Festival de Samba de Feira de Santana

Feira de Santana terá seu primeiro Festival de Samba

O Coletivo Unidos Pelo Samba promove entre os dias 2 e 9 de dezembro o I Festival de Samba de Feira de Santana. O evento visa promover diálogos e experiências de valorização e reconhecimento do samba na cidade, além de comemorar o Dia do Samba (2 de dezembro). Pela primeira vez receberá esse tipo de evento, reunindo experiências e vivências de compositores, sambistas e admiradores do samba com o público em geral. Na programação, rodas de samba e rodas de conversa que acontecerão no Mercado de Arte Popular (MAP) e em outros pontos da cidade. De acordo com o cantor

Feira Noise Festival

Feira Noise começa nesta quinta

Começa nesta quinta-feira (24) e prossegue até o próximo domingo (26), a sétima edição do Festival Feira Noise. O evento é promovido pelo Feira Coletivo Cultural e contará com apresentações musicais de artistas de todo o Brasil,  além de espetáculos de dança, rodas de conversa, intervenções de artes visuais e outras atividades. Maior festival independente da Bahia, o Feira Noise será aberto na quinta, às 19 horas, no teatro do Centro de Cultura Amélio Amorim, com a palestra Delírios Utópicos, proferida pelo teórico da contracultura e pensador contemporâneo Cláudio Prado, colunista da Mídia Ninja. Também teremos no primeiro dia do

Roberto Kuelho

Roberto Kuelho ganha Prêmio Palco MP3 com CD Sense Bulir

Um ano após o lançamento do CD Sense Bulir, o cantor Roberto Kuelho colhe frutos de seu trabalho. O artista baiano, e feirense, é um dos ganhadores do Prêmio Palco MP3 na categoria “Word Music”. O prêmio é uma realização do Palco MP3, o maior portal de música independente do Brasil. Entre as músicas em destaque no site estão “Nem precisa ser amor” e “Bem no Auge”, que foi ouvida mais de 115 mil vezes. “Esse prêmio nos deixa feliz por ser os primeiros resultado de um trabalho feito com carinho. Mostra que nosso som está encontrando as pessoas certas”,

Ciro Gomes

A palestra completa de Ciro Gomes em Feira de Santana

O presidenciável, ex-ministro dos governos Itamar Franco, Lula e Dilma, um dos criadores do Plano Real e ex-Governador do Ceará, Ciro Gomes, esteve em Feira de Santana no dia 1 de novembro, palestrando na Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Na oportunidade, respondeu a perguntas de alunos e professores da Universidade. Veja o evento na íntegra:  

Homicídios em Feira de Santana

Homicídios mais que dobraram em 20 anos em Feira

No dia 05 de julho de 1997 o extinto jornal Feira Hoje, diário que circulava aqui na Feira de Santana, divulgou um balanço da violência no primeiro semestre daquele ano. Comparando com o ano anterior, houve elevação: foram 77 homicídios e três latrocínios na primeira metade do ano; em 1996, os números foram mais favoráveis: 67 homicídios e quatro latrocínios. Na soma, 80 mortes violentas no primeiro semestre de 1997 e 71 no mesmo período do ano anterior. O levantamento também informava sobre as mortes em supostos confrontos com a polícia: foram 29 em 1996 e, no ano seguinte, o

Lembranças da infância feirense: soltar pipa

Soltar pipa, durante muitos anos, foi uma das brincadeiras mais divertidas e populares entre a molecada de Feira. Era comum ver aquele “rebanho” de garotos com um rolo de linha na mão e olhando pra cima, ou correndo de um lado com a linha esticada, na tentativa de pegar um vento melhor. Alguns até arriscavam uma manobra perigosa de saltar os fios elétricos com a linha, para que a pipa utilizasse a altura da rede e subisse mais fácil.

Os materiais utilizados eram muito baratos e fáceis de achar. Basicamente, folha de papel, ou papel de seda (se sobrasse alguns trocados), talisca de folha de coqueiro ou vareta de bambu, cola branca, barbante para a rabada, linha e bastante criatividade.

Existem inúmeros tipos e formatos de pipa, mas os mais conhecidos por aqui eram:

Maranhão/Papagaio

Era geralmente em forma de pentágono, feita a partir de três taliscas, sendo duas do mesmo tamanho e uma maior que elas, posicionada na transversal. Era bem difícil de ser feita, devido ao esqueleto que era montado com linhas e taliscas antes de colar o papel ou saco plástico. Tinha um efeito muito bonito quando estava no ar, com um balanço diferente, quase dançava indo de um lado pro outro.

Raia/Arraia

Mais básica, era feita a partir de um retângulo de papel e duas taliscas, que eram coladas uma em cada lado, no sentido das diagonais. Era uma pipa meio termo para quem queria algo mais rápido e menos trabalhoso de fazer, porém, com um vôo interessante. No ar, permanecia quase estática, e só balançava quando mexiámos na linha.

Periquito/Caiau/Bicuda

Soltar Pipa

Para quem queria subir alguma pipa e não se importava muito com o vôo nem com a beleza, restava o Caiau. Era feito a partir de uma folha de caderno ou revista, cortada em formato quadrado, onde fazia-se uma dobra na diagonal, e duas dobras laterais. Nas extremidades eram feitas mais duas pequenas dobras, com furos onde era amarrada a linha. Era bastante popular pela rapidez e facilidade com que era feita, mas não voava muito alto e ficava bem instável no ar. Mas era muito divertida.

Rabiola/Rabada

Mais conhecida na região como rabada, era um pedaço de cordão mais pesado que ficava amarrado na parte de baixo das pipas, para dar estabilidade no voo e evitar que elas se movessem de forma desordenada no ar. Os tipos mais comuns eram:

Calamaço: Eram usados fios dos sacos de calamaço, que muitas vezes eram amarrados uns aos outros para aumentar o comprimento. Dava uma bela estabilidade na pipa, mas eram mais difíceis de ser encontrados.

Barbante/Ráfia: Cordões que eram usados para amarrar pacote de compras no mercado ou placas de ovos. Eram de mais fácil obtenção e muito bons, mas não eram muito bonitos.

Saco plástico: Um pedaço de linha com vários nós onde recortes de saco plástico eram amarrados, bem parecidos com bandeirolas. Proporcionava um efeito visual muito bonito e era bem trabalhosa de ser feita, mas era muito fácil de enroscar, por isso, necessitava de mais atenção.

Linha

A linha usada era de costura, encontrada em qualquer armarinho. As pipas maiores pediam linhas mais grossas, pois ficavam mais tensionadas no ar. Na falta de dinheiro para comprar linha, era bem simples pegar um tubo de linha escondido no saco de costura da mãe. Era comum enrolar a linha em latas de leite em pó, ou frascos de desodorante, pra facilitar o manuseio.

Cerol/Tempero

Uma prática muito perigosa e hoje em dia proibida. Conhecida aqui como “tempero” de linha. Eram utilizadas garrafas ou lâmpadas quebradas e triturava-se o vidro, geralmente com uma pedra. A linha era esticada nos postes e nela era passada a mistura de cola com vidro, e, ao secar, transformava a linha num fio cortante, usada para travar batalhas no ar, onde o objetivo era cortar a linha de outra pessoa.

Jogo

Jogo era o nome usado para definir aqueles movimentos feitos com a mão que segurava a linha, para que a pipa fizesse manobras no ar. Geralmente enrolava-se a linha no dedo indicador, e sacudia a mão pra um lado ou pro outro, e de acordo com os solavancos dados na linha, a pipa bailava no céu. Os mais talentosos conseguiam simplesmente posicionar a pipa onde desejasse. As manobras eram feitas tanto para se exibir quanto para cortar ou enroscar a pipa alheia.


A brincadeira com pipas, mesmo sem a molecada perceber, utilizava-se de muitos conceitos de física, matemática e geometria aplicadas, sem falar no lado lúdico e a sensação de liberdade que proporcionava. Havia ainda o lado da reciclagem, pois muitos dos materiais usados eram reaproveitados e tinham o custo quase zero.

Nos tempos atuais, seja pelo perigo de andar nas ruas, ou pela concorrência de vídeo games, tablets ou celulares de última geração, é cada vez mais raro ver um moleque soltando pipa. Talvez até alguns nem saibam da sua existência. Resta, pra quem viveu isso, aquele saudosismo de que, com algumas moedas e bastante criatividade, era possível montar o seu próprio brinquedo voador e sentir seus pés no chão, mas com a cabeça nas nuvens.

 

 


Sobre o (a) autor (a):