As Feiras de Feira de Santana

3 Peças de Teatro em setembro

3 peças teatrais imperdíveis que estarão em Feira em setembro

A cena teatral em Feira de Santana é intensa e fértil, com a produção de muitos espetáculos de repercussão e visibilidade nacional, além da recepção de peças de outras partes do país que encontram na cidade acolhimento para suas apresentações. Só para tomar um exemplo, em Feira ocorre um dos maiores festivais de teatro infantil do Brasil – o FENATIFS, que já está organizando sua 12ª edição para 2019. Nesse mês de setembro de 2019, o feirense terá a oportunidade de preencher sua programação com três espetáculos de muita qualidade, abordando a vida de figuras de relevância histórica: a pintora

Augusto Aras e Feira de Santana

A relação do Procurador de Bolsonaro com Feira de Santana

Quem acompanha o noticiário político nacional tem visto o debate em torno da indicação de Antônio Augusto Brandão de Aras para o cargo de Procurador Geral da República, feita pelo presidente Jair Bolsonaro. O que poucos feirenses sabem, entretanto, é que Augusto Aras tem íntima relação com Feira de Santana. Augusto é filho do ex-vereador Roque Aras, que exerceu o mandato na Câmara Municipal feirense entre 1971 e 1975 pelo MDB – partido que fazia oposição ao Regime Militar à época. Roque Aras foi também Deputado Estadual (1975-1979) e Deputado Federal (1979-1983). De acordo com o jornalista Dimas Oliveira, Augusto

Podcast para quem merece

O irreverente “Podcast para quem merece”

É crescente a quantidade de pessoas que consome conteúdo em áudio, no Brasil e no exterior. Dos áudiolivros aos podcasts, muitos usuários aproveitam os momentos de ócio em filas, no transporte ou mesmo nas tarefas domésticas para ouvir notícias, debates, aulas etc. A Rede Globo, por exemplo, percebeu a tendência, e lançou recentemente vários podcasts para sua audiência. Um podcast é como se fosse um programa de rádio, mas não é: em vez de ter uma hora certa para ir ao ar, pode ser ouvido quando e onde o usuário quiser. E em vez de sintonizar numa estação de rádio,

Escola Municipal Maria Andiara Silva Souza

A (falta de) estrutura de uma escola em Jaguara

A diretora da APLB/Feira, professora Marlede Oliveira, visitou na última quarta-feira (4), a Escola Municipal Maria Andiara Silva Souza que fica localizada no Povoado da Barra no Distrito de Jaguara. Na escola foi constatado que: A Escola funciona com apenas duas salas de aula e uma professora para lecionar Infantil, 1° ano, 2° ano, 3° ano, 4º ano e o 5° ano; A professora não tem Reserva de 1/3 da Carga Horária; A Escola não tem Internet nem Coordenador Pedagógico. Metas do IDEB Desde 2011, Feira não atinge as metas do Ideb para os anos iniciais do Ensino Fundamental. O

“não é pressa, é saudade dela”

“Não é pressa, é saudade dela”

No auge da minha adolescência – nem faz muito tempo assim – eu tinha uma vontade: viajar por aí de caminhão. Pegar umas caronas com os caminhoneiros e partir sem um rumo certo. Apenas vivendo um momento de cada vez, em cada rodovia e estrada desse nosso tão grande país. Mas a vida adulta chega trazendo responsabilidades e os anseios por aventuras adormecem um pouco. Enquanto lembrava disso, percebi que a figura do caminhoneiro é um tanto fascinante… Observe que todos os meus anseios da adolescência é algo rotineiro para eles. Os caras não param, vivem o momento seja lá

O ranking do ENEM e o mérito de 3 escolas públicas feirenses

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas – INEP divulgou o desempenho das escolas brasileiras na edição 2014 do Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM. Não é surpreendente pra mim nem pra você que escolas privadas ocupem as primeiras posições. Não é surpreendente, sobretudo, para o Ministro da Educação, Renato Janine, que aponta o fator socioeconômico como sendo o “mais cruel” de toda essa análise. Segundo ele, além deste, os outros fatores são o tamanho da escola (e a tendência à seleção dos alunos) e o grau de permanência do aluno na escola.

Aqui, não vou focar nas escolas particulares. O motivo eu acabei de dizer e é bem óbvio. O nível socioeconômico e cultural das famílias é uma mola para muitas escolas. É um fator externo que invade esses espaços. Negativa e positivamente. Mas não vou omitir as honras às escolas privadas feirenses que ficaram acima da média nacional (517,60):

1º – Colégio Helyos

2º – Colégio Acesso

3º – Colégio Gênesis

4º – Colégio Nobre

5º – Colégio Santo Antônio

6º – Escola Castro Alves

7º – Colégio Visão

8º – Colégio Padre Ovídio

9º – Colégio Anísio Teixeira

10º – Colégio Intelecto

11º – Colégio Simétrico

12º – Colégio Super Star

13º – Colégio Interação

Como meu avô dizia, “Não existe escola ruim para aluno bom”. Concordo até certo ponto. Aluno bom precisa de incentivo, de estímulo, de desafios. Retifico, aliás, minhas próprias palavras: todo aluno precisa de incentivo, estímulo e desafios. Não apenas os “bons”. Aluno bom é aluno impulsionado. Os profissionais do ensino público sabem que existem inúmeros motivos para eles mesmos se sentirem pouco tudo isso. Imagine quando falamos de adolescentes (faixa etária do Ensino Médio, segmento analisado pelo ENEM).

Os outros dois fatores considerados por Renato Janine foram o tamanho da escola e o grau de permanência dos alunos nesse espaço (este índice é inédito na edição 2014). Escolas menores tendem a reunir alunos mais preparados, uma vez que, muitas delas, realizam uma pré-seleção dos que ali vão ingressar. Ou seja, constroem um nicho de estudantes com mais “competências”. O que se torna fácil ocupar melhores posições. O fator “permanência” trata da quantidade (percentual) de alunos que fizeram o Exame e que estudaram os três anos do Ensino Médio na mesma escola. Escolas com menor percentual denunciam que pode ter havido, segundo o ministro, uma saída de alunos menos preparados e/ou uma entrada de alunos mais qualificados. O que altera a forma e não a realidade.

“É o aluno da Av. Paulista (onde fica o colégio que ocupa o 1º lugar geral e que foca em estudantes campeões de olimpíadas de conhecimento) competindo com o aluno da periferia de Feira de Santana”

O fato é que o ranking lida com contextos completamente diferentes. Escolas e alunos com realidades completamente distintas. É o aluno da Av. Paulista (onde fica o colégio que ocupa o 1º lugar geral e que foca em estudantes campeões de olimpíadas de conhecimento) competindo com o aluno da periferia de Feira de Santana (e de cidades muito menores e com bem menos recursos). Sem falar que, entre as escolas públicas, as federais recebem mais incentivos que as estaduais e as municipais. Essa disparidade é claramente reconhecida pelo presidente do INEP, Francisco Soares, quando ele diz que a comparação escolar do ranking do ENEM é como pôr Ronda Rousey pra lutar com Rodrigo Minotauro. Eu, sinceramente, acho que seria ainda mais estapafúrdio: seria pôr Rodrigo Minotauro pra lutar com Daniele Hypolito. O que quero dizer é que ambos são completamente capazes de apreender conhecimento, de enriquecer habilidades. Mas estão em “modalidades” completamente distintas.

Mais sóbria é a colocação de Renato Janine, ao dizer que “melhor desempenho não é você receber um aluno com nota 500 e formá-lo com nota 600. O melhor desempenho talvez seja você recebê-lo com nota 200 e dar um resultado 400. Você terá dobrado e você terá aumentado em 200 pontos lineares esse aluno. Ainda assim, com 400 ele vai estar aquém de muitos outros de outras escolas. Mas o trabalho dessa escola terá sido notável e essa escola merece realmente um caráter exemplar”.

Aqui, não nego que parabenizo com maior entusiasmo três colégios feirenses públicos que romperam muitos “poréns” e ficaram acima da média nacional:

1º – Instituto Federal da Bahia – IFBA Campus Feira de Santana

2º – Colégio da Polícia Militar CPM Diva Portela

3º – Colégio Modelo Luís Eduardo Magalhães (o 1º colocado entre todos os Colégio Modelo baianos)

Escolas Feirenses no ENEM

O ranking ENEM é apenas um termômetro, como bem reconhecido por Janine. Que pode e deve servir como instrumento de empoderamento para que as famílias (e os próprios alunos) cobrem e façam essa temperatura subir.


Sobre o (a) autor (a):