Festival de Samba de Feira de Santana

Feira de Santana terá seu primeiro Festival de Samba

O Coletivo Unidos Pelo Samba promove entre os dias 2 e 9 de dezembro o I Festival de Samba de Feira de Santana. O evento visa promover diálogos e experiências de valorização e reconhecimento do samba na cidade, além de comemorar o Dia do Samba (2 de dezembro). Pela primeira vez receberá esse tipo de evento, reunindo experiências e vivências de compositores, sambistas e admiradores do samba com o público em geral. Na programação, rodas de samba e rodas de conversa que acontecerão no Mercado de Arte Popular (MAP) e em outros pontos da cidade. De acordo com o cantor

Feira Noise Festival

Feira Noise começa nesta quinta

Começa nesta quinta-feira (24) e prossegue até o próximo domingo (26), a sétima edição do Festival Feira Noise. O evento é promovido pelo Feira Coletivo Cultural e contará com apresentações musicais de artistas de todo o Brasil,  além de espetáculos de dança, rodas de conversa, intervenções de artes visuais e outras atividades. Maior festival independente da Bahia, o Feira Noise será aberto na quinta, às 19 horas, no teatro do Centro de Cultura Amélio Amorim, com a palestra Delírios Utópicos, proferida pelo teórico da contracultura e pensador contemporâneo Cláudio Prado, colunista da Mídia Ninja. Também teremos no primeiro dia do

Roberto Kuelho

Roberto Kuelho ganha Prêmio Palco MP3 com CD Sense Bulir

Um ano após o lançamento do CD Sense Bulir, o cantor Roberto Kuelho colhe frutos de seu trabalho. O artista baiano, e feirense, é um dos ganhadores do Prêmio Palco MP3 na categoria “Word Music”. O prêmio é uma realização do Palco MP3, o maior portal de música independente do Brasil. Entre as músicas em destaque no site estão “Nem precisa ser amor” e “Bem no Auge”, que foi ouvida mais de 115 mil vezes. “Esse prêmio nos deixa feliz por ser os primeiros resultado de um trabalho feito com carinho. Mostra que nosso som está encontrando as pessoas certas”,

Ciro Gomes

A palestra completa de Ciro Gomes em Feira de Santana

O presidenciável, ex-ministro dos governos Itamar Franco, Lula e Dilma, um dos criadores do Plano Real e ex-Governador do Ceará, Ciro Gomes, esteve em Feira de Santana no dia 1 de novembro, palestrando na Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Na oportunidade, respondeu a perguntas de alunos e professores da Universidade. Veja o evento na íntegra:  

Homicídios em Feira de Santana

Homicídios mais que dobraram em 20 anos em Feira

No dia 05 de julho de 1997 o extinto jornal Feira Hoje, diário que circulava aqui na Feira de Santana, divulgou um balanço da violência no primeiro semestre daquele ano. Comparando com o ano anterior, houve elevação: foram 77 homicídios e três latrocínios na primeira metade do ano; em 1996, os números foram mais favoráveis: 67 homicídios e quatro latrocínios. Na soma, 80 mortes violentas no primeiro semestre de 1997 e 71 no mesmo período do ano anterior. O levantamento também informava sobre as mortes em supostos confrontos com a polícia: foram 29 em 1996 e, no ano seguinte, o

O telégrafo de Feira de Santana

O telégrafo é um meio de comunicação, criado no século XIX, que tinha como principal objetivo transmitir mensagens de um ponto para outro, através de grandes distâncias. Ou seja, antes do telefone, as pessoas tinham nesta época a possibilidade de se comunicar de uma maneira mais fácil, que não fosse somente por meio das cartas.

O responsável pela invenção foi Samuel Morse, que criou um telégrafo eletromagnético em 1832 e construiu uma versão experimental em 1835. Ele não construiu um sistema verdadeiramente prático até 1844, quando finalmente montou uma linha de Baltimore para Washington, D.C, nos Estados Unidos.

O telégrafo que Samuel Morse usou em sua primeira linha em 1844 era muito simples – uma mola de aço em tira que podia ser pressionada contra um contato de metal. Alfred Vail, sócio de Morse, desenhou este aparelho, no qual o espaçamento era mais facilmente ajustável por causa de mudanças na tensão da mola.

O Telégrafo de Feira de Santana

O telégrafo de Feira de Santana

Para quem nunca se deu conta, Feira de Santana possui uma Rua do Telégrafo, e, sim – a cidade também possuiu seu telégrafo antes das linhas telefônicas. O pesquisador Rollie Poppino, em seu livro “Feira de Santana”, lembra como se estruturou o meio de comunicação naquela época.

“As comunicações telegráficas suplementaram o serviço postal em Feira de Santana durante três quartos de século. A primeira linha a alcançar o município foi instalada pela Brazilian Imperial Central Bahia Railway Company Limited, em 1875. O novo sistema foi imediatamente aceito pelos moradores da cidade, que o consideraram um grande melhoramento relação aos primeiros meios de comunicação com Cachoeira e o litoral.

Dentro de alguns anos o telégrafo nacional estendeu suas linhas até Feira de Santana instalando estações na cidade e no distrito de Bonfim de Feira. Esse serviço facilitou aos moradores dessa região rápidas comunicações com a Cidade do Salvador e Cachoeira. Na entrada deste século, o telégrafo também se instalara nos distritos de Anguera e Pacatu, masm foi abandonado depois de 1910.

Nas duas décadas seguintes, Feira de Santana ligara-se pelo telégrafo com outras comunidades no interior do Estado. Em 1918 o telégrafo nacional foi inaugurado no município de Mundo Novo. Em 1924, ele alcançou São Gonçalo dos Campos e, em 1930, uma agência telegráfica se abriu no município de Mairi.

No município de Feira de Santana, o telégrafo da estrada de ferro se estendera até o município de Tanquinho, em 1923, mas dentro de dez anos, a linha fora retirada. Em 1944, o telégrafo nacional instalara-se no distrito de Humildes e, em 1948, criara uma estação em Tanquinho. Em 1950, todavia, seis distritos do município ainda não eram servidos pelo telégrafo.

Em 1930, o telégrafo nacional unira-se ao departamento dos correios e desde esse tempo passou a ser operado conjuntamente com o serviço postal. Em 1950, o sistema postal-telefônico ligaria Feira de Santana com a maioria das cidades do Brasil”.

 

OBS: as fotos desse artigo são meramente ilustrativas. Não foram tiradas em Feira de Santana.


Sobre o (a) autor (a):