Santini & Trio

Santini & Trio vence o Prêmio Caymmi de Música

Feira de Santana foi destacada no Prêmio Caymmi de música, que pode ser considerada a principal premiação da música baiana na atualidade. Concorrendo com iniciativas musicais de todo o estado, o grupo feirense Santini & Trio foi vencedor na categoria “Melhor Banda”. O prêmio de melhor instrumentista também veio para Feira de Santana, entregue ao baterista Flaviano Gallo (integrante do Santini & Trio).   Integram o grupo o guitarrista Rony Santini, o baterista Flaviano Gallo, o pianista e acordeonista Rogério Ferrer e o baixista Anderson Silva.   Um orgulho para quem é feirense e (re)conhece a qualidade da nossa música

Justiniano entra com Mandado de Segurança contra José Ronaldo

Está no portal do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) um pedido de Mandado de Segurança impetrado pelo vereador eleito e atual secretário de Serviços Públicos da Prefeitura Municipal de Feira de Santana, Justiniano França. Justiniano, através da advogada Lady Daiane da Silva, alega ter pedido exoneração do cargo, tendo sido a solicitação indeferida pela Prefeito Municipal José Ronaldo. O pedido de liminar já foi julgado pelo Juiz Gustavo Rubens Hungria, que deu o prazo de 5 dias para que o Prefeito exonere o Secretário, sob pena de multa de R$1.000,00 mil reais: Veja aqui a decisão na íntegra! Fontes

Estrada Feira-Serrinha

Viagem entre Feira e Serrinha segue como calvário

Apenas 65 quilômetros separam Feira de Santana de Serrinha através da BR 116 Norte. O intercâmbio entre as duas cidades é intenso: muita gente sai daquela cidade para fazer compras e acessar serviços por aqui, em função dos preços mais em conta; outros buscam atendimento especializado na área de saúde; há aqueles que residem numa cidade e trabalham na outra, robustecendo o fluxo entre as duas localidades; estudantes de Serrinha são alunos da Uefs e de outras instituições de ensino superior feirenses; e não falta quem resida na Feira de Santana, mas frequente o campus da Uneb lá em Serrinha,

Meia Noite em Feira

Meia noite em Paris Feira

Meia-Noite em Paris é uma das obras primas do mestre Woody Allen. Como de costume, ele narra sobre a vida. Logo após a projeção ficamos com aquele ar de reflexão sobre onde nos encontramos no momento, se gostamos do jeito que estamos vivendo, como nos relacionamos e como devemos encarar algumas realidades. Em certo momento do longa, o personagem Gil (Owen Wilson) faz a seguinte pergunta: “Como esta cidade pode ser tão mágica?”. Gil se encanta por Paris. Enxerga o que aquela cidade pode oferecer. Se sente bem ali, absorve inspiração para seus projetos e o faz refletir, repetidamente, se

Neblina em Feira de Santana

Densos nevoeiros nas manhãs feirenses de inverno

Os dias começam a ficar mais quentes na Feira de Santana. As baixas temperaturas registradas entre junho e julho – coisa rara nesses tempos de tanta discussão sobre aquecimento global – parece que não vão se repetir até o final do inverno. E ontem a serra de São José, envolta em frequentes chuviscos prateados e em névoa constante desde o início do inverno, amanheceu muito nítida, com o verde da vegetação renovada se insinuando e a palidez da rocha refletindo a luz límpida do sol. Quem saiu agasalhado precisou se despir, ajustar-se à temperatura elevada pelo calor vigoroso. Os nevoeiros

As citações a Feira de Santana na Operação Lava-Jato

A Operação Lava-Jato tem sido a grande definidora do futuro político do país, envolvendo centenas de políticos de diversas siglas partidárias. Com as delações premiadas da maior empreiteira do país, a Odebrecht, ainda mais personagens foram inseridos como suspeitos da Operação, desnudando um esquema complexo de corrupção, que envolvia a manipulação dos entes estatais há cerca de, pelo menos, 30 anos.

Além de estarmos atentos a todo o desencadeamento nacional e estadual da Lava-Jato, trazemos algumas citações diretas a Feira de Santana nos autos da maior operação contra a corrupção que o Brasil já assistiu. Confira:

O codinome “Feira” nas planilhas da Odebrecht

A feirense Mônica Moura

A feirense Mônica Moura

Nas planilhas de pagamento ilegal da Odebrecht, foi encontrado um personagem que usava como codinome a palavra “Feira”. Em um despacho da 13ª Vara Federal, em Curitiba, acerca de uma prorrogação do pedido de prisão (número 5003682-16.2016.4.04.7000/PR) contra o marqueteiro João Santana e sua esposa, Mônica Moura, natural de Feira de Santana, as seguintes informações são encontradas:

  • “Foram apreendidos documentos que indicam que a Odebrecht teria feito pagamentos periódicos a João Santana e a Monica Moura, inclusive relativos a campanhas eleitorais no Brasil, reportando-se nessas ocasiões a eles através do codinome ‘Feira'”.
  • “Há apontamento de 18.000.000 para ‘evento 2008 (eleições municipais) via Feira’, que indica, segundo a autoridade policial, pagamentos a João Santana no referido ano para eleições municipais no Brasil”.
  • Há também apontamento de 5.300.000 para “evento El Salvador via Feira” neste mesmo ano de 2008, o que indica pagamentos a João Santana no referido ano relativamente aquele país. Admitiu João Santana, em seu depoimento, “que no ano de 2009 atuou na campanha presidencial de Maurício Funes (El Salvador)”.

A interpretação inicial da Polícia Federal foi de que “Feira” seria uma referência ao marqueteiro João Santana. Porém, diz o mesmo despacho sobre Mônica Moura: “em análise preliminar do material apreendido na residência dela, foram localizadas planilhas que retratam mais pagamentos suspeitos ao ‘Feira’ e documentos que contêm a identificação do codinome ‘Feira’ como o termo utilizado pela Odebrecht para reportar-se, não propriamente a João Santana, mas a Mônica Moura, já que ela seria a responsável pela parte administrativa e financeira das atividades do casal”.

Leia aqui o despacho completo!

Um presente de Youssef em Feira?

O ex-deputado Luiz Argôlo

O ex-deputado Luiz Argôlo

Um dos denunciados na Operação Lava-Jato, o ex-deputado federal Luiz Argolo, é acusado de ter recebido móveis, gado, cadeira de rodas e até um helicóptero do doleiro Alberto Youssef, com dinheiro do esquema de corrupção e cartel na Petrobrás.

Em um dos depoimentos concedidos pela testemunha de nome Marcos Vinícius, ligado à UTC Engenharia, que geria a concessão do Aeroporto de Feira de Santana, é dito o seguinte sobre o helicóptero que supostamente foi dado a Luiz Argôlo por Youssef:

“Sei que ele podia ser proprietário de helicóptero, quando eu fui a Feira de Santana pra uma, acho que inauguração do aeroporto de Feira de Santana, do qual nós somos concessionários, ele me ofereceu uma carona de helicóptero e eu fui no helicóptero. […] Eu fui de Salvador a Feira de Santana e voltei nesse helicóptero. […] Na companhia de Luiz Argolo. […] Eu não perguntei se era dele, mas me pareceu que era porque o comando do helicóptero era dele”.

Leia aqui a transcrição completa!

Os R$150 mil para o “médico”

Colbert Martins

O Vice-prefeito Colbert Martins

Outro ponto diretamente ligado a Feira de Santana na Operação Lava-Jato diz respeito ao suposto pagamento, no ano de 2010, de R$150.000,00 mil reais ao atual vice-prefeito de Feira de Santana. Nos autos do processo, é dito pelo delator José de Carvalho Filho o seguinte: “Essa ajuda se deu a pedido de Geddel Vieira Lima. Mesmo eu não tendo relação de proximidade, busquei reforçar a liderança que o PMDB da Bahia poderia ter no Congresso”.

Colbert Martins, ao site Acorda Cidade, negou que tenha recebido o valor.

Leia aqui a transcrição da delação!


Sobre o (a) autor (a):