Santini & Trio

Santini & Trio vence o Prêmio Caymmi de Música

Feira de Santana foi destacada no Prêmio Caymmi de música, que pode ser considerada a principal premiação da música baiana na atualidade. Concorrendo com iniciativas musicais de todo o estado, o grupo feirense Santini & Trio foi vencedor na categoria “Melhor Banda”. O prêmio de melhor instrumentista também veio para Feira de Santana, entregue ao baterista Flaviano Gallo (integrante do Santini & Trio).   Integram o grupo o guitarrista Rony Santini, o baterista Flaviano Gallo, o pianista e acordeonista Rogério Ferrer e o baixista Anderson Silva.   Um orgulho para quem é feirense e (re)conhece a qualidade da nossa música

Justiniano entra com Mandado de Segurança contra José Ronaldo

Está no portal do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) um pedido de Mandado de Segurança impetrado pelo vereador eleito e atual secretário de Serviços Públicos da Prefeitura Municipal de Feira de Santana, Justiniano França. Justiniano, através da advogada Lady Daiane da Silva, alega ter pedido exoneração do cargo, tendo sido a solicitação indeferida pela Prefeito Municipal José Ronaldo. O pedido de liminar já foi julgado pelo Juiz Gustavo Rubens Hungria, que deu o prazo de 5 dias para que o Prefeito exonere o Secretário, sob pena de multa de R$1.000,00 mil reais: Veja aqui a decisão na íntegra! Fontes

Estrada Feira-Serrinha

Viagem entre Feira e Serrinha segue como calvário

Apenas 65 quilômetros separam Feira de Santana de Serrinha através da BR 116 Norte. O intercâmbio entre as duas cidades é intenso: muita gente sai daquela cidade para fazer compras e acessar serviços por aqui, em função dos preços mais em conta; outros buscam atendimento especializado na área de saúde; há aqueles que residem numa cidade e trabalham na outra, robustecendo o fluxo entre as duas localidades; estudantes de Serrinha são alunos da Uefs e de outras instituições de ensino superior feirenses; e não falta quem resida na Feira de Santana, mas frequente o campus da Uneb lá em Serrinha,

Meia Noite em Feira

Meia noite em Paris Feira

Meia-Noite em Paris é uma das obras primas do mestre Woody Allen. Como de costume, ele narra sobre a vida. Logo após a projeção ficamos com aquele ar de reflexão sobre onde nos encontramos no momento, se gostamos do jeito que estamos vivendo, como nos relacionamos e como devemos encarar algumas realidades. Em certo momento do longa, o personagem Gil (Owen Wilson) faz a seguinte pergunta: “Como esta cidade pode ser tão mágica?”. Gil se encanta por Paris. Enxerga o que aquela cidade pode oferecer. Se sente bem ali, absorve inspiração para seus projetos e o faz refletir, repetidamente, se

Neblina em Feira de Santana

Densos nevoeiros nas manhãs feirenses de inverno

Os dias começam a ficar mais quentes na Feira de Santana. As baixas temperaturas registradas entre junho e julho – coisa rara nesses tempos de tanta discussão sobre aquecimento global – parece que não vão se repetir até o final do inverno. E ontem a serra de São José, envolta em frequentes chuviscos prateados e em névoa constante desde o início do inverno, amanheceu muito nítida, com o verde da vegetação renovada se insinuando e a palidez da rocha refletindo a luz límpida do sol. Quem saiu agasalhado precisou se despir, ajustar-se à temperatura elevada pelo calor vigoroso. Os nevoeiros

Venda porta a porta em Feira: do passado ao futuro

Ultimamente, no Brasil, e em Feira de Santana, a palavra do momento é “crise”. O assunto é comentado nos lares, nas ruas e nos locais de trabalho. Esta sensação está fazendo com que as pessoas busquem formas de renda extra, o que me fez lembrar a época em que as vendas de porta-a-porta aqui em Feira era uma forma bem popular das donas de casa ajudarem na renda da família e criarem seus filhos. Quem nunca comprou um cosmético, uma bijuteria, um utensílio doméstico ou uma roupa na porta de casa, por uma revista ou mostruário?

Com a tal crise, isso não é só passado, e atualmente esse tipo de venda está cada vez mais forte e com futuro promissor. Quem não conhece uma revendedora de produtos porta a porta em Feira de Santana?

Para alguns, isso fez parte de sua história, para outros, essa é uma realidade. Hermes, Avon, Natura e Tupperware são exemplos mais antigos. Com catálogos, as pessoas conheciam os produtos e faziam seus pedidos para posteriormente receber. Com a modernidade, novas oportunidades estão surgindo, não só para as donas de casa terem uma renda extra, mas também para quem quer empreender.

Vale a pena vender porta a porta?

No momento econômico em que se encontra o país as pesquisas mostram que esse é um dos ramos que não sofreu quedas. Vários são os motivos que levam ao crescimento das vendas porta a porta, dentre eles estão:

  • O crescimento do poder de compra das classes mais baixas;
  • A busca de comodidade e praticidade na compra;
  • Os problemas de trânsito e a falta de locais com estacionamento, o que dificulta a visita a uma loja, que estão cada vez mais cheias e com atendimento precário.

Feira de Santana não fica fora desse cenário. Cada dia fica mais difícil estacionar no centro da cidade, seja em via pública e até nos estacionamentos pagos, além da insegurança e desconforto de se transitar pelas ruas de carro ou a pé.

Aproveitando essas dificuldades, e a necessidade de vencer a crise econômica, para muitos feirenses a venda porta a porta é uma opção adotada. Além dos lucros com as vendas, atualmente as empresas que trabalham nesse ramo oferecem outras formas do vendedor aumentar seus ganhos de maneira prática e segura, como os planos de carreira e a bonificação para quem forma e treina suas próprias equipes.

Então, quem gosta desse ramo vale a pena procurar uma empresa séria, buscando ter lucros nas horas vagas, organizando seu negócio próprio. É uma ótima oportunidade de trabalhar entre amigos, parentes e vizinhos, além de conhecer outras pessoas.

Para os casos em que as vendas diretas são a única fonte de renda, existe a possibilidade de ter benefícios como aposentadoria, seguro-desemprego e outros. Basta se formalizar como Microempreendedor Individual (MEI) e ser dono do seu próprio negócio.

E você, o que esta fazendo para superar esse momento econômico em Feira de Santana?

 

NOTA: Microempreendedor Individual é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário. Para ser um microempreendedor individual, é necessário faturar no máximo até R$ 60.000,00 por ano e não ter participação em outra empresa como sócio ou titular. Tornando-se um MEI você tem direito a um registro no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ), o que facilita a abertura de conta bancária, o pedido de empréstimos e a emissão de notas fiscais. Para isso, paga-se apenas o valor fixo mensal de R$ 40,40 (comércio ou indústria), R$ 44,40 (prestação de serviços) ou R$ 45,40 (comércio e serviços). Saiba mais aqui.


Sobre o (a) autor (a):