De arrepiar! O novo clipe da banda feirense Calafrio

A banda feirense Calafrio acaba de lançar seu novo clipe, “A mão Pesada do Destino”, uma produção cinematográfica de primeiríssima qualidade, que pode ser comparada a clipes produzidos para o mercado nacional – mesmo sendo uma produção independente. A Calafrio é uma banda com 11 anos de estrada e três discos lançados (“Ácido Céu”, “Para Ambos os Lábios” e “Bater de Frente”). Após algumas mudanças em sua composição hoje conta com Pedro Patrocínio (Guitarra e Vocal), Siddhartha Gautama (Vocal e Guitarra), Robson Sousa (Bateria) e Bruno Mendes (Baixo). O clipe foi gravado em um dos mais tradicionais redutos da boemia feirense, o

Raimundo de Oliveira

Raimundo de Oliveira: o pintor feirense que expôs em Paris e Nova York

“O profeta Raimundo, grande da pintura brasileira, carregado de drama, de solidão e de pecado, é no entanto o mais alegre e terno, o mais puro e numeroso, jamais sozinho pois sua palavra é de solidariedade e sua mensagem é o amor entre os seres humanos, é a alegria fluindo dos pincéis e de seu coração. É o profeta de Feira de Sant’Ana, lá vem montado em seu jumento e vai levar sua carga de amor aos confins do mundo”. Assim o escritor Jorge Amado descreveu o artista feirense Raimundo Falcão de Oliveira, um dos maiores nomes das artes plásticas

Santini & Trio

Santini & Trio vence o Prêmio Caymmi de Música

Feira de Santana foi destacada no Prêmio Caymmi de música, que pode ser considerada a principal premiação da música baiana na atualidade. Concorrendo com iniciativas musicais de todo o estado, o grupo feirense Santini & Trio foi vencedor na categoria “Melhor Banda”. O prêmio de melhor instrumentista também veio para Feira de Santana, entregue ao baterista Flaviano Gallo (integrante do Santini & Trio).   Integram o grupo o guitarrista Rony Santini, o baterista Flaviano Gallo, o pianista e acordeonista Rogério Ferrer e o baixista Anderson Silva.   Um orgulho para quem é feirense e (re)conhece a qualidade da nossa música

Justiniano entra com Mandado de Segurança contra José Ronaldo

Está no portal do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) um pedido de Mandado de Segurança impetrado pelo vereador eleito e atual secretário de Serviços Públicos da Prefeitura Municipal de Feira de Santana, Justiniano França. Justiniano, através da advogada Lady Daiane da Silva, alega ter pedido exoneração do cargo, tendo sido a solicitação indeferida pela Prefeito Municipal José Ronaldo. O pedido de liminar já foi julgado pelo Juiz Gustavo Rubens Hungria, que deu o prazo de 5 dias para que o Prefeito exonere o Secretário, sob pena de multa de R$1.000,00 mil reais: Veja aqui a decisão na íntegra! Fontes

Estrada Feira-Serrinha

Viagem entre Feira e Serrinha segue como calvário

Apenas 65 quilômetros separam Feira de Santana de Serrinha através da BR 116 Norte. O intercâmbio entre as duas cidades é intenso: muita gente sai daquela cidade para fazer compras e acessar serviços por aqui, em função dos preços mais em conta; outros buscam atendimento especializado na área de saúde; há aqueles que residem numa cidade e trabalham na outra, robustecendo o fluxo entre as duas localidades; estudantes de Serrinha são alunos da Uefs e de outras instituições de ensino superior feirenses; e não falta quem resida na Feira de Santana, mas frequente o campus da Uneb lá em Serrinha,

Lembranças da infância em Feira: computador, Internet discada e mIRC

Nos dias de hoje, estar conectado à internet é quase uma obrigação. Seja nos smartphones ou nos computadores, estamos sempre antenados e usamos a rede pra se comunicar e informar diariamente. Usamos e abusamos das facilidades que a internet nos proporciona. Mas, quem nasceu em meados dos anos 80, ou um pouco antes, pôde perceber que nem sempre foi assim. Pode parecer muito tempo, mas não é. Impressionante é a velocidade vertiginosa em que a internet se popularizou e se consolidou, mas, vamos relembrar de quando não era tão fácil assim.

Para conectar-se à internet eram usados pulsos telefônicos, e, pra economizar na conta de telefone, era necessário esperar até meia noite, nos dias de semana; sábados a partir das 14h, e aos domingos o dia todo. Nesses horários pagava-se o custo de uma ligação local, que era um único pulso. Quem passou por isso sabe o que é ficar contando os minutos pra dar 00h. Sem contar que, ao conectar, o telefone ficava impossibilitado de receber ligações, o que causava transtornos em casa.

Os sistemas operacionais eram o Windows 95 ou 98. Nada das interfaces bem coloridas que existem hoje. O mouse era de bolinha, o monitor de tubo de imagem, o modem era dial-up e a mídia removível era o disquete, que armazenava impressionantes 1,44MB. Drive de Cd ROM era artigo de luxo e equipava os computadores mais avançados.

“Era bem fácil esperar dias para baixar aquele filme desejado, e, ao abrir o vídeo, perceber que na verdade se tratava de um clipe do Bee Gees.”

A velocidade de conexão da internet era de 56 kbps. Baixar arquivos era demorado e, dependendo do tamanho, poderia levar muito tempo. Era bem fácil esperar dias para baixar aquele filme desejado, e, ao abrir o vídeo, perceber que na verdade se tratava de um clipe do Bee Gees.

Não havia Youtube nem Orkut. Muito menos Facebook. O meio de comunicação amplamente usado era o mIRC, que era o principal cliente de IRC. O usuário baixava o programa, definia um nickname (apelido) e se conectava ao servidor. Não havia imagens e a interface era composta de caracteres escritos.

Windows 95

Se o mIRC era o local de encontro, os canais eram como casas e reuniam as pessoas por interesses ou por localidade. Os usuários dos canais podiam ser classificados em três tipos, operadores, voices e usuários comuns:

Operadores: Também conhecidos como OPs, eram uma espécie de moderadores dos canais e se posicionavam na parte superior da lista de usuários. Possuiam o nome em vermelho e os seus Nicks iniciavam com uma “@”. Tinham autonomia para dar punições e expulsar usuários que não se comportavam de acordo com as regras dos canais.

Voices: Se posicionavam logo abaixo dos operadores e tinham o Nick na cor azul. Recebiam um “+” antes de seu apelido e eram considerados vips. Apesar de não ter muita autonomia era um prestígio e representava popularidade ser um voice. Geralmente tinham amizades com os operadores.

Usuário comum: Seu Nick era na cor preta e não tinha prefixos. Eram o restante das pessoas que frequentavam o ambiente virtual.

Havia ainda o privado, que era conhecido como PVT. Com um clique duplo em cima do Nick do usuário abria-se uma janela particular, e a conversa transcorria de forma particular. Muito bom pra paquerar, tratar de assuntos pessoais ou trocar arquivos. Era usado também por quem simplesmente não conseguia acompanhar a enxurrada de informações que eram compartilhadas nos canais.

Os nomes dos canais eram iniciados por “#”. Alguns dos canais mais famosos de Feira eram os canais: #feira, #rockcia, #blz, #cabucu. Possuíam centenas de usuários ativos que atingiam picos nos fins de semana. Até hoje, é bem fácil lembrar o Nick de alguns operadores do canal #feira, tamanha era a popularidade.

“Confesso que sinto saudade daquele barulho esquisito da internet conectando, da alegria de ouvir uma música ou ver um vídeo, depois do esforço de várias horas para baixar”.

A troca de fotos era algo bem difícil. A fotografia digital ainda era muito cara e não acessível no Brasil, e poucas pessoas tinham scanner em casa, pra digitalizar fotos suas e mandar pra outras pessoas. Para ver as pessoas eram feitas reuniões chamadas IRContros. A senha para participar dos IRContros eram camisetas. Os operadores confeccionavam e vendiam camisetas com o nome do canal e o apelido do usuário, escrito nas costas. Era marcado um horário, geralmente em lugares bem movimentados, para que os usuários se encontrassem. Nesse momento se descobria quem era a pessoa que estava por trás do apelido.

Às vezes levavam meses ou até anos para conhecer pessoalmente aquela pessoa que passava horas a fio conversando pelo mIRC. Alguns tinham vergonha, outros medo, alguns até preferiam se manter no anonimato, entretanto, quem se habilitava, acabava fazendo muitas amizades. Rolava bastante paquera e, nos dias de hoje, não é difícil encontrar famílias formadas por pessoas que se conheceram nessa época e acabaram se relacionando.

Apesar da enxurrada de informações que vivemos nos dias de hoje, a facilidade de acesso à internet e o uso extensivo da imagem, confesso que sinto saudade daquele barulho esquisito da internet conectando, da alegria de ouvir uma música ou ver um vídeo, depois do esforço de várias horas para baixar. Sinto saudades também do charme de bater papo e se relacionar, contido no mIRC. Fiz boas amizades nessa época, e algumas duram até os dias de hoje.


Sobre o (a) autor (a):