Artistas feirenses em hospital

Os artistas feirenses que visitam hospitais levando arte

Especialistas garantem. Oferecer boa música, alegria, esperança e entretenimento pra quem está às voltas com momentos difíceis, de dor e até mesmo de tristeza, colabora decisivamente para a evolução do tratamento médico e recuperação de problemas de saúde. Com este propósito surgiu em Feira de Santana o grupo “Curarte”, liderado pela cantora e compositora Kareen Mendes, que a partir de uma experiência pessoal, vivida quando acompanhava o filho que estava internado no Hospital Martagão Gesteira, em Salvador, assistiu às apresentações do Doutores da Alegria. A consolidação da ideia ocorreu quando Kareen convocou outros artistas, com atuação nas mais diversas linguagens,

Unidos pelo Samba

Unidos pelo Samba faz roda de samba na véspera do feriado

O Coletivo Unidos pelo Samba, criado em Feira de Santana para defender o samba e afirmar todos os elementos culturais que orbitam em seu entorno, realizará, na próxima terça (25 de julho), às 21h, uma grande roda de samba no Botekim Tematic Bar, localizado na Avenida João Durval. O evento ocorre um dia antes do feriado da Padroeira de Feira, Senhora Santana, e reunirá sambistas, músicos e compositores de cerca de 10 grupos de samba de Feira de Santana. O “Samba de Sant’Anna” é a primeira roda de samba após o sucesso do bloco Unidos pelo Samba, que desfilou na

Edital Pró-Cultura

As regras do edital Pró-Cultura/Esporte de Feira em 2017

A Prefeitura Municipal de Feira de Santana publicou no Diário Oficial as regras para o Pró-Cultura/Esporte 2017. O Pró-Cultura é um edital onde a Prefeitura Municipal renuncia de determinado valor de impostos pagos por empresas ao Município, direcionando o valor para o financiamento de projetos na área de cultura e esporte. Em 2017, a Prefeitura irá renunciar a R$ 513.234,00 mil reais, podendo cada empresa contribuinte se associar a um projeto cultural que custe até 20% sobre o valor devido do ISS/IPTU. Podem participar do Pró-Cultura/Esporte: Proponente: Pessoa Física ou Jurídica, domiciliada no município de Feira de Santana, diretamente responsável pelo

Unidos pelo Samba

O coletivo que defende o Samba em Feira de Santana [Feirenses TV]

Desde 2015 o Coletivo Unidos pelo Samba vem reunindo e integrando os apaixonados por samba em Feira de Santana. Não precisa ser músico ou tocar qualquer instrumento, basta entender que o samba é um elemento importante da cultura brasileira, baiana e feirense. Na carta de fundação do Coletivo, os objetivos do movimento são especificados: Valorizar os compositores de Samba de Feira de Santana, buscando espaços viáveis para apreciação do samba de raiz feirense; Discutir formas viáveis de produção, divulgação e apresentação do samba feirense; Fomentar eventos e espaços onde possa haver a apreciação do samba na cidade; Promover a interlocução

Studio Bar

Studio Bar: o novo espaço de música autoral em Feira de Santana

A produtora de eventos Cúpula do Som, responsável pelo projeto Música no Museu, e pela projeção de bandas e compositores locais, agora aplica sua originalidade na inauguração do Studio Bar, um espaço para música autoral em Feira de Santana. De acordo com Ramiro Barbosa, Relações Públicas da Cúpula, ressalta que “faltava um espaço dedicado aos músicos instrumentistas, artistas que trabalham um repertório mais conceitual”. Ramiro recorda que o trabalho da produtora começou com a formação de uma banda, a Sal, o que terminou por culminar na criação da produção independente. “Com o tempo foi surgindo o desejo e a necessidade

Crônicas da Micareta de Feira – Só restaram saudades!

Sou saudosista assumido. Mas só tenho saudades de coisas e momentos bons. Enquanto escrevo, me passam na mente vários filmes da nossa festa.

Ainda criança, fui morar na Rua Monsenhor Tertuliano Carneiro, contínua da Conselheiro Franco, também conhecida como Rua Direita. Ali, via Trios Elétricos estacionados, e seus músicos se hospedavam nas pensões e hotéis locais e adjacentes. Em frente a minha casa, havia a Pensão Jacobina e o Hotel São Jorge, vizinho à antiga sede do Fluminense de Feira.

Vários carros ficaram em minha memória, a exemplo do Trio Saborosa, que era em forma de uma garrafa e patrocinado por marca de aguardente. Entre os trios daqui, se destacavam o Patury, primeiro de Feira de Santana, o Zé Pereira, que já saía do bairro das Baraúnas tocando para levar o povo ao centro da folia, além do Trio Maravilha. Ao anoitecer, tínhamos o famoso “desfile”, onde passavam as majestades, Rei Momo, Rainha e Princesas, a bordo de um belo carro alegórico (aquele mesmo que roubaram).

“Mas a saudade é muito grande, pois foram momentos mágicos e felizes.”

Em seguida, vinham as batucadas, os cordões e afoxés. Uma agremiação que se destacava pela beleza era o Cordão do Ali Babá e os 40 ladrões (embora desfilasse com mais de quinhentos componentes). Os bailes “Uma Noite no Havaí”, “Caju de Ouro” (este trazia artistas famosos) e, anos depois, o “Baile Azul e Branco”, realizado pelo aristocrático Feira Tênis Clube.

Anos depois, os blocos mais modernos chegaram com força total. Além dos mais velhos, “Bloco da Uca” e “Bloco Os Nacionais”, apareceram aqueles que foram frutos da modernidade, advinda da explosão do Axé Music. São tantos que nem daria para mencionar. Infelizmente, a coisa tomou uma enorme proporção e se tornou algo mercantilista, mas não condenável, pois botar uma entidade na rua requer muito trabalho e merece, sim, ser recompensado.

Mas a saudade é muito grande, pois foram momentos mágicos e felizes. Um dia que me marcou foi a primeira vez que vi o Trio de Dodô e Osmar, em plena Avenida Senhor dos Passos, nas imediações da lendária Farmácia Pinto. Assim também, foi ver o Trio Caetanave, idealizado por Orlando Tapajós e que recebeu este nome em homenagem a Caetano Veloso, quando voltou do exílio em Londres. Orlando viu a figura de uma espaçonave em uma revista e resolveu construí-lo, mas como não tinha nome para dar, resolveu homenagear Caê.

 

Foto: Micareta de 1980/Adilson Simas


Sobre o (a) autor (a):