União Médica

Crianças feirenses com Câncer recebem presente único

É muito comum que pessoas diagnosticadas com câncer tenham uma mudança grave em seu estilo de vida. O tratamento envolve desgastes físicos e emocionais significativos, exigindo um esforço pessoal e familiar fora do comum. No caso das crianças com câncer, a dificuldade se aprofunda, já que a infância é um período fundamental para o desenvolvimento da personalidade e do caráter de todo indivíduo. Nesse sentido, o ambiente familiar e social saudável torna-se imprescindível para compensar as dificuldades trazidas pela doença. A criança com câncer não pode ser menos criança: deve ter acesso a diversões, brincadeiras, atenção e inventividade próprios da

SAMU

Trote para o SAMU terá multa em Feira

O Governo Municipal sancionou a Lei 3.761, de 9 de outubro de 2017, que dispõe sobre a imputação de multas para os praticantes de trotes contra o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, o SAMU. Veja alguns artigos da Lei: Art. 1º – Fica passível de multa os proprietários de linhas telefônicas cujos aparelhos sejam utilizados para a prática de trotes contra o SAMU – Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Art. 2º – Identificando o número do telefone do infrator, este será encaminhado pelo SAMU através de um relatório às respectivas empresas telefônicas para que as mesmas forneçam os nomes

Desemprego em Feira de Santana

Emprego em Feira pode alcançar quarto ano de saldo negativo

Semana passada houve um festivo balanço sobre o desempenho da economia brasileira nos oito primeiros meses do ano. Em meio aos confetes, às autocongratulações, ao otimismo acerca do futuro redentor, alguém ponderou que é precoce assegurar que o pior já passou para o mercado de trabalho. Mas a advertência se perdeu em meio à algazarra que busca sufocar os vexatórios escândalos de corrupção que, a cada semana, ganham um novo capítulo, envolvendo Michel Temer (PMDB-SP), o mandatário de Tietê, e sua retaguarda palaciana. O raciocínio é oportuno, conforme uma análise superficial sobre os números mais recentes atesta. Embora registre tênue

Ensino Religioso

Escola sem partido, mas com religião

Quando criança, assisti às inevitáveis aulas de religião na escola. A professora era uma espécie de beata, muito afável e risonha, que frequentava a igreja católica ali do Alto do Cruzeiro, nas imediações do Sobradinho. Naqueles tempos, boa parte da população era católica. Eu próprio tive formação católica: assim, embora não me recorde mais do conteúdo das aulas, lembro que aquilo não me causava estranhamento. Tudo mudou quando cheguei à antiga sétima série, noutra escola: autoritária e intolerante, a professora provocava estranhamento e, não raras vezes, ojeriza à classe. Cavoucando a memória, recordo de uma freira que, uma vez por

Eliana Lima

Entrevista com Eliana Lima [Feirenses TV]

A Feira do Livro – Festival Literário e Cultural de Feira de Santana – nasceu da necessidade de despertar os dirigentes de instâncias públicas, privadas e filantrópicas para a importância de implementar políticas públicas do livro e da leitura na sociedade, e assim possibilitar o acesso de pessoas das diversas esferas sociais ao universo da leitura e das realizações culturais. A Feira já se consolidou como um evento importante para reunião de pessoas em torno da arte, da cultura e do entretenimento. Ela vem se constituindo como uma ação sociocultural que visa a potencializar a formação do leitor de todas

Julieta Carteado: a mulher que dá nome à maior biblioteca de Feira

Como sabemos, Feira de Santana é uma cidade construída por artífices oriundos(as) de diversas cidades da Bahia e do Brasil (para não falar de quem vem de fora do país, como os chineses que povoam o Feiraguay). Não é de se espantar, portanto, que a maior biblioteca de Feira tenha sido fundada com a colaboração central de alguém de fora, principalmente numa época em que poucos eram os entendidos de biblioteconomia por aqui – em 1976, ano de fundação da Biblioteca Central da UEFS.

Se faz muito sentido que um “estrangeiro” tenha protagonismo em Feira de Santana, o cenário de normalidade é relativizado quando sabemos que uma mulher negra foi a primeira diretora da Biblioteca Central. Nascida em 12 de setembro de 1927, Julieta Carteado Monteiro Lopes é essa referência, após ter se formado em biblioteconomia em 1967.

Julieta Carteado no hall principal da Biblioteca da UEFS

Julieta Carteado no hall principal da Biblioteca da UEFS. Foto: Acervo UEFS

Filha de Manoel da Mota Monteiro Lopes e Edith Carteado Monteiro Lopes, Julieta nasceu em Ilhéus, e foi a primeira bibliotecária concursada da UEFS. O Reitor da época, Dr. Geraldo Leite, nomeou Julieta diretora da Biblioteca, cargo que exerceu durante 12 anos. Também foi membro do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão (CONSEP) e chefe da Seção de Referência da Universidade.

Biblioteca Julieta Carteado

Biblioteca Central da UEFS: à esquerda, o busto de Julieta Carteado. Foto: UEFS

Além do papel histórico para a Universidade Estadual de Feira de Santana, Julieta era escritora, poeta e pintora. Chegou a participar de uma exposição promovida pela Fundação Cultural do Estado da Bahia na Biblioteca Central do Estado (Salvador/Barris) em 1981. Também tinha como costume doar suas telas a amigos e colegas de trabalho. Antes do seu falecimento, em 1994, escrevia um livro que falava sobre os grandes amores da humanidade.

A seguir, um cartão de Natal confeccionado por Julieta, em 1992:

Cartão de Natal de Julieta Carteado

Julieta foi membro da Academia Feirense de Letras, é patrona da cadeira 24 da Academia de Letras e Artes de Feira de Santana e uma das fundadoras da Associação Cristã Feminina de Feira de Santana. Um currículo invejável para qualquer intelectual da sua época.

Rejane Maria Rosa Ribeiro, cuja descrição biográfica de Julieta consultamos para realizar esta publicação, escreve o seguinte sobre a bibliotecária: “Carismática, inteligente, bondosa, meiga, passou por momentos de preconceito por ser mulher e negra, sem nunca dizer uma palavra maledicente, revelando seu lado religioso, sua fé em Deus e tolerância com os homens”.

Julieta Carteado

Julieta e sua equipe de trabalho na UEFS. Foto: Acervo UEFS

Em sua homenagem, a UEFS nomeou sua Biblioteca Central de Julieta Carteado, reconhecendo justamente os esforços daquela que dedicou sua vida a um dos maiores acervos bibliográficos do estado. Que sua memória nunca se perca!

 

Obras consultadas:

  • “Julieta Carteado: mulher, poetisa, pintora e bibliotecária”, de Rejane Maria Rosa Ribeiro
  • “Os Imortais da Academia de Letras e Artes de Feira de Santana”, de Lélia Vitor Fernandes
  • Site da Biblioteca Central Julieta Carteado

 


Sobre o (a) autor (a):

  • Nathalia Almeida

    Parabéns pela matéria pessoal! To adorando o site. Cada dia com matérias mais ricas!