A música regional do nordeste em 5 discos dos anos 1970

Que os anos de 1970 foram, de modo geral, bastante conturbados, isso não é novidade para ninguém, todavia, poucas épocas nos deixaram um legado de diversidade musical tão grande. Seja com o fim do classic rock ou com o nascimento da discoteca, da incorporação de instrumentos eruditos ao rock’n’roll, à revitalização do samba carioca, ambos iniciados no final dos anos 60, a década de 70 também se responsabilizou por muitos outros “resgates”, entre eles, o da música nordestina. Na segunda metade da década de 70, muitos artistas surgiram com a proposta de trazer de volta o que havia de mais

Quando Luiz Gonzaga vinha a Feira de Santana

De acordo com relatos de fontes diversas, sabe-se que Luiz Gonzaga, o Gonzagão, ícone maior da música nordestina, esteve algumas vezes da sua extensa carreira em Feira de Santana. O jornalista e colecionador de reminiscências feirenses Adilson Simas é uma das fontes mais confiáveis nesse sentido, lembrando uma das ocasiões em que o Rei do Baião pisou em terras feirenses: “Em 1973, ano do seu centenário de emancipação política, a Feira de Santana, de janeiro a dezembro, recebeu grandes personalidades. Luiz Gonzaga, mais tarde laureado com o título de Cidadão Feirense e que aqui fez várias apresentações, desde a marquise

Estacionamento de motos em Feira de Santana

A nova regra para motos em estacionamentos privados de Feira

Os proprietários de motocicletas em Feira de Santana não precisarão pagar o mesmo valor dos carros quando forem utilizar  estacionamentos privados no município. Foi publicada uma Lei Municipal regulamentando a situação no Diário Oficial do Município. Veja a Lei na íntegra: Dispõe sobre os critérios de diferentes taxas cobradas em estacionamentos privativos para motocicletas e automóveis. O PREFEITO MUNICIPAL DE FEIRA DE SANTANA, ESTADO DA BAHIA, FAÇO saber que a Câmara Municipal, através do Projeto de Lei nº 16/2017, de autoria do Edil Ewerton Carneiro da Costa, decretou e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º – Fica posto em

Neném do Acordeon

Neném do Acordeon: em defesa da sanfona [Feirenses TV]

Os festejos juninos são o principal marco de celebração da cultura nordestina, momento em que todos os elementos típicos do espírito e da geografia do Nordeste se manifestam na culinária, no entretenimento, nas vestimentas e na música. Nesse sentido, é impossível falar desse momento cultural sem considerar a importância e o protagonismo do forró, em suas mais diversas expressões. E falar em forró exige lembrar de Luiz Gonzaga, que popularizou o xote, o xaxado e o baião pelo Brasil e pelo mundo. Por isso trazemos à Feirenses TV um dos principais defensores da tradição da genuína música nordestina, inspirada no

Tripa frita - Seu Dino

Seu Dino do Módulo 8, no Feira VI – Locais para comer tripa em Feira

Apesar de já ter feito, em outra oportunidade, um artigo indicando alguns lugares para comer tripa na cidade, pude perceber ao longo do tempo que, apesar de não parecer, ela está entre um dos tira-gostos mais pedidos nos bares da região. Somando isso com toda a representatividade regional e peculiaridade do prato, vamos dar continuidade à indicação de lugares pra comer tripa em Feira de Santana. Seu Dino do Módulo 8 – Feira VI O Módulo 8, é um conjunto de bares pequenos que ficam próximo ao portão lateral da UEFS, dando a ideia de continuidade, já que a universidade tem

Quando o transporte público em Feira de Santana era feito com Kombis

Não é de hoje que Feira de Santana vive problemas sérios no seu sistema de transporte público. Atualmente, as empresas operadoras do sistema alegam os problemas decorrentes da crise. Em 2015, a cidade ficou completamente sem ônibus coletivo, quando duas outras empresas informaram à população que não tinham condições de pagar o combustível dos coletivos. Mas não é apenas de exemplos recentes que pode-se constatar um padrão nas dificuldades nessa área – basta ver a história da primeira iniciativa de transporte público em Feira de Santana.

Em 1951, Feira ainda não tinha transporte público instalado. O Prefeito Municipal era o senhor Almáchio Alves Boaventura, quando quatro nordestinos vindos do Rio Grande do Norte, trazendo consigo três “marinetes”, chegaram na cidade buscando permissão da Prefeitura, para colocarem os veículos para prestarem o serviço de transporte coletivo na cidade.

Marinetes que atuavam em Feira de Santana

Marinetes que atuavam em Feira de Santana (linha intermunicipal). Foto: Blog Santanópolis

No dia 21 de junho de 1951, o Prefeito autorizou que eles realizassem suas intenções, e, no dia seguinte, já trafegavam pelos bairros Sobradinho até a Pampalona, Ponto Central via Rua Quintino Bocaiúva (antiga Rua do Fogo), Brasília via Rua Senador Quintino, Rua Pedro Suzart e Cristóvão Barreto (antigo Pilão).

Passados alguns meses, os empreendedores voltaram ao Prefeito para comunicar-lhes a desistência do negócio, pois não conseguiam passageiros suficientes para pelo menos cobrirem as despesas. A solução encontrada por Almáchio Boaventura foi a seguinte: a Prefeitura patrocinaria o combustível pelo prazo de um ano, enquanto eles conseguissem se manter nas linhas. Eles concordaram, e assim foi feito.

A atuação de José Ferreira Pinto

Desfile da primeira frota de Kombi para o transporte de Feira

Desfile da primeira frota de Kombi para o transporte coletivo de Feira

A pesquisadora Lélia Vitor Fernandes, em seu livro “Inquilinos da Casa da Cidadania” lembra da atuação do principal personagem histórico feirense quando o assunto é o transporte público na cidade: José Ferreira Pinto, o Zé Pinto. Ex-vereador e vice-prefeito nas gestões dos prefeitos João Durval e José Falcão, José Pinto tem origem humilde, e chegou a ser cobrador de marinetes na cidade, até ter a ideia de fundar seu próprio serviço de transporte coletivo.

O próprio Zé Pinto conta, fazendo um histórico do transporte público em Feira de Santana, que quando as marinetes dos prestadores do Rio Grande do Norte foram vendidas ao casal feirense Antoninho e Dona Zizi Mascarenhas, eles tiveram prejuízos que não viabilizavam o negócio. Então Feira ficou sem transporte público, e só em 1962 foi instalado algo formal na cidade: José Pinto e seu irmão, Júlio, foram ao então Prefeito Arnold Ferreira da Silva, com um ofício, no qual solicitavam a concessão para explorar o serviço de transporte coletivo em Feira de Santana através de veículos Kombi (algo bem semelhante aos “ligeirinhos” do transporte alternativo feirense).

Transporte coletivo em Feira de Santana

Transporte público em Feira de Santana

Benção das Kombis que passaram a compor o transporte público de Feira.

Um projeto de lei foi remetido à Câmara de Vereadores, tendo como relator o Vereador Hugo Navarro da Silva, sendo aprovado por unanimidade pelos edis. Sancionada a Lei pelo Prefeito Arnold Silva, 13 veículos Kombi começaram a operar no município. Os veículos foram adquiridos na antiga concessionária Volkswagen denominada Feira Motor Ltda., e tiveram metade do valor financiado. A empresa foi denominada “Expresso Alvorada”, sendo depois adquiridos mais Kombis, totalizando a frota de 28 veículos.

Posteriormente, José Ferreira Pinto e sócios compraram no Rio de Janeiro 21 micro-ônibus, as famosas “bicudinhas” e um ônibus grande seminovos, que estavam saindo de linha do Estado da Guanabara (atual Rio de Janeiro), pois o Governador Carlos Lacerda estava substituindo-os por uma frota zero quilômetro. Esse acréscimo à frota ocorreu em 1965, quando a empresa passou a chamar-se “Translar”, Transporte para o Lar LTDA. Com o passar do tempo, outros veículos foram acrescentados, mantendo a Translar como referência no transporte público da cidade.

Transul, Autonida e as empresas mais recentes…

Ônibus antigo de Feira de Santana

Zé Pinto conta como sua empresa deixou de existir: “outras pessoas passaram também a colocar Kombis, ônibus e marinetes, criando um clima de mal estar e uma competição desleal, visto que, para a época, a oferta estava bem maior que o número de usuários, inviabilizando pouco a pouco o negócio. Assim, os sócios resolveram vender todo o patrimônio da empresa. Sendo que, parte dela foi vendida para a Sra. Dona Ivone Falcão Vieira, a qual mudou o nome de Translar para Transul e os senhores Nezinho Oliveira e Carlos Lacerda, o segundo prefeito, na época, do município de São Gonçalo dos Campos, os quais denominaram sua empresa de Oliveira Lacerda, com sede no bairro do Tomba”.

“Com o passar do tempo, Zeca Marques criou a empresa Autounida. Oswaldo Santos de Jesus, o popular ‘Vavá de Manoel de Milha’ criou a empresa Safira. Dona Valdelice adquiriu ônibus e abriu sua empresa no bairro da Queimadinha, denominada Autocel. O Sr. Raimundo Souza Silva, ex-prefeito de Milagres, implantou também em Feira de Santana a empresa R. S. Silva. O Sr. José de Paula Maciel Filho e Sérgio Augusto de Almeida, ambos de Minas Gerais, adquiriram a empresa Transul e foram adquirindo as outras posteriormente, tendo vendido ao Srs. Gilson Almeida Rodrigues e Dílson Almeida Rodrigues”.

Empresas de Ônibus de Feira de Santana

Empresas de Ônibus de Feira de Santana

Empresas de Ônibus de Feira de Santana

Após todas essas etapas, já nos anos 2000, foi inaugurado o Sistema Integrado de Transporte (SIT), com as estações de transbordo que hoje conhecemos. Mas esse já é um tema para outra publicação…

 

Foto de capa: Zé Pinto ao lado dos motoristas de Kombi.

(José Ferreira Pinto faleceu em abril de 2016)

Referência: Livro Feira de Sant’anna – Histórias e Estórias dos séculos XIX e XX.


Sobre o (a) autor (a):