Diagnóstico Cultural

Resultado de diagnóstico cultural será apresentado a Feira de Santana

Nesta terça, 27 de junho, às 19h, será realizada, no Teatro Margarida Ribeiro, a apresentação dos resultados do Diagnóstico Cultural de Feira de Santana, realizado em 2016 pelo Galpão Cine Horto, em parceria com a Habitus Pesquisa. O Galpão Cine Horto é uma organização cultural de Minas Gerais, que realiza projetos culturais (cursos, pesquisas, oficinas e eventos) em diversos segmentos, envolvendo ativistas e artistas do Brasil e do exterior. O Diagnóstico buscou identificar o perfil da cultura local, seus agentes e manifestações, bem como as principais potencialidades e vulnerabilidades da cultura no município. Para isso, foram realizadas entrevistas, questionários e

A chuva em Feira de Santana

Chuvas garantiram fartura nos festejos juninos

Quem se aventurou pelo Centro de Abastecimento nos dias que antecederam os festejos juninos pôde notar uma significativa diferença em relação ao ano passado: a oferta de produtos se ampliou, inclusive com expressiva redução de preços em relação a 2016. Tudo por conta das chuvas que começaram a cair nos primeiros dias de abril e que se estenderam até aqui, meados do mês de junho. Embora o semiárido siga carecendo de mais chuva, sobretudo para reforçar os reservatórios, o inverno sertanejo representou uma trégua feliz na rotina de secas dos últimos anos. Foi visível a fartura do amendoim, do milho

A música regional do nordeste em 5 discos dos anos 1970

Que os anos de 1970 foram, de modo geral, bastante conturbados, isso não é novidade para ninguém, todavia, poucas épocas nos deixaram um legado de diversidade musical tão grande. Seja com o fim do classic rock ou com o nascimento da discoteca, da incorporação de instrumentos eruditos ao rock’n’roll, à revitalização do samba carioca, ambos iniciados no final dos anos 60, a década de 70 também se responsabilizou por muitos outros “resgates”, entre eles, o da música nordestina. Na segunda metade da década de 70, muitos artistas surgiram com a proposta de trazer de volta o que havia de mais

Quando Luiz Gonzaga vinha a Feira de Santana

De acordo com relatos de fontes diversas, sabe-se que Luiz Gonzaga, o Gonzagão, ícone maior da música nordestina, esteve algumas vezes da sua extensa carreira em Feira de Santana. O jornalista e colecionador de reminiscências feirenses Adilson Simas é uma das fontes mais confiáveis nesse sentido, lembrando uma das ocasiões em que o Rei do Baião pisou em terras feirenses: “Em 1973, ano do seu centenário de emancipação política, a Feira de Santana, de janeiro a dezembro, recebeu grandes personalidades. Luiz Gonzaga, mais tarde laureado com o título de Cidadão Feirense e que aqui fez várias apresentações, desde a marquise

Estacionamento de motos em Feira de Santana

A nova regra para motos em estacionamentos privados de Feira

Os proprietários de motocicletas em Feira de Santana não precisarão pagar o mesmo valor dos carros quando forem utilizar  estacionamentos privados no município. Foi publicada uma Lei Municipal regulamentando a situação no Diário Oficial do Município. Veja a Lei na íntegra: Dispõe sobre os critérios de diferentes taxas cobradas em estacionamentos privativos para motocicletas e automóveis. O PREFEITO MUNICIPAL DE FEIRA DE SANTANA, ESTADO DA BAHIA, FAÇO saber que a Câmara Municipal, através do Projeto de Lei nº 16/2017, de autoria do Edil Ewerton Carneiro da Costa, decretou e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º – Fica posto em

As histórias dos taxistas de Feira de Santana

Todos os dias nos deparamos com dezenas de taxistas cruzando as ruas de Feira de Santana, sem nos dar conta dos dilemas por que passam esses profissionais. Ao embarcar em um táxi, muitas vezes contamos nossa vida inteira durante o percurso, mas raramente paramos para ouvir as histórias desses que percorrem as ruas dos mais diversos cantos da cidade.

Para compreender um pouco melhor o trabalho dos taxistas feirenses, ouvindo suas histórias – trágicas e cômicas -, entrevistamos alguns deles (e delas), importantes personagens que testemunham os movimentos da cidade. Entre tantas percepções, vale destacar o permanente medo de roubos, mesmo que nunca tenham sido vítimas durante os muitos anos de carreira. Confira:

Os golpes

Taxista José Bispo

O taxista “Wilson”

Com dezenove anos ganhando a vida sendo taxista, José Bispo de Jesus, conhecido como Wilson, contou algumas de suas aventuras ao longo desses anos. A primeira, foi de um rapaz que dizia estar namorando uma mulher, porém, segundo o cliente, os pais dela não queriam que ele aparecesse nem na porta.

“Quando chegou no bairro Cidade Nova, em um jardim, ele falou comigo: ‘Taxista! A casa é aquela lá, número tal. Vai lá e diga que eu estou esperando ela aqui’. Assim eu fiz. Fui com o carro e ele ficou aguardando. Quando cheguei na casa que chamei, saiu uma senhora que disse que não morava ninguém com aquele nome, quando olhei para trás, cadê o cara? Esse foi apenas um dos golpes que tomei”, diz ele em meio a gargalhadas, lembrando da corrida perdida.

“Teve uma vez que o cara pegou uma corrida, junto com um menino. Eu já com medo de assalto, botei o menino atrás de mim, e deixei ele do lado, porque o carro não tinha o banco dianteiro. Ele pediu uma corrida para o Tomba, chegando lá, compraram carvão, um monte de coisa, e o menino atrás, e eu com um medo retado, chegou em uma das ruas descendo à direita, de quem vai da Estação Nova para o Tomba,  ele desceu em um escuro retado e eu com medo, fingi que o carro brecou e pedi para que eles ajudassem a empurrar. Quando eles desceram para empurrar, funcionei o carro e alinhei, joguei a sacola fora e fui embora! Perdi a corrida, mas não perdi a vida!”, conta Wilson, dizendo que a incidência de assalto é um temor frequente entre os taxistas.

Medo e roubo

Taxista "Careca"

O taxista “Careca”: 32 anos de profissão

Outro taxista com quem conversamos foi Guiovaldo Santana Menezes, conhecido como Careca, que trabalha no mesmo ponto há 32 anos (próximo à Justiça do Trabalho). Careca nos contou que é muito feliz por trabalhar com o que gosta, e que diversas vezes já passou por uma situação inusitada: o passageiro entra no táxi, chega ao destino, e só lá fala que não tem dinheiro para pagar a corrida. “Aí eu fico alegre e não vou brigar. Mando embora e retorno. Já aconteceu várias vezes!”. Ele também aponta o medo de ser assaltado: “quando manda eu descer pra receber, eu não vou descer, porque sei que é esparro. Vou embora e um abraço!”.

Careca conta que já teve caso de mulher que suspeitava do marido querer fazer corrida para seguir o esposo em busca de uma possível traição. Mas Careca recusa esse tipo de trabalho: “eu não vou cair nesses esparros!”.

“Dentro de trinta anos eu fui assaltado duas vezes. Até hoje quando lembro, só Deus sabe a dor que sente.”

Ele já foi roubado trabalhando: “já fui assaltado duas vezes, e em uma delas me deixaram nu dentro de um matagal, levaram meu dinheiro, dois aparelhos celulares, que por sinal eu ainda estava pagando e terminei de pagar para o ladrão, que ainda me chamou de vagabundo. Isso é o pior da vida! Dentro de trinta anos eu fui assaltado duas vezes. Até hoje quando lembro, só Deus sabe a dor que a gente sente”. Ao relembrar os momentos, Careca se emociona, a ponto de lacrimejar.

“Eu vivo assim, pedindo a Deus os passageiros, pra pagar meus débito, e todo fim de ano ir pra Cabuçu, tomar um banhozinho de mar”.

Davi Nunes, taxista há quatro anos, nos relata sua aflição em um assalto que foi vítima e que marcou sua trajetória na profissão. “Uma vez peguei no ponto do Shopping dois casais com destino ao Tomba. Chegando lá, eles anunciaram um assalto com as armas em minha cabeça e me botaram na mala como refém, e me levaram para um mato perto de São Gonçalo, todo amarrado e saíram com meu carro para fazer assalto. Na verdade, nós trabalhamos traumatizados, porque não vem ninguém com uma placa na testa, e hoje o maior medo e maior risco que um taxista corre são os assaltos”, diz Davi.

Jamyle Azevedo, uma mulher taxista

Jamyle Azevedo

A taxista Jamyle Azevedo

Conversamos também com a taxista Jamyle Azevedo, que optou por seguir a profissão do pai, enquanto cursa a faculdade de direito e se dedica à aprovação num concurso público. Entre um livro e outro, uma corrida e outra, Jamyle já vivenciou várias histórias interessantes, e contou detalhadamente uma de suas aventuras.

“Manhã de sábado. Sol tímido tentando vencer as nuvens. Levanto tentando vencer o cansaço de uma noite mal dormida. Chuveiro para mim, lava jato para o parceiro fiel (o carro). Abro o sorriso, hora de ganhar mais um dia.

Primeira cliente: uma senhora, elegantemente vestida, óculos escuros, aparentando pouco mais de 60 anos, tinha mais ‘ouro’ nela do que no paraíso do ‘Inshalá’. Entra no carro, elogia o perfume, indica o destino. Dou bom dia, agradeço a gentileza e só então ela percebe que é uma mulher dirigindo. Sorri. Acha engraçado e toda a amabilidade fica aí. Começa o discurso:

– Menina, isso não é profissão de mulher, vá estudar. Ser taxista é para preguiçoso. Trabalho fácil e perigoso. Fica aí exposta. O mundo tá violento. Ninguém respeita ninguém. Uma mulher tem que se valorizar. Você deveria estar numa faculdade e lá arranjar um bom marido. Muito melhor.

Respiro fundo. Agradeço pelo trajeto ser curto. E apenas balanço a cabeça. Penso em um milhão de respostas que poderia dar. E enquanto vou pensando, ela vai destilando toda sorte de impropérios.

Final do trajeto. Ela paga contando até as moedas. Eu sorrio. Agradeço. E desejo um esfuziante bom dia e um excelente final de semana. Ela pede meu telefone. Digo que estou sem cartão de visita e que ela pode me encontrar no mesmo lugar. Nos despedimos. Retorno na primeira esquina.

Duas senhoras acenam pedindo o táxi. Paro. Sorriso aberto. Dentro e fora do táxi. Entram. Duas senhoras vestidas com roupas esportivas, óculos escuros, pareciam recém saídas de uma academia próxima. Elogios são disparados. Ao perfume, ao sorriso e à atitude corajosa de assumir uma profissão tida como de homens. E vão discorrendo sobre o avanço das mulheres, histórias aqui e ali. Casos e ‘causos’. Muitas gargalhadas.

Respiro fundo. Lamento pelo trajeto ser curto. E vou entre meus pensamentos comparando as clientes. Final do trajeto. Elas pagam sem ligar para as moedas que serviriam de troco. Pedem meu telefone e junto com ele recebem meus sinceros agradecimentos por tornarem meu dia melhor. Despedimos. E eu decido: ‘O dia começou agora’.

E aquela velha lição que fica: não adianta gastar sua energia com quem não vale a pena. Não insista, no que quer que seja, que não esteja disposto a rever posturas e seguir com você em novos caminhos. Às vezes, nem é por querer, foi só a vida que foi sedimentando aqui e ali uma ideia tida como certeza absoluta e assim ficou. Deixa passar. Segue. ‘Dobra’ a esquina. Abra-se aos novos sorrisos. Revitalize sua energia. Não estrague teu dia com gente amarga. Antes, multiplica ele com quem exala positividade. Talvez, se eu tivesse consumido meu humor numa discussão que, certamente, não mudaria aquele discurso, eu não estivesse aberta para ver o que me esperava logo à frente.  Escolha recomeçar sempre. Respira fundo. E ‘vira’ a esquina”, diz Jamyle, mostrando que um simples táxi pode ter muitas lições de vida para ensinar.

 

Tags:

Sobre o (a) autor (a):