Santini & Trio

Santini & Trio vence o Prêmio Caymmi de Música

Feira de Santana foi destacada no Prêmio Caymmi de música, que pode ser considerada a principal premiação da música baiana na atualidade. Concorrendo com iniciativas musicais de todo o estado, o grupo feirense Santini & Trio foi vencedor na categoria “Melhor Banda”. O prêmio de melhor instrumentista também veio para Feira de Santana, entregue ao baterista Flaviano Gallo (integrante do Santini & Trio).   Integram o grupo o guitarrista Rony Santini, o baterista Flaviano Gallo, o pianista e acordeonista Rogério Ferrer e o baixista Anderson Silva.   Um orgulho para quem é feirense e (re)conhece a qualidade da nossa música

Justiniano entra com Mandado de Segurança contra José Ronaldo

Está no portal do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) um pedido de Mandado de Segurança impetrado pelo vereador eleito e atual secretário de Serviços Públicos da Prefeitura Municipal de Feira de Santana, Justiniano França. Justiniano, através da advogada Lady Daiane da Silva, alega ter pedido exoneração do cargo, tendo sido a solicitação indeferida pela Prefeito Municipal José Ronaldo. O pedido de liminar já foi julgado pelo Juiz Gustavo Rubens Hungria, que deu o prazo de 5 dias para que o Prefeito exonere o Secretário, sob pena de multa de R$1.000,00 mil reais: Veja aqui a decisão na íntegra! Fontes

Estrada Feira-Serrinha

Viagem entre Feira e Serrinha segue como calvário

Apenas 65 quilômetros separam Feira de Santana de Serrinha através da BR 116 Norte. O intercâmbio entre as duas cidades é intenso: muita gente sai daquela cidade para fazer compras e acessar serviços por aqui, em função dos preços mais em conta; outros buscam atendimento especializado na área de saúde; há aqueles que residem numa cidade e trabalham na outra, robustecendo o fluxo entre as duas localidades; estudantes de Serrinha são alunos da Uefs e de outras instituições de ensino superior feirenses; e não falta quem resida na Feira de Santana, mas frequente o campus da Uneb lá em Serrinha,

Meia Noite em Feira

Meia noite em Paris Feira

Meia-Noite em Paris é uma das obras primas do mestre Woody Allen. Como de costume, ele narra sobre a vida. Logo após a projeção ficamos com aquele ar de reflexão sobre onde nos encontramos no momento, se gostamos do jeito que estamos vivendo, como nos relacionamos e como devemos encarar algumas realidades. Em certo momento do longa, o personagem Gil (Owen Wilson) faz a seguinte pergunta: “Como esta cidade pode ser tão mágica?”. Gil se encanta por Paris. Enxerga o que aquela cidade pode oferecer. Se sente bem ali, absorve inspiração para seus projetos e o faz refletir, repetidamente, se

Neblina em Feira de Santana

Densos nevoeiros nas manhãs feirenses de inverno

Os dias começam a ficar mais quentes na Feira de Santana. As baixas temperaturas registradas entre junho e julho – coisa rara nesses tempos de tanta discussão sobre aquecimento global – parece que não vão se repetir até o final do inverno. E ontem a serra de São José, envolta em frequentes chuviscos prateados e em névoa constante desde o início do inverno, amanheceu muito nítida, com o verde da vegetação renovada se insinuando e a palidez da rocha refletindo a luz límpida do sol. Quem saiu agasalhado precisou se despir, ajustar-se à temperatura elevada pelo calor vigoroso. Os nevoeiros

A evasão escolar em Feira de Santana e a relação com a violência

Considerando sua taxa de homicídios, o Brasil figura entre os países mais violentos do mundo: são cerca de 30 homicídios a cada 100 mil habitantes por ano. A OMS aponta o país como o 11º na quantidade de homicídios no mundo. Caso Feira de Santana fosse um país, estaríamos na terceira colocação, com os 62 homicídios por 100 mil habitantes alcançados em 2016. Trata-se de um quadro aterrorizador, que nos força a pensar saídas para tamanha devastação de vidas.

Logo somos tomados a pensar o que as polícias podem fazer nesse caso, chegando rapidamente à conclusão de que é preciso investimentos em efetivo, inteligência, formação e valorização policial, equipamentos etc. Existem demonstrações, em Feira, de que é possível à polícia reduzir crimes e se aproximar da comunidade obtendo resultados importantes. Ampliar essas iniciativas deve ser prioridade.

Alguns fatores fogem da alçada da própria polícia: reformas legislativas que garantiriam mais eficiência no trabalho policial, como a discussão sobre o ciclo completo de polícia (que garante que o trabalho policial não seja dividido entre duas corporações) e o debate sobre a lei de drogas, que tem possibilitado um alto e desqualificado grau de encarceramento no país, com os resultados que estamos assistindo atualmente.

Fora todos esses (e outros) aspectos que ajudam a explicar a dinâmica da violência no Brasil, e em grandes cidades como Feira de Santana, vale a pena considerar um recente estudo feito por um dos principais pesquisadores do tema no Brasil, o sociólogo e consultor em segurança pública, Marcos Rolim, do Rio Grande do Sul. Ele buscou entender o que diferenciava jovens (de mesma origem social) que praticaram violências graves daqueles que tinham uma vida sem envolvimento com o crime. O estudo é revelador:

“Tenho a impressão de que encontramos uma coisa que é muito expressiva como fenômeno social. Se confirmou algo que até agora não se deu a devida importância. Se a pesquisa estiver correta, é impossível falar sobre a redução da violência no Brasil sem abordar o tema da evasão escolar. Esse passa a ser um tema central. A pesquisa indica claramente isso. Não é nem uma opinião minha e nem é o que eu achava. Eu imaginava, inspirado no Athens (estudo norte-americano), que o problema central estava na violência contra a criança. Minha hipótese era a de que o cara que está matando na rua é o cara que apanhou em casa. E essa tese não foi confirmada. Então, a pesquisa confirma uma parte da teoria do Athens, que é a parte do treinamento violento. É um dos estágios dessa violentização, mas não confirma o primeiro, que é o da violência contra a criança como sendo um fator importante para esse fenômeno”, diz o pesquisador em recente entrevista.

O estudo de Rolim lhe rendeu uma tese de Doutorado, e o livro “A formação de jovens violentos – Estudo sobre a etiologia da violência extrema” (Appris Editora, 285 páginas). Ele aprofunda a análise sobre a importância da evasão escolar como elemento condutor dos jovens às práticas violentas: “Há uma dinâmica perversa em curso nas cidades brasileiras, que envolve evasão escolar muito precoce. Esses guris saem muito jovens da escola. Pobres todos. Fracassam na escola, que não consegue atraí-los e permanecer com eles. Ou seja, não cria vínculos. E, ao ficarem em sua comunidade sem trabalho e sem escola, semialfabetizados, eles se aproximam dos grupos armados que recrutam esses jovens, primeiro para serviços básicos do tráfico, em que são socializados nos valores da violência, quando alguém lhes dá uma arma”.

“De acordo com o último levantamento do Departamento Penitenciário Nacional, o DEPEN (2014), 49% dos presos no Brasil não completaram o ensino fundamental, e cerca de 10% não chegaram sequer a se alfabetizar”

É bom lembrar que, de acordo com o último levantamento do Departamento Penitenciário Nacional, o DEPEN (2014), 49% dos presos no Brasil não completaram o ensino fundamental, e cerca de 10% não chegaram sequer a se alfabetizar.

Considerando esses apontamentos, veja a seguir os dados da evasão escolar no município de Feira de Santana nos últimos anos:

Evasão escolar em Feira de Santana

Evasão escolar em Feira de Santana

Como se vê nos gráficos, a boa notícia, em Feira, é que a evasão escolar está num patamar inferior em relação à década passada. Em 2003 (ano que não consta nos gráficos), Feira teve um índice de 15% de evasão escolar no final do ensino fundamental.

Perceba que não estamos falando aqui da qualidade do ensino, uma variável importante, mas aparentemente não decisiva para a criminalização dos jovens. A questão é de pertencimento, como explica Marcos Rolim: “Esse jovem que não é nada, que é pobre e está marginalizado. Não tem autoria e não é reconhecido em lugar nenhum, que não existe, é um fantasma social, no momento em que ele entra para o tráfico de drogas ele passa a ser alguém. Passa a ter um valor. Ele passa a ser reconhecido pelos seus pares. Ele passa a impor respeito aos demais porque ele tem uma arma na cintura. Ele tem o dinheiro que o pai dele nunca teve. Ele passa a ser cortejado pelas meninas, que passam também a disputar essa figura, porque também representa status para elas. Ou seja, esse guri vira alguém. Ele se enche de poder. O tema da disputa desses jovens com o tráfico é um tema central. São raríssimos os municípios no Brasil que possuem programas para disputar esses jovens com o tráfico”.

É óbvio que outros muitos fatores participam da equação que resulta em um jovem violento, mas os indícios mostram que a evasão escolar é uma variável central desse problema. Certamente hoje Feira de Santana colhe tamanha insegurança pública não só por causa da dificuldade policial de contenção e prevenção da violência, mas também pela nossa incapacidade de manter nossos jovens em um lugar simbólico e social seguro (não necessariamente abastado financeiramente). Finalizo com outra observação importante de Marcos Rolim: “O crime é uma externalidade negativa com enorme custo social. Se a educação reduz o crime, então a escolarização produz benefícios sociais que não são levados em conta. Neste caso, o retorno social da educação ultrapassa em muito os ganhos individuais”.

É fundamental estarmos atentos(as) a isso!


Sobre o (a) autor (a):