as atividades externas com os alunos da rede municipal de ensino. A medida foi tomada em virtude da morte do estudante que se afogou durante um passeio escolar, em um sítio localizado no bairro Conceição. O passeio fazia parte de uma atividade em comemoração ao Dia das Crianças. Datas importantes Com a medida os estudantes ficaram de fora do Natal Encantado 2018 e do desfile do dia 2 de julho no distrito de Maria Quitéria. E neste segundo semestre não vão participar (se a proibição permanecer), de

Feira na próxima década

A Feira que se deseja para a próxima década (III)

Não é de hoje que a mudança do Terminal Rodoviário da Feira de Santana é tema nas conversas de muitos feirenses. Desde o início do século, nas campanhas eleitorais, candidatos a prefeito anunciam a intenção de transferir o equipamento. Até hoje nenhum passo foi dado. Mas tudo indica que, ano que vem, mais uma vez, nas eleições municipais, a questão vai ser abordada, sobretudo nos debates em emissoras de rádio e tevê, cujo clima é adequado aos anúncios bombásticos. Há um charme transformador, futurista, visionário, ao se tratar do tema. Os candidatos a prefeito em 2020 já devem estar de

João Gilberto

Bar feirense faz homenagem a João Gilberto

No último dia 6 de julho, morreu um dos ícones da Música Popular Brasileira, o baiano e juazeirense João Gilberto. Considerado o “pai da Bossa Nova”, João foi um dos mais reconhecidos artistas brasileiros em todo o mundo. Em 2017, a revista Rolling Stones resumiu bem a inventividade de João Gilberto: “Antes de João Gilberto, o violão era o complemento para o voz. Na música do mestre da bossa, voz e violão se tornam uma única entidade. Aparentemente simples, na verdade a técnica de João exibe uma precisão matemática.”   Em uma das raras entrevistas que concedeu, na década de

3 looks na EXPOARTE do Shopping Boulevard

Estou encantadíssima com a EXPOARTE, a Feira Mundial de Artesanato que está instalada no Shopping Boulevard. Como é a última semana da feira, resolvi escrever esse texto para que vocês não percam a oportunidade de conhecer. E se já conhecem, terem a chance de se despedir.

A EXPOARTE é uma feira itinerante que nasceu há, mais ou menos, 1 ano e meio e circula pelos shoppings do Brasil. Ela não é uma feira qualquer. É especial, porque traz não apenas peças para serem comercializadas, mas a cultura de diversos países através das mãos e do olhar dos artesãos que nos dão a oportunidade de conhecer um pouquinho desses mundos e, claro, ver e adquirir peças únicas que transmitem a história e a identidade de cada povo e de cada lugar. Peças cheias de encanto tanto para o seu guarda roupa quanto para a sua casa, uma vez que moda não se restringe apenas a roupas e acessórios.

Adentro o ambiente e logo descubro a multissensorialidade dessa feira, a começar por sentir um perfume no ar que me levou até o Chile, muito bem representado pelas suas flores de madeira. Além de lindíssimas, elas têm tamanhos e cores variadas e exalam um perfume delicioso. A Jussara (responsável por esse stand) me explicou que basta que se coloque nelas uma essência, pois, por serem de madeira, as flores absorvem e exalam o perfume. Não é formidável ter um arranjo que, além de enfeitar, ainda perfuma o seu ambiente?

Continuo a minha viagem multissensorial e chego ao Brasil. Esse stand aguçou meu paladar! Não resisti à degustação de queijos e vinhos. Fechei meus olhos e, por um momento, pensei estar em alguma vinícola nos pampas gaúchos. Esse é um stand que vai deixar saudades.

Meu tato se aguça quando passo pela Turquia, literalmente ver com as mãos foi o que eu fiz. As peças de cerâmica pintadas à mão, com características de autorrelevo. As toalhas de mesa e capas de almofadas mais parecem ter saído de alguma maison de alta costura, pois seus tecidos remetem a vestidos de noiva, tamanho é o bom gosto e a delicadeza. Pedrarias, miçangas e pérolas bordadas em diversos tecidos como linho, organza, seda, tule, renda, cetim, dentre outros.

Meus olhos se encantaram com o brilho dos acessórios da Bolívia. Anéis, pulseiras, braceletes, brincos, colares, todos feitos à mão, com vidrilhos, miçangas e pedrarias de cores e formas variadas.

“Quando me dei conta já estava no Paquistão e em Dubai”

Ainda envolvida pelo brilho fui atraída por uma infinidade de pulseiras douradas, um luxo só! Quando me dei conta já estava no Paquistão e em Dubai, verdadeira riqueza de detalhes, tanto nas bolsas de tecidos coloridos, com diversos tipos de aplicações e bordados, quanto nas rasteirinhas, todas bordadas à mão.

Mais adiante conheço o stand da Sheila, com seus turbantes no estilo europeu, simplesmente “baphônicos”!!!

Foi finalizando o meu tour pela África e Ásia, que surgiu a inspiração para fazer os looks deste post. No stand do Senegal, um simpaticíssimo senegalês chamado Amadu, mais conhecido como Dudu, me recebeu e foi me informando sobre suas peças. Batas, calças e camisas com estampas típicas produzidas em várias técnicas, dentre elas o tie dye e o batik. Para quem gosta do desafio da modelagem, há tecidos vendidos a metro. Acessórios e máscaras também fazem parte do seu acervo.

E, por fim, minha jornada chegou à Índia. Fiquei maravilhada com tantas opções de colchas, pashminas, lenços, capas de almofadas, mantas, porta-joias e objetos de decoração. O cheiro de incenso e a música ao fundo complementavam aquele cenário que me transportava a alguma casa hindu em Nova Delhi.

Aí vão looks feitos com peças da feira, feitos com muito carinho para vocês, leitoras, se inspirarem neste universo étnico.

Namastê!

Look #1:

Expoarte Boulevard Shopping

Bracelete: Bolívia

Calça: Senegal

Flores: Chile

Look #2:

Expoarte Boulevard Shopping

Brincos: Bolívia

Pashmina: Índia

Calça: Senegal

Pulseiras e sandália: Paquistão e Dubai

Look #3:

Expoarte Boulevard Shopping

Turbante: Itália

T-shirt: Senegal

Brincos e braceletes: Bolívia


Modelo: Thaise Felix

Fotos: Ena Lélis

Cinto (look 2), Short (look 3): Moda Mix. Singelos agradecimentos à Moda Mix, pela recepção e apoio.


Sobre o (a) autor (a):