Festival de Samba de Feira de Santana

Feira de Santana terá seu primeiro Festival de Samba

O Coletivo Unidos Pelo Samba promove entre os dias 2 e 9 de dezembro o I Festival de Samba de Feira de Santana. O evento visa promover diálogos e experiências de valorização e reconhecimento do samba na cidade, além de comemorar o Dia do Samba (2 de dezembro). Pela primeira vez receberá esse tipo de evento, reunindo experiências e vivências de compositores, sambistas e admiradores do samba com o público em geral. Na programação, rodas de samba e rodas de conversa que acontecerão no Mercado de Arte Popular (MAP) e em outros pontos da cidade. De acordo com o cantor

Feira Noise Festival

Feira Noise começa nesta quinta

Começa nesta quinta-feira (24) e prossegue até o próximo domingo (26), a sétima edição do Festival Feira Noise. O evento é promovido pelo Feira Coletivo Cultural e contará com apresentações musicais de artistas de todo o Brasil,  além de espetáculos de dança, rodas de conversa, intervenções de artes visuais e outras atividades. Maior festival independente da Bahia, o Feira Noise será aberto na quinta, às 19 horas, no teatro do Centro de Cultura Amélio Amorim, com a palestra Delírios Utópicos, proferida pelo teórico da contracultura e pensador contemporâneo Cláudio Prado, colunista da Mídia Ninja. Também teremos no primeiro dia do

Roberto Kuelho

Roberto Kuelho ganha Prêmio Palco MP3 com CD Sense Bulir

Um ano após o lançamento do CD Sense Bulir, o cantor Roberto Kuelho colhe frutos de seu trabalho. O artista baiano, e feirense, é um dos ganhadores do Prêmio Palco MP3 na categoria “Word Music”. O prêmio é uma realização do Palco MP3, o maior portal de música independente do Brasil. Entre as músicas em destaque no site estão “Nem precisa ser amor” e “Bem no Auge”, que foi ouvida mais de 115 mil vezes. “Esse prêmio nos deixa feliz por ser os primeiros resultado de um trabalho feito com carinho. Mostra que nosso som está encontrando as pessoas certas”,

Ciro Gomes

A palestra completa de Ciro Gomes em Feira de Santana

O presidenciável, ex-ministro dos governos Itamar Franco, Lula e Dilma, um dos criadores do Plano Real e ex-Governador do Ceará, Ciro Gomes, esteve em Feira de Santana no dia 1 de novembro, palestrando na Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Na oportunidade, respondeu a perguntas de alunos e professores da Universidade. Veja o evento na íntegra:  

Homicídios em Feira de Santana

Homicídios mais que dobraram em 20 anos em Feira

No dia 05 de julho de 1997 o extinto jornal Feira Hoje, diário que circulava aqui na Feira de Santana, divulgou um balanço da violência no primeiro semestre daquele ano. Comparando com o ano anterior, houve elevação: foram 77 homicídios e três latrocínios na primeira metade do ano; em 1996, os números foram mais favoráveis: 67 homicídios e quatro latrocínios. Na soma, 80 mortes violentas no primeiro semestre de 1997 e 71 no mesmo período do ano anterior. O levantamento também informava sobre as mortes em supostos confrontos com a polícia: foram 29 em 1996 e, no ano seguinte, o

Galeria Caribé – Galerias tradicionais de Feira de Santana

Nos dias de hoje quem passa pelo Calçadão Sales Barbosa (na altura do Mercado de Arte) ou pela Avenida Getúlio Vargas (na altura da Praça da Bandeira) não desconfia que exista uma artéria de estabelecimentos comerciais ligando as duas vias, até por conta da intensa movimentação e ocupação informal do espaço naquela região. Mas ali está a primeira galeria de Feira de Santana, a Galeria Caribé, fundada no ano de 1960.

De acordo com o jornalista e memorialista Adilson Simas, em 28 de maio de 1960 o comerciante Francisco Barbosa Caribé, conhecido como Chiquinho Caribé, trouxe para a cidade a novidade. Além de comerciante, Francisco foi o último prefeito nomeado entre o fim do Estado Novo e as novas eleições pós-redemocratização (em 1947).

Francisco Caribé - Galeria Caribé

Hoje a Galeria Caribé é um desses espaços feirenses que preserva o espírito empoeirado do passado, com estabelecimentos quase nada conectados com a modernidade.

São poucos estabelecimentos, pois a própria galeria tem extensão curta, comparada com os shoppings contemporâneos. A maioria dos espaços é ocupada por relojoarias, que vendem principalmente relógios usados, além de realizar consertos e reparos. Entre lupas, engrenagens e pinos, os relojoeiros trabalham minuciosamente para fazer o tempo girar. Testemunhar esses profissionais da Galeria Caribé é uma experiência estética que remete à Invenção de Hugo Cabret, o filme de Scorsese.

Senhoras criteriosas escolhem as linhas e agulhas de crochê num armarinho ali instalado. As prateleiras e estantes denunciam a longevidade do local: muitos casacos, xales e outras peças de lã feirenses brotaram daquela fonte. O nome do armarinho está escrito em letra medieval, outro indício de uma época que saiu da moda.

Armarinho na Galeria Caribé

A Galeria Caribé também abriga, em sua única esquina, um verdadeiro antiquário de CDs, DVDs e fitas K7. Discos clássicos são encontrados nos mais diversos gêneros: Cartola, Janis Joplin, Bee Gees, Elymar Santos, Roberto Carlos e muito mais. O lugar é um quilombo de resistência ao digital.

Galeria Caribé

Galeria Caribé

Já no corredor que desemboca na Avenida Getúlio Vargas, imagens de santos católicos estão dispostas em toda a parede. É o mostruário de uma loja de artigos católicos, que vende livros, suprimentos para altares, roupas e artigos de decoração com temas cristãos. Santo Antônio, São Jorge, São Francisco, as diversas Nossas Senhoras… várias expressões do sagrado imantando o corredor antigo da primogênita galeria de Feira de Santana.


Sobre o (a) autor (a):