Diagnóstico Cultural

Resultado de diagnóstico cultural será apresentado a Feira de Santana

Nesta terça, 27 de junho, às 19h, será realizada, no Teatro Margarida Ribeiro, a apresentação dos resultados do Diagnóstico Cultural de Feira de Santana, realizado em 2016 pelo Galpão Cine Horto, em parceria com a Habitus Pesquisa. O Galpão Cine Horto é uma organização cultural de Minas Gerais, que realiza projetos culturais (cursos, pesquisas, oficinas e eventos) em diversos segmentos, envolvendo ativistas e artistas do Brasil e do exterior. O Diagnóstico buscou identificar o perfil da cultura local, seus agentes e manifestações, bem como as principais potencialidades e vulnerabilidades da cultura no município. Para isso, foram realizadas entrevistas, questionários e

A chuva em Feira de Santana

Chuvas garantiram fartura nos festejos juninos

Quem se aventurou pelo Centro de Abastecimento nos dias que antecederam os festejos juninos pôde notar uma significativa diferença em relação ao ano passado: a oferta de produtos se ampliou, inclusive com expressiva redução de preços em relação a 2016. Tudo por conta das chuvas que começaram a cair nos primeiros dias de abril e que se estenderam até aqui, meados do mês de junho. Embora o semiárido siga carecendo de mais chuva, sobretudo para reforçar os reservatórios, o inverno sertanejo representou uma trégua feliz na rotina de secas dos últimos anos. Foi visível a fartura do amendoim, do milho

A música regional do nordeste em 5 discos dos anos 1970

Que os anos de 1970 foram, de modo geral, bastante conturbados, isso não é novidade para ninguém, todavia, poucas épocas nos deixaram um legado de diversidade musical tão grande. Seja com o fim do classic rock ou com o nascimento da discoteca, da incorporação de instrumentos eruditos ao rock’n’roll, à revitalização do samba carioca, ambos iniciados no final dos anos 60, a década de 70 também se responsabilizou por muitos outros “resgates”, entre eles, o da música nordestina. Na segunda metade da década de 70, muitos artistas surgiram com a proposta de trazer de volta o que havia de mais

Quando Luiz Gonzaga vinha a Feira de Santana

De acordo com relatos de fontes diversas, sabe-se que Luiz Gonzaga, o Gonzagão, ícone maior da música nordestina, esteve algumas vezes da sua extensa carreira em Feira de Santana. O jornalista e colecionador de reminiscências feirenses Adilson Simas é uma das fontes mais confiáveis nesse sentido, lembrando uma das ocasiões em que o Rei do Baião pisou em terras feirenses: “Em 1973, ano do seu centenário de emancipação política, a Feira de Santana, de janeiro a dezembro, recebeu grandes personalidades. Luiz Gonzaga, mais tarde laureado com o título de Cidadão Feirense e que aqui fez várias apresentações, desde a marquise

Estacionamento de motos em Feira de Santana

A nova regra para motos em estacionamentos privados de Feira

Os proprietários de motocicletas em Feira de Santana não precisarão pagar o mesmo valor dos carros quando forem utilizar  estacionamentos privados no município. Foi publicada uma Lei Municipal regulamentando a situação no Diário Oficial do Município. Veja a Lei na íntegra: Dispõe sobre os critérios de diferentes taxas cobradas em estacionamentos privativos para motocicletas e automóveis. O PREFEITO MUNICIPAL DE FEIRA DE SANTANA, ESTADO DA BAHIA, FAÇO saber que a Câmara Municipal, através do Projeto de Lei nº 16/2017, de autoria do Edil Ewerton Carneiro da Costa, decretou e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º – Fica posto em

Jazz produzido em Feira de Santana é destaque em festivais e prêmios

No livro “O Jazz do Rag ao Rock”, o jornalista Joachim Ernst define o Jazz da seguinte forma: “O jazz é uma forma de expressão artístico-musical que nasceu nos Estados Unidos em conseqüência do encontro do negro com a tradição musical européia. O arsenal harmônico, melódico e instrumental se origina na tradição cultural do Ocidente. Ritmo, fraseado, sonoridade, assim como particularidades da harmonia-blues, são de origem africana, elementos estes, porém, filtrados pela experiência vital do negro nos Estados Unidos”.

O Jazz é uma tradição musical que possui em sua gênese a fusão criativa de elementos musicais, a partir de referenciais diversos, às vezes superando o conceito do aparentemente contraditório e conflitante. Essa inquietação musical tem encontrado terreno fértil em Feira de Santana, com grupos e artistas que se destacam na Bahia e fora do estado, pelo Jazz que vêm produzindo.

No Recôncavo Jazz Festival, que ocorre em Cachoeira-BA, por exemplo, Feira emplacou duas atrações (dia 6 de abril): o músico Tito Pereira e o Grupo Africania:

Tito Pereira

Veja uma pequena demonstração do trabalho do pianista Tito Pereira, compositor de “Balada pra Bill”, interpretada pelo próprio Tito, junto com Carlos Betancourt no contrabaixo:

 

A Africania também “tá podendo”, com uma agenda bem animada em abril: além do festival no Recôncavo eles tocam em Salvador (1º de abril, Largo 2 de julho), João Pessoa-PB (Festival Negra Música, 15 de abril) e Florianópolis-SC, no Jurerê Jazz Festival (28 de abril). No mesmo festival se apresentarão Maria Gadú, O Grande Encontro, além de atrações de destaque no Jazz nacional e internacional.

 

Outro grupo de destaque no Jazz feirense é o Santini e Trio, que, junto com o Africania, concorre ao Prêmio Caymmi de Música, e vem fazendo um trabalho primoroso, junto com integrantes de outro tradicional grupo de Jazz da cidade, o Quaternária.

O Santini e Trio tocará pelo Prêmio Caimmy no dia 26 de abril, em Salvador:

Santini e Trio

 

Que o Jazz feirense continue a florescer, e influencie outras tradições musicais da cidade a seguir caminho semelhante, com inovação, ousadia e criatividade autoral.


Sobre o (a) autor (a):