As Feiras de Feira de Santana

Roça Sound

Roça Sound expõe a Feira de Santana clandestina

Saiu o novo clipe do Roça Sound, uma interpretação audiovisual apurada da música “Verde e Cinza”, que compõe o álbum “Tabaréu Moderno”, o mais recente do grupo. A música e o clipe integram uma das mais importantes obras contemporâneas de interpretação de Feira de Santana e sua cultura. “Verde e Cinza”, já no título, denuncia essa cidade contraditória, que vive entre uma tradição rural, feirante, e uma sanha modernizante expressa nas obras cheias de concreto e vazias de humanidade. Mas não para por aí, afinal, Clóvis Ramaiana já notou e denunciou isso há muito. A canção expõe a visceral clandestinidade

Cooperativas em Feira de Santana

Cooperativas com os dias contados em Feira de Santana

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) exigiram que a Prefeitura Municipal de Feira de Santana não faça mais contratações de servidores através de cooperativas. Novas Contratações Colbert Martins disse ao Acorda Cidade que as contratações só poderão ocorrer via Organização Social (OS), seleção pública (Reda) ou concurso público. Ao atender essa recomendação, é provável que aumente o número de processos seletivos para contrações temporárias. Fim das indicações políticas Infelizmente, com o fim das contratações via cooperativas, não é certo de que acabem também as indicações políticas. A contratação de Organização Social permite

Vai ter Feira Noise Festival em 2020

O Feira Coletivo Cultural e a Banana Atômica realizaram no último final de semana, em Feira de Santana (BA), uma edição histórica em comemoração aos 10 anos de existência do Feira Noise Festival. O evento aconteceu entre os dias 22 a 24, no Ária Hall, reforçando sua importância para a consolidação da cena local, além de manter Feira de Santana na rota de circulação de bandas e artistas independentes. Ao todo, 33 atrações se revezaram entre os palcos Banana Atômica e Budweiser, sendo 13 delas de Feira de Santana. Importantes nomes da música brasileira contemporânea como Supercombo, Francisco El Hombre, Black Pantera, Potyguara Bardo,

O fenômeno flamenguista em Feira de Santana

Na manhã dessa segunda-feira, a Praça da Bandeira foi a arena onde se discutiu sobre o mais importante e popular time de futebol brasileiro. — É óbvio que o Bahia é de mais importância. O Brasil nasceu onde? Se é aqui o início do Brasil, o Bahia é o time do nosso povo, defendia Papinho, torcedor patológico do Bahia. — O Flamengo, companheiro, é o time das massas, o time rubro, castanho, caboclo, representando os índios, e negro, quilombola, africano, representando o povo escravizado, proclamava Seu Teófilo, tomando caldo de cana para curar a ressaca da comemoração dos dois títulos

Roça Sound

“Tabaréu Moderno”, o novo álbum do Roça Sound

“Tabaréu Moderno” é o terceiro disco do grupo Roça Sound. Lançado no último dia 15 de novembro, o novo álbum estava sendo esperado pelo público que acompanha o trabalho dos feirenses desde “Você Aguenta Quantos Rounds?”, de 2014. Formado por NickAmaro (DJ/ MC), Paulo Bala (MC), Dom Maths (MC) e o dançarino Edy Murphy, o Roça Sound explora sonoridades que vão desde a Cultura Nordestina, Rap, Dembow, Reggae, e o DanceHall, tendo o suingue como sua marca principal. Em “Tabaréu Moderno”, trazem nove faixas autorais e inéditas, com as participações da Orquestra Reggae de Cachoeira, Quixabeira da Matinha, Bel da

3 looks na EXPOARTE do Shopping Boulevard

Estou encantadíssima com a EXPOARTE, a Feira Mundial de Artesanato que está instalada no Shopping Boulevard. Como é a última semana da feira, resolvi escrever esse texto para que vocês não percam a oportunidade de conhecer. E se já conhecem, terem a chance de se despedir.

A EXPOARTE é uma feira itinerante que nasceu há, mais ou menos, 1 ano e meio e circula pelos shoppings do Brasil. Ela não é uma feira qualquer. É especial, porque traz não apenas peças para serem comercializadas, mas a cultura de diversos países através das mãos e do olhar dos artesãos que nos dão a oportunidade de conhecer um pouquinho desses mundos e, claro, ver e adquirir peças únicas que transmitem a história e a identidade de cada povo e de cada lugar. Peças cheias de encanto tanto para o seu guarda roupa quanto para a sua casa, uma vez que moda não se restringe apenas a roupas e acessórios.

Adentro o ambiente e logo descubro a multissensorialidade dessa feira, a começar por sentir um perfume no ar que me levou até o Chile, muito bem representado pelas suas flores de madeira. Além de lindíssimas, elas têm tamanhos e cores variadas e exalam um perfume delicioso. A Jussara (responsável por esse stand) me explicou que basta que se coloque nelas uma essência, pois, por serem de madeira, as flores absorvem e exalam o perfume. Não é formidável ter um arranjo que, além de enfeitar, ainda perfuma o seu ambiente?

Continuo a minha viagem multissensorial e chego ao Brasil. Esse stand aguçou meu paladar! Não resisti à degustação de queijos e vinhos. Fechei meus olhos e, por um momento, pensei estar em alguma vinícola nos pampas gaúchos. Esse é um stand que vai deixar saudades.

Meu tato se aguça quando passo pela Turquia, literalmente ver com as mãos foi o que eu fiz. As peças de cerâmica pintadas à mão, com características de autorrelevo. As toalhas de mesa e capas de almofadas mais parecem ter saído de alguma maison de alta costura, pois seus tecidos remetem a vestidos de noiva, tamanho é o bom gosto e a delicadeza. Pedrarias, miçangas e pérolas bordadas em diversos tecidos como linho, organza, seda, tule, renda, cetim, dentre outros.

Meus olhos se encantaram com o brilho dos acessórios da Bolívia. Anéis, pulseiras, braceletes, brincos, colares, todos feitos à mão, com vidrilhos, miçangas e pedrarias de cores e formas variadas.

“Quando me dei conta já estava no Paquistão e em Dubai”

Ainda envolvida pelo brilho fui atraída por uma infinidade de pulseiras douradas, um luxo só! Quando me dei conta já estava no Paquistão e em Dubai, verdadeira riqueza de detalhes, tanto nas bolsas de tecidos coloridos, com diversos tipos de aplicações e bordados, quanto nas rasteirinhas, todas bordadas à mão.

Mais adiante conheço o stand da Sheila, com seus turbantes no estilo europeu, simplesmente “baphônicos”!!!

Foi finalizando o meu tour pela África e Ásia, que surgiu a inspiração para fazer os looks deste post. No stand do Senegal, um simpaticíssimo senegalês chamado Amadu, mais conhecido como Dudu, me recebeu e foi me informando sobre suas peças. Batas, calças e camisas com estampas típicas produzidas em várias técnicas, dentre elas o tie dye e o batik. Para quem gosta do desafio da modelagem, há tecidos vendidos a metro. Acessórios e máscaras também fazem parte do seu acervo.

E, por fim, minha jornada chegou à Índia. Fiquei maravilhada com tantas opções de colchas, pashminas, lenços, capas de almofadas, mantas, porta-joias e objetos de decoração. O cheiro de incenso e a música ao fundo complementavam aquele cenário que me transportava a alguma casa hindu em Nova Delhi.

Aí vão looks feitos com peças da feira, feitos com muito carinho para vocês, leitoras, se inspirarem neste universo étnico.

Namastê!

Look #1:

Expoarte Boulevard Shopping

Bracelete: Bolívia

Calça: Senegal

Flores: Chile

Look #2:

Expoarte Boulevard Shopping

Brincos: Bolívia

Pashmina: Índia

Calça: Senegal

Pulseiras e sandália: Paquistão e Dubai

Look #3:

Expoarte Boulevard Shopping

Turbante: Itália

T-shirt: Senegal

Brincos e braceletes: Bolívia


Modelo: Thaise Felix

Fotos: Ena Lélis

Cinto (look 2), Short (look 3): Moda Mix. Singelos agradecimentos à Moda Mix, pela recepção e apoio.


Sobre o (a) autor (a):