União Médica

Crianças feirenses com Câncer recebem presente único

É muito comum que pessoas diagnosticadas com câncer tenham uma mudança grave em seu estilo de vida. O tratamento envolve desgastes físicos e emocionais significativos, exigindo um esforço pessoal e familiar fora do comum. No caso das crianças com câncer, a dificuldade se aprofunda, já que a infância é um período fundamental para o desenvolvimento da personalidade e do caráter de todo indivíduo. Nesse sentido, o ambiente familiar e social saudável torna-se imprescindível para compensar as dificuldades trazidas pela doença. A criança com câncer não pode ser menos criança: deve ter acesso a diversões, brincadeiras, atenção e inventividade próprios da

SAMU

Trote para o SAMU terá multa em Feira

O Governo Municipal sancionou a Lei 3.761, de 9 de outubro de 2017, que dispõe sobre a imputação de multas para os praticantes de trotes contra o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, o SAMU. Veja alguns artigos da Lei: Art. 1º – Fica passível de multa os proprietários de linhas telefônicas cujos aparelhos sejam utilizados para a prática de trotes contra o SAMU – Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Art. 2º – Identificando o número do telefone do infrator, este será encaminhado pelo SAMU através de um relatório às respectivas empresas telefônicas para que as mesmas forneçam os nomes

Desemprego em Feira de Santana

Emprego em Feira pode alcançar quarto ano de saldo negativo

Semana passada houve um festivo balanço sobre o desempenho da economia brasileira nos oito primeiros meses do ano. Em meio aos confetes, às autocongratulações, ao otimismo acerca do futuro redentor, alguém ponderou que é precoce assegurar que o pior já passou para o mercado de trabalho. Mas a advertência se perdeu em meio à algazarra que busca sufocar os vexatórios escândalos de corrupção que, a cada semana, ganham um novo capítulo, envolvendo Michel Temer (PMDB-SP), o mandatário de Tietê, e sua retaguarda palaciana. O raciocínio é oportuno, conforme uma análise superficial sobre os números mais recentes atesta. Embora registre tênue

Ensino Religioso

Escola sem partido, mas com religião

Quando criança, assisti às inevitáveis aulas de religião na escola. A professora era uma espécie de beata, muito afável e risonha, que frequentava a igreja católica ali do Alto do Cruzeiro, nas imediações do Sobradinho. Naqueles tempos, boa parte da população era católica. Eu próprio tive formação católica: assim, embora não me recorde mais do conteúdo das aulas, lembro que aquilo não me causava estranhamento. Tudo mudou quando cheguei à antiga sétima série, noutra escola: autoritária e intolerante, a professora provocava estranhamento e, não raras vezes, ojeriza à classe. Cavoucando a memória, recordo de uma freira que, uma vez por

Eliana Lima

Entrevista com Eliana Lima [Feirenses TV]

A Feira do Livro – Festival Literário e Cultural de Feira de Santana – nasceu da necessidade de despertar os dirigentes de instâncias públicas, privadas e filantrópicas para a importância de implementar políticas públicas do livro e da leitura na sociedade, e assim possibilitar o acesso de pessoas das diversas esferas sociais ao universo da leitura e das realizações culturais. A Feira já se consolidou como um evento importante para reunião de pessoas em torno da arte, da cultura e do entretenimento. Ela vem se constituindo como uma ação sociocultural que visa a potencializar a formação do leitor de todas

Por que nos sentimos seguros no Bando Anunciador

Se você não foi, perdeu uma bela festa na manhã do último domingo, 19 de julho, em Feira de Santana, quando desfilou o Bando Anunciador, uma das principais manifestações culturais do município. Organizado pelo Centro Universitário de Cultura e Arte (CUCA), o Bando se destaca pela irreverência dos participantes, que se fantasiam, dançam e brincam uns com os outros de modo muito saudável.

Ao acompanhar o Bando Anunciador, algo chama a atenção em comparação com outros grandes eventos populares, a exemplo da Micareta Feira ou do Carnaval de Salvador: a sensação de segurança dos presentes é muito maior. Não é incomum ouvir “desculpas” por um esbarrão ou após alguém ter pisado em seu pé.

Isso nos leva ao seguinte questionamento: o que existe de diferente no Bando Anunciador, com milhares de participantes nas ruas, que o torna mais seguro que nossa Micareta, por exemplo? Mesmo com um policiamento significativamente menor, por que é difícil ver práticas violentas no Bando?

O primeiro aspecto a se destacar é o horário em que o Bando Anunciador ocorre. A saída começa às 07h da manhã, o que significa que os participantes devem fazer um esforço para acordar cedo no domingo para acompanhar o evento. Em outras festas populares, que ocorrem à noite, é muito comum que as pessoas iniciem a ingerir bebida alcoólica durante um dia inteiro, indo participar do evento à noite já com um nível alto de embriaguez, aumentando, assim, os casos de desentendimento influenciado pela bebida. No Bando, encontrar pessoas embriagadas é muito mais difícil, a não ser que o participante não tenha dormido. Além disso, a maioria das pessoas prefere não iniciar o dia consumindo bebida alcóolica, fazendo-o apenas do meio para o final da manhã, e do Bando.

“Sabe-se que grande parte das brigas nessas festas têm origem na disputa por espaço entre os presentes”

Outro elemento importante é a ausência de blocos e trios, que acabam restringindo o espaço dos foliões em micaretas e no Carnaval de Salvador. Sabe-se que grande parte das brigas nessas festas têm origem na disputa por espaço entre os presentes. No Bando Anunciador as atrações musicais com seus instrumentos ficam lado-a-lado dos foliões, evitando que o aperto seja grande mesmo em locais mais estreitos, como o Beco da Energia.

O Bando Anunciador é animado por músicas bem diferentes das que ouvimos na Micareta. O Axé agitado (aquele de Asa de Águia e Chiclete com Banana, ou de Psirico e Igor Kanário) dá lugar ao samba-de-roda, às charangas e fanfarras. As danças não estimulam o contato físico nem a agressividade.

Para finalizar, a aura cultural e política do evento garante que os participantes tenham mais respeito uns aos outros. Várias são as fantasias, cartazes e panfletos que defendem alguma causa no Bando. Muitos políticos, de todas as matizes ideológicas, aproveitam para fazer o “corpo-a-corpo” com a comunidade. O formato democrático do Bando, em si, já é um protesto político que desafia os próprios participantes a refletirem a cidade de maneira menos dividida e desigual, desviando o foco de qualquer intenção violenta. Obviamente, é possível que casos de desordem tenham ocorrido, mas certamente são a exceção que apenas confirmam a regra.

Outros motivos podem contribuir para a pacificidade da festa, mas os que citei aqui são os principais, levando o Bando Anunciador a se consolidar como um evento de muita qualidade no circuito de festas populares em Feira de Santana.

 

Foto: Ewerton Monteiro


Sobre o (a) autor (a):

  • Nivaldo de Assis

    Parabéns pela brilhante reflexão.

  • Jessica

    Isso mesmo!! Ouvi e pedi desculpas taaantas vezes haha quem nao fazia, saía de mal educado apenas 🙂 Foi um evento muuuuuuuuito lindo! Quero ir sempre

  • Boa análise!