Festival de Samba de Feira de Santana

Feira de Santana terá seu primeiro Festival de Samba

O Coletivo Unidos Pelo Samba promove entre os dias 2 e 9 de dezembro o I Festival de Samba de Feira de Santana. O evento visa promover diálogos e experiências de valorização e reconhecimento do samba na cidade, além de comemorar o Dia do Samba (2 de dezembro). Pela primeira vez receberá esse tipo de evento, reunindo experiências e vivências de compositores, sambistas e admiradores do samba com o público em geral. Na programação, rodas de samba e rodas de conversa que acontecerão no Mercado de Arte Popular (MAP) e em outros pontos da cidade. De acordo com o cantor

Feira Noise Festival

Feira Noise começa nesta quinta

Começa nesta quinta-feira (24) e prossegue até o próximo domingo (26), a sétima edição do Festival Feira Noise. O evento é promovido pelo Feira Coletivo Cultural e contará com apresentações musicais de artistas de todo o Brasil,  além de espetáculos de dança, rodas de conversa, intervenções de artes visuais e outras atividades. Maior festival independente da Bahia, o Feira Noise será aberto na quinta, às 19 horas, no teatro do Centro de Cultura Amélio Amorim, com a palestra Delírios Utópicos, proferida pelo teórico da contracultura e pensador contemporâneo Cláudio Prado, colunista da Mídia Ninja. Também teremos no primeiro dia do

Roberto Kuelho

Roberto Kuelho ganha Prêmio Palco MP3 com CD Sense Bulir

Um ano após o lançamento do CD Sense Bulir, o cantor Roberto Kuelho colhe frutos de seu trabalho. O artista baiano, e feirense, é um dos ganhadores do Prêmio Palco MP3 na categoria “Word Music”. O prêmio é uma realização do Palco MP3, o maior portal de música independente do Brasil. Entre as músicas em destaque no site estão “Nem precisa ser amor” e “Bem no Auge”, que foi ouvida mais de 115 mil vezes. “Esse prêmio nos deixa feliz por ser os primeiros resultado de um trabalho feito com carinho. Mostra que nosso som está encontrando as pessoas certas”,

Ciro Gomes

A palestra completa de Ciro Gomes em Feira de Santana

O presidenciável, ex-ministro dos governos Itamar Franco, Lula e Dilma, um dos criadores do Plano Real e ex-Governador do Ceará, Ciro Gomes, esteve em Feira de Santana no dia 1 de novembro, palestrando na Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Na oportunidade, respondeu a perguntas de alunos e professores da Universidade. Veja o evento na íntegra:  

Homicídios em Feira de Santana

Homicídios mais que dobraram em 20 anos em Feira

No dia 05 de julho de 1997 o extinto jornal Feira Hoje, diário que circulava aqui na Feira de Santana, divulgou um balanço da violência no primeiro semestre daquele ano. Comparando com o ano anterior, houve elevação: foram 77 homicídios e três latrocínios na primeira metade do ano; em 1996, os números foram mais favoráveis: 67 homicídios e quatro latrocínios. Na soma, 80 mortes violentas no primeiro semestre de 1997 e 71 no mesmo período do ano anterior. O levantamento também informava sobre as mortes em supostos confrontos com a polícia: foram 29 em 1996 e, no ano seguinte, o

Povo da Feira #7: Egídio, do Galpão de Farinha do Centro

— Qual a farinha boa que tu tem aí, Egídio?

— Tem uma copioba aqui da boa, torradinha. Quer quantos quilos?

Seu Egídio responde aos muitos clientes que aparecem, buscando farinha, feijão e outros insumos que vende no galpão de cereais do Centro de Abastecimento. Com voz grave e brilhante, demonstra ter muita disposição para o trabalho, mesmo estando aos 73 anos de idade.

Egídio

 

Natural de Candeal, encontrou em Feira de Santana a oportunidade de se desenvolver comercialmente, através da venda de farinha, trabalho que faz há cinquenta anos, ainda quando o atual Mercado de Arte Popular era um mercado comum. Também chegou a atuar na Marechal Deodoro, até que o Centro de Abastecimento foi fundado, e Egídio esteve entre os primeiros comerciantes do lugar: “Foi José Falcão que trouxe agente pra cá, isso lá em 1977!”, diz ele relembrando o início do Centro.

Perguntado sobre aposentadoria, responde imediatamente: “Não penso em parar não. Parado a gente fica muito amofinado depois de velho. E aqui não, você fica ligado!”. Logo após ele dá uma grande gargalhada, como quem brinca as necessidades da velhice.

Seu Egídio

 

Seu Egídio tem oito netos e cinco filhos, o mais velho com mais de 40 anos. A esposa tem 68, e também é natural de Candeal. Frequentador da Igreja Internacional da Graça, ele faz questão de exaltar o cuidado com a saúde e a vida ortodoxa que segue: “Nunca fui de bebida. Nunca fumei na minha vida… Graças a Deus. Ontem mesmo, peguei o resultado dos exames de próstata, que faço todo ano. Tem exame que faço de seis em seis meses… Tudo em cima. Eu me cuido bem! Não sinto nada!”.

Além da prevenção médica, faz exercícios físicos regulares. Como mora no bairro Jardim Cruzeiro, caminha e corre na Rua Andaraí.

Ao ser perguntado sobre como se diverte, Seu Egídio não sabe bem o que responder. Parece não fazer sentido para ele a existência de atividades feitas para a diversão, já que sorri, gargalha e descontrai ali, no cotidiano, orgulhoso de portar seus mais de 70 anos saudáveis, sem qualquer indício de vulnerabilidade.

Peço dois quilos de copioba e saio com a grande lição: o sorriso foi feito para o dia-a-dia.


Sobre o (a) autor (a):