Festival de Samba de Feira de Santana

Feira de Santana terá seu primeiro Festival de Samba

O Coletivo Unidos Pelo Samba promove entre os dias 2 e 9 de dezembro o I Festival de Samba de Feira de Santana. O evento visa promover diálogos e experiências de valorização e reconhecimento do samba na cidade, além de comemorar o Dia do Samba (2 de dezembro). Pela primeira vez receberá esse tipo de evento, reunindo experiências e vivências de compositores, sambistas e admiradores do samba com o público em geral. Na programação, rodas de samba e rodas de conversa que acontecerão no Mercado de Arte Popular (MAP) e em outros pontos da cidade. De acordo com o cantor

Feira Noise Festival

Feira Noise começa nesta quinta

Começa nesta quinta-feira (24) e prossegue até o próximo domingo (26), a sétima edição do Festival Feira Noise. O evento é promovido pelo Feira Coletivo Cultural e contará com apresentações musicais de artistas de todo o Brasil,  além de espetáculos de dança, rodas de conversa, intervenções de artes visuais e outras atividades. Maior festival independente da Bahia, o Feira Noise será aberto na quinta, às 19 horas, no teatro do Centro de Cultura Amélio Amorim, com a palestra Delírios Utópicos, proferida pelo teórico da contracultura e pensador contemporâneo Cláudio Prado, colunista da Mídia Ninja. Também teremos no primeiro dia do

Roberto Kuelho

Roberto Kuelho ganha Prêmio Palco MP3 com CD Sense Bulir

Um ano após o lançamento do CD Sense Bulir, o cantor Roberto Kuelho colhe frutos de seu trabalho. O artista baiano, e feirense, é um dos ganhadores do Prêmio Palco MP3 na categoria “Word Music”. O prêmio é uma realização do Palco MP3, o maior portal de música independente do Brasil. Entre as músicas em destaque no site estão “Nem precisa ser amor” e “Bem no Auge”, que foi ouvida mais de 115 mil vezes. “Esse prêmio nos deixa feliz por ser os primeiros resultado de um trabalho feito com carinho. Mostra que nosso som está encontrando as pessoas certas”,

Ciro Gomes

A palestra completa de Ciro Gomes em Feira de Santana

O presidenciável, ex-ministro dos governos Itamar Franco, Lula e Dilma, um dos criadores do Plano Real e ex-Governador do Ceará, Ciro Gomes, esteve em Feira de Santana no dia 1 de novembro, palestrando na Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Na oportunidade, respondeu a perguntas de alunos e professores da Universidade. Veja o evento na íntegra:  

Homicídios em Feira de Santana

Homicídios mais que dobraram em 20 anos em Feira

No dia 05 de julho de 1997 o extinto jornal Feira Hoje, diário que circulava aqui na Feira de Santana, divulgou um balanço da violência no primeiro semestre daquele ano. Comparando com o ano anterior, houve elevação: foram 77 homicídios e três latrocínios na primeira metade do ano; em 1996, os números foram mais favoráveis: 67 homicídios e quatro latrocínios. Na soma, 80 mortes violentas no primeiro semestre de 1997 e 71 no mesmo período do ano anterior. O levantamento também informava sobre as mortes em supostos confrontos com a polícia: foram 29 em 1996 e, no ano seguinte, o

Crônicas da Micareta de Feira – O fenômeno de uma música só

Era um hit apenas. Quem não se lembra do famoso refrão: “…chora bananeira/bananeira chora/chora bananeira/meu amor já foi embora…”. O famoso carro da Pitú, patrocinado pela marca de uma aguardente com o mesmo nome. Ele pode ser considerado um verdadeiro fenômeno, haja vista que tocava apenas uma música em várias horas de desfile pela Praça João Pedreira.

Geralmente começava sua passagem por volta das 21h. Enquanto outros trios elétricos animavam a Senhor dos Passos e parte da Avenida Getúlio Vargas, o pequeno carro dava centenas de voltas pela João Pedreira, arrastando às vezes, mais de dez mil pessoas. No dia final da Micareta, iniciava a folia às 18h.

Era interessante pelo fato de repetir centenas de vezes a mesma música sem fazer com que o povo enjoasse. Ao contrário, essa era a sua grande marca. Ele não tinha hora exata de parar, segurando o som até o ultimo folião. Certa feita, a coisa foi ficando ainda melhor, pois começou a distribuir latinhas com a famosa cachaça. A turma que gostava se acabava bebendo todas e mais umas.

 

Um dia, comecei a observar e descobri que quando ele sinalizava que iria entrar pela Rua Marechal Deodoro da Fonseca, nada mais era que a senha para avisar que ia parar. Ali na Marechal concentravam-se as famosas “barraquinhas de fubuia, peixe frito e passarinha”. Assim sendo, os foliões começaram a ficar atentos e em algumas ocasiões, quando o carro dava o primeiro sinal que entraria naquela rua, eles simplesmente faziam uma barreira humana, no sentido de evitar, pois sabiam que seria o fim da festa.

Dessa forma, passaram a negociar com o motorista para que desse pelo menos mais duas voltas, para delírio da massa. Nunca, na história da Micareta de Feira de Santana, uma música foi tão executada! Faz tempo que esse carro não comparece na Micareta. Fica a dica para o caso de alguém souber o contato, fazer uma ponte para que o fenômeno reapareça, para nossa felicidade!

 

Foto de capa: Jacinto Silva, que gravou a música “Chora Bananeira” na década de 60.


Sobre o (a) autor (a):