De arrepiar! O novo clipe da banda feirense Calafrio

A banda feirense Calafrio acaba de lançar seu novo clipe, “A mão Pesada do Destino”, uma produção cinematográfica de primeiríssima qualidade, que pode ser comparada a clipes produzidos para o mercado nacional – mesmo sendo uma produção independente. A Calafrio é uma banda com 11 anos de estrada e três discos lançados (“Ácido Céu”, “Para Ambos os Lábios” e “Bater de Frente”). Após algumas mudanças em sua composição hoje conta com Pedro Patrocínio (Guitarra e Vocal), Siddhartha Gautama (Vocal e Guitarra), Robson Sousa (Bateria) e Bruno Mendes (Baixo). O clipe foi gravado em um dos mais tradicionais redutos da boemia feirense, o

Raimundo de Oliveira

Raimundo de Oliveira: o pintor feirense que expôs em Paris e Nova York

“O profeta Raimundo, grande da pintura brasileira, carregado de drama, de solidão e de pecado, é no entanto o mais alegre e terno, o mais puro e numeroso, jamais sozinho pois sua palavra é de solidariedade e sua mensagem é o amor entre os seres humanos, é a alegria fluindo dos pincéis e de seu coração. É o profeta de Feira de Sant’Ana, lá vem montado em seu jumento e vai levar sua carga de amor aos confins do mundo”. Assim o escritor Jorge Amado descreveu o artista feirense Raimundo Falcão de Oliveira, um dos maiores nomes das artes plásticas

Santini & Trio

Santini & Trio vence o Prêmio Caymmi de Música

Feira de Santana foi destacada no Prêmio Caymmi de música, que pode ser considerada a principal premiação da música baiana na atualidade. Concorrendo com iniciativas musicais de todo o estado, o grupo feirense Santini & Trio foi vencedor na categoria “Melhor Banda”. O prêmio de melhor instrumentista também veio para Feira de Santana, entregue ao baterista Flaviano Gallo (integrante do Santini & Trio).   Integram o grupo o guitarrista Rony Santini, o baterista Flaviano Gallo, o pianista e acordeonista Rogério Ferrer e o baixista Anderson Silva.   Um orgulho para quem é feirense e (re)conhece a qualidade da nossa música

Justiniano entra com Mandado de Segurança contra José Ronaldo

Está no portal do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) um pedido de Mandado de Segurança impetrado pelo vereador eleito e atual secretário de Serviços Públicos da Prefeitura Municipal de Feira de Santana, Justiniano França. Justiniano, através da advogada Lady Daiane da Silva, alega ter pedido exoneração do cargo, tendo sido a solicitação indeferida pela Prefeito Municipal José Ronaldo. O pedido de liminar já foi julgado pelo Juiz Gustavo Rubens Hungria, que deu o prazo de 5 dias para que o Prefeito exonere o Secretário, sob pena de multa de R$1.000,00 mil reais: Veja aqui a decisão na íntegra! Fontes

Estrada Feira-Serrinha

Viagem entre Feira e Serrinha segue como calvário

Apenas 65 quilômetros separam Feira de Santana de Serrinha através da BR 116 Norte. O intercâmbio entre as duas cidades é intenso: muita gente sai daquela cidade para fazer compras e acessar serviços por aqui, em função dos preços mais em conta; outros buscam atendimento especializado na área de saúde; há aqueles que residem numa cidade e trabalham na outra, robustecendo o fluxo entre as duas localidades; estudantes de Serrinha são alunos da Uefs e de outras instituições de ensino superior feirenses; e não falta quem resida na Feira de Santana, mas frequente o campus da Uneb lá em Serrinha,

O telégrafo de Feira de Santana

O telégrafo é um meio de comunicação, criado no século XIX, que tinha como principal objetivo transmitir mensagens de um ponto para outro, através de grandes distâncias. Ou seja, antes do telefone, as pessoas tinham nesta época a possibilidade de se comunicar de uma maneira mais fácil, que não fosse somente por meio das cartas.

O responsável pela invenção foi Samuel Morse, que criou um telégrafo eletromagnético em 1832 e construiu uma versão experimental em 1835. Ele não construiu um sistema verdadeiramente prático até 1844, quando finalmente montou uma linha de Baltimore para Washington, D.C, nos Estados Unidos.

O telégrafo que Samuel Morse usou em sua primeira linha em 1844 era muito simples – uma mola de aço em tira que podia ser pressionada contra um contato de metal. Alfred Vail, sócio de Morse, desenhou este aparelho, no qual o espaçamento era mais facilmente ajustável por causa de mudanças na tensão da mola.

O Telégrafo de Feira de Santana

O telégrafo de Feira de Santana

Para quem nunca se deu conta, Feira de Santana possui uma Rua do Telégrafo, e, sim – a cidade também possuiu seu telégrafo antes das linhas telefônicas. O pesquisador Rollie Poppino, em seu livro “Feira de Santana”, lembra como se estruturou o meio de comunicação naquela época.

“As comunicações telegráficas suplementaram o serviço postal em Feira de Santana durante três quartos de século. A primeira linha a alcançar o município foi instalada pela Brazilian Imperial Central Bahia Railway Company Limited, em 1875. O novo sistema foi imediatamente aceito pelos moradores da cidade, que o consideraram um grande melhoramento relação aos primeiros meios de comunicação com Cachoeira e o litoral.

Dentro de alguns anos o telégrafo nacional estendeu suas linhas até Feira de Santana instalando estações na cidade e no distrito de Bonfim de Feira. Esse serviço facilitou aos moradores dessa região rápidas comunicações com a Cidade do Salvador e Cachoeira. Na entrada deste século, o telégrafo também se instalara nos distritos de Anguera e Pacatu, masm foi abandonado depois de 1910.

Nas duas décadas seguintes, Feira de Santana ligara-se pelo telégrafo com outras comunidades no interior do Estado. Em 1918 o telégrafo nacional foi inaugurado no município de Mundo Novo. Em 1924, ele alcançou São Gonçalo dos Campos e, em 1930, uma agência telegráfica se abriu no município de Mairi.

No município de Feira de Santana, o telégrafo da estrada de ferro se estendera até o município de Tanquinho, em 1923, mas dentro de dez anos, a linha fora retirada. Em 1944, o telégrafo nacional instalara-se no distrito de Humildes e, em 1948, criara uma estação em Tanquinho. Em 1950, todavia, seis distritos do município ainda não eram servidos pelo telégrafo.

Em 1930, o telégrafo nacional unira-se ao departamento dos correios e desde esse tempo passou a ser operado conjuntamente com o serviço postal. Em 1950, o sistema postal-telefônico ligaria Feira de Santana com a maioria das cidades do Brasil”.

 

OBS: as fotos desse artigo são meramente ilustrativas. Não foram tiradas em Feira de Santana.


Sobre o (a) autor (a):