Novas regras para utilizar som

As novas regras para utilização de som em Feira de Santana

Foi publicada no Diário Oficial de Feira de Santana uma nova Lei tratando sobre a emissão de sons urbanos, fixando níveis e horários em que será permitida a emissão, além de possibilitar doação, leilão e destruição de equipamentos sonoros apreendidos. De acordo com a Lei 3.736, os níveis máximos de sons e ruídos, de qualquer fonte emissora e natureza, em empreendimentos ou atividades residenciais, comerciais de serviços, institucionais, industriais ou especiais, públicas ou privadas, sons e ruídos causados por máquinas, motores, compressores ou geradores estacionários, assim como em veículos automotores são de: 60 db (sessenta decibéis), no período compreendido entre

Cadastramento Biométrico

A interminável espera para o recadastramento biométrico

Tenho visto, com frequência, reclamações de eleitores sobre a dificuldade de fazer o cadastramento biométrico no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) aqui na Feira de Santana. O serviço, pelo que percebo, é péssimo nas duas modalidades: seja tentando agendar horário pela Internet, seja comparecendo ao posto para enfrentar filas monumentais e ficar, horas intermináveis, aguardando atendimento, exposto ao sol, à chuva e a uma humilhação injustificável. Adepto moderado das novas tecnologias – e de um mínimo de comodidade – tento, há semanas, agendar o bendito atendimento, sem sucesso. Invariavelmente, as vagas são todas preenchidas em alguns poucos minutos: nunca consegui, sequer,

Superlotado, Conjunto Penal segue esquecido no noticiário

O Conjunto Penal de Feira de Santana abriga, no total, quase dois mil internos. São, precisamente, 1.912 pessoas encarceradas na unidade prisional. Há muito mais gente do que vaga: oficialmente, existe capacidade para abrigar 1.356 internos. A quantidade de presos excedentes, portanto, está em exatos 556. É gente suficiente para lotar um desses presídios modernos, nos quais se alojam menos internos. Note-se que, recentemente, a unidade penal feirense passou por uma ampliação. Os números acima são oficiais e integram um balanço recente, referente ao mês de julho, divulgado pela Secretaria Estadual de Administração Penitenciária e Ressocialização, a SEAP. No interior,

Por que as motos de baixa cilindrada inundam o trânsito de Feira

Em São Paulo-SP, existe uma motocicleta para cada 15 habitantes. Em Salvador, são 22 habitantes para cada motocicleta. Em Aracaju, para cada motocicleta, há 10 habitantes. Em Feira de Santana, são apenas 6 habitantes por motocicletas. A quantidade de motonetas, motos dirigidas pelo condutor em posição sentada, em Feira de Santana chama ainda mais a atenção. No ranking nacional, de acordo com dados do DENATRAN (2016), Feira fica atrás apenas de seis capitais na quantidade de motonetas. Estamos à frente de metrópoles como Belo Horizonte, Porto Alegre, Salvador e Fortaleza. São mais de 18 mil motonetas contabilizadas no município. Para

Maryzélia no Encontro

Cantora feirense Maryzélia participa do Encontro com Fátima [vídeos]

A sambista feirense Maryzélia conquistou mais um degrau de visibilidade nacional nesta terça, com a participação no programa Encontro com Fátima Bernardes, da Rede Globo. Maryzélia cantou com Pretinho da Serrinha, cantor, compositor, instrumentista que tem parcerias em sua carreira com grandes nomes da MPB, a exemplo de Beth Carvalho, Arlindo Cruz, Seu Jorge, Marisa Monte, Lulu Santos, Dona Ivone Lara, Caetano Veloso e Teresa Cristina. Veja alguns momentos da participação de Maryzélia:  

O ranking do ENEM e o mérito de 3 escolas públicas feirenses

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas – INEP divulgou o desempenho das escolas brasileiras na edição 2014 do Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM. Não é surpreendente pra mim nem pra você que escolas privadas ocupem as primeiras posições. Não é surpreendente, sobretudo, para o Ministro da Educação, Renato Janine, que aponta o fator socioeconômico como sendo o “mais cruel” de toda essa análise. Segundo ele, além deste, os outros fatores são o tamanho da escola (e a tendência à seleção dos alunos) e o grau de permanência do aluno na escola.

Aqui, não vou focar nas escolas particulares. O motivo eu acabei de dizer e é bem óbvio. O nível socioeconômico e cultural das famílias é uma mola para muitas escolas. É um fator externo que invade esses espaços. Negativa e positivamente. Mas não vou omitir as honras às escolas privadas feirenses que ficaram acima da média nacional (517,60):

1º – Colégio Helyos

2º – Colégio Acesso

3º – Colégio Gênesis

4º – Colégio Nobre

5º – Colégio Santo Antônio

6º – Escola Castro Alves

7º – Colégio Visão

8º – Colégio Padre Ovídio

9º – Colégio Anísio Teixeira

10º – Colégio Intelecto

11º – Colégio Simétrico

12º – Colégio Super Star

13º – Colégio Interação

Como meu avô dizia, “Não existe escola ruim para aluno bom”. Concordo até certo ponto. Aluno bom precisa de incentivo, de estímulo, de desafios. Retifico, aliás, minhas próprias palavras: todo aluno precisa de incentivo, estímulo e desafios. Não apenas os “bons”. Aluno bom é aluno impulsionado. Os profissionais do ensino público sabem que existem inúmeros motivos para eles mesmos se sentirem pouco tudo isso. Imagine quando falamos de adolescentes (faixa etária do Ensino Médio, segmento analisado pelo ENEM).

Os outros dois fatores considerados por Renato Janine foram o tamanho da escola e o grau de permanência dos alunos nesse espaço (este índice é inédito na edição 2014). Escolas menores tendem a reunir alunos mais preparados, uma vez que, muitas delas, realizam uma pré-seleção dos que ali vão ingressar. Ou seja, constroem um nicho de estudantes com mais “competências”. O que se torna fácil ocupar melhores posições. O fator “permanência” trata da quantidade (percentual) de alunos que fizeram o Exame e que estudaram os três anos do Ensino Médio na mesma escola. Escolas com menor percentual denunciam que pode ter havido, segundo o ministro, uma saída de alunos menos preparados e/ou uma entrada de alunos mais qualificados. O que altera a forma e não a realidade.

“É o aluno da Av. Paulista (onde fica o colégio que ocupa o 1º lugar geral e que foca em estudantes campeões de olimpíadas de conhecimento) competindo com o aluno da periferia de Feira de Santana”

O fato é que o ranking lida com contextos completamente diferentes. Escolas e alunos com realidades completamente distintas. É o aluno da Av. Paulista (onde fica o colégio que ocupa o 1º lugar geral e que foca em estudantes campeões de olimpíadas de conhecimento) competindo com o aluno da periferia de Feira de Santana (e de cidades muito menores e com bem menos recursos). Sem falar que, entre as escolas públicas, as federais recebem mais incentivos que as estaduais e as municipais. Essa disparidade é claramente reconhecida pelo presidente do INEP, Francisco Soares, quando ele diz que a comparação escolar do ranking do ENEM é como pôr Ronda Rousey pra lutar com Rodrigo Minotauro. Eu, sinceramente, acho que seria ainda mais estapafúrdio: seria pôr Rodrigo Minotauro pra lutar com Daniele Hypolito. O que quero dizer é que ambos são completamente capazes de apreender conhecimento, de enriquecer habilidades. Mas estão em “modalidades” completamente distintas.

Mais sóbria é a colocação de Renato Janine, ao dizer que “melhor desempenho não é você receber um aluno com nota 500 e formá-lo com nota 600. O melhor desempenho talvez seja você recebê-lo com nota 200 e dar um resultado 400. Você terá dobrado e você terá aumentado em 200 pontos lineares esse aluno. Ainda assim, com 400 ele vai estar aquém de muitos outros de outras escolas. Mas o trabalho dessa escola terá sido notável e essa escola merece realmente um caráter exemplar”.

Aqui, não nego que parabenizo com maior entusiasmo três colégios feirenses públicos que romperam muitos “poréns” e ficaram acima da média nacional:

1º – Instituto Federal da Bahia – IFBA Campus Feira de Santana

2º – Colégio da Polícia Militar CPM Diva Portela

3º – Colégio Modelo Luís Eduardo Magalhães (o 1º colocado entre todos os Colégio Modelo baianos)

Escolas Feirenses no ENEM

O ranking ENEM é apenas um termômetro, como bem reconhecido por Janine. Que pode e deve servir como instrumento de empoderamento para que as famílias (e os próprios alunos) cobrem e façam essa temperatura subir.


Sobre o (a) autor (a):