Festival de Samba de Feira de Santana

Feira de Santana terá seu primeiro Festival de Samba

O Coletivo Unidos Pelo Samba promove entre os dias 2 e 9 de dezembro o I Festival de Samba de Feira de Santana. O evento visa promover diálogos e experiências de valorização e reconhecimento do samba na cidade, além de comemorar o Dia do Samba (2 de dezembro). Pela primeira vez receberá esse tipo de evento, reunindo experiências e vivências de compositores, sambistas e admiradores do samba com o público em geral. Na programação, rodas de samba e rodas de conversa que acontecerão no Mercado de Arte Popular (MAP) e em outros pontos da cidade. De acordo com o cantor

Feira Noise Festival

Feira Noise começa nesta quinta

Começa nesta quinta-feira (24) e prossegue até o próximo domingo (26), a sétima edição do Festival Feira Noise. O evento é promovido pelo Feira Coletivo Cultural e contará com apresentações musicais de artistas de todo o Brasil,  além de espetáculos de dança, rodas de conversa, intervenções de artes visuais e outras atividades. Maior festival independente da Bahia, o Feira Noise será aberto na quinta, às 19 horas, no teatro do Centro de Cultura Amélio Amorim, com a palestra Delírios Utópicos, proferida pelo teórico da contracultura e pensador contemporâneo Cláudio Prado, colunista da Mídia Ninja. Também teremos no primeiro dia do

Roberto Kuelho

Roberto Kuelho ganha Prêmio Palco MP3 com CD Sense Bulir

Um ano após o lançamento do CD Sense Bulir, o cantor Roberto Kuelho colhe frutos de seu trabalho. O artista baiano, e feirense, é um dos ganhadores do Prêmio Palco MP3 na categoria “Word Music”. O prêmio é uma realização do Palco MP3, o maior portal de música independente do Brasil. Entre as músicas em destaque no site estão “Nem precisa ser amor” e “Bem no Auge”, que foi ouvida mais de 115 mil vezes. “Esse prêmio nos deixa feliz por ser os primeiros resultado de um trabalho feito com carinho. Mostra que nosso som está encontrando as pessoas certas”,

Ciro Gomes

A palestra completa de Ciro Gomes em Feira de Santana

O presidenciável, ex-ministro dos governos Itamar Franco, Lula e Dilma, um dos criadores do Plano Real e ex-Governador do Ceará, Ciro Gomes, esteve em Feira de Santana no dia 1 de novembro, palestrando na Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Na oportunidade, respondeu a perguntas de alunos e professores da Universidade. Veja o evento na íntegra:  

Homicídios em Feira de Santana

Homicídios mais que dobraram em 20 anos em Feira

No dia 05 de julho de 1997 o extinto jornal Feira Hoje, diário que circulava aqui na Feira de Santana, divulgou um balanço da violência no primeiro semestre daquele ano. Comparando com o ano anterior, houve elevação: foram 77 homicídios e três latrocínios na primeira metade do ano; em 1996, os números foram mais favoráveis: 67 homicídios e quatro latrocínios. Na soma, 80 mortes violentas no primeiro semestre de 1997 e 71 no mesmo período do ano anterior. O levantamento também informava sobre as mortes em supostos confrontos com a polícia: foram 29 em 1996 e, no ano seguinte, o

Os Sinais de Olney São Paulo

Olney São Paulo nasceu em Riachão do Jacuípe e viveu boa parte de sua vida em Feira, antes de se mudar para o Rio na metade dos anos 60. Ao longo de sua carreira, foi mais do que um entusiasta da sétima arte. Fez cinema com faca e martelo, realizando algumas das produções fundamentais para a cinematografia desse período, a exemplo de dois trabalhos, e que são os meus prediletos, Manhã cinzenta (1969) e o Sob o Ditame do rude almagesto: sinais de chuva (1976).

No caso do primeiro, um media metragem que abordava as arbitrariedades do poder de uma ditadura na vida das pessoas. Em plena ditadura militar, o filme renderia ao cineasta uma prisão em virtude da Lei de Segurança Nacional. Proibido no Brasil de então, o filme se apresenta hoje como de fundamental importância para a compreensão do Brasil durante a ditadura e também dos dias atuais, diante do florescimento daninho do fascismo que ronda nosso dia-a-dia.

Antes de mais nada, Manhã cinzenta é um filme espetacular: belo, ousado, crítico e surpreendente. Existe um trabalho fundamental feito recentemente pelo cineasta Henrique Dantas, e que aborda justamente essa produção de Olney. O longa chama-se Sinais de Cinza, A Peleja de Olney Contra o Dragão da Maldade, e é uma bela homenagem ao cineasta baiano.

Manhã Cinzenta - Olney São Paulo

Cena de “Manhã Cinzenta”, de Olney São Paulo

Para Nelson Pereira dos Santos, o documentário O ditame do rude almagesto: sinais de chuva (1976) é um dos pontos marcantes da obra do Cineasta. Em suas palavras, ao ver o curta metragem, era capaz de imaginar Olney usando “chapéu de couro, no raso da caatinga, conversando com os ventos”. Gravado em Riachão do Jacuípe, o curta metragem tem um papel fundamental dentro da cinematografia Olneyliana.

Adaptação de uma crônica de Eurico Alves Boaventura, também intitulada Sob o Ditame do Rude Almagesto, o curta assimila características próprias do texto do cronista feirense. A polifonia das vozes, que no texto constitui uma miscelânea de opiniões sobre o saber sertanejo, no filme ganha uma conotação bem especial: o de apresentar os sertanejos como portadores de um conhecimento em diálogo com o espaço. É interessante observar como o homem é apresentado, tanto em uma perspectiva comum à Literatura Modernista, quanto ao do próprio Cinema Novo: a do confronto entre a natureza, na luta do homem em adaptar e transformar seu espaço.

Olney São Paulo

Cena de “O ditame do rude almagesto: sinais de chuva” (1976)

É assim que, no documentário, o cineasta constrói um aspecto quase que mitológico do sujeito sertanejo, imerso na paisagem, sendo raras as vezes em que a natureza é apresentada sozinha. O homem é aquele que dá sentido ao espaço, pois sem o homem nada daquilo faz sentido. É assim que o gado minguado é o objeto da labuta, bem como a terra plantada pelo homem. As crianças ocupam os espaços da casa e a família sendo a melhor referência para a obrigação de cuidar, persistir e vencer na terra que pertence ao homem desde sempre.

Em especial, Olney São Paulo pensa o cinema como resultado de uma articulação entre o tradicional e o moderno, buscando afirmar que, assim como na oralidade, o cinema se constrói por elementos contemporâneos, numa articulação com o saber tradicional. No filme, parece existir uma predileção pela oralidade como forma de extrapolar os limites do conhecimento, evidenciando, entre outras coisas, o papel do artista no seu tempo, como um ente em constante articulação com seu espaço, centrando sua voz no sertão e para além dele.

Olney São Paulo

Cena de “O ditame do rude almagesto: sinais de chuva” (1976)

Em última instância, Olney busca evidenciar o poder de registro que o cinema oferece. Entretanto, mais do que um registro de pesquisa, constrói um mosaico poético dos desejos sertanejos, uma espécie de alento ante os ditames da natureza, diante dos limites dos sertanejos, no jogo diário de prever o imprevisível, diante do confronto comum a todos de se criar por meio daquilo que se conta, de se narrar por meio de nossos dilemas e limitações. É assim que o cineasta pensa o cinema como em um ensaio, atentando para os limites da arte de representar seu tempo e seu espaço. Nessa perspectiva, o Almagesto, palavra árabe para designar O Maior, uma possível referência ao tratado astronômico de Ptolomeu, não é somente uma forma de apresentar o rude no ofício do sertanejo de vaticinar o tempo, mas uma licença poética para falar do cinema como quem quisesse contar para o vento e para além dele.

Assista abaixo O ditame do rude almagesto: sinais de chuva (1976):

Parte 1

Parte 2


Sobre o (a) autor (a):