Diagnóstico Cultural

Resultado de diagnóstico cultural será apresentado a Feira de Santana

Nesta terça, 27 de junho, às 19h, será realizada, no Teatro Margarida Ribeiro, a apresentação dos resultados do Diagnóstico Cultural de Feira de Santana, realizado em 2016 pelo Galpão Cine Horto, em parceria com a Habitus Pesquisa. O Galpão Cine Horto é uma organização cultural de Minas Gerais, que realiza projetos culturais (cursos, pesquisas, oficinas e eventos) em diversos segmentos, envolvendo ativistas e artistas do Brasil e do exterior. O Diagnóstico buscou identificar o perfil da cultura local, seus agentes e manifestações, bem como as principais potencialidades e vulnerabilidades da cultura no município. Para isso, foram realizadas entrevistas, questionários e

A chuva em Feira de Santana

Chuvas garantiram fartura nos festejos juninos

Quem se aventurou pelo Centro de Abastecimento nos dias que antecederam os festejos juninos pôde notar uma significativa diferença em relação ao ano passado: a oferta de produtos se ampliou, inclusive com expressiva redução de preços em relação a 2016. Tudo por conta das chuvas que começaram a cair nos primeiros dias de abril e que se estenderam até aqui, meados do mês de junho. Embora o semiárido siga carecendo de mais chuva, sobretudo para reforçar os reservatórios, o inverno sertanejo representou uma trégua feliz na rotina de secas dos últimos anos. Foi visível a fartura do amendoim, do milho

A música regional do nordeste em 5 discos dos anos 1970

Que os anos de 1970 foram, de modo geral, bastante conturbados, isso não é novidade para ninguém, todavia, poucas épocas nos deixaram um legado de diversidade musical tão grande. Seja com o fim do classic rock ou com o nascimento da discoteca, da incorporação de instrumentos eruditos ao rock’n’roll, à revitalização do samba carioca, ambos iniciados no final dos anos 60, a década de 70 também se responsabilizou por muitos outros “resgates”, entre eles, o da música nordestina. Na segunda metade da década de 70, muitos artistas surgiram com a proposta de trazer de volta o que havia de mais

Quando Luiz Gonzaga vinha a Feira de Santana

De acordo com relatos de fontes diversas, sabe-se que Luiz Gonzaga, o Gonzagão, ícone maior da música nordestina, esteve algumas vezes da sua extensa carreira em Feira de Santana. O jornalista e colecionador de reminiscências feirenses Adilson Simas é uma das fontes mais confiáveis nesse sentido, lembrando uma das ocasiões em que o Rei do Baião pisou em terras feirenses: “Em 1973, ano do seu centenário de emancipação política, a Feira de Santana, de janeiro a dezembro, recebeu grandes personalidades. Luiz Gonzaga, mais tarde laureado com o título de Cidadão Feirense e que aqui fez várias apresentações, desde a marquise

Estacionamento de motos em Feira de Santana

A nova regra para motos em estacionamentos privados de Feira

Os proprietários de motocicletas em Feira de Santana não precisarão pagar o mesmo valor dos carros quando forem utilizar  estacionamentos privados no município. Foi publicada uma Lei Municipal regulamentando a situação no Diário Oficial do Município. Veja a Lei na íntegra: Dispõe sobre os critérios de diferentes taxas cobradas em estacionamentos privativos para motocicletas e automóveis. O PREFEITO MUNICIPAL DE FEIRA DE SANTANA, ESTADO DA BAHIA, FAÇO saber que a Câmara Municipal, através do Projeto de Lei nº 16/2017, de autoria do Edil Ewerton Carneiro da Costa, decretou e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º – Fica posto em

Uma cervejaria que conta a história de Feira de Santana

Em Feira de Santana existe certa tendência empreendedora que se apoia na negação da cidade como estratégia de sucesso. A ideia é representar um ideal moderno e estrangeiro dissociado das raízes históricas e culturais de Feira, e, não raro, cobrar mais caro por isso.

Daí surge a necessidade da valorização de iniciativas que, na contramão do modismo sem legitimidade cultural, afirmam Feira de Santana no seu modelo de negócio, trazendo não só bônus econômicos para o município, mas também o fortalecimento de uma identidade genuinamente feirense. É o caso da Cervejaria Sertões, que vem se tornando referência em cervejas artesanais em Feira de Santana e fora da cidade.

Matheus Barros, sociólogo e um dos sócios da Cervejaria, explica um pouco do conceito por trás da Sertões: “A Cervejaria Sertões é uma inciativa para a cidade. Todos os nossos rótulos falam sobre Feira de Santana e seus processos modernizadores. Nossa perspectiva estética e identitária está permeada por esse nosso desejo de falar do nosso lugar, da nossa cultura, do nosso povo. Os rótulos iniciais que lançamos falam sobre uma Feira em transformação, uma Feira que entra no jogo do ‘progresso’. Na história que contamos nos rótulos respeitamos a diversidade do nosso povo, tal como os símbolos que fizeram/fazem parte da nossa história. Falar sobre Feira é a nossa estratégia de mercado!”.

Os sócios Murilo, Matheus e Thiago

Os sócios Murilo, Matheus e Thiago

A Cervejaria Sertões trabalha atualmente com quatro rótulos – todos com temáticas feirenses. Dois deles falam de históricos espaços de divertimento em Feira: o Cassino Irajá e a Sorveteria Sueto. Os demais fazem referência ao trabalho “Voodoo”, da banda feirense Clube de Patifes e ao Fluminense de Feira, uma inovação e tanto para o mais tradicional clube feirense de futebol.

Os rótulos da Cervejaria Sertões: Cassino Irajá, Touro do Sertão, Sueto e Experiência Voodoo

Os rótulos da Cervejaria Sertões: Cassino Irajá, Touro do Sertão, Sueto e Experiência Voodoo

“Foi nessa caminho que decidimos lançar a cerveja oficial do Fluminense de Feira (o único time da Bahia a ter uma cerveja oficial, e um dos poucos do Brasil). Brincar com esse imaginário, um imaginário tão forte quanto o do Fluminense, é trazer à tona lembranças e signos que estão intrincados nos feirenses. Quando eu era pequeno meu pai sempre me levava ao estádio. Isso ocorreu com muitas pessoas! A vivência do futebol, o contato com outras pessoas despertou uma paixão que, necessariamente não se resume ao time, mas, sim, a uma cidade que proporciona nossas experiências de vida. Sou um amante da Feira!”, diz Mateus entusiasmado.

Touro do Sertão: a cerveja do Flu de Feira

Touro do Sertão: a cerveja do Flu de Feira

No início deste ano a Sertões passou por um processo importante de expansão, abrindo seu próprio bar, onde vende as cervejas autorais, outras cervejas baianas e rótulos especiais conhecidos nacional e internacionalmente. Matheus promete novidades em breve: “Nossa próxima linha falará das subalternidades, de uma Feira que tenciona”, diz ele lembrando que lugares como o Cassino Irajá e a Sorveteria Sueto eram frequentados pela elite feirense.

O bar da Cervejaria Sertões

O bar da Cervejaria Sertões

O Bar da Cervejaria Sertões fica na Avenida Santo Antônio, nº 870, bairro Ponto Central. Além das cervejas artesanais, o espaço oferece drinks especiais e um cardápio de pratos variados.

“Precisamos lidar com nossas memórias, temos que conhecer o nosso passado, tudo isso permite ter outra relação com a cidade, com as pessoas. Feira de Santana precisa, cada vez mais, de feirenses!”, finaliza Mateus, um apaixonado por Feira de Santana.

 

A Cervejaria Sertões está no Facebook e no Instagram.

 


Sobre o (a) autor (a):