Festival de Samba de Feira de Santana

Feira de Santana terá seu primeiro Festival de Samba

O Coletivo Unidos Pelo Samba promove entre os dias 2 e 9 de dezembro o I Festival de Samba de Feira de Santana. O evento visa promover diálogos e experiências de valorização e reconhecimento do samba na cidade, além de comemorar o Dia do Samba (2 de dezembro). Pela primeira vez receberá esse tipo de evento, reunindo experiências e vivências de compositores, sambistas e admiradores do samba com o público em geral. Na programação, rodas de samba e rodas de conversa que acontecerão no Mercado de Arte Popular (MAP) e em outros pontos da cidade. De acordo com o cantor

Feira Noise Festival

Feira Noise começa nesta quinta

Começa nesta quinta-feira (24) e prossegue até o próximo domingo (26), a sétima edição do Festival Feira Noise. O evento é promovido pelo Feira Coletivo Cultural e contará com apresentações musicais de artistas de todo o Brasil,  além de espetáculos de dança, rodas de conversa, intervenções de artes visuais e outras atividades. Maior festival independente da Bahia, o Feira Noise será aberto na quinta, às 19 horas, no teatro do Centro de Cultura Amélio Amorim, com a palestra Delírios Utópicos, proferida pelo teórico da contracultura e pensador contemporâneo Cláudio Prado, colunista da Mídia Ninja. Também teremos no primeiro dia do

Roberto Kuelho

Roberto Kuelho ganha Prêmio Palco MP3 com CD Sense Bulir

Um ano após o lançamento do CD Sense Bulir, o cantor Roberto Kuelho colhe frutos de seu trabalho. O artista baiano, e feirense, é um dos ganhadores do Prêmio Palco MP3 na categoria “Word Music”. O prêmio é uma realização do Palco MP3, o maior portal de música independente do Brasil. Entre as músicas em destaque no site estão “Nem precisa ser amor” e “Bem no Auge”, que foi ouvida mais de 115 mil vezes. “Esse prêmio nos deixa feliz por ser os primeiros resultado de um trabalho feito com carinho. Mostra que nosso som está encontrando as pessoas certas”,

Ciro Gomes

A palestra completa de Ciro Gomes em Feira de Santana

O presidenciável, ex-ministro dos governos Itamar Franco, Lula e Dilma, um dos criadores do Plano Real e ex-Governador do Ceará, Ciro Gomes, esteve em Feira de Santana no dia 1 de novembro, palestrando na Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Na oportunidade, respondeu a perguntas de alunos e professores da Universidade. Veja o evento na íntegra:  

Homicídios em Feira de Santana

Homicídios mais que dobraram em 20 anos em Feira

No dia 05 de julho de 1997 o extinto jornal Feira Hoje, diário que circulava aqui na Feira de Santana, divulgou um balanço da violência no primeiro semestre daquele ano. Comparando com o ano anterior, houve elevação: foram 77 homicídios e três latrocínios na primeira metade do ano; em 1996, os números foram mais favoráveis: 67 homicídios e quatro latrocínios. Na soma, 80 mortes violentas no primeiro semestre de 1997 e 71 no mesmo período do ano anterior. O levantamento também informava sobre as mortes em supostos confrontos com a polícia: foram 29 em 1996 e, no ano seguinte, o

Cinemas Imaginários – cinemas de rua em Feira de Santana

Já se vão não sei quantos anos que o Cine Timbira deixou de ser cinema, e as ruas e praças da cidade deixaram de ser o espaço da meninada em suas tradicionais diabruras. Difícil de imaginar que poucas crianças, hoje em dia, se dariam ao luxo de ficar até as dez da noite, de praça em praça, brincando de bola, ou mesmo de esconde-esconde, em meio às ruas centrais da cidade. Hoje, que as ruas sucumbem diante da supremacia dos novos projetos residenciais. Nada contra! É apenas uma observação, diante das transformações que vivenciamos nos espaços públicos, e que faz dos cinemas de rua um atestado vivo (melhor, morto!), de todo esse processo.

Sei que é difícil de imaginar que bem ali pertinho da Prefeitura, onde hoje se localiza a Loja Americanas, havia um típico cinema de rua. Reza a lenda que, mesmo antes do finado Cine Timbira, houve por lá um outro, muito mais antigo, o Cine Santanópolis. Não me lembro desse, já que nem nascido era; mas do Timbira com certeza sou capaz de rememorar tim-tim por tim-tim, como era, como foi e como nunca mais será.

Cinemas de Rua de Feira de Santana

Raul Julia, interpretando Gomez Addams.

Mas é verdade, acreditem, as Americanas da Senhor dos Passos um dia foi cinema. Difícil de acreditar, sei disso. Faz alguns meses que tive por lá, e pude atestar in loco quão maravilhosa fora a transformação operada ali. Engraçado lembrar agora de ter assistido por lá ao filme Família Adams (1994), então ainda como um guri, desses que não podia andar pela rua se não fosse de mãos dadas. Lembro bem das cadeiras acolchoadas do velho cinema, todas avermelhadas, e a imagem na tela projetando os olhos esbulhados de Raul Julia, ao interpretar Gomez Addams. Lembro ainda de haver no Timbira uma bomboniere, e seria capaz de recordar dos doces que tanto fizeram a nossa alegria por aqueles idos: o Caramelo de Leite da Nestlé, o pirulito do Zorro, que tanto grudava nos dentes, ou ainda o surreal Cigarrinhos de Chocolate, que estampava uma criança a empunhar, acreditem, um cigarro, numa espécie de sátira farsesca para esse mundo que muito bem poderia ter saído das telas do finado Cine Timbira.

Os cinemas de Feira de Santana

Sou capaz de citar ainda outro filme que vi por lá. Chamava-se Junior (1994), e contava a estória de um grandalhão, interpretado por Arnold Schwarzenegger, que, inusitadamente, havia ficado grávido. Lembro que esse filme ainda contava com a participação de Danny DeVito fazendo algum papel, que não lembro bem qual era. O mais importante é que, dia desses, estive na loja Americanas, e não pude deixar de rir, ao me deparar, em uma das sessões, com os DVDs dos dois filmes. Não só os doces haviam mudado. Nada contra as mudanças! Deixemos isso bem claro!

Cinemas feirenses

Arnold Schwarzenegger em “Junior” (1994)

No antigo Cine Central, localizado em frente ao Feira Tênis Clube, as lembranças correm soltas: de estranhos filmes B acerca da guerra do Vietnã, que ainda teimavam em serem exibidos nos cinemas mundiais já na aurora da década de noventa, ou todas as imagens espetaculares das miscelâneas de filmes produzidas para a criançada. Uma infinidade de filmes era exibida por lá, desde a saga infinita dos Trapalhões, ou uma cinematografia pré-Harry Potter, como a infindável saga História Sem fim (1984, 1990 e 1994).

Mas o que aconteceria com o Cine Central? Dos cômicos nacionais aos heróis hollywoodianos, se tornaria o espaço para o melhor da cinematografia pornográfica em Feira de Santana. E, de alguma maneira, houve algo de muito digno nisso.

Já se vão alguns anos, a Micareta já havia deixado o aperto da Getúlio, indo ocupar as vastidões da Presidente Dutra, e lembro, agora, mais do que nunca, do Cine Íris, ali, quase em frente ao ponto do Nordestino; ali, onde hoje existe somente o vazio, um símbolo do processo de transformação de nossa cidade. Foi por lá que vi Matrix (1999), junto com alguns colegas, depois de filarmos aula no Colégio Castro Alves. Que me perdoe a professora Bibi, filei para ir ver Matrix! E só quem assistiu o primeiro em um cinema sabe do que estou falando. Não havia como não se empolgar com todos aqueles efeitos especiais. Qualquer um poderia realmente achar ter descoberto o princípio da irrealidade do mundo, as forças operatórias das simulações que constituiriam a superfície da nossa tênue realidade.

Cine Íris

É verdade, a cidade, assim como a nossa realidade, não era o que imaginávamos. E é bem possível que nunca tenha sido, já que uma nova cidade sempre se erguerá por cima de outras. Vão-se os prédios, ficam o imaginário transformado pelas forças operatórias que regem as construções e desconstruções. E talvez seja essa a força pulsante de nossa condição. Destruir e reconstruir: isso sim é puramente lógico. Nos cinemas de rua de Feira de Santana assisti a tantos outros filmes, quase sempre os estrangeiros, como rezava a boa cartilha dessa nossa geração que atravessaria os inquestionáveis anos 90, e os sorrateiros anos 2000, em puro devaneio. Matrix era, sem dúvida, uma boa metáfora para esse mundo prestes a se desmoronar, como sempre é, como sempre foi, e sempre será!

Ao longo desses anos, então, de mãos dadas com Deus, ao lado do Diabo, os cinemas de rua seriam de tudo um pouco: espaço de fé, espaço de sexo, templo do consumo do varejo, algum novo mercado, mais um novo estacionamento a ocupar as velhas ruínas. Um lado saudosista observa tudo isso, enquanto um outro saúda a transformação, o jogo atabalhoado entre um mais novo fim e um outro velho começo. “A volta dos que não foram II”, anunciariam os cartazes desses cinemas imaginários.

E o que essas ruínas querem nos dizer? Talvez algo sobre os nossos sentidos e a forma como o nosso imaginário, ao longo desses anos, se transforma, acompanhando as modificações urbanas, sociais e culturais inscritas na cidade. Mas qual seria a lógica desses esvaziamentos centrais? Não somente do esvaziamento material do concreto a ocupar a cidade em suas dinâmicas; mas digo de um outro, perceptível na forma como sentimos e percebemos a cidade em sua própria dinâmica expressiva, algo como uma linguagem a nos oferecer sentidos e significados: como iremos ler a nossa cidade?


Sobre o (a) autor (a):