União Médica

Crianças feirenses com Câncer recebem presente único

É muito comum que pessoas diagnosticadas com câncer tenham uma mudança grave em seu estilo de vida. O tratamento envolve desgastes físicos e emocionais significativos, exigindo um esforço pessoal e familiar fora do comum. No caso das crianças com câncer, a dificuldade se aprofunda, já que a infância é um período fundamental para o desenvolvimento da personalidade e do caráter de todo indivíduo. Nesse sentido, o ambiente familiar e social saudável torna-se imprescindível para compensar as dificuldades trazidas pela doença. A criança com câncer não pode ser menos criança: deve ter acesso a diversões, brincadeiras, atenção e inventividade próprios da

SAMU

Trote para o SAMU terá multa em Feira

O Governo Municipal sancionou a Lei 3.761, de 9 de outubro de 2017, que dispõe sobre a imputação de multas para os praticantes de trotes contra o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, o SAMU. Veja alguns artigos da Lei: Art. 1º – Fica passível de multa os proprietários de linhas telefônicas cujos aparelhos sejam utilizados para a prática de trotes contra o SAMU – Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Art. 2º – Identificando o número do telefone do infrator, este será encaminhado pelo SAMU através de um relatório às respectivas empresas telefônicas para que as mesmas forneçam os nomes

Desemprego em Feira de Santana

Emprego em Feira pode alcançar quarto ano de saldo negativo

Semana passada houve um festivo balanço sobre o desempenho da economia brasileira nos oito primeiros meses do ano. Em meio aos confetes, às autocongratulações, ao otimismo acerca do futuro redentor, alguém ponderou que é precoce assegurar que o pior já passou para o mercado de trabalho. Mas a advertência se perdeu em meio à algazarra que busca sufocar os vexatórios escândalos de corrupção que, a cada semana, ganham um novo capítulo, envolvendo Michel Temer (PMDB-SP), o mandatário de Tietê, e sua retaguarda palaciana. O raciocínio é oportuno, conforme uma análise superficial sobre os números mais recentes atesta. Embora registre tênue

Ensino Religioso

Escola sem partido, mas com religião

Quando criança, assisti às inevitáveis aulas de religião na escola. A professora era uma espécie de beata, muito afável e risonha, que frequentava a igreja católica ali do Alto do Cruzeiro, nas imediações do Sobradinho. Naqueles tempos, boa parte da população era católica. Eu próprio tive formação católica: assim, embora não me recorde mais do conteúdo das aulas, lembro que aquilo não me causava estranhamento. Tudo mudou quando cheguei à antiga sétima série, noutra escola: autoritária e intolerante, a professora provocava estranhamento e, não raras vezes, ojeriza à classe. Cavoucando a memória, recordo de uma freira que, uma vez por

Eliana Lima

Entrevista com Eliana Lima [Feirenses TV]

A Feira do Livro – Festival Literário e Cultural de Feira de Santana – nasceu da necessidade de despertar os dirigentes de instâncias públicas, privadas e filantrópicas para a importância de implementar políticas públicas do livro e da leitura na sociedade, e assim possibilitar o acesso de pessoas das diversas esferas sociais ao universo da leitura e das realizações culturais. A Feira já se consolidou como um evento importante para reunião de pessoas em torno da arte, da cultura e do entretenimento. Ela vem se constituindo como uma ação sociocultural que visa a potencializar a formação do leitor de todas

A interminável espera para o recadastramento biométrico

Tenho visto, com frequência, reclamações de eleitores sobre a dificuldade de fazer o cadastramento biométrico no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) aqui na Feira de Santana. O serviço, pelo que percebo, é péssimo nas duas modalidades: seja tentando agendar horário pela Internet, seja comparecendo ao posto para enfrentar filas monumentais e ficar, horas intermináveis, aguardando atendimento, exposto ao sol, à chuva e a uma humilhação injustificável.

Adepto moderado das novas tecnologias – e de um mínimo de comodidade – tento, há semanas, agendar o bendito atendimento, sem sucesso. Invariavelmente, as vagas são todas preenchidas em alguns poucos minutos: nunca consegui, sequer, esboçar a marcação. Ou enxergar, sequer, a mínima disponibilidade. É irritante embora, contraditoriamente, fique comovido – quase às lágrimas – com a demonstração de civismo do feirense.

“Quando vier a desilusão de que não conseguirei reservar uma mísera vaga, vou começar a acumular coragem para enfrentar uma madrugada em claro.”

Pretendo seguir tentando mais algum tempo. Quando vier a desilusão de que não conseguirei reservar uma mísera vaga, vou começar a acumular coragem para enfrentar uma madrugada em claro, ali nas imediações da avenida José Falcão, cercado por desafortunados iguais a mim, com olhos arregalados pela noite insone.

Imagino que, antes, será necessária toda uma preparação espiritual – com rezas, mandingas e promessas – para atravessar extensas horas ao relento, na insegura madrugada feirense. Mas esse será o lado emocionante do infortúnio. Há, também, o tédio da longa espera, sem ter o que fazer, com o hálito gelado do fim da noite soprando no rosto e, mais tarde, com o sol abrasador esquentando a cabeça, fazendo-a ferver. Com sorte, pode-se até tomar uma chuva.

Autoritarismo

Justiça Eleitoral

Para atenuar o tédio, pretendo escrever uma extensa reportagem. A luz opaca do poste de iluminação, o silêncio da madrugada rompido pelo ruído de um motor distante, o canto onipresente dos grilos, o eventual brilho das estrelas indiferentes, tudo isso vai para o bloco de notas.

Depois, a escuridão da madrugada que se dilui com as primeiras cores da manhã, a luz do sol iluminando o céu, o próprio astro dourado emergindo, castigando os infelizes à espera na fila. Mas pretendo me concentrar, sobretudo, na fauna enfileirada, exposta à humilhação que desavisados classificam como exercício de cidadania. Quem serão? O que terão para contar? Lá, na longa espera, saberei.

“Quem não realizar o recadastramento perderá uma série de direitos, adverte a publicidade autoritária, em tom ameaçador.”

Engraçado é o contraste com a propaganda intimidadora que a televisão veiculou no início do ano. Quem não realizar o recadastramento perderá uma série de direitos, adverte a publicidade autoritária, em tom ameaçador. E lá vão os eleitores infelizes, amargar intensos constrangimentos em filas quilométricas.

Tudo isso para votar nas excelências que nos governam, essas mesmas que figuram no noticiário com suas malas de dinheiro, com suas justificativas vergonhosas, com suas negociatas, com seus discursos rasteiros, com seu empenho para não mudar nada. Vendo o feirense ali, de pé, estoico, sob o sereno, a chuva e o sol, tenho certeza que vou coletar conteúdo para uma excelente reportagem.


Sobre o (a) autor (a):