Rio Jacuípe

Feira no ranking da Transparência

Feira (A)notada: Feira vai mal em ranking da transparência – e outras notas

Feira ocupa a 387ª posição em ranking nacional de transparência O Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU) divulgaram, na última quarta-feira (12), o resultado da Escala Brasil Transparente (EBT) – Avaliação 360°. Feira de Santana ocupa a 387ª posição. Salvador ficou na 168ª colocação. Vitória da Conquista, na 4ª posição, foi a cidade baiana mais bem colocada. No total foram avaliados 665 municípios e 27 estados. MP Eleitoral move ação contra a diplomação de Targino Machado O deputado estadual Targino Machado é alvo de ação de investigação judicial pelo Ministério Público (MP) Eleitoral. O parlamentar participou da cerimônia de

São José das Itapororocas (Maria Quitéria): passado e presente

Os mitos fundacionais de uma cidade/civilização são sempre cercados de muitos personagens, estórias, acontecimentos, perseguições, guerras e muitas reviravoltas. No caso dos mitos fundacionais das cidades brasileiras quase todos são contados levando como ponto de partida a chegada do colonizador, a expulsão dos povos indígenas nativos e a construção de igrejas, estradas, fortes e pequenas povoações. O mito fundacional comumente conhecido da cidade de Feira de Santana é aquele ligado à história da doação das terras para a construção da capela em devoção à Sant’Ana no Alto da Boa Vista, por Domingos Barbosa de Araújo e sua esposa Ana Brandão,

Pá Rua?

Pá Rua?

Outro dia, peguei Robson. Não exatamente “peguei”, no sentido em que vossas consagradas cabeças maliciosas estão pensando. Eu não botei minha língua na boca dele. Robson é ligeirinho. Eu usufrui de seus serviços clandestinos de transporte alternativo. É sempre uma viagem andar com Robson. Porque ele é o mais atípico dos ligeirinhos. É o mais lento, mas o mais organizado. Ele transforma um Fox em minivan e leva 70 pessoas — confortavelmente. Para honra e glória de Oxalá, eu fui na frente. Sozinho. Uma raridade, às 7 da manhã no Parque Lagoa Subaé. Meu bairro não é dos mais populosos,

Rua Marechal em mão única

Feira (A)notada: Marechal em mão única e novidade na Câmara

Lulinha entrega o cargo de Líder do Governo Após alguns colegas vereadores manifestarem a insatisfação com o líder do governo na Câmara Municipal de Feira de Santana, o vereador Luís Augusto (Lulinha), do DEM, entregou o cargo durante discurso na Sessão desta terça-feira (11). 10 anos do Museu Parque do Saber No próximo dia 15 de dezembro, o Museu Parque do Saber Dival da Silva Pitombo estará completando uma década de existência. E, para comemorar, foi realizada na terça-feira (11) uma homenagem especial a todos os envolvidos com o projeto inicial. O evento contou com as presenças do prefeito Colbert

Tourinho Candidato

Tourinho candidato, cubanização de assessores e toma lá da cá

Tourinho Candidato Surgiu mais um nome interessado no Paço Municipal em 2020. O vereador Roberto Tourinho, atualmente filiado ao PV, confirmou ao site Acorda Cidade que tem discutido o assunto.  Com sete mandatos, Tourinho é um dos políticos mais respeitados de Feira de Santana e filho de um ex-prefeito, o advogado José Falcão da Silva, que morreu durante o exercício do mandato. Ele se junta a nomes como Fernando Torres, Zé Neto, Zé Chico, Colbert Filho, Angelo Almeida, Carlos Geilson e Targino Machado que também se movimentam para disputar a prefeitura feirense. Toma lá dá cá Ao colocar o cargo

O ranking do ENEM e o mérito de 3 escolas públicas feirenses

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas – INEP divulgou o desempenho das escolas brasileiras na edição 2014 do Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM. Não é surpreendente pra mim nem pra você que escolas privadas ocupem as primeiras posições. Não é surpreendente, sobretudo, para o Ministro da Educação, Renato Janine, que aponta o fator socioeconômico como sendo o “mais cruel” de toda essa análise. Segundo ele, além deste, os outros fatores são o tamanho da escola (e a tendência à seleção dos alunos) e o grau de permanência do aluno na escola.

Aqui, não vou focar nas escolas particulares. O motivo eu acabei de dizer e é bem óbvio. O nível socioeconômico e cultural das famílias é uma mola para muitas escolas. É um fator externo que invade esses espaços. Negativa e positivamente. Mas não vou omitir as honras às escolas privadas feirenses que ficaram acima da média nacional (517,60):

1º – Colégio Helyos

2º – Colégio Acesso

3º – Colégio Gênesis

4º – Colégio Nobre

5º – Colégio Santo Antônio

6º – Escola Castro Alves

7º – Colégio Visão

8º – Colégio Padre Ovídio

9º – Colégio Anísio Teixeira

10º – Colégio Intelecto

11º – Colégio Simétrico

12º – Colégio Super Star

13º – Colégio Interação

Como meu avô dizia, “Não existe escola ruim para aluno bom”. Concordo até certo ponto. Aluno bom precisa de incentivo, de estímulo, de desafios. Retifico, aliás, minhas próprias palavras: todo aluno precisa de incentivo, estímulo e desafios. Não apenas os “bons”. Aluno bom é aluno impulsionado. Os profissionais do ensino público sabem que existem inúmeros motivos para eles mesmos se sentirem pouco tudo isso. Imagine quando falamos de adolescentes (faixa etária do Ensino Médio, segmento analisado pelo ENEM).

Os outros dois fatores considerados por Renato Janine foram o tamanho da escola e o grau de permanência dos alunos nesse espaço (este índice é inédito na edição 2014). Escolas menores tendem a reunir alunos mais preparados, uma vez que, muitas delas, realizam uma pré-seleção dos que ali vão ingressar. Ou seja, constroem um nicho de estudantes com mais “competências”. O que se torna fácil ocupar melhores posições. O fator “permanência” trata da quantidade (percentual) de alunos que fizeram o Exame e que estudaram os três anos do Ensino Médio na mesma escola. Escolas com menor percentual denunciam que pode ter havido, segundo o ministro, uma saída de alunos menos preparados e/ou uma entrada de alunos mais qualificados. O que altera a forma e não a realidade.

“É o aluno da Av. Paulista (onde fica o colégio que ocupa o 1º lugar geral e que foca em estudantes campeões de olimpíadas de conhecimento) competindo com o aluno da periferia de Feira de Santana”

O fato é que o ranking lida com contextos completamente diferentes. Escolas e alunos com realidades completamente distintas. É o aluno da Av. Paulista (onde fica o colégio que ocupa o 1º lugar geral e que foca em estudantes campeões de olimpíadas de conhecimento) competindo com o aluno da periferia de Feira de Santana (e de cidades muito menores e com bem menos recursos). Sem falar que, entre as escolas públicas, as federais recebem mais incentivos que as estaduais e as municipais. Essa disparidade é claramente reconhecida pelo presidente do INEP, Francisco Soares, quando ele diz que a comparação escolar do ranking do ENEM é como pôr Ronda Rousey pra lutar com Rodrigo Minotauro. Eu, sinceramente, acho que seria ainda mais estapafúrdio: seria pôr Rodrigo Minotauro pra lutar com Daniele Hypolito. O que quero dizer é que ambos são completamente capazes de apreender conhecimento, de enriquecer habilidades. Mas estão em “modalidades” completamente distintas.

Mais sóbria é a colocação de Renato Janine, ao dizer que “melhor desempenho não é você receber um aluno com nota 500 e formá-lo com nota 600. O melhor desempenho talvez seja você recebê-lo com nota 200 e dar um resultado 400. Você terá dobrado e você terá aumentado em 200 pontos lineares esse aluno. Ainda assim, com 400 ele vai estar aquém de muitos outros de outras escolas. Mas o trabalho dessa escola terá sido notável e essa escola merece realmente um caráter exemplar”.

Aqui, não nego que parabenizo com maior entusiasmo três colégios feirenses públicos que romperam muitos “poréns” e ficaram acima da média nacional:

1º – Instituto Federal da Bahia – IFBA Campus Feira de Santana

2º – Colégio da Polícia Militar CPM Diva Portela

3º – Colégio Modelo Luís Eduardo Magalhães (o 1º colocado entre todos os Colégio Modelo baianos)

Escolas Feirenses no ENEM

O ranking ENEM é apenas um termômetro, como bem reconhecido por Janine. Que pode e deve servir como instrumento de empoderamento para que as famílias (e os próprios alunos) cobrem e façam essa temperatura subir.


Sobre o (a) autor (a):