Rio Jacuípe

O Feirenses vai voltar!

O Feirenses vai voltar!

Desde quando iniciamos, em maio de 2015, sabíamos que fazer o Feirenses seria desafiador. Uma iniciativa completamente independente, sem vínculos com quaisquer organizações (públicas ou privadas) e ambiciosa: criatividade, inovação, profundidade, originalidade, democracia e coletividade foram algumas palavras-chave que os/as fundadores/as entusiasticamente pronunciavam em cada conversa pré e pós-produção dos conteúdos. Três anos após a primeira publicação, podemos dizer com orgulho que contribuímos para o ambiente de publicações em Feira de Santana, e que tudo estaria bem se continuássemos hibernando – como ocorre há quase um ano. Importante dizer que essa suspensão das atividades do Feirenses deu-se pela própria natureza

Festival de Samba de Feira de Santana

Feira de Santana terá seu primeiro Festival de Samba

O Coletivo Unidos Pelo Samba promove entre os dias 2 e 9 de dezembro o I Festival de Samba de Feira de Santana. O evento visa promover diálogos e experiências de valorização e reconhecimento do samba na cidade, além de comemorar o Dia do Samba (2 de dezembro). Pela primeira vez receberá esse tipo de evento, reunindo experiências e vivências de compositores, sambistas e admiradores do samba com o público em geral. Na programação, rodas de samba e rodas de conversa que acontecerão no Mercado de Arte Popular (MAP) e em outros pontos da cidade. De acordo com o cantor

Feira Noise Festival

Feira Noise começa nesta quinta

Começa nesta quinta-feira (24) e prossegue até o próximo domingo (26), a sétima edição do Festival Feira Noise. O evento é promovido pelo Feira Coletivo Cultural e contará com apresentações musicais de artistas de todo o Brasil,  além de espetáculos de dança, rodas de conversa, intervenções de artes visuais e outras atividades. Maior festival independente da Bahia, o Feira Noise será aberto na quinta, às 19 horas, no teatro do Centro de Cultura Amélio Amorim, com a palestra Delírios Utópicos, proferida pelo teórico da contracultura e pensador contemporâneo Cláudio Prado, colunista da Mídia Ninja. Também teremos no primeiro dia do

Roberto Kuelho

Roberto Kuelho ganha Prêmio Palco MP3 com CD Sense Bulir

Um ano após o lançamento do CD Sense Bulir, o cantor Roberto Kuelho colhe frutos de seu trabalho. O artista baiano, e feirense, é um dos ganhadores do Prêmio Palco MP3 na categoria “Word Music”. O prêmio é uma realização do Palco MP3, o maior portal de música independente do Brasil. Entre as músicas em destaque no site estão “Nem precisa ser amor” e “Bem no Auge”, que foi ouvida mais de 115 mil vezes. “Esse prêmio nos deixa feliz por ser os primeiros resultado de um trabalho feito com carinho. Mostra que nosso som está encontrando as pessoas certas”,

Ciro Gomes

A palestra completa de Ciro Gomes em Feira de Santana

O presidenciável, ex-ministro dos governos Itamar Franco, Lula e Dilma, um dos criadores do Plano Real e ex-Governador do Ceará, Ciro Gomes, esteve em Feira de Santana no dia 1 de novembro, palestrando na Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Na oportunidade, respondeu a perguntas de alunos e professores da Universidade. Veja o evento na íntegra:  

O ranking do ENEM e o mérito de 3 escolas públicas feirenses

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas – INEP divulgou o desempenho das escolas brasileiras na edição 2014 do Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM. Não é surpreendente pra mim nem pra você que escolas privadas ocupem as primeiras posições. Não é surpreendente, sobretudo, para o Ministro da Educação, Renato Janine, que aponta o fator socioeconômico como sendo o “mais cruel” de toda essa análise. Segundo ele, além deste, os outros fatores são o tamanho da escola (e a tendência à seleção dos alunos) e o grau de permanência do aluno na escola.

Aqui, não vou focar nas escolas particulares. O motivo eu acabei de dizer e é bem óbvio. O nível socioeconômico e cultural das famílias é uma mola para muitas escolas. É um fator externo que invade esses espaços. Negativa e positivamente. Mas não vou omitir as honras às escolas privadas feirenses que ficaram acima da média nacional (517,60):

1º – Colégio Helyos

2º – Colégio Acesso

3º – Colégio Gênesis

4º – Colégio Nobre

5º – Colégio Santo Antônio

6º – Escola Castro Alves

7º – Colégio Visão

8º – Colégio Padre Ovídio

9º – Colégio Anísio Teixeira

10º – Colégio Intelecto

11º – Colégio Simétrico

12º – Colégio Super Star

13º – Colégio Interação

Como meu avô dizia, “Não existe escola ruim para aluno bom”. Concordo até certo ponto. Aluno bom precisa de incentivo, de estímulo, de desafios. Retifico, aliás, minhas próprias palavras: todo aluno precisa de incentivo, estímulo e desafios. Não apenas os “bons”. Aluno bom é aluno impulsionado. Os profissionais do ensino público sabem que existem inúmeros motivos para eles mesmos se sentirem pouco tudo isso. Imagine quando falamos de adolescentes (faixa etária do Ensino Médio, segmento analisado pelo ENEM).

Os outros dois fatores considerados por Renato Janine foram o tamanho da escola e o grau de permanência dos alunos nesse espaço (este índice é inédito na edição 2014). Escolas menores tendem a reunir alunos mais preparados, uma vez que, muitas delas, realizam uma pré-seleção dos que ali vão ingressar. Ou seja, constroem um nicho de estudantes com mais “competências”. O que se torna fácil ocupar melhores posições. O fator “permanência” trata da quantidade (percentual) de alunos que fizeram o Exame e que estudaram os três anos do Ensino Médio na mesma escola. Escolas com menor percentual denunciam que pode ter havido, segundo o ministro, uma saída de alunos menos preparados e/ou uma entrada de alunos mais qualificados. O que altera a forma e não a realidade.

“É o aluno da Av. Paulista (onde fica o colégio que ocupa o 1º lugar geral e que foca em estudantes campeões de olimpíadas de conhecimento) competindo com o aluno da periferia de Feira de Santana”

O fato é que o ranking lida com contextos completamente diferentes. Escolas e alunos com realidades completamente distintas. É o aluno da Av. Paulista (onde fica o colégio que ocupa o 1º lugar geral e que foca em estudantes campeões de olimpíadas de conhecimento) competindo com o aluno da periferia de Feira de Santana (e de cidades muito menores e com bem menos recursos). Sem falar que, entre as escolas públicas, as federais recebem mais incentivos que as estaduais e as municipais. Essa disparidade é claramente reconhecida pelo presidente do INEP, Francisco Soares, quando ele diz que a comparação escolar do ranking do ENEM é como pôr Ronda Rousey pra lutar com Rodrigo Minotauro. Eu, sinceramente, acho que seria ainda mais estapafúrdio: seria pôr Rodrigo Minotauro pra lutar com Daniele Hypolito. O que quero dizer é que ambos são completamente capazes de apreender conhecimento, de enriquecer habilidades. Mas estão em “modalidades” completamente distintas.

Mais sóbria é a colocação de Renato Janine, ao dizer que “melhor desempenho não é você receber um aluno com nota 500 e formá-lo com nota 600. O melhor desempenho talvez seja você recebê-lo com nota 200 e dar um resultado 400. Você terá dobrado e você terá aumentado em 200 pontos lineares esse aluno. Ainda assim, com 400 ele vai estar aquém de muitos outros de outras escolas. Mas o trabalho dessa escola terá sido notável e essa escola merece realmente um caráter exemplar”.

Aqui, não nego que parabenizo com maior entusiasmo três colégios feirenses públicos que romperam muitos “poréns” e ficaram acima da média nacional:

1º – Instituto Federal da Bahia – IFBA Campus Feira de Santana

2º – Colégio da Polícia Militar CPM Diva Portela

3º – Colégio Modelo Luís Eduardo Magalhães (o 1º colocado entre todos os Colégio Modelo baianos)

Escolas Feirenses no ENEM

O ranking ENEM é apenas um termômetro, como bem reconhecido por Janine. Que pode e deve servir como instrumento de empoderamento para que as famílias (e os próprios alunos) cobrem e façam essa temperatura subir.


Sobre o (a) autor (a):