Festival de Samba de Feira de Santana

Feira de Santana terá seu primeiro Festival de Samba

O Coletivo Unidos Pelo Samba promove entre os dias 2 e 9 de dezembro o I Festival de Samba de Feira de Santana. O evento visa promover diálogos e experiências de valorização e reconhecimento do samba na cidade, além de comemorar o Dia do Samba (2 de dezembro). Pela primeira vez receberá esse tipo de evento, reunindo experiências e vivências de compositores, sambistas e admiradores do samba com o público em geral. Na programação, rodas de samba e rodas de conversa que acontecerão no Mercado de Arte Popular (MAP) e em outros pontos da cidade. De acordo com o cantor

Feira Noise Festival

Feira Noise começa nesta quinta

Começa nesta quinta-feira (24) e prossegue até o próximo domingo (26), a sétima edição do Festival Feira Noise. O evento é promovido pelo Feira Coletivo Cultural e contará com apresentações musicais de artistas de todo o Brasil,  além de espetáculos de dança, rodas de conversa, intervenções de artes visuais e outras atividades. Maior festival independente da Bahia, o Feira Noise será aberto na quinta, às 19 horas, no teatro do Centro de Cultura Amélio Amorim, com a palestra Delírios Utópicos, proferida pelo teórico da contracultura e pensador contemporâneo Cláudio Prado, colunista da Mídia Ninja. Também teremos no primeiro dia do

Roberto Kuelho

Roberto Kuelho ganha Prêmio Palco MP3 com CD Sense Bulir

Um ano após o lançamento do CD Sense Bulir, o cantor Roberto Kuelho colhe frutos de seu trabalho. O artista baiano, e feirense, é um dos ganhadores do Prêmio Palco MP3 na categoria “Word Music”. O prêmio é uma realização do Palco MP3, o maior portal de música independente do Brasil. Entre as músicas em destaque no site estão “Nem precisa ser amor” e “Bem no Auge”, que foi ouvida mais de 115 mil vezes. “Esse prêmio nos deixa feliz por ser os primeiros resultado de um trabalho feito com carinho. Mostra que nosso som está encontrando as pessoas certas”,

Ciro Gomes

A palestra completa de Ciro Gomes em Feira de Santana

O presidenciável, ex-ministro dos governos Itamar Franco, Lula e Dilma, um dos criadores do Plano Real e ex-Governador do Ceará, Ciro Gomes, esteve em Feira de Santana no dia 1 de novembro, palestrando na Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Na oportunidade, respondeu a perguntas de alunos e professores da Universidade. Veja o evento na íntegra:  

Homicídios em Feira de Santana

Homicídios mais que dobraram em 20 anos em Feira

No dia 05 de julho de 1997 o extinto jornal Feira Hoje, diário que circulava aqui na Feira de Santana, divulgou um balanço da violência no primeiro semestre daquele ano. Comparando com o ano anterior, houve elevação: foram 77 homicídios e três latrocínios na primeira metade do ano; em 1996, os números foram mais favoráveis: 67 homicídios e quatro latrocínios. Na soma, 80 mortes violentas no primeiro semestre de 1997 e 71 no mesmo período do ano anterior. O levantamento também informava sobre as mortes em supostos confrontos com a polícia: foram 29 em 1996 e, no ano seguinte, o

Crônicas da Micareta de Feira – Histórias hilárias e inesquecíveis

Como toda tradição, a Micareta de Feira de Santana também tem histórias engraçadas, e seus personagens que ficarão para sempre na memória do povo. Lembro-me de várias. Se alguém se identificar com uma delas, peço que não se aborreça, afinal, entrou para os anais da folia momesca.

O ano era 1992, a novela da Rede Globo era Pedra Sobre Pedra. Um dos personagens principais era o ator Maurício Mattar, que interpretava o intrépido personagem Leonardo Pontes. Maurício vivia naquela época o auge da carreira. Surge, então, um Bloco com o nome “Mel & Cia”. Na festa de lançamento, anunciaram: “o nosso bloco estará trazendo para os associados a presença ilustre do artista Maurício Mattar”. Foi o bastante para criarem na cidade milhares de expectativas e comentários.

Chega o dia da passagem do bloco, e, três horas antes, a TV Subaé faz um flash ao vivo com o suposto diretor, que pontua: Maurício Mattar já está na cidade, hospedado em um grande hotel.

Doido pra dar o famoso furo de reportagem, chamei um grande amigo e começamos a nossa peregrinação em busca do famoso astro. “Grande hotel” em Feira, só podiam ser dois: Feira Palace Hotel, ou Pousada da Feira. No primeiro, nada. Pegamos a pista e fomos parar na Pousada da Feira, e lá também nem sombra de Mattar. Ainda assim, na boa fé, fomos a mais dois de menor porte, na esperança de encontrá-lo. Tudo em vão.

A cidade era só comentário. Mulheres com as máquinas fotográficas, e os homens só inveja. Como estava marcado para sair às 17h, uma hora antes dei plantão na concentração, mas não visualizei nem bloco, nem foliões e muito menos Leonardo Pontes, na pele de Maurício. Pior: o bloco nem existia de fato, pois apenas alguns corpos surgiram com a tal camisa, infiltrados no bloco Os Nacionais. Os diretores? Quem soubesse, morreria.

“Faltando uma semana para a festa, recebemos na Rádio um comunicado que afirmava o cancelamento do desfile da agremiação”

Outro caso que não me saiu da memória foi o Bloco Bumerangue. Este anunciou Netinho, também num grande momento. Faltando uma semana para a festa, recebemos na Rádio um comunicado que afirmava o cancelamento do desfile da agremiação, sob alegação de que um dos dirigentes havia falecido. No sábado da Micareta, de cima de um trio, alguém dedurou: “olha o cara do Bumerangue que disseram ter morrido; olha lá, ele pulando dentro de outro bloco!”.

Teve um tal “Bloco Du Bicho”. Esse foi mais ousado. Abriu uma linda sede e anunciou boas atrações para três dias; entre elas a Banda Mel, em pleno sucesso no país. Cinco dias antes, “Du Bicho” sumiu e até hoje o IBAMA procura.

Mas tem uma história que jamais vou esquecer: o caso do Bloco “Venha K Escorpião”. Tratava-se de uma fusão do Venha K com o Escorpião, dois recém-estreantes da festa. Eu estava passando, quando preparavam a sua saída. Chamou-me a atenção o fato de ter apenas quatro foliões, oito seguranças e vinte cordeiros. De repente, o cantor da banda me saiu com essa em alto e bom som: “atenção, galera do meu bloco: vamos brincar na paz, não quero confusão nem empurra-empurra em meu bloco”.

Até hoje, fico a pensar: como um bloco com apenas quatro pessoas, sendo dois casais, conseguiriam promover alguma confusão?


Sobre o (a) autor (a):

  • Dani Gomes

    KKKKKKKKKKKKKKK

  • Braulio Coutinho

    Cara ri demais aqui . kkkkkkkkkkk