A música regional do nordeste em 5 discos dos anos 1970

Que os anos de 1970 foram, de modo geral, bastante conturbados, isso não é novidade para ninguém, todavia, poucas épocas nos deixaram um legado de diversidade musical tão grande. Seja com o fim do classic rock ou com o nascimento da discoteca, da incorporação de instrumentos eruditos ao rock’n’roll, à revitalização do samba carioca, ambos iniciados no final dos anos 60, a década de 70 também se responsabilizou por muitos outros “resgates”, entre eles, o da música nordestina. Na segunda metade da década de 70, muitos artistas surgiram com a proposta de trazer de volta o que havia de mais

Quando Luiz Gonzaga vinha a Feira de Santana

De acordo com relatos de fontes diversas, sabe-se que Luiz Gonzaga, o Gonzagão, ícone maior da música nordestina, esteve algumas vezes da sua extensa carreira em Feira de Santana. O jornalista e colecionador de reminiscências feirenses Adilson Simas é uma das fontes mais confiáveis nesse sentido, lembrando uma das ocasiões em que o Rei do Baião pisou em terras feirenses: “Em 1973, ano do seu centenário de emancipação política, a Feira de Santana, de janeiro a dezembro, recebeu grandes personalidades. Luiz Gonzaga, mais tarde laureado com o título de Cidadão Feirense e que aqui fez várias apresentações, desde a marquise

Estacionamento de motos em Feira de Santana

A nova regra para motos em estacionamentos privados de Feira

Os proprietários de motocicletas em Feira de Santana não precisarão pagar o mesmo valor dos carros quando forem utilizar  estacionamentos privados no município. Foi publicada uma Lei Municipal regulamentando a situação no Diário Oficial do Município. Veja a Lei na íntegra: Dispõe sobre os critérios de diferentes taxas cobradas em estacionamentos privativos para motocicletas e automóveis. O PREFEITO MUNICIPAL DE FEIRA DE SANTANA, ESTADO DA BAHIA, FAÇO saber que a Câmara Municipal, através do Projeto de Lei nº 16/2017, de autoria do Edil Ewerton Carneiro da Costa, decretou e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º – Fica posto em

Neném do Acordeon

Neném do Acordeon: em defesa da sanfona [Feirenses TV]

Os festejos juninos são o principal marco de celebração da cultura nordestina, momento em que todos os elementos típicos do espírito e da geografia do Nordeste se manifestam na culinária, no entretenimento, nas vestimentas e na música. Nesse sentido, é impossível falar desse momento cultural sem considerar a importância e o protagonismo do forró, em suas mais diversas expressões. E falar em forró exige lembrar de Luiz Gonzaga, que popularizou o xote, o xaxado e o baião pelo Brasil e pelo mundo. Por isso trazemos à Feirenses TV um dos principais defensores da tradição da genuína música nordestina, inspirada no

Tripa frita - Seu Dino

Seu Dino do Módulo 8, no Feira VI – Locais para comer tripa em Feira

Apesar de já ter feito, em outra oportunidade, um artigo indicando alguns lugares para comer tripa na cidade, pude perceber ao longo do tempo que, apesar de não parecer, ela está entre um dos tira-gostos mais pedidos nos bares da região. Somando isso com toda a representatividade regional e peculiaridade do prato, vamos dar continuidade à indicação de lugares pra comer tripa em Feira de Santana. Seu Dino do Módulo 8 – Feira VI O Módulo 8, é um conjunto de bares pequenos que ficam próximo ao portão lateral da UEFS, dando a ideia de continuidade, já que a universidade tem

Vitorino Campos: o estilista feirense reconhecido internacionalmente

As famosas Flávia Alessandra e Fernanda Paes Leme são apenas duas das famosas que aderiram ao trabalho do estilista feirense Vitorino Campos, de 30 anos, considerado um dos grandes talentos jovens da moda brasileira. Aos 25 anos ele fez seu primeiro desfile na São Paulo Fashion Week, em 2012, e de lá pra cá vem assumindo destaque progressivo no mundo da moda.

“Morei em Feira até meus 18 anos, quando fui estudar moda em Salvador. Lembro dos bons amigos que tinha no colégio e sinto muita saudade dessa época”, disse ele em entrevista ao Feirenses. Vitorino graduou-se em Design de Moda pela Universidade Salvador (UNIFACS) e criou sua marca homônima já em 2008. Mas foi em Feira que surgiu sua grande inspiração para trabalhar com moda: “fui criado entre o ateliê da minha tia e a fábrica de fardamentos da minha mãe, cresci rodeado por tecidos e aviamentos”.

Fernanda Paes Leme

Fernanda Paes Leme vestindo Vitorino Campos no Festival de Cannes

Em 2016, Vitorino recebeu prêmio de estilista do ano pela Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA), na primeira vez em que a Associação passou a incluir Moda como em suas premiações. Perguntado sobre o que considera destaque em seu trabalho, Vitorino considera “o acabamento das peças e a qualidade da matéria-prima. Gosto do bom corte e da roupa bem feita. Uma base que se integra à peça para que haja uma conexão com quem veste e o que se está vestindo”.

Veja o desfile de Vitorino Campos na última São Paulo Fashion Week (coleção outono/inverno):

 

No vídeo a seguir, gravado em 2015, ele fala para a Vogue Brasil sobre a inspiração para uma de suas coleções:

Parte da família de Vitorino Campos ainda reside em Feira de Santana, mas já faz alguns anos que ele não visita a cidade: “por conta do tempo corrido, já fazem 5 anos que não visito a cidade. Hoje meus pais e parte da família moram em Salvador, por isso acabo indo com mais frequência para lá”.

Aos feirenses que desejam seguir a trajetória de Vitorino, ele dá alguns alertas: “é uma carreira que exige muito estudo e esforço. Tem que realmente gostar do que faz, pois a dedicação precisa ser integral”.

Vitorino Campos está no Facebook e no Instagram!


Sobre o (a) autor (a):