Festival de Samba de Feira de Santana

Feira de Santana terá seu primeiro Festival de Samba

O Coletivo Unidos Pelo Samba promove entre os dias 2 e 9 de dezembro o I Festival de Samba de Feira de Santana. O evento visa promover diálogos e experiências de valorização e reconhecimento do samba na cidade, além de comemorar o Dia do Samba (2 de dezembro). Pela primeira vez receberá esse tipo de evento, reunindo experiências e vivências de compositores, sambistas e admiradores do samba com o público em geral. Na programação, rodas de samba e rodas de conversa que acontecerão no Mercado de Arte Popular (MAP) e em outros pontos da cidade. De acordo com o cantor

Feira Noise Festival

Feira Noise começa nesta quinta

Começa nesta quinta-feira (24) e prossegue até o próximo domingo (26), a sétima edição do Festival Feira Noise. O evento é promovido pelo Feira Coletivo Cultural e contará com apresentações musicais de artistas de todo o Brasil,  além de espetáculos de dança, rodas de conversa, intervenções de artes visuais e outras atividades. Maior festival independente da Bahia, o Feira Noise será aberto na quinta, às 19 horas, no teatro do Centro de Cultura Amélio Amorim, com a palestra Delírios Utópicos, proferida pelo teórico da contracultura e pensador contemporâneo Cláudio Prado, colunista da Mídia Ninja. Também teremos no primeiro dia do

Roberto Kuelho

Roberto Kuelho ganha Prêmio Palco MP3 com CD Sense Bulir

Um ano após o lançamento do CD Sense Bulir, o cantor Roberto Kuelho colhe frutos de seu trabalho. O artista baiano, e feirense, é um dos ganhadores do Prêmio Palco MP3 na categoria “Word Music”. O prêmio é uma realização do Palco MP3, o maior portal de música independente do Brasil. Entre as músicas em destaque no site estão “Nem precisa ser amor” e “Bem no Auge”, que foi ouvida mais de 115 mil vezes. “Esse prêmio nos deixa feliz por ser os primeiros resultado de um trabalho feito com carinho. Mostra que nosso som está encontrando as pessoas certas”,

Ciro Gomes

A palestra completa de Ciro Gomes em Feira de Santana

O presidenciável, ex-ministro dos governos Itamar Franco, Lula e Dilma, um dos criadores do Plano Real e ex-Governador do Ceará, Ciro Gomes, esteve em Feira de Santana no dia 1 de novembro, palestrando na Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Na oportunidade, respondeu a perguntas de alunos e professores da Universidade. Veja o evento na íntegra:  

Homicídios em Feira de Santana

Homicídios mais que dobraram em 20 anos em Feira

No dia 05 de julho de 1997 o extinto jornal Feira Hoje, diário que circulava aqui na Feira de Santana, divulgou um balanço da violência no primeiro semestre daquele ano. Comparando com o ano anterior, houve elevação: foram 77 homicídios e três latrocínios na primeira metade do ano; em 1996, os números foram mais favoráveis: 67 homicídios e quatro latrocínios. Na soma, 80 mortes violentas no primeiro semestre de 1997 e 71 no mesmo período do ano anterior. O levantamento também informava sobre as mortes em supostos confrontos com a polícia: foram 29 em 1996 e, no ano seguinte, o

Por que nos sentimos seguros no Bando Anunciador

Se você não foi, perdeu uma bela festa na manhã do último domingo, 19 de julho, em Feira de Santana, quando desfilou o Bando Anunciador, uma das principais manifestações culturais do município. Organizado pelo Centro Universitário de Cultura e Arte (CUCA), o Bando se destaca pela irreverência dos participantes, que se fantasiam, dançam e brincam uns com os outros de modo muito saudável.

Ao acompanhar o Bando Anunciador, algo chama a atenção em comparação com outros grandes eventos populares, a exemplo da Micareta Feira ou do Carnaval de Salvador: a sensação de segurança dos presentes é muito maior. Não é incomum ouvir “desculpas” por um esbarrão ou após alguém ter pisado em seu pé.

Isso nos leva ao seguinte questionamento: o que existe de diferente no Bando Anunciador, com milhares de participantes nas ruas, que o torna mais seguro que nossa Micareta, por exemplo? Mesmo com um policiamento significativamente menor, por que é difícil ver práticas violentas no Bando?

O primeiro aspecto a se destacar é o horário em que o Bando Anunciador ocorre. A saída começa às 07h da manhã, o que significa que os participantes devem fazer um esforço para acordar cedo no domingo para acompanhar o evento. Em outras festas populares, que ocorrem à noite, é muito comum que as pessoas iniciem a ingerir bebida alcoólica durante um dia inteiro, indo participar do evento à noite já com um nível alto de embriaguez, aumentando, assim, os casos de desentendimento influenciado pela bebida. No Bando, encontrar pessoas embriagadas é muito mais difícil, a não ser que o participante não tenha dormido. Além disso, a maioria das pessoas prefere não iniciar o dia consumindo bebida alcóolica, fazendo-o apenas do meio para o final da manhã, e do Bando.

“Sabe-se que grande parte das brigas nessas festas têm origem na disputa por espaço entre os presentes”

Outro elemento importante é a ausência de blocos e trios, que acabam restringindo o espaço dos foliões em micaretas e no Carnaval de Salvador. Sabe-se que grande parte das brigas nessas festas têm origem na disputa por espaço entre os presentes. No Bando Anunciador as atrações musicais com seus instrumentos ficam lado-a-lado dos foliões, evitando que o aperto seja grande mesmo em locais mais estreitos, como o Beco da Energia.

O Bando Anunciador é animado por músicas bem diferentes das que ouvimos na Micareta. O Axé agitado (aquele de Asa de Águia e Chiclete com Banana, ou de Psirico e Igor Kanário) dá lugar ao samba-de-roda, às charangas e fanfarras. As danças não estimulam o contato físico nem a agressividade.

Para finalizar, a aura cultural e política do evento garante que os participantes tenham mais respeito uns aos outros. Várias são as fantasias, cartazes e panfletos que defendem alguma causa no Bando. Muitos políticos, de todas as matizes ideológicas, aproveitam para fazer o “corpo-a-corpo” com a comunidade. O formato democrático do Bando, em si, já é um protesto político que desafia os próprios participantes a refletirem a cidade de maneira menos dividida e desigual, desviando o foco de qualquer intenção violenta. Obviamente, é possível que casos de desordem tenham ocorrido, mas certamente são a exceção que apenas confirmam a regra.

Outros motivos podem contribuir para a pacificidade da festa, mas os que citei aqui são os principais, levando o Bando Anunciador a se consolidar como um evento de muita qualidade no circuito de festas populares em Feira de Santana.

 

Foto: Ewerton Monteiro


Sobre o (a) autor (a):

  • Nivaldo de Assis

    Parabéns pela brilhante reflexão.

  • Jessica

    Isso mesmo!! Ouvi e pedi desculpas taaantas vezes haha quem nao fazia, saía de mal educado apenas 🙂 Foi um evento muuuuuuuuito lindo! Quero ir sempre

  • Boa análise!